Home » Artigos arquivados » 2003 – Interfaces (Perguntas e Respostas)

2003 – Interfaces (Perguntas e Respostas)

1) Problemas com USB
Tenho experimentado um conflito no meu drive de USB que não consigo resolver. Não consigo conectar qualquer dispositivo USB no meu computador. (não são reconhecidos) ao verificar o gerenciador de dispositivos sempre encontro uma escamação sobre o drive de USB. Se desinstala-lo e reinicializar o computador o problema volta. Se mudar a posição de memória usada ou mesmo reinstala-lo o dispositivo volta a funcionar desde que não reinicialize a máquina. (funciona mas fica uma interrogação – em vez de exclamação). Se der Boot – volta o problema. Como não consigo achar uma posição de memória que resolva o problema (configuração automática não resolve o problema) Qual seria a causa do conflito? Perda de alguma DLL?? Conflito com programa??

Resposta:
Em casos como este é sempre bom dar mais informações, como marca e modelo do dispositivo com problema, marca e modelo da placa mãe, versão do Windows… Sem essas informações fica difícil dar uma resposta mais específica. Recomendo que você vá ao site do fabricante da placa mãe (se não souber qual é, pode descobrir usando o programa CTBIOS, obtido em www.wimsbios.com) e obtenha os drivers do chipset. As interfaces USB fazem parte de um dos componentes do chipset (chamados normalmente de southbridge). Drivers desatualizados podem apresentar problemas. Em último caso, instale uma placa de interface USB PCI. PCs um pouco mais antigos podem ter problemas nas interfaces USB onboard (muitas placas eram vendidas mesmo com bugs nessas interfaces, pois o barramento USB quase não era utilizado). Placas USB PCI são relativamente baratas e são reconhecidas automaticamente pelo Windows 98 e superiores.

 

2) Porta Firewire
Tenho uma placa SOUND BLASTER AUDIGY PLATINUM e gostaria de saber se a porta SB 1394 pode ser usada para captura de video com o windows movie maker da microsoft e se as imagens terao boa qualidade para depois seren gravadas em DVD

Resposta:
As placas Sound Blaster da família Audigy possuem uma porta genérica IEEE-1394 (firewire). Este tipo de conexão tem sido muito utilizada em equipamentos digitais de áudio e vídeo, portanto nada mais natural que passe a fazer parte das modernas placas de som. O funcionamento desta interface não é necessariamente “amarrado” à placa de som, ou seja, qualquer dispisitivo IEEE-1394 pode ser utilizado, mesmo que não tenha relação alguma com a placa de som. Se você conectar um digitalizador de vídeo externo que tenha saída IEEE-1394, deverá funcionar perfeitamente. Cabem entretanto ser feitas duas observações: 1) A maioria dos digitalizadores de vídeo externos ainda usam as interfaces USB, apesar das interfaces IEEE-1394 serem mais indicadas para aplicações de vídeo; 2) Normalmente os dispositivos IEEE-1394 externos são comercializados juntamente com uma placa de interface apropriada, já que este tipo de conexão é ainda raro nos PCs atuais. Quanto ao Windows Movie Maker, suas funções de captura estarão ativas, uma vez que o dispositivo de vídeo digital estiver instaldos. Você poderá preferir utilizar ao invés deste programa, um outro software mais avançado que acompanhe o seu dispositivo de captura de vídeo.

 

3) Problema com USB no Windows 95
Tenho um scanjet hp 2200c que deve ser conectado ao usb, meu comp tem esta entrada esta enable mas não consigo faze-la funcionar ( ativar como ? ) não registra o nome scanner no painel de controle. ” Não há scanner instalado “. Estou usando o windows 95.

Resposta:
O Windows 95 não tinha drivers nativos para interfaces USB. Você precisará utilizar os drivers que acompanham a sua placa mãe, ou obter esses drivers no site do fabricante. Uma outra opção é comprar uma placa de interface USB, acompanhada de disquetes com drivers para Windows 95. Veja bem, eu considero também um absurdo ter uma interface inútil pela ausência de drivers apropriados. Os fabricantes muitas vezes abandonam o suporte a modelos que já saíram de linha. No tempo do Windows 95, praticamente não existiam dispositivos USB, apesar de muitas placas já terem essas interfaces. Alguns fabricantes chegavam ao cúmulo de ter essas interfaces (embutidas no chipset da placa mãe) mas não fornecer os conectores que davam acesso a essas interfaces. Ninguém reclamava porque na época (1995-1999) quase não existiam produtos USB. É possível que com a simples instalação do Windows 98 ou Windows 98SE suas interfaces USB originais passem a funcionar corretamente.

 

4) Teclado USB
Tenho um computador compaq modelo 5000la, ele tinha o programa windows millenium,como travava demais comprei mais memoria e coloquei o windows xp profissional desde então não consegui instalar o teclado original da compaq que é o modelosdm4540ul com entrada usb. Gostaria de saber se tem algum driver que reconheça o meu teclado.

Resposta:
Os drivers que habilitam o funcionamento do teclado USB estão no próprio Windows. Não é preciso usar drivers adicionais. Recomendo que você instale o Windows XP usando inicialmente um teclado comum (conector PS/2). Depois que estiver tudo funcionando, conecte um segundo teclado, no caso o seu USB. Aguarde alguns instantes para que o Windows detecte o teclado e instale seus drivers. O computador passará então a aceitar comandos de ambos os teclados. A seguir desligue o computador e remova o teclado PS/2, ficando apenas com o USB.

 

5) Instalação de interface USB
Eu tinha um impressora Epson com cabo para conexão Serial, agora comprei um com saída USB, gostaria de saber como faço para instalar uma saída USB no meu computador e se tenho que configural ela e desconfigurar a anterior, o meu gabinete é ATX, 256 de memória é um HD de 40.

Resposta:
Pelo que entendi você comprou uma nova impressora com interface USB. Recomendo aos leitores que quando forem comprar uma nova impressora, escolham um modelo USB, pois tem várias vantagens. Dentro de alguns anos, as interfaces USB substituirão as portas paralelas, seriais e todas as demais interfaces obsoletas. A maioria dos periféricos serão USB. Todos os computadores modernos possuem pelo menos duas interfaces USB, cujos conectores ficam na parte traseira do gabinete, ao lado dos conectores do teclado e mouse. O Windows reconhece automaticamente as interfaces USB e instala seus drivers. Tudo o que você precisa fazer é conectar a impressora em uma das portas USB na parte traseira do computador. Podemos entretanto encontrar alguns raros caso de PCs modernos que, mesmo usando gabinetes ATX, podem utilizar placas de CPU padrão AT, que nem sempre possuem interfaces USB. Nesse caso recomendo que você compre e instale uma placa de interface USB PCI, encontrada com facilidade nas lojas especializadas em hardware.

 

6) Mouse USB no modo MS-DOS
Preciso utilizar um mouse USB após realizar um boot no modo MS-DOS. Qual driver devo utilizar para isso?

Resposta:
Antes de mais nada é preciso habilitar o mouse USB (o mesmo se aplica para o mouse PS/2) no CMOS Setup, caso exista um comando para isso. Quando o mouse USB é habilitado no CMOS Setup, poderá ser utilizado no MS-DOS, mas é preciso instalar um driver apropriado. Nesta habilitação, o mouse USB passa a ser tratado pelo BIOS como se fosse um mouse PS/2. Sendo assim, basta instalar um driver para mouse PS/2, e o mouse USB poderá ser usado.

Quem está acostumado a usar o mouse no MS-DOS sabe que é preciso instalar um driver de mouse para MS-DOS, normalmente no arquivo AUTOEXEC.BAT, e em alguns casos, no arquivo CONFIG.SYS. Muitas vezes ao comprarmos um mouse (exceto os que são muito baratos), recebemos juntamente um disquete com alguns utilitários, entre os quais um driver de mouse para MS-DOS. Quase sempre este driver é próprio para o mouse do tipo serial (conector DB-9, para ligar na COM1 ou COM2). Raramente encontramos programas para funcionamento do mouse PS/2 sob o MS-DOS.

Ao fazer o download e descompactar este arquivo, você encontrará os drivers MIMOUSE.COM, MOUSE.COM, MMOUSE.COM e WITMOUSE.COM, todos deles para mouse padrão serial, e ainda o PS2MOUSE.COM, que funciona com mouse PS/2 e mouse USB. Assim você poderá ter qualquer tipo de mouse funcionando no MS-DOS. Para utilizar qualquer um desses drivers, basta adicioná-lo no seu arquivo MS-DOS. Lembre-se que este recurso é para usar o mouse no modo MS-DOS, e não em uma seção do MS-DOS sob o Windows (neste caso não é necessário driver algum, pois são usados os drivers do Windows). No Windows ME e no Windows XP, não é possível executar boot pelo disco rígido no modo MS-DOS. Este boot deve ser feito com um disquete, e nele deve estar um arquivo AUTOEXEC.BAT onde você adicionará o comando para ativação do mouse.

Ao executar um mouse driver, verifique se é apresentada uma mensagem confirmando a instalação com sucesso, como “Mouse driver installed successfully”. Se for apresentada uma mensagem de erro, é possível que exista algum problema. A interface na qual o mouse está ligado (serial, PS/2 ou USB) pode estar desativada, ou o próprio mouse pode estar com problemas.

 

7) Placa controladora de floppy
Tenho um pentium II 400 e uso uma placa onboard e por não conseguir utilizar uma COM e o mouse ao mesmo tempo, instalei uma “controladora”, mas na hora de configurá-la, estão funcionando apenas o mouse na COM2, o floppy e na COM1 está ligada uma máquina registradora ELGIN BRA, só que a mesma funcionava antes de eu ter ligado o floppy à “controladora”…Então o que posso fazer quanto a isso? Por favor preciso estabelecer comunicação entre meu computador e a registradora. Desde já agradeço, obrigado.

Resposta:
Se esta placa controladora é uma IDEPLUS (tem duas portas seriais, uma paralela, uma interface de disquete, uma interface IDE e uma interface de joystick), a sua configuração pode ser difícil, a menos que você possua o seu manual. Como essas placas deixaram de ser fabricadas há uns 8 anos, talvez a sua seja de segunda mão e não tenha os manuais. Se por acaso você possui o manual, desative todas as suas interfaces, exceto as seriais. Verifique se existem jumpers para escolher as IRQs usadas por essas interfaces para que não entrem em conflito com a IRQ4 e a IRQ3, usadas respectivamente pela COM1 e pela COM2 da placa mãe. Provavelmente seria possível fazer tudo funcionar mesmo sem o uso desta controladora. O mouse poderia ser ligado na interface PS/2 existente na placa mãe (provavelmente a sua placa mãe é ATX e possui esta conexão para mouse). O mouse serial pode ser usado, na COM1 por exemplo, enquanto a máquina registradora ficaria na COM2, mas para isso seria preciso encontrar e eliminar conflitos de hardware através do Gerenciador de Dispositivos. Um bom técnico tem condições de resolver este problema, mas se você não conseguir um, experimente meu artigo, “Instalações sem conflitos de hardware”, em www.laercio.com.br.

 

8) Drive de disquetes USB
Tenho um notebook da PC Chips mod A900. Sem ter instalado o Driver do Floppy USB modelo SFD 321U/EP da Samsung, já aparecia na pasta Meu computador a Unidade A, porém ao colocar um disquete não conseguia ler, a mensagem que aparecia era “O dispositivo não está pronto”. Após instalar o driver do Floppy percebi que na pasta Meu Computador, surge uma nova unidade de Floppy além da A, surge a D. Nesta eu consigo ler o disquete normalmente. Tentei remover o driver e instalá-lo novamente mas não obtive sucesso. Segue o problema.

Resposta:
Não consegui localizar as especificações deste notebook no site da PC Chips. Pelo que entendi, ele não tem drive de disquete, por isso você usa um driver externo USB. Mesmo não tendo drive de disquete, o chipset da placa mãe do notebook possui esta interface, que está ativada. Por isso aparece em Meu Computador, o ícone do drive A, que não existe. Se você tiver acesso ao CMOS Setup do seu notebook, poderá desativar o drive A para que não apareça mais em Meu Computador. Ou então o problema pode ser outro: seu notebook possui drive A porém defeituoso. O drive externo USB, assim como qualquer outro tipo de armazenamento USB, aparecerá como um “Disco removível”, e receberá a próxima letra disponível (no seu caso, D). Então seu problema é que o drive USB funciona normalmente mas tem a letra D. O drive A ou não existe, ou existe mas está defeituoso. Para consertar seu drive A recomendo que seja procurada uma assistência técnica para notebooks, poderá inclusive ser trocado.

 

9) Convertendo de IDE para USB
Tenho um PC Pentium III 800 MHZ com uma gravadora de CD HP interna (ligado a placa mãe por cabo IDE). O pc tem saida USB, gostaria de saber se consigo adaptar saida USB, na gravadora e torná-la externa usando a saida USB do pc.

Resposta:
Apenas uma correção técnica: é errado dizer “entrada USB” ou “saída USB”, pois esta interface é usada como entrada e como saída de dados. O correto seria dizer “porta USB”. A conversão que você quer fazer é possível, existe um aparelho que a realiza, eu só não sei se existe no mercado nacional. Realmente não é um dispositivo dos mais comuns. Trata-se de uma caixa na qual existe uma pequena fonte e circuitos de conversão USB para IDE. No seu interior podemos instalar gravadores, drives de CD-ROM ou drives de DVD. A conexão é USB, e com ela o dispositivo passa a ser externo. Existem no comércio brasileiro caixas como esta para discos rígidos de 3 1/2”. Com ela podemos ter discos rígidos externos USB. Mas as caixas de 5 ¼” para gravadores, drives de CD e DVD nunca vi – mas provavelmente existem, é preciso procurar no comércio.

 

10) Problemas na IDE Secundária
Caro Laercio preciso muito da sua ajuda, não sei o q fazer pra instalar uma gravadora de CD e um leitor de CD no mesmo computador pois ja tentei de tudo. Ja coloquei a gravadora na ide secundaria, o leitor de CD na ide primaria (e vice e versa) e não funciona. So funciona quando eu coloco a gravadora como slave na ide primaria junto com o HD, e de mesmo modo o leitor de CD, só funciona quando coloco na ide primaria junto com o HD. Os dois drives nunca são detectados e na ide secundaria parece que nada funciona. Me disseram que é por causa que o meu HD é ultra DMA. Por favor me indique um modo de instalar os dois drives. desde já agradeço.

Resposta:
Verifique no CMOS Setup se a interface IDE secundária está habilitada (Peripheral Configuration ou Advenced Chipset Setup). Também é conveniente testar outro cabo flat, pois o que você usa pode estar defeituoso. É claro que é preciso também configurar corretamente os jumpers das duas unidades (uma como Master e outra como Slave, não importa a ordem). Não descarto a possibilidade da interface IDE secundária da sua placa de CPU estar defeituosa. Peça ajuda a um técnico ou um colega mais experiente com hardware para checar o funcionamento desta interface.

 

11) Queima da porta paralela
Caro Laercio, gostaria de saber quais são as possíveis causas prováveis de queima de uma porta paralela??

Resposta:
Um cabo defeituoso, com dois fios em contato direto, pode causar curto-circuito, queimando a porta paralela. Os bits envolvidos ficariam travados em zero ou em um. Mais comum entretanto é a queima causada pela ligação de micro e impressora sem o uso de tomadas elétricas adequadas. Quando usamos tomadas de 2 pinos, ao invés de 3, e o micro e a impressora estiverem ligados em tomadas diferentes, a inversão entre fase e neutro pode resultar em grande diferença de potencial entre o terra do micro e o terra da impressora. Quando não existe aterramento correto, ambos os terras “flutuam”. O problema também pode ocorrer quandl um está em uma tomada de 3 pinos e o outro em tomada de 2 pinos. São inúmeros os casos de impressoras e portas paralelas que queimam por este motivo. Existe ainda um outro motivo para queima, que é a ligação entre a impressora e o micro com um dos dois ligados. Mesmo com o uso da tomada elétrica correta, devemos desligar o micro e a impressora para fazer ou desfazer a sua conexão. Impressoras USB não têm este problema, podem ser conectadas e desconectadas com os equipamentos liados. Ainda assim, correm o risco de queima quando não são usadas tomadas elétricas de 3 pinos.

 

12) Controladora de disquetes queimada
Tenho um Pentium 200MMX, a saída da placa mãe que conecto o cabo flat do disquete queimou, então consegui uma placa controladora para ligar o floppy, conectei o cabo na placa, mas ele não reconhece o floppy pela placa controladora….o que posso fazer?

Resposta:
É preciso desabilitar a interface de disquetes da placa mãe (FDC Controller) no CMOS Setup, na seção Peripheral Configuration. É preciso também verificar se a controladora de disquetes que você conseguiu está habilitada ou não. Use o programa IOVIEW encontrado em www.laercio.com.br para verificar se a controladora está ativa. O endereço desta controladora é 3F0-3F7. Se esta faixa de endereços for mostrada com valores FF pelo IOVIEW, significa que está habilitada, e será preciso habilitar a interface de disquetes desta placa através de jumpers, o problema é que sem o manual isto pode ser um jogo de adivinhação. Outro problema é que o defeito pode não estar necessariamente na interface de disquetes da sua placa mãe, mas em outra parte que não pode ser trocada, como o controlador de DMA e o controlador de interrupções, que fica dentro do chipset. Se o defeito estiver nesses chips, não adianta adicionar uma placa controladora avulsa.

 

13) Problema na porta PS/2 da placa asus
Tenho um micro PC com placa mãe assus cuv4x e processador pentium III 800 com memória de 256 e windows 98se instalado. Ocorre que recentemente o teclado deixou de funcionar (porta PS2) e a alternativa encontrada foi adquirir um teclado USB. Realmente funcionou apenas com uma diferença ou seja : não consigo ir na BIOS ao executar DEL na inicialização pois o micro congela na tela principal do setup. O que devo fazer? Será que queimou o circuito do PS2? Ou é um outro problema ???

Resposta:
Em um determinado ponto da placa mãe, os circuitos USB e a interface de teclado são interligados. Quando uma interface de teclado queima (isso pode ocorrer quando conectamos ou desconectamos o teclado com o computador ligado ou em standby), dependendo do local da queima, a substituição por um teclado USB pode funcionar ou não. No caso de não funcionar, poderá ficar inviabilizado o uso do teclado em ambiente DOS e no próprio Setup. No caso do Windows, a coisa é diferente. Podemos ter até mesmo mais de um teclado USB funcionando, todos independentes da interface PS/2. Parece que este é o seu caso: funciona no Windows e dá problemas no ambiete do Setup. Não vejo outra solução para o problema, já que a interface de teclado faz parte do chip Super I/O da placa mãe, que não pode ser trocado por métodos de manutenção convencionais.

 

14) Placa SCSI PCI
Tenho um Scanner HP 6100C que veio acompanhado com uma placa SCSI. Ultimamnete nao estou podendo usa-lo porque meu computador atual nao tem slot para esse tipo de placa. Fui informado que existe uma placa adaptadora de SCSI para PCI, que resolveria meu problema. Isto eh verdade? Onde se pode comprar uma placa desse tipo, considerando ser verdade a informação? Espero que não custe mais caro que comprar um scanner novo. Caso isso tambem seja verdade, existe algum lugar que venda pecas deste tipo usada?

Resposta:
Existem placas SCSI PCI de baixo custo, mas o custo não é tão baixo quanto o de um scanner novo. A Adaptec oferece a placa AVA-2906 para casos como o seu. É uma controladora SCSI PCI simples, mas custa 65 dólares. Existe também o SCSI Exchange, um cabo conversor USB-SCSI, que custa 69 dólares. Ainda assim é preciso testar no seu scanner, não é garantido que o seu funcionamento será normal. Levando em conta que um scanner novo custa cerca de 200 reais, os scanners SCSI sem placa acabam ficando condenados à aposentadoria, mesmo estando em perfeitas condições. Uma solução simples é manter um PC um pouco mais antigo, com slots ISA e Windows 98SE, para garantir o funcionamento de periféricos que não têm mais suporte nos PCs atuais. É possível que você consiga encntrar uma placa controladora SCSI simples em lojas especializadas em material de segunda mão. Muitos usuários comprarm scanners e zip drives SCSI entre 1995 e 1998.

 

15) 1.44 MB ou 1.38 MB?
Não sei mais o que fazer, comprei novos disquetes e meu Micro (Compaq Presario série 5000 ) Sist. Oper. Windows Me, 700 Mhz, sempre diz que meus disquetes estão com 1,38 MB disponível, mesmo eles sendo 1.44MB formatado, ja levei para outros Pcs, (amigos, parentes, etc.,), e os mesmos estão mesmo com 1,38MB, o que fazer? O fabricante diz ter 1,44, e não consigo guardar alguns programas com 1,40 por exemplo, o que pode estar ocorrendo com o meu drive A, fiz Up date e esta totalmente atualizado o Micro.

Resposta:
Não existe nada de errado. Esses disquetes têm na verdade 1440 kB. Como 1 kB são 1024 bytes, o total é 1440 x 1024 = 1474560 bytes. Levando em conta que 1 MB é igual a 1024×1024 (1048576), dividimos 1474560 por este valor, resultando em 1,40 MB. Devemos descontar daí, áreas ocupadas pelo setor de boot e pela FAT. O resultado será mesmo 1,38 MB, aproximadamente. Qualquer disquete de “1.44 MB” recém formatado, em qualquer computador, terá esta capacidade. Os sistemas operacionais da Microsoft consideram o valor correto do MB, que é 1048576 bytes. Fabricantes de discos rígidos consideram erradamente 1 MB como sendo 1.000.000 bytes, o que é errado. Da mesma forma, 1 GB vale 1.073.741.824 bytes, e não 1.000.000.000 bytes. Daí surgem dúvidas como “meu HD de 40 GB tem apenas 38 GB, fui enganado…”.

 

16) Portas USB
Sou da área de informática há muitos anos. Recentemente adquiri o nr. 129 de PC WORLD. Gostei muito do conteúdo, sobretudo da matéria MONTE UMA REDE SEM FIO. Também gostei muito da seção PC WORLD RESPONDE, a qual está a cargo do conhecido e competente Laércio Vasconcelos, de quem tenho alguns livros. Gostaria que o professor esclarecesse o seguinte: meu micro com certeza tem duas portas USB, tanto é que em uma delas eu uso um teclado que adquiri recentemente. Nas matérias que tenho lido bem como em anúncios de produtos tenho visto as referências: USB 1.0, USB 1.1, USB 2.0. Minha dúvida é: quem deve ser compatível com estas três versões, a placa-mãe ou o periférico? Para ser mais específico: que cuidados devo ter ao adquirir um periférico USB, no que se refere a esta versões?

Resposta:
Você pode conectar qualquer periférico USB em qualquer interface USB, pois sempre serão compatíveis, independemente da versão. Sendo de versões diferentes, prevalecará o padrão mais baixo. O USB 1.0 praticamente não existe, pois na sua época não era muito difundido. Quando os periféricos USB tornaram-se comuns, já era amplamente adotado o padrão USB 1.1, tanto nas placas de CPU quanto nos periféricos. As placas de CPU de fabricação mais recente já possuem interfaces USB 2.0. As interfaces e periféricos USB 1.1 operam com duas velocidades: 1,5 Mbits/s e 12 Mbits/s. Dispositivos USB 2.0 suportam essas duas velocidades e ainda uma terceira, de 480 Mbits/s. Quando conectamos, por exemplo, uma impressora USB 1.1 em uma interface USB 2.0, prevalecerá a máxima velocidade comum a ambos, que no caso é 12 MBits/s. Muitos periféricos estão disponíveis somente no padrão USB 1.1. Se você encontrar modelos em USB 1.1 e USB 2.0, dê preferência à versão 2.0. Quanto às placas de CPU e placas de expansão, dê preferência aos modelos novos, já na versão 2.0. Os cabos USB que operam com 12 Mbits/s também operam perfeitamente em 480 Mbits/s.

 

17) Disquetes de 720 kB
Meu nome é Fábio, trabalho em uma firma de bordados onde são utilizados disquetes para a transmissão de arquivos do computador para as maquinas, todos os disquetes tem que ser formatados em baixa densidade (720 kb) pois os leitores das máquinas são para este tipo de densidade. O meu problema é que gostaria de migrar meus micros do windows me para o windows xp, mas isso só não foi feito ainda por que o windows xp não formata disquetes com 720 kb. Existe algum comando ou algum aplicativo que possa formatar meus disquetes com baixa densidade?

Resposta:
De fato o comando de formatação e o programa FORMAT do Windows XP não suportam o formato de 720 kB (dupla densidade). Isso não é problema, pois você pode manter pelo menos um computador com uma versão mais antiga do Windows, somente para formatar disquetes. Mesmo um computador novo, com Windows XP, pode ser usado para formatar disquetes. Basta fazer o boot com um disquete de MS-DOS obtido a partir de uma versão antiga do Windows, com o respectivo programa FORMAT.COM. Uma vez formatados, os disquetes de 720 kB poderão ser usados em qualquer computador, mesmo com Windows XP.