Home » Artigos arquivados » 2002 – Disco rígido e unidades de fita (Perguntas e Respostas)

2002 – Disco rígido e unidades de fita (Perguntas e Respostas)

1) Particionamento de HD’s
Possuo um Pentium III-600, com 256 de ram, dois HD’s um de 40 e outro de 10 Gb’s, apos trabalhar com um PC com HD particionado notei grande melhora no desempenho e gostaria de saber qual a melhor forma de melhor o desempenho do meu PC utilizando os dois HD’s e qual a melhor maneira de particionar um HD de 40 Gb’s( Quantas Partições e o Espaço de Cada Uma.)
Resposta:
O fato do desempenho no sistema com HD particionado ser maior não significa necessariamente que o motivo desse desempenho seja o particionamento. Comparando o desempenho de um mesmo sistema, usando o disco rígido particionado e não particionado, teremos melhor desempenho no acesso a disco, mas o seu PC original pode estar lento por outros motivos, e não só pelo particionamento. Minha recomendação é que este particionamento seja feito, pois além de aumentar o desempenho do disco rígido nos acessos à primeira partição (os acessos à segunda partição serão normais ou um pouco mais lentos que no sistema não particionado), facilitará operações de backup. Para fazer o particionamento será preciso usar o programa FDISK, mas os dados do HD serão perdidos. Use o seu segundo HD para fazer backup dos dados mais importantes. Em www.laercio.com.br você encontrará artigos a respeito de formatação e particionamento de HDs. Existe ainda um ajuste que aumenta o desempenho do disco, que é configurar o seu sistema de arquivos como Servidor. Este ajuste faz com que uma maior área de memória seja usada como cache do disco rígido. Para fazer este ajuste, use o comando Sistema no Painel de Controle e selecione a guia Desempenho. Clique em Sistema de arquivos e Disco rígido. O quadro terá o aspecto mostrado na figura anexa. O campo “Função deste computador” deve ser programado como Servidor de rede. Não significa que o PC será usado como servidor, e sim que uma maior área de memória será usada para a memorização de localizações de arquivos e diretórios, tornando a cache de disco do Windows mais eficiente. Devemos também colocar no valor máximo o controle de otimização de leitura antecipada, como mostra a figura. Outro melhoramento é obtido quando fazemos uma desfragmentação no disco rígido. Pode fazê-la, por exemplo, uma vez por mês.
Ajustando o sistema de arquivos para aumentar o desempenho

2) HD incompatível ou defeituoso?
Recentemente compramos um Hd Quantum de 40 Gb, fui instala numa das maquinas só q na hora q mandei detectar ele travou a bios, testei em mais três maquinas todas sendo Pentium 300Mhz SLOT 1 e continuou com o mesmo defeito. Depois de testar nestas maquinas coloquei o HD num Pentium 120Mhz, ele reconheceu normal (só 8Gb). Gostaria de saber se estes HDs de maiores capacidades tem algum conflito com as placas mãe SLOT 1 ou o q devo fazer. As placas mãe são de fabricantes ou modelos diferentes.
Resposta:
Realmente os PCs com BIOS anteriores a junho/99 têm a limitação de 32 GB para a capacidade máxima dos discos rígidos, assim como os anteriores a jan/98 têm a limitação de 8 GB. Quando ligamos um desses discos em um PC que não o suporta, o que normalmente ocorre é a limitação na sua capacidade, mas os travamentos não são comuns. Travamentos podem ocorrer por outras causas, como erros nos jumpers e nos cabos. Ainda assim, incompatibilidades são incompatibilidades, e não descarto a possibilidade de travamentos nesses casos, tudo é possível. Uma solução para o problema é acessar o site do fabricante da placa de CPU e fazer o download da versão mais recente do BIOS para a sua placa. Se esta versão for mais nova que jun/99, terá a limitação de 32 MB resolvida. Uma outra solução é fazer a instalação do disco através de softwares especiais como o Disk Manager, EZ Drive e similares. No site da Maxtor (www.maxtor.com), que comprou a divisão de discos rígidos da Quantum, você encontrará o programa MaxBlast Plus, usado para vencer tais limitações.

3) Driver e formatação de HD
Tenho uma placa de vídeo ALLIANCE SEMICONDUCTOR PROMOTION AT24, quando a coloco no slot e ligo o computador, o windows só reconhece 16 cores. A placa já funcionou perfeitamente no modo high color 16 bits, só q formatei o HD e perdi o driver dela. Ja tentei diversos drivers, mas nenhum era da placa propriamente dita, pq nao consigo achar nada a respeito desse fabricante. Gostaria de uma sugestão do q eu tenho a fazer. 2- Quando formatei o HD, precisei mandar o computador numa loja q dava assistência técnica, para instalar programas, só q quando fui olhar o HD que é um Quantum de 4.3Gb estava dividido em 3 partições(C, D e E), ou seja duas a mais do q o necessário para um HD tão pequeno.. Usei o FDisk e excluí as partições D e E. Deu certo, só q o espaço q estas duas particões tinham simplesmente sumiu. O Windows só reconhece 1.99Gb de espaço total. Pq isso aconteceu, e o q devo fazer para ter o restante do espaço de volta, se possível sem ter que formatar o HD?
Resposta:
Os drivers para este chip gráfico estão em: http://www.alsc.com/support/graphicsarch.htm. Peço aos leitores que evitem enviar dúvidas pedindo drivers. O que sempre faço é procurar em www.drivershq.com ou mesmo em www.altavista.com. Este fabricante atua principalmente com memórias, e já não opera mais com chips gráficos, portanto seus drivers estão desatualizados e sem suporte. Infelizmente muitos fabricantes desaparecem ou encerram suas atividades em certas áreas, deixando o usuário sem drivers novos. Quanto ao disco rígido, você encontrará em www.laercio.com.br um artigo que ensina a usar o FDISK. Você já deletou os drives lógicos D e E, mas deve ter agora uma partição estendida ocupando cerca de 2 GB. Use agora o FDISK para criar um novo drive lógico ocupando toda a partição estendida. Terminada a criação, execute um novo boot e use o FORMAT para fazer a formatação lógica no drive D, que agora terá cerca de 2 GB.

4) Formatação de disco rígido
Tenho o hábito de formatar HD’s sempre que ocorre algum problema de travamento ou instalações indevidas de softwares, porém, sempre o faço logicamente. Gostaria de informações sobre como formatar fisicamente um HD, no caso de apresentarem badblocks ou algum outro problema que não se resolva pela formatação lógica. Existe algum software específico para isso? Tenho 2 HD’s Quantum, uma de 20 e outra de 1,2 GB.
Resposta:
Prezado Hélio, os discos rígidos não são mais formatados fisicamente pelo usuário, há mais de 10 anos. Os primeiros modelos IDE ainda podiam ser formatados com programas especiais, como o Disk Manager, desde que fossem fornecidos pelos próprios fabricantes dos discos rígidos. Curiosamente o CMOS Setup das placas de CPU continuou incluindo um comando de formatação física, até meados dos anos 90. Este comando não funcionava, e era próprio para uso com discos rígidos MFM, produzidos nos anos 80. Infelizmente ainda existem algumas referências técnicas desatualizadas no mercado, citando a formatação física de discos rígidos, mas não informando ao leitor que esta técnica não é mais usada. Os bad blocks não são mais corrigidos através de formatação física. Devem ser mapeados para ficarem sem uso, através de programas como o Scandisk e o Norton Disk Doctor. Setores defeituosos podem aparecer devido a instabilidades na rede elétrica e desligamentos ou Resets acidentais, feitos durante operações de acesso a disco. Use um estabilizador de voltagem e desligue o computado pelos comando usuais de desligamento para evitar tais problemas.

5) Placa não reconhece HD de 8 GB
Tenho um HD de 8 GB Fujitsu, mas meu computador só reconhece 504 MB, o processador é um AMD K-5/133, placa mãe sis 503. O que devo fazer?

Resposta:
Os BIOS de computadores muito antigos não reconhecem discos IDE com mais de 504 MB. No final da era do 486, os BIOS já haviam sido atualizados para romper esta barreira. Quando chegaram as placas de CPU para Pentium (que suportam também o K5), os BIOS já suportavam discos com mais de 504 MB. Alguns modelos entretanto só chegavam até 2 GB, outros até 4 GB e outros até 8 GB, aproximadamente. No seu caso, pelo menos 2 GB devem ser suportados. Se o BIOS reconhece somente 504 MB, então é preciso habilitar a função LBA (Logical Block Addressing) no CMOS Setup. Se este computador foi vendido originalmente com este disco rígido, então seu BIOS provavelmente suporta 8 GB.

6) Disco rígido ATA-100
Tenho uma placa PC CHIPS M598 que diz suportar discos ATA 33/66 MB/s. Pois bem, queria comprar um novo disco rígido para aumentar minha capacidade de armazenamento. Se eu comprar um ATA-100, pensando em futuro upgrade da placa mae, ele funcionará na minha placa atual? (Nao com o desmpenho 100, porem de 66?) Ou o melhor a se fazer é comprar mesmo um ATA 66? E outra: é muito arriscado fazer upgrade de BIOS??
Resposta:
Seu novo disco rígido será ATA-100, enquanto a interface IDE da placa de CPU será ATA-66. O cabo flat deve ser de 80 vias, típico do ATA-66 e ATA-100. Prevalecerá portanto o modo ATA-66. O padrão ATA foi feito de forma a manter compatibilidade com as velocidades menores, por isso o disco funcionará. Note que dependendo do BIOS da sua placa de CPU, poderá ser necessário fazer um upgrade de BIOS, para que sejam reconhecidos discos com mais de 32 GB. O upgrade de BIOS é uma operação que normalmente não traz problemas, mas não isso não é 100% garantido. Existem casos de usuários que fizeram upgrades de BIOS e suas placas de CPU ficaram inacessíveis. Apesar de ser pouco prováveis, esses casos acontecem. Para não correr o risco do upgrade, você pode instalar o disco através do utilitário oferecido pelo fabricante, como o Disk Manager ou similar. Ele torna possível o reconhecimento da capacidade total do disco sem a necessidade de atualização de BIOS.

7) Upgrade de HD
Tenho um Aptiva K66/133mhz no qual já instalei 48 mega de memória e mais um disco de 7.8 giga (Quantun), este como “escravo” sendo que o original que era um “top” em 1996 tem 1.2 giga. Este “vive” mandando mensagens de que está cheio, o que é verdade. Pergunta: é possível formata-lo e restaurar o sistema no disco “escravo”?
Resposta:
É perfeitamente possível trocar os discos de lugar. Primeiro será preciso formatar o segundo HD e a seguir copiar para ele, todo o conteúdo do primeiro HD. Existem alguns cuidados a serem tomados nesta cópia. Primeiramente é preciso habilitar a exibição de todos os arquivos, senão a cópia será incompleta. No Windows 95 e no 98, basta abrir uma janela qualquer e usar Exibir / Opções de pasta / Modo de exibição. Marque a opção “Mostrar todos os arquivos” . No Windows ME este comando é encontrado no Painel de Controle. Feito isso, marque todos os diretórios e arquivos do drive C, exceto o \Windows. Use editar/copiar e no segundo disco rígido, use editar/colar. Depois disso crie e abra uma pasta \Windows no segundo disco. Abra a pasta \Windows do primeiro disco e marque todos os arquivos e pastas, exceto o WIN386.SWP. Use então editar/copiar e editar colar sobre a pasta \Windows do segundo disco. A próxima etapa consiste em trocar os discos de lugar. Será preciso alterar os jumpers Master/Slave de ambos, e detectá-los novamente no CMOS Setup. Como esta detecção nem sempre funciona bem nos PCs antigos, recomendo que você antes de tudo anote os parâmetros de cada disco (cilindros, cabeças, setores e LBA) e confira se estão iguais aos detectados. Se não estiverem, ajuste-os manualmente. O próximo boot deve ser feito com o disquete de inicialização do Windows. Use o comando SYS C: para gravar o setor de boot no disco rígido novo, que agora é o C. Use o programa FDISK e comande a opção 2 – definir partição ativa. Depois disso você poderá executar um boot com o novo disco rígido, agora operando como C.

8) Habilitando o Ultra DMA
Como configurar o HD para funcionar na memória DMA?
Resposta:
O termo “memória DMA” não está correto. Seria correto perguntar “como configurar o disco rígido para funcionar em modo Ultra DMA”. Esta configuração aumenta o desempenho do computador, primeiramente porque habilita a maior taxa de transferência permitida pelo disco. Segundo porque nesta modalidade, o processador fica praticamente livre para outras tarefas enquanto a interface de disco rígido faz as transferências. Para isso usamos Painel de Controle / Sistema / Gerenciador de dispositivos. No Windows 9x/ME, aplique um clique duplo em unidades de disco, depois em “Generic IDE Disk type 47” ou similar. Selecione a guia Configurações e marque a opção DMA. Será preciso reiniciar o computador. No Windows XP, chegando ao gerenciador de dispositivos, selecione as interfaces IDE e “canal IDE primário”. Selecione a guia “Configurações avançadas” e habilite o DMA. Faça o mesmo com o canal secundário. Será preciso reiniciar o computador para que as alterações tenham efeito. Note que nem sempre o modo Ultra DMA funciona em computadores antigos. Nos raros casos em que tive notícias de problemas, tratavam-se de computadores Pentium abaixo de 200 MHz e anteriores.

9) HD cheio de bad clusters
Possuo um Pentium 233MMX (Genuine Intel), motherboard Main Board, 32mb de Ram, HD 3.2 da Samsung. Devido à má utilização da máquina pelo leigo do meu irmão, a capacidade do HD cai 1.3gb só de bad clusters, ou seja, de 3.2 agora possuo algo em torno de 1.9gb. De uns tempos para cá, não consigo rodar o scandisk. O Windows me informa que ele já foi reiniciado mais de dez vezes. Eu gostaria de continuar tentando executá-lo. Com se não bastasse, com o desfragmentador de disco ocorre a mesma coisa. Help!
Resposta:
Não é possível um HD ter tantos bad clusters e continuar funcionando. Mesmo quando um HD tem muitos problemas, dificilmente a quantidade total de bad clusters assume uma porcentagem grande em relação à capacidade total do disco. No seu caso é quase a metade do disco! Isso pode ocorrer quando as cabeças arranham a superfície do disco, soltando partículas que provocam mais arranhões. Nesse caso os bad clusters vão aumentar mais ainda à medida em que o disco for usado. Mesmo que você consiga mapear esses bad clusters para que não sejam mais usados, novos bad clusters surgirão, comprometendo seriamente a integridade dos seus arquivos. Sugiro que você confirme se realmente este é o problema. Qual programa afirmou que existem 1,3 GB de bad clusters? É possível que o seu disco não esteja instalado corretamente, que esteja utilizando apenas 2 GB em uma partição, e que o restante do espaço esteja não particionado. Enfim, é preciso fazer uma investigação técnica sobre o assunto. Se realmente existem tantos bad clusters, não recomendo que você continue usando este disco. O Scandisk poderá funcionar se você usá-lo no modo MS-DOS, mas a operação total irá demorar muitas horas. Também é possível usá-lo no modo de segurança do Windows. Não use outros programas enquanto o Scandisk estiver trabalhando.

10) Teste de superfície
Quando vou fazer um Teste de Superfície aparece blocos danificados. Como consigo eliminá-los?
Resposta:
Dependendo do tipo de problema, o Scandisk pode consertar blocos danificados, simplesmente gravando-os novamente e liberando-os para uso. Para isso basta deixar que o teste de superfície seja feito até o fim, o que pode demorar muitas horas. Existem entretanto vários tipos de problemas que não podem ser consertados. O Scandisk e outros programas similares (Norton Disk Doctor, por exemplo) marcam esses blocos na FAT para que não sejam mais usados. Se os dados deste disco rígido são vitais para você ou para a empresa à qual pertencem, não vale a pena correr o risco. Os blocos danificados podem existir devido a um head crash (a cabeça tocou na superfície do disco, provocando um arranhão e soltando partículas que causam mais arranhões com o passar do tempo). Os dados correm risco, se foi realmente isso o que ocorreu. Se os blocos danificados foram causados por problemas puramente magnéticos (normalmente quando desligamos ou resetamos o PC durante gravações), então não existe risco de surgirem novos blocos danificados com o passar do tempo. Basta deixar o Scandisk mapear os já existentes para que não sejam mais usados e tomar algumas providências: usar um estabilizador de voltagem e evitar a todo custo, desligar ou resetar o computador durante operações de acesso a disco.

11) Alterando o tamanho dos clusters
Lendo a dica sobre otimização do HD publicada na edição da semana passada, lembrei-me que existe um software, que pode ser encontrado no site da Quantum ou da Seagate que se chama Disk Manager (DM), que permite que o tamanho do cluster seja escolhido entre 512 bytes até 32 kb. No caso da criação da partição com FAT 32, ele informa que o padrão é 4 kb e também que se outro valor for escolhido, pode haver problemas de leitura par parte do sistema operacional. Existem realmente problemas de leitura por parte do sistema, caso o valor escolhido para o tamanho do cluster seja diferente do padrão? Quais são os inconvenientes de escolher um tamanho menor que para 4k?
Resposta:
Apesar da FAT32 ter flexibilidade para alterar o tamanho dos clusters, nem sempre o uso deste recurso é 100% garantido. Ao formatarmos um disco, é sempre escolhido o tamanho padrão, porém para cada faixa de valores para a capacidade, existem vários valores possíveis para os clusters. Aplicativos funcionam bem com clusters de qualquer tamanho, mas certos utilitários como desfragmentadores, programas de diagnóstico e reparo (Scandisk, por exemplo), gerenciadores de disco e programas anti-vírus podem não funcionar corretamente, devido a bugs, quando usamos um tamanho diferente. O uso de clusters menores é mais seguro quando o disco é formatado em NTFS, disponível no Windows NT, Windows 2000 e Windows XP.

12) Partição errada
Tenho um HD de 8.75 gb, mas apenas 75% dele está em uso. Há um espaço vazio de 25%. Como faço para maximizar a partição de 75% para a totalidade usando o Fdisk?
Resposta:
Parece que o disco foi particionado de forma errada durante a sua instalação. O programa FDISK pode apresentar, com sua opção 4, um relatório sobre o uso do disco. Deve existir uma área com pouco mais de 2 GB não particionada. Ou ainda pode ter sido particionada mas não ter sido criado um drive lógico D, ou ainda este pode ter sido criado mas pode não estar formatado. Se for viável apagar o disco inteiro, sugiro que use o comando 3 do FDISK para apagar as partições, depois use o comando 1, teclado ENTER 4 vezes para ocupar o disco inteiro. Você estará criando uma partição primária ocupando todo o disco (será o drive C) e estará tornando esta partição ativa (aquela por onde será feito o boot). FDISK não é programa para principiantes, por isso recomendo que você peça ajuda a um colega que já tenha usado este programa mais vezes. Existe em www.laercio.com.br um artigo que ensina a usar o FDISK e o FORMAT.

13) Aproveitamento da partição
Tenho um Pentium 3 de 1.1 ghz, 256 mb de Ram, HD de 40 gb, Placa Soyo 7VBA, Video Riva TNT2 e Windows XP. Particionei meu HD em quatro unidades só que através do gerenciador de disco do Windows XP, eu excluí uma partição, mas gostaria que esses gigas da partição excluída fossem estendidos para a unidade C. Isto é possível? E como faço para saber quantos megas possui minha placa de vídeo? Comprei 32 mb, mas na Propriedade de Video, aparece 16 mb.
Resposta:
Não é possível remanejar o espaço liberado para uma partição. Será preciso apagar as partições e criá-las novamente, o que resultará na perda de dados. Existem utilitários que fazem essas alterações sem perder dados, como o Partition Magic, da Powerquest. Entretanto o fabricante não se responsabiliza por eventuais perdas de dados, e recomenda que seja feito um backup completo antes das alterações. Uma forma de saber a quantidade correta de memória de vídeo é observando a mensagem do BIOS da placa de vídeo, que aparece logo que o computador é ligado, antes da contagem de memória. São indicados o chip gráfico e a quantidade de memória de vídeo. Outra forma é instalar os drivers fornecidos pelo fabricante. No seu caso, use os drivers “Detonator XP”, encontrado em www.nvidia.com. No quadro de propriedades de vídeo (Configurações / Avançadas / NVIDIA TNT2) você encontrará informações, como a quantidade de memória de vídeo.

14) HD não aceita partição
Tenho um disco rígido da Fujitsu de 10.2 mb. Formatei e rodei o programa Fdisk para particioná-lo em dois para facilitar o meu trabalho. Já fiz isso anteriormente em outros computadores e sempre deu certo. Desta vez, o meu HD não faz a leitura, não é reconhecido pelo boot do Windows e, às vezes, até no setup. Recorri ao Norton Disk Doctor, que constatou somente uma partição. A outra ficou inválida. Agora, o meu HD funciona normalmente, porém, ficou com a metade do espaço. Existe outro programa capaz de fazê-lo retornar ao tamanho original? Meu PC é um Pentium 3 de 650 mhz, 64 de Ram, placa onboard da PC Chips.
Resposta:
Mesmo quando um disco rígido está particionado de forma errada, o Setup sempre o reconhece com a capacidade total correta. O particionamento está relacionado com a utilização lógica do disco, enquanto o Setup está ligado a características físicas. Inclusive o disco rígido aparece corretamente no Setup mesmo quando não está particionado. Se o seu disco rígido não é reconhecido corretamente pelo Setup, então provavelmente está com defeito. Se ora é reconhecido pelo Setup, ora não, então existe um defeito intermitente. É mais provável que o defeito esteja no disco rígido, mas também pode estar na interface IDE da placa mãe, na fonte de alimentação e até nos cabos. Se por outro lado o HD é sempre reconhecido pelo Setup mas está com a capacidade errada, o problema está relacionado com o particionamento. O FDISK sempre indica, com a sua opção 4, a capacidade total do disco. Se esta capacidade estiver errada, então o erro está na geometria definida no CMOS Setup: número de cabeças, cilindros e setores. Se estiver correta, use o comando 3 do FDISK para remover as partições existentes. Remova primeiro os drives lógicos da partição estendida, depois a partição estendida, depois a partição primária. O comando 4 agora deverá mostrar toda a capacidade do disco como espaço não particionado. A seguir use o comando 1 para criar uma partição primária ocupando a metade do disco, depois o comando 1 para criar uma partição estendida ocupando o espaço restante. Crie um drive lógico ocupando toda a partição estendida e use o comando 2 para definir a partição primária como ativa. Depois de executar o boot, use os comandos FORMAT C: e FORMAT D:, que fazem a formatação lógica dos dois drives criados.

15) Escolha de HD
Estou querendo comprar um HD de 40gb. Todos têm velocidade de 5.400 rpm. Desejo saber qual é o mais silencioso e qual a melhor marca entre as três: Samsung, Maxtor e Seagate.
Resposta:
Todos os HDs que você citou são de boa qualidade e com níveis de ruído semelhantes. Minha ordem de escolha é a seguinte: 1=Seagate, 2=Maxtor e 3=Samsung. Os discos Samsung tiveram recentemente um bom melhoramento na sua confiabilidade, estão sendo produzidos no Brasil e com 2 anos de garantia, e seus preços são bem acessíveis. Qualquer disco rígido pode estragar de uma hora para outra. Se você não pode correr este risco, use algum mecanismo de backup, e escolha qualquer uma das três marcas citadas. Aconselho ainda que você dê uma olhada nos preços dos modelos de 60 GB e 80 GB. Pagando uma pequena diferença, você pode ter uma capacidade muito maior.

16) FDISK só cria uma partição
Tenho um HD Fujitsu de 10.2 mb, mas formatei e rodei o programa Fdisk para particioná-lo em dois. Agora, o meu HD não faz a leitura, não é reconhecido pelo boot do Windows e, às vezes, até no setup. Verifiquei o Norton Disk Doctor e foi constatada uma só uma partição, ficando a outra inválida. Agora, o meu HD funciona normalmente, mas ficou com a metade do espaço. Existe um programa capaz de retornar o tamanho original. Já tornei a passar o Fdisk novamente, mas sempre que vai ser criada a partição primária, na hora da verificação da integridade do disco aparece a mensagem: Write Protect Error Writing Fixed Disk. Não é criada a partição mesmo excluindo as criadas anteriormente. Exclui, mas não cria. Meu PC é um Pentium 3 de 650 mhz, 64 de Ram, placa onboard PC Chips completa.
Resposta:
Recomendo que você use verifique se no CMOS Setup o disco rígido está indicado com os parâmetros corretos (número de cabeças, cilindros e setores) e com a capacidade correta. Depois use o FDISK e comande a exclusão de todas as partições, para só então criar novas. Se ainda assim a capacidade do disco não for reconhecida corretamente, use o programa Norton Diskedit. Selecione objeto / drive físico, depois setor 1, trilha 0, cabeça 0 e preencha-o com zeros. O disco rígido passará a ficar na mesma situação de um HD novo. Eventuais problemas que tenham sido causados na trilha zero que impeçam a utilização correta do disco serão eliminados. Isso tudo funcionará se o disco estiver em boas condições. Se o disco estiver defeituoso, poderá mesmo passar por inúmeros problemas, inclusive o não reconhecimento da capacidade correta.

17) HD não é reconhecido
Comprei um HD Western Digital de 80GB e não consigo fazer meu computador reconhecer o mesmo. Tenho um K6 II 450 Mhz com 128 de Ram e minha versão da bios é (Asus P5A ACPI Bios Revision 1007. A ou Award modular bios v4.51PG) não sei qual a correta. Meu HD atual é um Western Digital de 6.4 GB. Acredito que exista um programa para fazer o micro reconhecer um HD grande em minha pré-histórica máquina.
Resposta:
BIOS anteriores a 1998 tinham a limitação de 8 GB para os discos rígidos. Depois disso foram feitas atualizações permitindo usar discos de até 32 GB, e mais recentemente ultrapassando esta capacidade. Por sorte a sua placa é Asus, e este fabricante tem o costume de atualizar os BIOS de suas placas de CPU, mesmo alguns modelos que já saíram de linha, pelo menos durante algum tempo. Não tenho esta placa no meu laboratório, mas tenho a P5SB. Em 2000 precisei instalar um HD de 40 GB e só eram reconhecidos 32 GB. O problema foi resolvido com a atualização do BIOS. Para isso acesse o site do fabricante (www.asus.com) e obtenha a versão mais nova do BIOS para a sua placa, bem como o programa de gravação. No meu site (www.laercio.com.br) existe um artigo que explica em detalhes o upgrade de BIOS. Lembro que esta operação é crítica, e só deve ser feita quando o fabricante a recomenda como solução para problemas específicos. Já vi usuários atualizando o BIOS para resolver problemas que não têm relação alguma com o BIOS. Se faltar energia elétrica durante uma operação de atualização de BIOS, a placa de CPU ficará danificada, e a recuperação será ainda mais trabalhosa, deverá ser feita por um técnico especializado.

18) Particionamento do disco rígido
Aprendi que particionar o HD, além de ser seguro para guardar dados, fazia a máquina trabalhar mais rapidamente. No entanto, ao comentar isso em uma empresa em que estou cotando uma nova máquina, um técnico disse-me que, no máximo, deve ter duas partições, e que acima disso posso tornar o micro até 40% mais lento. Quem está com razão: os que me ensinaram antigamente ou esse novo técnico?
Resposta:
É seguro dividir o HD em duas unidades lógicas, e usar a primeira para programas e a segunda para dados. Eu trabalho assim desde que comecei a usar PCs. O drive CD ficará localizado em uma porção inicial do disco, onde a taxa de transferência é maior, o que resultará em menor tempo de carga do Windows e mais rapidez na partida de aplicativos. Usar duas partições é bom, mas usar mais de duas pode causar confusão, já que com um grande número de drives, ficará mais fácil esquecer a localização de certos arquivos. Se o usuário for organizado, não há problema. Um usuário pode usar, por exemplo, C para programas de trabalho, D para jogos, E para dados de trabalho e F para armazenar MP3 e figuras. A queda de desempenho não é de 40% a partir de 3 drives, como o técnico explicou. Ele deve ter dado uma explicação bem simples para o problema. As áreas no final do disco têm taxa de transferência menores que as do início do disco. Portanto ler um arquivo no final é mais demorado que ler um arquivo no início. Se não existisse a divisão, esta lentidão só seria notada quando o disco estivesse muito cheio. Com o disco dividido, o último drive poderá apresentar esta lentidão, mesmo que a capacidade total ocupada não corresponda a um disco quase cheio. Não importa em quantos drives o disco seja dividido, o primeiro deles sempre terá a taxa de transferência mais alta. Sugiro que você divida o disco em quantos quiser, desde que seja organizado e lembre o que guardou em cada um.

19) Transferindo dados entre dois discos rígidos
A 2 anos comprei um Compaq presário 7476 e no meu pc antigo(um pentium 100) tinha algumas músicas em MP3. Queria saber como faço para conectar o meu HD do pc antigo no meu pc atual.
Resposta:
É possível conectar permanentemente o seu HD antigo no PC atual. Poderá usá-lo como Slave na interface IDE primária, ficando conectado no mesmo cabo que o HD novo. Será preciso alterar os jumpers do HD antigo para Slave, e também alterar os jumpers do HD novo para a opção “Slave present”, que pode aparecer com outros nomes (ex: Drive is Master, Slave present). O HD do PC antigo aparecerá como drive D. Menos trabalhosa é a instalação provisória do seu HD antigo, somente para copiar os arquivos. Nesse caso, não altere jumper algum, e instale o HD antigo no lugar do seu drive de CD-ROM (que deverá ser provisoriamente desativado). Portanto o HD antigo será o Master da interface IDE secundária. Copie então todos os dados desejados do HD antigo para o novo, e ao terminar, desligue o computador, desconecte o HD antigo e conecte novamente o drive de CD-ROM.

20) Ativando LBA para o disco rígido
Tenho um computador 586, ele rodava com um disco de 540mb, e agora comprei um disco de 20gb…, como faço para ele funcionar corretamente..pois ele apos fazer a leitura do disco trava quando faz o boot
Resposta:
Computadores antigos tinham limitações quanto a capacidade máxima permitida para um disco rígido. Os mais antigos iam até 504 MB, depois surgiram BIOS com suporte até 2 GB, 4 GB, 8 GB e assim por diante. O seu com certeza não chegará a 20 GB, pois o limite de 8 GB só foi ultrapassado em 1998, e os PCs 586 foram produzidos entre 1996 e 1997. Você terá que ir ao site do fabricante do seu disco rígido e obter o programa instalador. O mais comum é o Disk Manager. Com programas como este, é feita uma atualização nas funções de acesso ao disco rígido. Essas atualizações são gravadas na trilha zero do disco rígido, e não dependem do BIOS.

21) Cópia de disco rígido
Tenho um HD 20GB IDE c/5400 RPM, instalado em minha máquina P4 1.5G. quero trocá-lo por um SCSI ultra160 da seagate de 36.6GB modelo X-15 c/15000 RPM. como devo proceder na troca sem perder dados de meu HD original.
Resposta:
A melhor forma de fazer essa passagem de dados de um HD para outro é com o programa Norton Ghost 2002. Com ele é feita inicialmente a gravação do conteúdo do disco rígido em um grande arquivo de backup. Instale a seguir o disco rígido SCSI e altere no CMOS Setup o disco inicial de boot para que seja o SCSI, e não o IDE. Use a seguir o Ghost para ler o arquivo de imagem da partição do disco IDE e transferir o conteúdo da partição para o disco SCSI. Existem outros métodos, como a cópia direta, que funciona no máximo no Windows ME. Simplesmente marque todos os arquivos do disco rígido original (não esqueça de usar Ferramentas / Opções de pasta / Modo de exibição / Mostrar todos os arquivos), exceto a pasta Windows. Use Copiar/Colar para fazer a cópia para o novo disco. O diretório Windows não pode ser copiado diretamente, pois irá parar no arquivo de memória virtual. Crie então uma pasta Windows no novo drive e abra esta pasta. Abra em outra janela a pasta Windows do disco original. Marque todos os arquivos e pastas, exceto o WIN386.SWP. Use agora Copiar/Colar, copiando o conteúdo para o disco novo. Pode agora desligar o computador e fazer o boot pelo disco SCSI. Não recomendo que você realize essas operações se não tiver prática com upgrades de disco. Vale a pena pedir ajuda a um técnico ou um colega mais experiente.

22) Transplante de HD
Recentemente no PC-World Responde, a leitora Lia Bernardes perguntava sobre como proceder para efetuar a troca de HD em seu PC copiando o conteúdo de um para o outro, sem precisar reinstalar o sistema. Vocês descreveram uma solução para uso com o sistema Windows 9x. Gostaria de saber se há um modo semelhante para fazer o mesmo em um PC que usa o Windows 2000 ou se existe algum software que faz este tipo de trabalho?
Resposta:
O processo explicado não funcionará no Windows 2000 e XP, pois o sistema se recusará a copiar vários arquivos que estarão em uso. Nesse caso recomendo que a cópia de um disco rígido para outro seja feita com um utilitário próprio para este fim, como o Drive Image Pro ou o Norton Ghost 2002. No CD-ROM com drivers e utilitários que acompanham muitas placas de CPU, muitas vezes encontramos o Norton Ghost. Tome cuidado, pois a versão 2000 opera apenas com o Windows 95, 98 e ME. Para usá-lo com o Windows 2000 e Windows XP é preciso usar a versão 2002. Recomendo às pessoas que não têm experiência com hardware que sejam muito cautelosas nesta operação. Vale a pena pedir a ajuda de um colega mais experiente (com hardware, não com aplicativos) ou de um bom técnico.

23) Troca de HD de 4 GB por 60 GB
Tenho um hd de 4g, e uma placa asus pw3e diz ser ultra- dma /66 , gostaria de saber se posso comprar um hd de 60 ultra dma /100 de 7200rpm, é só instalar e funcionaria normal ou tenho que atualizar a bios da placa pois ela é de 1999 ou não tem jeito. Obrigado.
Resposta:
Foi exatamente durante 1999 que os BIOS foram atualizados pelos fabricantes em função da barreira de 32 GB. É possível que o BIOS da sua placa já seja compatível. Se não for, você terá que ir ao site da Asus e obter a versão mais nova do BIOS para a sua placa. Depois da atualização será possível instalar seu novo HD.

24) Habilitando o Ultra ATA
Gostaria de habilitar o modo ultra ata do meu disco. O chipset e o t-bird e a placa pcchips m812. Onde encontro o driver e qual é o fabricante deste chipset? Obrigado,
Resposta:
Os drivers para as placas de CPU da PC Chips podem ser encontrados em www.pcchips.com e www.amptron.com. Aliás, a Amptron possui um acervo maior de manuais, BIOS e drivers das placas PC Chips. A PC Chips infelizmente retira do site as informações sobre placas que não são mais fabricadas (não é ainda o caso da M812). Infelizmente ao tentar acessar drivers e manuais desta placa no site da PC Chips, aparece uma página com alguma coisa escrita em chinês, que deve ser “página não encontrada”. O site da PC Chips tem dessas coisas. Se você não conseguir os drivers no CD-ROM que acompanha a placa, pode obtê-los no site do fabricante do chipset (www.sis.com.tw – não esqueça de indicar Language/English). O chipset desta placa é o SiS730. A habilitação do Ultra DMA é feita no Gerenciador de dispositivos / Unidades de disco / Configurações.

25) Bad Block
Estou com um HD com bad block (Cluster Danificado). Foi um custo mais graça ao meu conhecimento consegui criar novamente uma partição e formata-lo. Gostaria de saber se existe algum programa que remova estes bad block, por que sei que isso é um problema físico do HD só que não estou querendo comprar outro, entende?
Resposta:
Não é possível atualmente remover bad blocks de discos rígidos. Até o início dos anos 90, setores magneticamente defeituosos podiam ser removidos através de formatação física, mas isso só podia ser feito com os discos MFM e RLL. Os discos IDE não aceitam os comandos usuais de formatação física. Esta operação só é feita na fábrica, através de programas e máquinas especiais. Se tentarmos formatar fisicamente um disco rígido IDE, podemos danificá-lo. Alguns fabricantes oferecem nos seus sites, programas para formatação física, mas não recomendo que esta operação seja feita por usuários. Até mesmo técnicos podem ter problemas ao usarem esses programas. A solução mais simples para o seu problema é usar o programa SCANDISK ou o Norton Disk Doctor. Esses programas não recuperam setores defeituosos. Os setores são entretanto marcados como “bad blocks”, evitando que sejam usados pelos programas. Desta forma não irão causar problemas no funcionamento do disco.

26) Backup em CDs ou fitas?
Gostaria de saber qual a forma mais segura de gravar dados: fita dat ou cds?
Resposta:
De um modo geral, o meio ótico é mais confiável que o meio magnético. As unidades de fita ainda sobrevivem porque com elas é possível obter elevadíssimas capacidades de armazenamento, ainda não disponíveis em meios óticos. Quem faz backup em fita, nunca utiliza uma única fita. Normalmente fazem backups em dias diferentes usando fitas diferentes, assim uma eventual falha não colocará a perder todos os dados. Para um usuário comum, o uso de mídias CD-R e CD-RW são a opção mais barata e mais segura. Entretanto é preciso usar mídias de boa qualidade. Não use mídias sem nome, nem de marcas desconhecidas, como SACT (tive problemas com esta mídia). Dê preferência às mídias Kodak, Imation (antiga 3M), Mitsui (os inventores do CD-R) e Sony, por exemplo.

27) Formatação pelo setup
Apaguei arquivos importantes do meu PC e, agora, ele não liga mais. Como faço para formatá-lo pelo setup, uma vez que o disco de boot não funciona?
Resposta:
Seus arquivos importantes serão apagados definitivamente com a formatação. Isso não é problema se você tem backup dos seus dados. Se não for preciso recuperar dados, você pode fazer a formatação sem problemas. Ocorre que não se formata mais o disco rígido pelo CMOS Setup. Aquele comando, muito comum nos Setups até aproximadamente 1994, era usado para a formatação física de discos MFM, e era mantido apenas por compatibilidade com o BIOS dos IBM PC AT. Você terá que fazer a formatação lógica, usando o programa FORMAT.COM, encontrado no diretório C:\Windows\Command. Se o seu disco de boot não funciona, então peça a algum colega para gerar um, desde que tenha a mesma versão do Windows que você utiliza. Se você não tem experiência com formatação, sugiro a leitora do meu artigo sobre formatação do disco rígido, em www.laercio.com.br, ou então que peça ajuda a um colega mais experiente ou a um técnico.

28) Disco não dá boot
oi, estou com a seguinte mensagem quando o computador reinicia :

” disk boot failure, insert system disk and press enter “,

ja formatei o drive c: (tem c e d) dei fdisk /mbr e reinstalei o windows98, mas continua dando a mensagem, soh consigo entrar no windows dando boot pelo cdrom (alterando no setup) do win98… se tiver alguma sugestao, agradeco.
Resposta:
Parece que quando o seu disco rígido foi particionado em C e D, esqueceram de usar o comando 2: definir partição ativa. Indique então a partição 1 (primária), que corresponde ao drive C. Quando esta etapa é esquecida, o problema é exatamente o que você descreve. Um erro comum, mas felizmente de fácil solução.