Home » Artigos arquivados » 2001 – Scanners, câmeras digitais, digitalização (Perguntas e Respostas)

2001 – Scanners, câmeras digitais, digitalização (Perguntas e Respostas)

1) PC para produções gráficas
Pretendo montar um computador para trabalhar com produções gráficas, edições de imagens em vídeo e Internet. Qual computador e quais configurações você me indica? – HD? – MEMORIA RAM? –PLACA DE VÍDEO? – PLACA DE CAPTURA? – MULTIMÍDIA? Existe alguma diferença entre DVD/CD-ROM para produção gráfica?
Resposta:
Para este tipo de aplicação, o PC deve ter uma configuração avançada. O HD deve ser de alta capacidade e desempenho, preferencialmente SCSI A/V (próprio para captura de vídeo). Os HDs IDE e os modelos SCSI que não são “A/V” realizam momentâneas pausas para fazer recalibração térmica. O resultado são pequenas pausas no vídeo capturado. Compre um PC bastante veloz, com o maior clock que você obtiver no mercado. Durante a conversão de formatos e a compressão de vídeo, o processador fica muito ocupado. Converter um vídeo de 5 minutos pode demorar uma hora, dependendo do formato utilizado. Se um PC de 1000 MHz está muito caro, compre um modelo um pouco mais barato, como 700 ou 800 MHz. Mas lembre-se, o que um modelo de 1000 MHz faz em uma hora, o modelo de 500 MHz fará em duas horas. A memória RAM também deve ser de capacidade generosa: 128 MB seria um mínimo. A placa de video não precisa ser das mais poderosas, mas escolha uma que possa operar no modo 2D em True Color com resoluções elevadas, como 1600×1200. O monitor também deve ser adequado, com no mínimo 17 polegadas. Utilize uma boa placa de som, como a Sound Blaster PCI 128 ou Sound Blaster Live. O ponto forte é a placa de captura. São poucas as opções disponíveis no Brasil. Eu compraria uma placa Broadway (www.b-way.com). O ideal é que a placa possa fazer capturas diretamente em MPEG, assim você pode ter vídeos de longa duração, alta resolução e qualidade em tempo real. Placas como essas são acompanhadas de programas profissionais de edição de vídeo, como o Adobe Premiere. Quanto à questão entre DVD e CD-ROM, não existe diferença. Se você produzir títulos para serem gravados em um DVD, deverá enviar os arquivos para uma empresa especializada na produção em série. Eles irão criar a matriz e produzir as cópias. Recomendo ainda que você possua um bom meio de armazenamento de backup, como um DVD-RAM. Consulte a Escori Informática (www.gravador.com.br).

2) Cabo para digitalização de vídeo
Eu li uma reportagem em uma revista especializada em informática sobre um “kit” (cabo e software), no qual é feito a conversão do sinal VHS para o formato digital. Ou seja, passando no caso, as filmagens em VHS para dentro do PC e consequentemente, possibilitando a sua gravação em CD’R. Estou aqui nos Estados Unidos e desejaria adquirir um desses kits, pois tenho várias filmagens em VHS que gostaria de colocá-las em CD. Gostaria de saber mais sobre o assunto, inclusive, na possibilidade de assistir estas minhas filmagens em DVD.
Resposta:
Um cabo e um software não podem fazer a conversão à qual você se refere. Esta conversão é feita através de placas digitalizadoras de vídeo. Um modelo fácil de encontrar e de baixo custo é a Studio DC10, produzida pela Pinnacle Systems. Existem outros modelos do mesmo fabricante que têm desempenho melhor e oferecem métodos melhores para compressão de imagem. Você encontrará informações detalhadas em www.pinnaclesys.com.

3) Placa de vídeo órfã
Tenho uma placa de TV, Vídeo e som “VideoHighway Séries” modelo TR288 da AIMS-LAB. Gostaria de saber se esta placa funciona como placa de vídeo sem o auxílio de outra. E se for possivel gostaria de saber onde encontrar o manual dela pela internet.
Resposta:
Infelizmente a AIMS Labs é uma daquelas empresas que simplesmente deixou de existir, assim como a Orchid, 3DFx e outras. Não existe mais o seu site na Internet, nem um local oficial para a obtenção de drivers. Os drivers disponíveis são fornecidos por usuários que os tramitem através de fórums. Existem milhares de usuários em situação similar à sua. Você poderá entretanto fazer a sua instalação, caso ainda possua os drivers. Para saber se a placa funciona sozinha ou não, verifique se existe na sua parte traseira, uma ou duas conexões VGA. Os conectores de vídeo normalmente possuem poucos pinos, os conectores VGA utilizam 15 pinos. Muitas placas digitalizadoras de vídeo possuem além do tradicional conector VGA de 15 pinos, um conector também de 15 pinos, que é ligado à segunda placa por um cabo externo. Outras placas digitalizadoras são ligadas à placa de vídeo através de um cabo flat, usando o conector de expansão VGA, na parte interna da placa. Se a placa está completa (ou seja, se esses cabos não foram perdidos) e se realmente não existem tais cabos, então a placa funciona sozinha. Existe ainda uma forma fácil de descobrir isso. Ligue a placa em um slot livre e conecte o monitor. Se o monitor apresentar imagens, significa que a placa é auto-suficiente. Se for emitido um beep no alto falante quando o PC for ligado (indicando ausência de placa de vídeo), significa que a placa deve operar ligada a uma placa de vídeo normal.

4) Scanner antigo
Recentemente comprei um Athlon de 1GHz, 30GB, 128MB-ram. Desde quando tinha meu P1-166 o meu scanner (Artec ViewSatation AT3) vinha funcionando perfeitamente, isso pq o scanner funcionava atravez de uma placa que por razao nao era ligada na porta da impressora como sao a maioria dos scannerS. A loja que me vendeu o Athlon diz que o scanner nao iria funcionar na configuração dita, por que a placa nao esta configurada para funcionar nos atuais PC e a única solução dita por eles era comprar outra placa. Gostaria de saber se você afirma isso e o que deveria fazer para melhor aproveitamento do scanner.
Resposta:
Normalmente placas de interface de scanners antigos podem funcionar em PCs modernos, mas muitos técnicos não sabem fazer a instalação. Consulte meus artigos “Instalações sem conflitos de hardware” e “Instalação e uso de scanners”. Como provavelmente esta placa de interface não é Plug and Play, é preciso fazer sua instalação “à velha moda”, coisa que é ensinada nesses artigos. Por outro lado, a placa pode não funcionar por razões mais fortes. Provavelmente esta placa é do padrão ISA, e se a nova placa de CPU não tiver slots ISA, você não poderá usar esta placa de interface. No passado os scanners usavam placas de interface proprietárias ou controladoras SCSI simples. Posteriormente surgiram os scanners paralelos e mais recentemente os modelos USB.
Se a sua placa de interface não puder ser conectada no novo computador (pelo fato de ser padrão ISA e o PC não ter slot ISA) mas se for uma interface SCSI (normalmente usa um conector de 25 pinos na placa e um conector no scanner parecido com o de uma impressora), você poderá comprar uma nova interface padrão SCSI para instalar no computador e usar o scanner. O problema é que esta interface poderá custar o mesmo que um moderno scanner USB com resolução ótica de 1200x600dpi. Não valerá a pena aproveitar este scanner se for preciso comprar uma nova interface.

Exemplo de placa de interface de scanner

5) Scanner para rede
A minha dúvida é sobre scanner. A empresa em que trabalho como diagramadora está querendo adquirir um scanner que funcione em rede. Estive pesquisando, mas não encontrei nada de concreto. Gostaria então que você esclarecesse para mim se existe no mercado um scanner que possibilita três usuários terem acesso, em rede. Se existe, como adquirí-lo e qual o preço?
Resposta:
O que você precisa é um Network Scanner. Esta função é suportada pelos scanners profissionais da HP, modelos Scanjet 6300CSE, 6350CSE e 6390C. Na página da HP (www.hp.com), procure em Products e Scanners, e você chegará à página onde são apresentados todos os seus modelos. Selecione os scanners da série Professional, e você chegará às páginas desses modelos, onde estão suas especificações. Poderá também fazer o download de especificações técnicas desses modelos, em formato PDF.

6) Scanner para porta paralela
Estou interessado em comprar o scanner da TCE modelo S450. Mesmo sabendo que não é o melhor existente no mercado mas sendo o que vai me satisfazer, li a respeito e percebi que o equipamento funciona com porta paralela LPT1 EPP/SPP. Resolvi verificar qual era a porta LPT1 no meu micro, e conferir que no meu caso a porta é a LPT1 ECP. Gostaria de saber se o scanner vai funcionar ou se será preciso reconfigurar a porta no setup. E se eu a reconfigurar , também gostaria de saber se o procedimento vaiatrapalhar a minha impressora Epson LX-300 que funciona perfeitamente com a porta LPT1 ECP.
Resposta:
Quando uma porta paralela é configurada como ECP (Enhanced Capabilities Port), ela pode operar não apenas neste modo, mas também nos modos EPP (Enhanced Parallel Port) e SPP (Standard Parallel Port). Os modos EPP e ECP operam com taxa de 2 MB/s, enquanto o modo SPP opera com 150 kB/s. A diferença entre os modos EPP e ECP é que as transferências EPP são feitas por Programmed I/O (entrada e saída programada), que deixa o processador dedicado à atividade de transmissão e recepção. O modo ECP opera com DMA (Direct Memory Access – Acesso direto à memória), e permite que o processador execute outras tarefas enquanto as transferências são feitas. Se o seu scanner opera em modo EPP, ele funcionará perfeitamente em uma porta paralela ECP. Note que para os modos EPP e ECP serem usados com confiabilidade é preciso utilizar um cabo paralelo apropriado. Ele tem ao longo do fio, a inscrição IEEE 1284. Algumas vezes esta indicação está também no conector. Este cabo tem as mesmas ligações elétricas que um cabo paralelo comum, exceto pela sua blindagem e disposição interna dos condutores, o que o torna capaz de transmitir 2 MB/s sem distorção do sinal. Normalmente os scanners paralelos que operam em modos EPP e ECP vêm acompanhados de cabos apropriados, mas infelizmente isso nem sempre ocorre na prática. Usando um cabo paralelo comum, as transferências em EPP e ECP podem ser feitas, mas com confiabilidade reduzida.
Quanto à sua impressora, a porta ECP e o scanner foram projetados para permitir este tipo de compartilhamento, mas existem alguns casos de incompatibilidades. Caso isso ocorra, você deverá ligar o scanner e a impressora através de uma caixa comutadora (1 PC x 2 impressoras).

7) Scanner que trava o micro
Estou tendo um problema com um scanner desde o dia em que o instalei. Com frequência o computador trava quando vou usá-lo e só destrava quando reinicio a máquina. Já reinstalei o scanner, fiz uma busca na sua página a procura de uma possível solução mas ainda não consegui resolver o problema. Esse problema tem solução? Meu computador é um Pentium III, placa M748LMRT, scanner AOC e impressora HP640C ligada no scanner. Nota: nesses periféricos não vi porta USB.
Resposta:
Tanto o scanner quanto a impressora estão compartilhando a porta paralela. Isto normalmente funciona bem, mas em alguns casos ocorrem problemas. Inicialmente, experimente configurar a sua porta paralela como ECP ou EPP. Isto é feito através da seção Peripheral Configuration do CMOS Setup. No Windows, entre no Gerenciador de Dispositivos e verifique como está registrada a porta de impressora. Se estiver indicada como ECP, deixe como está. Se estiver indicada apenas como “Porta de impressora”, remova-a do Gerenciador de Dispositivos e clique em Atualizar para que o Windows a detecte novamente como ECP (o Windows não tem driver para EPP, mas tem para ECP, que funciona com os modelos ECP e EPP). Certos scanners podem apresentar incompatibilidades com alguns modelos de impressora. Nos sites dos fabricantes de scanners normalmente encontramos, na área de suporte, orientações para resolver problemas com certos modelos. Para comprovar se existe incompatibilidade entre a impressora e o scanner, experimente fazê-los funcionar de forma independente, ou seja: instale só o scanner e teste, depois instale só a impressora e teste. Se ambos funcionarem separadamente mas apresentarem problemas em conjunto, a solução mais simples é utilizar uma caixa comutadora (1 micro – 2 impressoras), e comandar pela caixa o periférico que você pretende utilizar.

8) Dicas para montar uma ilha de edição de vídeo
Estou com a intenção de montar uma máquina para edição não-linear de vídeo e gravação de CDs. Gostaria que você me indicasse quais os componentes exigidos para esta finalidade, tais como: placa-mãe, HD, processador, placa de vídeo, placa de áudio, gravador de CDs, quantidade de memória, etc. Minha intenção é utilizar componentes para barramento SCSI que, segundo informações adquiridas, é mais confiável. A placa de captura Miro DC-30 Pro é suficiente para uma utilização semiprofissional?
Resposta:
Para este tipo de aplicação, o PC deve ter uma configuração avançada. O HD deve ser de alta capacidade e desempenho, preferencialmente SCSI A/V (próprio para captura de vídeo). Os HDs IDE e os modelos SCSI que não são “A/V” realizam momentâneas pausas para fazer recalibração térmica. O resultado são pequenas pausas no vídeo capturado. Compre um PC bastante veloz, com o maior clock que você obtiver no mercado, desde que dentro do seu orçamento. Durante a conversão de formatos e a compressão de vídeo, o processador fica muito ocupado. Converter um vídeo de 5 minutos pode demorar uma hora, dependendo do formato utilizado. Lembre-se, o que um modelo de 1200 MHz faz em uma hora, o modelo de 600 MHz fará em duas horas. A memória RAM também deve ser de capacidade generosa: 256 MB seria o ideal. A placa de video não precisa ser das mais poderosas, mas escolha uma que possa operar no modo 2D em True Color com resoluções elevadas, o que é bom para usar os programas de edição de vídeo. O monitor também deve ser adequado, com no mínimo 17 polegadas. O ponto forte é a placa de captura. São poucas as opções disponíveis no Brasil, mas adequadas para aplicações simi-profissionais. O ideal é que a placa possa fazer capturas diretamente em MPEG, assim você pode ter vídeos de longa duração, alta resolução e qualidade em tempo real. Placas como essas são acompanhadas de programas profissionais de edição de vídeo, como o Adobe Premiere. É fundamental que você tenha também um gravador de DVD-RAM, que armazena 5 GB, ou pelo menos um gravador de CDs. Você pode encontrar várias opções na Escori Informática, em Belo Horizonte, mas que vende para todo o Brasil (www.gravador.com.br). A placa Miro DC30 (www.miro.com) é considerada de uso profissional, mas está entre as mais simples oferecidas pelo seu fabricante (Pinnacle). Sua compressão por hardware é a M-JPEG. Sua desvantagem é que os arquivos AVI comprimimos neste formato só podem ser visualizados em um PC equipado com esta placa. Placas mais avançadas (e muito mais caras) como a Miro DC1000 e DC2000 comprimem diretamente em MPEG, formato que pode ser visualizado em qualquer computador. Com a DC30 a compressão para MPEG, Indeo ou outro formato universal precisa ser feita por software, operação que pode ser bastante demorara, a menos que o processador da placa mãe seja bem veloz).

9) Resolução de um scanner
O que significa resolução de 19.200 dpi e 600×300, 600×200? Preciso comprar um scanner de boa qualidade a um bom preço. Quais características devo considerar?
Resposta:
A resolução que realmente interessa em um scanner é a chamada resolução ótica. Uma resolução de 300×300 significa que um quadrado com 1 polegada de lado poderá ser convertido em uma imagem com 300×300 pixels. Uma foto de 10×10 cm, por exemplo, resultará em uma imagem com 1200×1200 pixels. É uma resolução bem satisfatória para visualização na tela e para imprimir. É claro que resoluções como 600×300 ou 600×600 apresentam resultados melhores, mas somente os scanners para uso profissional oferecem resoluções óticas melhores. Alguns operam com 1200×600, outros com 1200×1200, porém são muito caros. A resolução interpolada confunde muito o usuário na ocasião da compra. Consiste em “esticar” a figura escaneada, produzindo imagens com resoluções impressionantes. Uma resolução interpolada altíssima é inútil por 3 motivos: 1) Porque a imagem não fica com boa qualidade, a informação é captada por sensores de 600 dpi e esticada 32 vezes até chegar a 19200 dpi; 2) Porque este esticamento pode ser feito por qualquer programa gráfico, não precisa ser feito pelo scanner; 3) Porque a quantidade de memória necessária para escanear uma imagem com resolução interpolada muito elevada é grande demais. Uma foto de 3×4 cm precisaria de 2 GB de memória para ser capturada. Com 3000 dpi, esta pequena foto precisaria de 64 MB de RAM para ser capturada, o que esgota a memória da maioria dos micros; 4) Porque o tempo necessário para o scanner transmitir a imagem para o computador seria elevadíssimo, pode levar 10, 20, 30 minutos e até várias horas, dependendo da resolução e da velocidade da conexão.
A resolução interpolada elevada só serve para impressionar o usuário leigo. Procure sempre a resolução ótica. Uma resolução de 600×600 dpi está excelente, 300×300 dpi está muito boa.

10) Edição de vídeo
Gostaria de aprender a fazer edições de imagens, como vinhetas e cortes em cenas de vídeo. O que é necessário para isto, em hardware e software?
Resposta:
É necessário ter uma placa de digitalização de vídeo. Existem algumas opções no mercado, como a Pinnacle DC10, encontrada com relativa facilidade. Também é preciso usar um programa para edição de vídeo, como o Adobe Première. Normalmente as placas de digitalização de vídeo são acompanhadas de programas como este. A DC10, por exemplo, é acompanhada do Studio DC10 Plus, com recursos satisfatórios para o trabalho.

11) Scanner não encontrado
Estou com um problema com meu scanner Geinus ColorPage-vivid+, quando conecto para scannear, aparece os seguintes avisos:

O scanner não foi encontrado, Por favor verifique se:
(1) A porta LPT (SPP/EPP) esta operacioanal.
(2) O adaptador de potência esta ligado ao conector do scanner.
(3) O cabo da porta paralela esta ligado a porta.

O que eu faço, pois estou com meu scanner sem funcionar a meses.
Resposta:
Vamos supor que o seu scanner não está com defeito. Então é preciso testar se a porta paralela está funcionando. Uma forma simples de testar é conectando uma impressora. Se funcionar bem, a porta paralela está OK. Também é preciso checar se o adaptador AC do scanner está funcionando. Isto pode ser checado com o uso de um multímetro. Finalmente, será preciso testar o cabo. Use este mesmo cabo para a conexão com uma impressora. Se funcionar com a impressora, deverá funcionar também com o scanner. Busque no site do fabricante (www.genius-kye.com), a versão mais recente do driver para o seu scanner, o que também poderá resolver o problema.

12) Placa para digitalização de vídeo
Sou produtor de vídeo independente e preciso de sua ajuda para encontrar uma placa mãe que tenha os seguintes recursos on-board:
– Firewire (OHCI IEEE 1394)
– Audio onboard
– VGA onboard
– e rede onboard (se possível)
e suporte até o Athlon XP

O uso desta placa mãe é a produção de ilhas de edição de vídeo baseadas somente em Vídeo Digital (DV25 e DV50) .
Resposta:
Você vai usar uma aplicação que exige alto desempenho, e isto não combina com configurações onboard. A maioria das placas com vídeo onboard têm desempenho modesto e poucos slots para expansão. Quanto ao Firewire, não tenho notícias sobre placas de CPU que possuem esta interface. Normalmente é usada em placa de interface PCI avulsa. As empresas que comercializam dispositivos Firewire normalmente também vendem as interfaces apropriadas. Use uma boa placa de CPU, de boa marca, com suporte para Athlon XP, memórias DDR e muitos slots livres. Você terá um PC bem equipado para operar com edição de vídeo.

13) Programa para edição de vídeo
Gostaria de saber se há algum programa que grava vídeos na extensão .avi ou .mpg, pois assim eu poderia gravar vídeos com fotos, como por exemplo coloco um foto que aparece por 5s, outra foto que aparece por 4s e assim por diante. Gostaria de passar essas fotos para uma fita VHS ou DVD, pois tenho uma placa de PC-DVD e que o software lê a extensão .mpg e quando eu abro o software ele passa o vídeo para a TV ou video cassete atraves de um cabo que tenho.
Resposta:
Os programas de edição de vídeo, como o Adobe Premiere e outros que acompanham placas digitalizadoras de vídeo, têm a opção de formar arquivos de vídeo a partir de várias fontes, inclusive de imagens comuns (JPG, por exemplo). Você pode compor uma trilha de vídeo, colando cada uma das imagens que deseja exibir e definindo a duração de cada uma dessas imagens. Pode adicionar transições entre as imagens, adicionar textos e trilha sonora. O resultado é convertido em um arquivo AVI. Se seu objetivo é gerar arquivos MPEG, terá que usar um programa de edição que seja acompanhado de um CODEC MPEG. Existe um outro método bem simples para fazer o que você quer, mas é preciso usar uma placa de vídeo que tenha saída para TV. Basta conectar o videocassete na saída de vídeo e comandar a exibição de um slide show, usando qualquer programa para exibição de imagens. O que estaria aparecendo no monitor é direcionado para a saída de vídeo e gravado em fita. A qualidade da imagem obtida desta forma é melhor, além de envolver menos processamento.

O programa Adobe Premiere

14) Instalação do Windows ME causa problemas no scanner
Tenho um K6 II 450Mhz numa placa mãe VIA APOLLO (MVP3) com 64Mb, placa de vídeo Blaster Exxtreme PCI 4Mb, som Creative AWE 64 (ISA), fax Motorola SM56 e Windows Milleium. Quando atualizei o meu computador para o millenium dois problemas começaram a ocorrer, um é com o AUTOEXEC.BAT que não carrega mais o displaydoctor, o outro é com o scaner de mão Easy Scan Color Delux da Genius, quando uso o driver do windows ele trava e se uso o driver original ele não encantra o escaner, no site do fabricante não há atualizações, o que posso fazer?
Resposta:
O Windows ME está passando por vários problemas relacionados com a falta de suporte ao modo MS-DOS. Arquivos CONFIG.SYS e AUTOEXEC.BAT são ignorados durante o boot, portanto programas que necessitem ser ativados por esses arquivos não vão mais funcionar. O comando do Display Doctor usado no AUTOEXEC.BAT é relativo apenas ao modo MS-DOS. Se você não precisa usar o Display Doctor no MS-DOS, pode retirar a linha correspondente do AUTOEXEC.BAT. Estou levantando outros problemas e procurando as soluções, como foi o caso do comando FILES. Sempre que encontrar uma nova solução, apresentarei na coluna Truques e Toques, fique alerta. Quanto ao scanner, ele pode não estar mais funcionando devido a incompatibilidades do seu driver com o novo sistema, mas também pode estar ocorrendo um problema de hardware. Quando instalamos uma nova versão do Windows, não necessariamente o hardware vai estar sendo usado da mesma forma. Um caso comum que impede o funcionamento de scanners, impressoras e outros dispositivos paralelos, é a alteração no modo de operação da porta paralela. Os dois principais modos são o SPP (também chamado de Padrão ou Compatible) e EPP/ECP. Experimente ambos os modos, o que é configurado no CMOS Setup e no Gerenciador de Dispositivos. Seu scanner pode não estar funcionando por isso.

Modo usado pela porta paralela

15) Tamanho da imagem capturada pelo scanner
Meu computador: AMDK6, 500 mhz, 64 Mb Ram, 8,4 Gb disco rigido,Scanner TCE S530, monitor 15 ” SYNC MASTER 550 S, Impressora Canon BJC 240, Configuração de video 800×600 pixels, fonte pequena. Windows 98 SE. Problema: quando digitalizo um documento no scanner, o mesmo é reproduzido em tamanho natural na tela do monitor. Contudo, sai com 75 % do tamanho original quando impresso. Solicito suporte técnico sobre o problema.
Resposta:
Programas gráficos podem realizar aumentos ou reduções de tamanho quando produzem a listagem de uma figura. Sugiro que você procure nas opções de impressão do seu programa, um comando para ajuste das dimensões da imagem. Em caso de dificuldade você poderá salvar os arquivos capturados e fazer a impressão com outros programas gráficos. Todos esses programas são capazes de receber dados do scanner e enviá-los para a impressora. O comando para recepção de dados do scanner aparece no menu File (ou Arquivo), e pode ter nomes como Scan, Acquire ou similar. No Imaging, programa gráfico que acompanha o Windows, este comando é o Arquivo / Nova digitalização. Todos esses programas possuem ainda um comando para o selecionamento do dispositivo de entrada a ser usado. No Imaging, este comando é o Arquivo / Selecionar Scanner. Este comando permite a obtenção de imagens, não apenas de scanners, mas também de câmeras digitais, digitalizadoras de vídeo ou qualquer outro dispositivo de imagem que use o padrão TWAIN.

16) Compra de câmera digital
Pretendo comprar uma câmera digital. Gostaria que vocês me informassem qual o melhor formato para compressão de fotos e quais máquinas a utilizam, e ainda onde posso encontra-las na internet. Obrigado.
Resposta:
O melhor formato para compressão de fotos é o JPG (ou JPEG). Todas as câmeras digitais modernas transmitem as fotos para o computador na forma de arquivos JPG. Portanto você não precisa levar em conta na sua escolha, se a câmera tem ou não a opção JPG, já que todas tem. Outros pontos devem ser considerados, como a resolução da câmera, a quantidade de fotos que podem ser armazenadas, o zoom, o display LCD, a forma de conexão com o computador. A maioria das câmeras modernas usa a interface USB, mais rápida e fácil de configurar que as antigas interfaces seriais e paralelas. Se o seu computador tem interface USB, esta é a melhor opção, principalmente levando em conta que nos próximos anos as interfaces seriais e paralelas dos PCs serão extintas nos modelos novos. Os principais fabricantes de câmeras digitais são Canon, Kodak, Epson, HP, Toshiba e Fuji.

17) Digitalização de vídeo
Quero saber se com os equipamentos abaixo eu posso passar de Fitas VHS, vídeos para CD e depois assistí-los em DVD Player ( qualquer marca ).
– Placa de captura de vídeo
– Gravador de CD-R e RW
– Video de 04 cabeças com 01 saída de audio e 01 de vídeo.
– Qual software é melhor para tal , se for possível.
Resposta:
Você poderá digitalizar as fitas e gerar arquivos MPEG para gravar nos CDs, mas não poderá gravar DVDs, nem reproduzir os seus CDs em um DVD Player. Você pode entretanto reproduzi-los no computador, o que é uma grande vantagem sobre as fitas de VHS. As placas de captura de vídeo são acompanhados de editores gráficos que permitem fazer cortes, adicionar legendas e efeitos, alterar a trilha sonora e vários outros recursos para a produção de um arquivo de vídeo. O ideal é que você faça a gravação final utilizando um CODEC que possa ser utilizado em qualquer computador, como MPEG ou Intel Indeo. As placas digitalizadoras também podem gerar os arquivos usando um CODEC próprio, mas esses arquivos só poderão ser visualizados no computador onde a placa está instalada.