Home » Artigos arquivados » 1997 – Instalação de ZIP Drive

1997 – Instalação de ZIP Drive

Instalação de ZIP Drive

Autor: Laércio Vasconcelos
Dezembro/1997

Os ZIP Drives eram muito populares, até que os gravadores de CDs ficaram baratos. ZIP Drives não são mais produzidos, mas você pode precisar instalá-los para ler informações salvas nesse tipo de disco. Aborda também o EZ-Drive, um outro tipo de disco concorrente do ZIP na época.

OBS: Certamente você já ouviu falar muito em ZIP Drive, e provavelmente não ouviu falar em EZ Drive. O EZ Drive foi desenvolvido para ser um concorrente do ZIP Drive, mas por razões de mercado, foi um fracasso de vendas. Entretanto, tecnicamente suas características são superiores às do ZIP Drive. Vale a pena estudar o seu método de instalação, pois é análogo ao utilizado por outros discos de alta capacidade posteriormente lançados, como é o caso do LS-120. Aqui vai então o artigo.

Finalmente chegaram os disquetes de 100 MB. Já não agüentávemos mais usar disquetes de 1.44 MB, insuficientes para armazenar os arquivos e programas modernos, que normalmente ocupam muitos megabytes. Apesar de existirem opções interessantes, nenhuma delas tornou-se ainda um padrão, a ponto de estar presente na configuração básica de um PC. Entretanto, podemos esperar a sua popularização, e a conseqüente redução de preços muito em breve. Para quem não quer esperar, e já está desesperadamente necessitado de um meio removível que permita armazenar grandes capacidades, vamos mostrar neste artigo duas opções que atendem a esta finalidade: o ZIP Drive, fabricado pela Iomega, e o EZ-Drive, fabricado pela Syquest. Ambas as empresas têm vários anos de tradição em meios de armazenamento removíveis. Ambos já podem ser encontrados com facilidade em várias revendas de informática no Brasil, tanto os drives como a mídia.

O ZIP Drive chegou primeiro. Seus discos armazenam 96 MB (cerca de 100 milhões de bytes), e podem ser internos (instalados no interior do gabinete), ou externos (ligados ao PC através de um cabo). Quanto ao tipo de interface a ser usada, pode ser paralela ou SCSI. O modelo externo com interface paralela é o mais usado, devido à sua facilidade de instalação. Basta ligá-lo na interface paralela e executar o software de instalação. Sua facilidade de instalação e praticidade de uso decorrem do seguinte:

Não precisa que seja aberto o gabinete
Não requer placas de interface especiais
Um único drive pode ser usado em diversos micros
Permite que a impressora continue sendo usada normalmente

O EZ-Drive veio para desafiar o ZIP Drive. Seu fabricante o apelidou de “ZIP killer”. Existem modelos internos e externos, com interfaces IDE, SCSI e paralela. O modelo mais popular é o IDE interno. Sua instalação é muito semelhante à de um disco rígido. Na verdade, este drive é visto pelo PC como se fosse um disco rígido IDE. Sua mídia armazena 128 MB (cerca de 135 milhões de bytes). A instalação do modelo IDE não é tão simples quanto a do modelo paralelo. Podemos dizer que usuários que já tiveram experiência com a instalação de discos rígidos acharão fácil instalar o EZ-Drive IDE interno. Aqueles que nunca o fizeram, provavelmente precisarão da ajuda de um técnico ou de um colega mais experiente.

A mídia (ou seja, o cartucho) do ZIP Drive pode ser utilizada em qualquer modelo de ZIP Drive, assim como a mídia do EZ-Drive pode ser usado em qualquer modelo de EZ-Drive. Entretanto, as mídias do ZIP Drive e do EZ-Drive são incompatíveis entre si.

A figura 1 mostra um ZIP Drive externo paralelo e um EZ-Drive interno IDE. Na figura 2 vemos as midias do ZIP Drive e do EZ-Drive.

ART08-01

Figura 1 – EZ Drive e ZIP Drive, acompanhados dos respectivos cartuchos

ART08-02

Figura 2 – Cartuchos do ZIP Drive e do EZ-Drive

Ambos os produtos são acompanhados de drivers e utilitários para MS-DOS, Windows 3.x e Windows 95.

O ZIP Drive paralelo tem a grande vantagem da instalação simples, podendo ser feita até mesmo por usuários principiantes. Para os mais experientes, já acostumados com instalações de hardware, vale a pena ter um pouco mais de trabalho e optar pelo EZ Drive IDE, devido à sua maior capacidade e ao maior desempenho. Usuários menos experientes podem ainda optar pelo EZ Drive paralelo, que é no mínimo duas vezes mais veloz que o ZIP Drive.

Fizemos a comparação de velocidade entre o ZIP Drive paralelo e o EZ Drive IDE, por serem os modelos mais comuns. Esses testes foram baseados em copiar um conjunto de 100 MB de arquivos entre o disco rígido e cada um dos drives. A tabela abaixo resume os resultados obtidos:

Zip Drive paralelo

Direção tempo taxa de transferência
do disco rígido para o ZIP Drive 440 s 230 kB/s
do ZIP Drive para o disco rígido 1.100 s 90 kB/s

EZ Drive IDE

Direção tempo taxa de transferência
do disco rígido para o EZ Drive 154 s 650 kB/s
do EZ Drive para o disco rígido 103 s 970 kB/s

Realmente é um pouco de covardia comparar os resultados de um dispositivo IDE com os de um dispositivo conectado à porta paralela (muito mais lenta que uma interface IDE). Uma análise completa deveria incluir também os modelos SCSI de ambos os drives, e ainda o EZ Drive paralelo. De qualquer forma, a comparação dos dois modelos escolhidos é oportuna, por serem os mais comuns no Brasil.

Ambos os drives são vistos pelo sistema operacional como se fossem discos rígidos. Esta característica é muito interessante. Outros dispositivos de armazenamento secundário, como fitas magnéticas, não permitem o uso como discos rígidos. São usados exclusivamente para backup. Pelo fato de serem vistos como discos rígidos, permitem que sejam realizadas todas as operações válidas para discos comuns. Podemos, por exemplo, criar diretórios, copiar e ler aquivos, instalar programas, e tudo o mais que se faz em um disco comum.

O ZIP Drive pode ser comparado, em termos de desempenho, aos discos rígidos de 6 anos atrás (20 MB a 40 MB). Já o EZ Drive IDE, muito mais veloz, compara-se aos discos rígidos que eram vendidos há 3 anos atrás (200 MB a 500 MB). Só para efeitos de comparação, os modernos discos rígidos IDE, com capacidades superiores a 1 GB, apresentam taxas de transferência em geral superiores a 2000 kB/s.

Ambos os drives custam em média 300 reais no mercado nacional, e a mídia custa cerca de 35 reais. O ZIP Drive paralelo é recomendável para principiantes que requerem uma instalação simples, e também para aqueles que precisam usar o dispositivo em diversos computadores dirferentes (sua conexão externa na interface paralela torna-o muito útil, por exemplo, para transferir dados entre um computador de mesa e um notebook). O EZ Drive IDE é recomendado para aqueles que absolutamente precisam de maior velocidade, e que têm condições de levar adiante uma instalação mais complexa.

Instalação do ZIP Drive paralelo no Windows 95

O ZIP Drive é acompanhado de um pequeno manual com instruções passo-a-passo para a sua instalação. Com o computador desligado, fazemos a conexão do ZIP Drive na interface paralela do PC. Deve ser usado nesta ligação, o cabo que é fornecido junto com o ZIP Drive. Caso seja necessário usar também uma impressora ligada a esta interface, fazemos a sua ligação no próprio ZIP Drive. O ZIP Drive não possui fonte de alimentação própria. Precisa ser ligado a um adaptador DC que o acompanha.

Terminadas essas conexões, ligamos o computador e, a partir do Windows 95, executamos o programa GUEST95.EXE, existente no seu disquete de instalação. Este programa detectará o ZIP Drive e o atribuirá uma letra apropriada. Por exemplo, em um computador onde já existem os drives C e D, o ZIP Drive passará a ser o drive E.

ART08-03

Figura 3 – Detectado o ZIP Drive, que passará a ser o drive E

A figura 4 mostra a janela do Meu Computador, no qual o ZIP Drive figura como “Disco removível E:”

ART08-04

Figura 4 – O ZIP Drive é visto pelo Windows 95 como um disco removível

A próxima etapa da instalação é inserir no ZIP Drive o cartucho que o acompanha, no qual existem vários utilitários e aplicativos. Devemos então executar o programa SETUP95.EXE, o qual fará a cópia para o disco rígido dos softwares apropriados. Esses softwares incluem programas para backup, formatação, diagnóstico, além de outras funções. Uma vez constatada a operação correta do ZIP Drive, devemos executar o utilitário Parallel Port Accelerator. Este programa fará com que seja usado o modo de transferência mais veloz suportado pela interface paralela e pelo próprio ZIP Drive.

E Pronto! o ZIP Drive está pronto para uso.

Instalação do EZ Drive no Windows 95

Do ponto de vista de hardware, a instalação do EZ Drive IDE é semelhante à instalação de um disco rígido IDE, e independe do sistema operacional utilizado. A instalação de software é que poderá ser diferente, conforme sejam usados utilitários para MS-DOS, Windows 3.x ou Windows 95. Exemplificaremos aqui a instalação em ambiente Windows 95.

Na instalação de hardware, a primeira coisa a fazer é decidir qual é a interface IDE a ser usada. Os PCs modernos possuem em geral duas interfaces IDE (Primária e Secundária), normalmente localizadas na própria placa de CPU, sendo que em cada uma delas posem ser ligados dois dispositivos IDE (chamados respectivamente de Master e Slave). Nos PCs um pouco mais antigos em geral existe uma única interface IDE, localizada em uma placa de expansão conhecida como IDEPLUS. Se a interface IDE primária possui apenas um disco rígido (Master), podemos instalar o EZ Drive como Slave da interface primária. Entretanto, se existe uma interface IDE secundária disponível, devemos dar prioriadade ao seu uso. O motivo desta preferência pela interface secundária é que o EZ Drive é um dispositivo IDE, e não EIDE. Sendo instalado na mesma interface que um disco rígido EIDE, esta interface será obrigada a operar com menor taxa de transferência, prejudicando o desempenho do disco rígido.

Será preciso posicionar corretamente um jumper localizado no EZ Drive, conforme seja usado como Master ou Slave. Caso seja usado na mesma interface que um disco rígido, será preciso ativar neste disco rígido o jumper “Slave Present”. Além deste jumper, você encontrará no seu manual, a descrição de um outro jumper chamado de “Acknowledge Change Media”. No manual, o fabricante recomenda que este jumper seja colocado na posição OFF. Desta forma, o drive apresenta um pequeno inconveniente: o sistema só realiza boot se existir um cartucho inserido no drive. Colocando o referido jumper na posição ON, o sistema passa a ser capaz de realizar boot, mesmo quando não existe cartucho inserido no drive.

O EZ Drive tem ainda um detalhe importante para aqueles que possuem vários discos rígidos, ou mesmo um único disco rígido particionado em vários drives lógicos. Quando realizamos um boot sem um cartucho inserido no drive, o EZ Drive assume a próxima letra disponível. Por exemplo, se temos um disco rígido dividido em C e D, o EZ Drive será o drive E. Entretanto, se realizamos um boot com um cartucho inserido no drive, os drives lógicos do disco rígido passarão a ser C e E, enquanto o EZ Drive será o drive D. Este problema não ocorre nos PCs que possuem apenas um disco rígido, particionando como um único drive lógico C: executando boot com ou sem cartucho, o EZ Drive será sempre o drive D. É claro que para isso, temos que alterar a letra do drive de CD-ROM para que não influencie sobre a letra usada pelo EZ Drive. Se o seu drive de CD-ROM é ativado pelo programa MSCDEX no arquivo AUTOEXEC.BAT, adicione na sua linha de comando, o parâmetro “/L:H”, para fazer com que o drive de CD-ROM seja usado como drive H. Se o seu drive de CD-ROM não é ativado pelo MSCDEX (usa drivers de modo protegido do Windows 95), use o Painel de Controle, selecione a opção Sistema, clique na guia Gerenciador de Dispositivos. Selecione o drive de CD-ROM na lista de dispositivos e clique em Propriedades. No quadro apresentado, escolha a guia Configurações, como mostra a figura 5. Nos campos “Letra inicial da unidade” e “Letra final da unidade”, selecione a letra que você deseja.

ART08-05

Figura 5 – Reservando a letra H para o drive de CD-ROM

Aliás, esta providência é importante não apenas quando instalamos discos removíveis. É útil quando instalamos também outros tipos de drives, como drives compactados pelo DriveSpace e drives de rede, e não queremos que a “dança das letras” acabe por alterar a letra usada pelo drive de CD-ROM.

É preciso definir o EZ Drive no CMOS Setup, da mesma forma como definimos um disco rígido. Seus parâmetros são:

512 cilindros, 16 cabeças, 32 setores

Sejam esses parâmetros fornecidos manualmente, sejam determinados pelo comando “auto detect hard disk” existente no CMOS Setup, é preciso que seja colocado um cartucho no drive nesta ocasião, caso contrário o CMOS Setup reclamará que o “disco não existe”.

Realizamos um boot com o Windows 95, e podemos então fazer a instalação do software apropriado. Esta instalação é muito simples. O EZ Drive é acompanhado de três disquetes de instalação, sendo que um deles é próprio para o Windows 95. Devemos executar o programa INSTALL.EXE localizado neste disquete. Será apresentado um quadro como mostra a figura 6, onde temos que indicar inicialmetne o tipo de interface a ser usada:

1: Interface IDE
2: Interface SCSI ou paralela

ART08-06

Figura 6 – Indicando o tipo de interface a ser usada

Uma vez definido que será usada uma interface IDE, é apresentado o quadro da figura 7. Temos que indicar se o drive será instalado na interface IDE primária ou secundária. A opção 2 deve ser usada apenas se a interface IDE secundária ainda não está registrada no Windows 95. Você pode executar o Gerenciador de Dispositivos para checar a presença da interface secundária. Caso esteja presente, pode responder a opção 1 no quadro da figura 7, não importa se será usada a interface primária ou secundária.

ART08-07

Figura 7 – Devemos responder com a opção 1, tanto para primária como para secundária

A seguir, receberemos instruções para mantar o disquete inserido no drive para que sejam lidos os arquivos necessários ao funcionamento do EZ Drive. Terminada a leitura, é apresentado um quadro informando que o disquete deve ser removido para que seja realizado um novo boot. Após este boot, o EZ Drive já será reconhecido como um disco removível, como vemos na janela do Meu Computador mostrada na figura 8.

ART08-08

Figura 8 – O EZ Drive é o disco removível “E”

No computador do nosso exemplo, o disco rígido está dividido em dois drives lógicos, C e D. Nesse caso, o EZ Drive funcionará como drive E. Entretanto, é preciso lembrar que o boot precisa ser realizado sem o cartucho inserido no drive, caso contrário, o EZ Drive será reconhecido como drive D, enquanto o disco rígido terá suas partições reconhecidas como C e E.