Home » Artigos arquivados » 2003 – Análise da placa de CPU Intel D845GLVA com processador Celeron de 2,4 GHz

2003 – Análise da placa de CPU Intel D845GLVA com processador Celeron de 2,4 GHz

Autor: Laércio Vasconcelos,
Agosto/2003

Esta placa simples da Intel, para processadores Celeron derivados do Pentium 4, e para o próprio Pentium 4 com FSB de 400 MHz, com vídeo onboard de excelente desempenho, som e rede integrados e memória DDR266 é de desempenho surpreendente, e de preço bem acessível. Inicialmente recebi uma amostra da Intel para avaliação, mas sua performance e confiabilidade me levaram a comprar uma para meu uso próprio.

Placas de CPU com alta confiabilidade

Um PC de alta qualidade requer peças de alta qualidade que normalmente custam mais caro. Esta regra sempre será válida, mas não podemos deixar de notar a recente redução nos preços de alguns produtos de alta qualidade. Até recentemente, placas de CPU simples, porém de qualidade inferior (PC Chips) eram vendidas por cerca de 200 reais. É uma lamentável compra, pois a placa de CPU é a mais importante do computador, e responsável pela sua confiabilidade. Placas simples, porém de alta qualidade, custavam mais caro, cerca de 500 reais. Os fabricantes de placas de CPU têm oferecidos os tradicionais modelos de alta performance, com vários recursos sofisticados e muitos slots para expansão. Mas também têm oferecido modelos simples, com alta qualidade e confiabilidade, e preços bastante acessíveis. A placa do nosso artigo custa cerca de 320 reais nos distribuidores, e 400 reais nas lojas de varejo (preços apurados no Rio de Janeiro e São Paulo, jul/2003). Sendo uma placa Intel, sua confiabilidade é muito alta, e vale muito a pena pagar uma pequena diferença para ter um PC com máxima confiabilidade.

É verdade que um PC equipado com componentes de confiabilidade reduzida pode ser um bom negócio para quem o vende. Este tipo de PC requer muitos chamados de manutenção. Em certos casos esses PCs precisam de certas configurações não documentadas para que funcionem corretamente. Se o usuário um dia resolver formatar o disco rígido e reinstalar o Windows, não terá as informações necessárias para fazer essas “configurações especiais”, e o PC ficará inoperante. Será preciso chamar a assistência técnica. Basta citar como exemplo, o caso dos modems onboard de certas, placas, que precisam ter a configuração de país alterada para México ou Suíça para que façam corretamente a discagem…

Uma placa de CPU de alta qualidade custará de 100 a 200 reais a mais que uma equivalente de qualidade inferior. Sua grande vantagem entretanto é a confiabilidade muito maior. Qual é o valor do prejuízo resultante de um micro parado durante um dia inteiro, em manutenção? Quanto tempo se perde com travamentos e outras anomalias? Quanto custa uma visita técnica?

Sempre costumo destacar as placas de CPU produzidas pela Intel como as de melhor qualidade disponíveis no mercado. Felizmente são encontradas no Brasil com muita facilidade. Têm garantia de 1 a 3 anos, dependendo do modelo, e o suporte técnico oferecido no site da Intel é muito bom, com todos os manuais, BIOS e drivers atualizados. Quem produz um PC com uma placa de CPU Intel, pode simplesmente esquecê-lo, do ponto de vista de suporte e manutenção. O PC funciona durante anos seguidos sem problemas ou defeitos de hardware.

No meu caso, tenho normalmente de 15 a 20 PCs operando em meu laboratório, e mais três em setores administrativos. Não posso perder tempo dando suporte e manutenção nesses PCs administrativos. Também não posso permitir que vendas on-line sejam interrompidas para manutenção de um micro. Por isso meus PCs em áreas administrativas usam placas de CPU Intel e Supermicro. O servidor da rede do meu laboratório também usa uma placa de CPU Intel.

Placa Intel D845GLVA

Esta é uma placa de CPU Micro ATX, porém bastante versátil. Possui som, vídeo e rede onboard, tem interfaces ATA-100 e quatro portas USB 2.0. Podemos destacar aqui uma característica comum em muitas placas de CPU novas. Vídeo onboard já foi sinônimo de “Video lento e de baixa qualidade”. O mesmo ocorria com o som onboard. Esses princípios têm mudado bastante nos últimos dois anos. Podemos encontrar chipsets com circuitos de video onboard de alto desempenho e qualidade. A placa D845GLVA é equipada com o chipset Intel 845GL, com vídeo Intel Extreme Graphics, com desempenho muito bom, até mesmo para jogos 3D de última geração. O som onboard opera com 20 bits e seis canais.

HARD-01

Figura 1 – Placa D845GLVA

A placa suporta processadores Pentium 4 e Celeron com FSB de 400 MHz. Note que o Celeron citado é o derivado do Pentium 4, e não os antigos, derivados do Pentium 3. A diferença entre este Celeron e o Pentium 4 é a cache L2 menor, com 128 kB, ao invés de 512 kB. O Celeron também opera com FSB de 400 MHz. Já o Pentium 4 opera na maioria dos seus modelos, também com 400 MHz de FSB. Modelos mais novos do Pentium 4 já operam com FSB de 533 MHz e 800 MHz. A placa D845GLVA utiliza memórias DDR266, atualmente as mais econômicas encontradas no mercado. O processador Celeron é uma boa escolha para quem deseja alto desempenho e não quer pagar caro por processadores mais avançados. Por exemplo, um Pentium 4 de 2 GHz ou um Athlon XP 2000 oferecem alto desempenho na execução de todos os softwares modernos. O Celeron de 2 GHz também oferece desempenho elevado para as aplicações típicas. Sua cache menor pode reduzir o desempenho nas aplicações profissionais, mas isso não prejudica a maioria dos usuários domésticos, nem aqueles que não precisam usar programas profissionais pesados. A economia feita com o Celeron permite usar a diferença de preço em outro componente, como memória adicional, um monitor maior, um gravador de CDs, por exemplo.

HARD-02
Figura 1a – O gerenciador de dispositivos mostra os circuitos de rede, vídeo e som onboard.

Particularmente, penso que o atual Celeron deveria ser chamado de “Celeron 4”. Os primeiros processadores Celeron, lançados em 1998 e derivados do Pentium II, tinham realmente um desempenho bem inferior ao do Pentium II e Pentium III correspondentes. A última versão do Celeron que ainda era baseada na arquitetura do Pentium III foi o Celeron Tualatin. Este era sim, um excelente processador, com FSB de 100 MHz e cache L2 de 256 kB. Um Celeron Tualatin de 1200 MHz tinha velocidade similar à de um Pentium III de 1000 MHz, porém custando a metade do valor. A atual geração do Celeron é derivada do Pentium 4, e começa com 1,7 GHz. Esses processadores podem ser usados nas mesmas placas de CPU que suportam o Pentium 4 com soquete de 478 pinos, ou seja, todos os modelos atuais.

Conectores da placa

Esta placa de CPU segue o padrão Micro ATX, medindo 9,2” por 8,2” (23,2cm x 20,8 cm). Pode ser instalada em gabinetes Micro ATX, resultando em PCs bem leves e compactos. Como tem seus principais circuitos onboard, pode operar sem placa de expansão alguma. Se não for necessário instalar modems ou outros dispositivos avulsos, os seus três slots PCI não precisarão ser usados. A placa poderá então ser instalada em um gabinete slim, resultando em um PC com apenas 8 cm de altura. Mesmo nesse caso podem ser instaladas placas de expansão PCI, desde que o gabinete possua um adaptador para ligar as placas PCI na posição horizontal.

I002-02
Figura 2 – Conectores na parte traseira da placa.

As conexões na parte traseira da placa são um pouco diferentes das tradicionais. Os conectores para teclado e mouse, portas seriais e paralela estão no mesmo lugar de sempre. Notamos entretanto que os conectores USB e de rede estão em um local diferente, próximo aos conectores de som. Também foi eliminado o conector DB15 do joystick. Modernas placas de CPU devem eliminar este conector, de acordo com as especificações industriais do PC Design Guide. Encontramos somente os três conectores de som: Line In, Line Out e MIC. Como nem todos os gabinetes possuem furação na sua parte traseira para este arranjo de conectores, a placa vem acompanhada de uma moldura compatíveis com esses conectores, para ser instalada no gabinete.

A seguir resumimos as principais características da placa D845GLVA:

Processador Pentium 4 ou Celeron com Socket 478 e FSB de 400 MHz. Permite upgrade de processador até o Pentium 4 de 2,6 GHz com FSB de 400 MHz, e futuros processadores Celeron.
Memória Dois soquetes para módulos DDR266 com até 1 GB cada, memória máxima de 2 GB.
Chipset Intel 845GL
Áudio AC97 integrado no chipset e chip CODEC SigmaTel 9750.
USB 4 portas USB 2.0
Portas 1 serial, 1 paralela, mouse e teclado
Interfaces de disco Duas interfaces IDE padrão ATA-100, 1 interface para drive de disquetes
SLOTS 3 slots PCI
Adicionais 2 conexões para coolers, 1 detector de “chassis intrusion”

Um fato curioso é que esta placa, assim como muitas outras da Intel, não possui o recurso “Press DEL to run Setup”. Para executarmos o CMOS Setup temos que posicionar um jumper, fazer as alterações, e ao término, colocar o jumper de configuração na posição normal. Em um PC usado em um ambiente corporativo, pode ser uma boa idéia deixar o Setup “escondido” do usuário final.

Boot rápido!!!

Nunca vi um PC fazer um boot tão rápido. Desde o instante em que esta placa de CPU é ligada, demoram exatamente 10 segundos para ser dado início ao boot do Windows. Se usarmos o recurso de hibernação, já bastante popularizado no Windows ME, Windows 2000 e Windows XP, no qual a carga do sistema demora de 5 a 10 segundos, teremos a tela da área de trabalho do Windows disponível apenas 20 segundos depois do instante em que o PC é ligado!

Algumas medidas de desempenho

Esta placa, bem como o processador Celeron, não se destina ao mercado de PCs de alto desempenho. Processadores mais velozes como o Pentium 4 com HyperThreading Technology e FSB de 800 MHz devem ser usados nas aplicações mais avançadas. Ainda assim fizemos algumas medidas de índices de desempenho e pudemos constatar que esta placa, bem como o processador Celeron não fazem feio em comparação com outros processadores na faixa de 2 GHz. Fizemos inicialmente medidas com o programa PCMark2002. Este programa executa várias tarefas típicas que usam muito o processador, como compressão/descompressão de arquivos ZIP, compressão de arquivos JPEG, conversão de áudio, busca de texto, cálculos com vetores tridimensionais, operações na memória, acessos diversos ao vídeo e ao disco rígido. O programa mostra um índice de CPU e um índice de memória, proporcionais aos respectivos desempenhos. A tabela abaixo resume os resultados obtidos com processadores Celeron de diversos clocks.

Processador/placa/memória Índice de CPU Índice de memória
Celeron 1.7 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 3869 3428
Celeron 1.8 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 4104 3485
Celeron 1.9 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 4287 3489
Celeron 2.0 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 4514 3579
Celeron 2.1 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 4732 3614
Celeron 2.2 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 4891 3611
Celeron 2.3 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 5081 3672
Celeron 2.4 GHz, D845GLVA/256 MB DDR266 5297 3686
Athlon XP 1900+, M5MIA/256 MB DDR266 4513 2734
Pentium 4 HT 2.4 GHz HT, D875P, 512 MB DDR400 duplo canal 5842 6744

O Celeron que recebemos para testes era uma amostra de engenharia, de 2.4 GHz. Este processador é “destravado”, e portanto aceita os clocks definidos pelos jumpers da placa de CPU ou através do CMOS Setup. Podemos assim avaliar o seu comportamento com diversos valores de clock interno. Comparando os vários índices de CPU pudemos constatar uma coisa boa: o índice aumentou proporcionalmente com o clock do processador. Já tivemos no passado, processadores cujo desempenho não acompanhava proporcionalmente o clock, como o K6-2. Comparando um K6-2/550 com um K6-2/300, o aumento de clock é de 80%, mas o aumento de desempenho é inferior a 30%. Comparando o Celeron de 2.4 GHz com o de 1,7 GHz, temos um aumento de desempenho de 37%, para um aumento de clock de 41%. Isto significa que poderemos esperar bons aumentos de desempenho nas futuras versões do Celeron, com clocks mais elevados.

Comparando os índices de desempenho nos acessos à memória, notamos que variam muito pouco, entre 3428 e 3686. A pouca variação se deve ao fato de todas as memórias serem DDR266. Um processador com clock maior terá mais desempenho no processamento dos dados, mas buscará dados e informações com uma velocidade que é mais dependente do tipo de memória utilizada, e não do clock do processador. Por isso temos uma diferença tão pequena nas velocidades de acesso à memória para processadores Celeron de 1.7 GHz e de 2,4 GHz. Note ainda que adicionamos na tabela um processador Athlon XP 1900+, também com memória DDR266. O desempenho obtido é bem próximo do desempenho de processamento de um Celeron de 2 GHz. Entretanto, mesmo usando memórias iguais, o Celeron tem FSB de 400 MHz, enquanto este Athlon XP tem FSB de 266 MHz. Por isso o Celeron obteve melhor desempenho nos acessos a memória: 3579, contra 2734 do Athlon XP 1900. O Celeron equivalente a este Athlon XP teve portanto um desempenho 30% maior nos acessos à memória, mesmo tendo sido utilizado o mesmo tipo de memória em ambos os casos, graças ao FSB de 400 MHz do Celeron, 50% mais rápido que o FSB de 266 MHz do Athlon XP. Isto significa que este Celeron levará vantagem sobre o Athlon XP nas aplicações que fazem uso intensivo da memória.

O Celeron também não faz feio em comparação com o Pentium 4 HT. É claro que o Pentium 4 HT terá sua velocidade quase dobrada quando operando com programas que fazem uso de HyperThreading Technology. Para uma comparação mais justa, deixamos o HT desativado nesta comparação, mas mantivemos o barramento de 800 MHz e a memória DDR de duplo canal. Nessas condições, o Pentium 4 de 2,4 GHz apresentou um índice de processamento em torno de 5800, enquanto o Celeron de 2,4 GHz ficou em torno de 5300. Esta redução se deve ao fato do FSB do Celeron ser menor, e de sua cache L2 ter 128 kB, ao invés de 512 kB. Já o índice de desempenho da memória deste Pentium 4 é 83% maior que o do Celeron de 2,4 GHz, e 147% maior que o do Athlon XP 1900+. Isto dá ao Pentium 4 HT uma grande vantagem em relação ao Celeron e ao Athlon XP nas aplicações que fazem uso intensivo da memória. Não estamos levando em conta o uso de HyperThreading Technology. Nas aplicações profissionais que fazem uso deste recurso, o desempenho de processamento do Pentium 4 HT é quase dobrado.

Instalação fácil

Testamos a placa no Windows 98, Windows ME e Windows XP. Em todos os casos, o uso do CD-ROM de instalação deixou o sistema configurado corretamente. Ao inserirmos o CD-ROM que acompanha a placa, um menu apresenta os drivers a serem instalados, a começar pelo driver do chipset.

I002-03
Figura 3 – Programa de instalação

Para fazer a instalação, basta marcar todos os drivers indicados na janela apresentada quando inserimos o CD-ROM que acompanha a placa. São instalados os drivers do chipset, vídeo, som, rede, USB, etc. Lembramos que no caso do Windows 98 e Windows ME, é preciso habilitar manualmente o Bus Mastering para os dispositivos IDE, através da opção DMA no Gerenciador de dispositivos.

Podemos posteriormente usar mais uma vez o CD para instalar utilitários que acompanham a placa, como o Norton Antivírus, Norton Internet Security, WinDVD, Real Player, NTI CD-Maker (software para gravação de CDs), Adobe Acrobat Reader e Shockwave. A instalação é automática, bastar clicar nos softwares desejados e a instalação será feita.

Vídeo onboard de bom desempenho

As placas de CPU com vídeo onboard da Intel tipicamente apresentam bom desempenho de vídeo. Nosso objetivo na avaliação desta placa é comprovar a sua qualidade e versatilidade, por isso não fizemos testes exaustivos de desempenho. Mas pudemos verificar seu elevado índice de desempenho com o programa 3D Winbench 2000. Este programa gera diversas cenas tridimensionais e verifica o número de frames por segundo gerados em cada uma delas. São ao todo 54 testes. Fizemos esses testes com as resoluções de 640×480, 800×600, 1024×768 e 1280×960. O resultado final é dado em frames por segundo (fps), calculado pela média do número de fps obtido em cada um dos 54 testes. A figura 4 mostra as imagens 3D em movimento geradas por um dos 54 testes.

I002-04
Figura 4 – Um dos testes do 3D Winbench 2000

Os resultados dos testes são mostrados na tabela abaixo. Todos foram feitos com o processador Celeron operando a 2 GHz e com 256 MB de memória DDR.

Modo Frame rate
640 x 480 x 32 bits 62 fps
800 x 600 x 32 bits 46 fps
1024 x 768 x 32 bits 43 fps
1280 x 960 x 32 bits 20 fps

Uma taxa de 30 fps é suficiente para ter uma boa continuidade de movimentos em imagens tridimensionais. Como vemos na tabela, o vídeo onboard desta placa tem fôlego suficiente para rodar com boa folga os programas tridimensionais mais modernos. É claro que para quem gosta muito de jogos, a melhor coisa é utilizar uma boa placa 3D, de preferência AGP8x, com um chip gráfico avançado e uma generosa quantidade de memória de vídeo. Nesse caso, a placa que estamos testando não é a mais recomendada. De qualquer forma, esta placa reúne o melhor de dois mundos. Permite produzir um PC de baixo custo sem pagar caro por uma placa 3D avançada. Vemos que podemos jogar confortavelmente com a resolução máxima de 1024×768 com 32 bits por pixel, ficando sempre acima de 40 fps. Para resoluções maiores, realmente é preciso ter um PC próprio para jogos, com uma placa 3D mais veloz.

Os drivers de vídeo são compatíveis com o OpenGL, o que permite executar os jogos modernos, baseados neste padrão. Jogos baseados no Direct3D também funcionam sem problemas.

Testamos ainda alguns jogos na resolução de 1024×768 e 800×600, com 16 e 32 bits por pixel. Foram bons os resultados obtidos com os jogos Return to Wolfenstein Castle, Need for Speed Porsche 2000, Collin McRae Rally 2.0 e Quake III Arena. Excelentes frame rates em todos eles.

HARD-03
Figura 6 – O ícone do Intel Extreme Graphics no Painel de controle

Depois que o driver de vídeo é instalado, o Painel de controle passa a exibir o ícone Intel Extreme Graphics (figura 6). Podemos então fazer alguns ajustes finos no funcionamento do vídeo. Por exemplo, podemos definir teclas de atalho para o selecionamento de modos gráficos, fazer ajustes de cor, criar esquemas de cor, etc. Um comando importante é o que faz ajustes no funcionamento do OpenGL (figura 7). Podemos deixar todas as configurações na opção padrão, ou então fazer ajustes finos para obter um compromisso ideal entre qualidade de imagem e seu desempenho. Por exemplo, se estivermos obtendo um frame rate bem maior que 30 fps, podemos ativar a filtragem anisotrópica, resultando em melhor qualidade nas texturas.

I002-07
Figura 7 – Configurações de OpenGL.

Porque comprei esta placa

Alguns dos meus micros têm que funcionar de forma infalível, sem surpresas. Não posso por exemplo parar meu trabalho para ir resolver um problema no PC no qual são processadas as compras on-line do meu site. Preciso que este PC funcione como um relógio, sem problemas. Neste PC utilizo uma placa da Intel, a D815, para Pentium III. Gostei da D845GLVA e acabei comprando uma para utilizar no computador que levo quando viajo para meus cursos e palestras. Não posso transportar um computador de reserva, nem posso correr o risco do PC não funcionar durante a aula. Este PC precisa ser infalível. A placa D845GLVA é uma boa solução para o problema. Outra questão é que o PC que levo nas viagens tem um gabinete slim, bastante compacto. Eu não poderia utilizar placas de CPU tamanho Full ATX, nem instalar placas de expansão devido às restrições de dimensão do gabinete. Com um vídeo onboard de alto desempenho, posso fazer meu trabalho neste PC, sem problema algum.

Algumas fotos de partes da placa

Na figura abaixo vemos a placa D845GLVA, com o processador Celeron de 2.4 GHz já instalado. Note a disposição dos conectores da sua parte traseira. Temos conectores para teclado e mouse padrão PS/2, uma interface serial, uma interface paralela, conector para o monitor, duas portas USB, interface de rede e três conectores de som: Line IN, Line Out e Mic. Mais duas portas USB estão disponíveis através de uma ligação com o painel frontal do gabinete.

HARD-05

A figura a seguir mostra esses conectores com mais detalhes.

HARD-06

Na figura abaixo vemos o processador Celeron de 2.4 GHz instalado no seu soquete. À esquerda do soquete do processador vemos um dos componentes do chipset, responsável pelo controle da memória e vídeo AGP integrado. Note que esta placa exige uma fonte de alimentação tipo ATX12V, conhecida no comércio como “fonte para Pentium 4”. Utiliza o conector principal ATX de 20 pinos e o conector de 12 volts.

HARD-07

Na figura abaixo vemos os três slots PCI desta placa, bem como os dois componentes do chipset.

HARD-08

Na figura abaixo vemos alguns elementos da placa. O jumper de configuração mostrado deve ser posicionado em NORMAL ou SETUP. Apenas quando colocamos este jumper na posição SETUP temos acesso ao CMOS Setup. Isto dificulta a alteração do CMOS Setup por usuários comuns.

I002-10A

Conclusão 

Nossa conclusão é que a combinação desta placa com o processador Celeron premite produzir um PC de baixo custo, alta qualidade e alta performance. O preço final será semelhante ao de um PC barato, mas a qualidade será muito superior.