Home » Artigos arquivados » 2003 – Manutenção do mouse e teclado

2003 – Manutenção do mouse e teclado

Laércio Vasconcelos
Janeiro/2003

Se temos um teclado de 16 reais ou um mouse de 6 reais com defeito, talvez a melhora coisa a fazer seja jogar fora e comprar um novo. Mas se for um teclado de 100 reais ou um mouse de 60 reais, talvez seja melhor fazer o conserto. Não importa o preço, os métodos de manutenção são os mesmos. Vejamos o que pode ser feito.

Manutenção do mouse

Alguns modelos de mouse são tão baratos que dá vontade de trocar por um novo, outros são tão caros que rezamos para conseguir consertá-los. Mesmo no caso de um mouse barato, podemos passar por situações em que o conserto é necessário. Digamos que você esteja navegando pela Internet em plena madrugada e o mouse fique travado no eixo X. Você provavelmente não vai querer ficar operando só pelo teclado, e nem vai querer esperar até o dia seguinte para comprar um mouse novo. Pelo menos os primeiros socorros você tem que tentar.
Primeiros socorros

A sujeira é a principal causadora de problemas no mouse. Tanto a esfera como os roletes podem ficar impregnados com um aglomerado de partículas de poeira e pequenos pêlos que caem de tecidos, ou até mesmo pêlos humanos. Vejamos o que pode ser feito:

Limpeza da esfera – Quando a esfera está suja, os movimentos do mouse serão erráticos, o seu cursor dará saltos na tela. Abra a parte inferior do mouse e retire a sua esfera. Lave-a com água morna. Se quiser pode usar algum tipo de sabão neu­tro. Não lave a esfera com detergentes fortes, nem aqueles com amoníaco.

Limpeza dos roletes – Roletes sujos fazem com que o cursor do mouse dê saltos na tela, como se quisesse desobedecer os movimentos do mouse sobre a mesa. O mouse tem três pequenos roletes que tangenciam a esfera. Esses roletes podem ficar im­pregnados com sujeira. Podemos removê-la usando uma pinça. Observe que para limpar os roletes, não é preciso desmontar o mouse. Basta abrir o compartimento da esfera e já tere­mos acesso aos roletes. Limpe-os periodicamente, e mantenha limpo o local onde o mouse desliza.

012

Figura 12
Roletes do mouse. Observe a sujeira acumulada nos pontos indicados. Veja no detalhe quanta sujeira no rolete!

 

 

Travamento de eixo – Quando um eixo está travado, o cursor do mouse pode ter seus movimentos inativos no eixo correspondente. Este problema ocorre quando fios de cabelo prendem o eixo responsável pelos movimentos X ou Y. Em cada eixo existe uma pequena roda dentada que passa por sensores óticos. Fios de cabelo prendem nessas rodas com facilidade, travando seus movimentos. Deve­mos utilizar uma pequena tesoura e uma pinça para removê-los.

013

Figura 13
Rodas dentadas e sensores óticos de um mouse. A seta indica um dos sensores. No detalhe vemos de um lado da roda um emissor, do outro o sensor.

 

 

Limpeza dos sensores óticos – Sujeira nesses sensores também faz com que os mo­vimentos fiquem paralisados em um ou nos dois sentidos. Existem sensores óticos acoplados às rodas dentadas dos eixos X e Y. Sujeira pode obstruir esses sensores, e uma limpeza resolverá o problema. Usamos um pincel ou um aspirador para re­mover a poeira, e depois aplicamos spray limpador de contatos. Um cotonete com álcool isopropílico também pode ser usado.

Mau contato nos botões – Quando isto ocorre, os cliques do mouse não funciona­rão corretamente. Será preciso clicar duas ou mais vezes até funcionar. Abra o mouse e aplique spray limpador de contatos nos seus botões. Espere secar e verifi­que se o problema ficou resolvido.
Defeitos mais complicados

O mouse pode apresentar alguns defeitos mais difíceis de resolver, já que necessita­rão de soldagem. Um deles é o mau contato no cabo, já abordado em uma seção anterior deste capítulo. O mesmo podemos dizer sobre o mau contato nos botões. Quando a aplicação de spray não resolve o pro­blema, podemos experimentar fazer um transplante de botões. Quase todos os mo­delos de mouse possuem três botões, sendo que o botão do meio em geral não é usado. Podemos substituir o botão problemático pelo botão do meio, o que requer solda, ferro de soldar, sugador de solda e paciência.

014

Figura 14
O botão do meio pode ser colocado no lugar de um botão defeituoso.

 

 
Manutenção do teclado

A sujeira é também uma grande causadora de problemas no teclado. Não só a poeira, mas vários tipos de pequenos objetos podem cair no seu interior, causando problemas.
Primeiros socorros para o teclado

Limpeza geral – O teclado tem uma tendência muito grande de acumular no seu interior, não apenas poeira, mas coisas que você nem imagina. Por exemplo, se você usa barba é possível que dentro do seu teclado exista uma grande quantidade de fios de barba. Também, podemos encontrar insetos mortos, farelos de biscoito, pontas de lápis, farelos de borracha, fios de cabelo, fios de pestanas e sobrancelhas, pedacinhos de papel, grafite de lapiseira, alfinetes…

Abra o teclado removendo os parafusos da sua parte inferior, dando acesso à parte eletrônica. Em muitos teclados você encontrará uma grande placa de circuito impresso onde ficam presas as teclas. Em outros teclados a placa de cir­cuito é pequena, e existem painéis plásticos nos quais existem condutores flexíveis que ligam cada tecla ao circuito eletrônico do teclado. Em alguns teclados a placa de circuito fica aparafusada internamente à tampa inferior. Esses parafusos devem ser também retirados. As tampas do teclado devem ser limpas com perfex. As te­clas devem ser removidas, uma a uma. Para soltar uma tecla basta puxá-la para cima.

Com uma trincha limpamos toda a sujeira existente entre as teclas. Feito isso, podemos usar também o aspirador de pó. As teclas podem ser limpas individualmente, usando uma escova de dentes ou escova de unhas, água e sabão ou detergente neutro.

015

Figura 15
Sujeira no interior de um teclado, depois de retiradas as teclas.

 

 

 

Colocamos novamente as teclas em seus lugares. Para encaixar uma tecla basta apertá-la levemente. A seguir o teclado pode ser fechado e aparafusado.

Tecla com mau contato – Alguns teclados possuem sob suas teclas, pequenos ca­pacitores variáveis sobre uma membrana plástica. Dificilmente apresentam proble­mas, e limpeza com um pano úmido é tudo o que esses teclados requerem.

016

Figura 16
Peças plásticas com os dielétricos dos capacitores.

 

 

 

A figura 16 mostra como são formados esses capacitores. As trilhas de circuito da placa formam os terminais do capacitor. Sobre cada um desses circuitos fica apoi­ada uma pequena peça plástica que se move conforme a tecla é pressionada. Nessa peça plástica existe um material que funciona como dielétrico. Quando este material se aproxima do circuito da placa, causa uma variação de capacitância, que é refletida na forma de um pulso de corrente que indica ao microprocessador do teclado que aquela tecla foi pressionada.

017

Figura 17
Placa de circuito do teclado.

 

 

 

Deixe a placa de circuito (figura 17) bem limpa. Use um pano úmido nesta limpeza. Você também pode usar spray limpador de contatos. Se uma tecla estiver falhando, possivelmente melhorará com a limpeza. Se não melhorar, faça a troca da sua peça plástica (figura 16), utilizando a peça de uma tecla que não seja usada. Muitos teclados possuem, ao invés de uma placa de circuito, três membranas plásti­cas sobre a qual são depositadas trilhas de circuito impresso flexível. Limpe essas membranas com muito cuidado, usando um pano úmido.

Existem teclados que possuem sob cada tecla, pequenas cápsulas (figura 18) que funcionam como capacitores variáveis, mas cujo dielétrico é formado por espuma plástica ou mesmo por peças plásticas como as da figura 16. Sujeira no interior des­sas cápsulas pode alterar as propriedades desse dielétrico, fazendo com que a tecla fique com “mau contato”.

HARD-029

Figura 18
Cápsulas capacitivas de um teclado.

 

 

 

Em alguns casos pressionamos a tecla e nenhum caracter é gerado. Em outros casos pressionamos a tecla e dois, três ou até mais caracteres iguais são gerados. Quando isso ocorre devemos tentar recuperar a tecla usando spray limpador de contatos. Usando o pequeno tubo plástico que acompanha este tipo de spray, faze­mos a aplicação no interior da cápsula (figura 19) e a seguir pressionamos a tecla várias vezes (claro, com o computador desligado) para tentar dissolver a sujeira. É preciso deixar o spray secar, o que pode levar uma hora, já que a cápsula é fe­chada. Se isto não resolver, teremos que fazer um transplante de teclas.

HARD-030

Figura 19
Aplicando spray no interior de uma cápsula.

 

 
Problemas mais complicados com o teclado

Alguns problemas no teclado são mais complicados, requerendo soldagem, bas­tante tempo disponível e paciência.

Problemas no cabo – Vimos na seção sobre mau contato em cabos que o cabo do teclado pode partir por excesso de manuseio. Temos então que fazer o reparo do cabo, ou então tentar a sua substituição.

Tecla com mau contato ou inoperante – Quando mesmo depois da limpeza a tecla continua com problemas, a solução é substituir a cápsula. A melhor coisa a fazer é usar a cápsula de uma tecla do próprio teclado que estamos tentando consertar. Certas teclas são pouquíssimo utilizadas, algumas nunca chegam a ser pressionadas, como por exemplo:

Scroll Lock

Alt na parte direita do teclado

Control na parte direita do teclado

Podemos retirar a cápsula de uma delas e soldar no lugar da cápsula pro­blemática. Apenas por questões de estética, podemos colocar a cápsula defeituosa no lugar da cápsula doadora.