Home » Artigos arquivados » 2001 – Placas de CPU e processadores (Perguntas e Respostas)

2001 – Placas de CPU e processadores (Perguntas e Respostas)

1) Barramento do Athlon
Gostaria de informações sobre o barramento do processador Athlon. Pelo que me consta é de 200 MHz, mas em várias placas de CPU para o Athlon vejo a opção CPU Clock 100 MHz.
Resposta:
O barramento do Athlon usa um recurso chamado Double Data Rate (DDR). Ao invés de realizar uma transferência a cada período de clock, realiza duas, portanto tudo se passa como se o clock efetivo fosse duas vezes maior. Usando 100 MHz com DDR, o resultado é equivalente a um clock de 200 MHz. É correto dizer que o clock é 200 MHz, mas é mais preciso dizer que opera com 100 MHz com DDR. Vários dispositivos de hardware utilizam duas e até 4 transferências por período de clock: barramento AGP 2x e 4x, clock do Athlon, barramento IDE operando em Ultra DMA, isso sem falar nas memórias DDR, que apresentam taxa de transferência duas vezes maior que as das hoje convencionais memórias SDRAM. Já existem versões do Athlon com barramento externo de 266 MHz (133 MHz com DDR). As placas de CPU para Athlon mais comuns no mercado aceitam memórias PC100 e PC133. Desta forma, a comunicação entre o processador e o chipset se dá a 200 MHz (100 MHz x 2), mas o tráfego de dados entre o chipset e a DRAM ocorre a 100 ou 133 MHz. Nas novas placas de CPU para Athlon, que usarão memórias DDR mais rápidas (DDR200 e DDR266), a comunicação entre o chipset e a memória será feita na mesma velocidade usada entre o processador e o chipset, o que irá garantir maior desempenho.

2) Clock do Pentium III
Qual é o significado exato de expressões como Pentium III/800 EB. O que significa o sufixo “EB”?
Resposta:
Todos os processadores Pentium III atuais têm cache L2 de 256 kB integrada ao núcleo e operando com a sua freqüência (ATC – Advanced Transfer Cache). As versões mais antigas do Pentium III possuem cache L2 de 512 kB, mas não integrada ao núcleo, e operando com a metade da sua freqüência. É o mesmo tipo de cache usado no Pentium II. A partir de 650 MHz, todos os modelos têm cache L2 ATC. Para certas velocidades, como 600 MHz, existem versões diferentes. Outra diferença é o barramento externo. Existem modelos de 100 MHz e modelos de 133 MHz. Para certos clocks, existem ambas as opções, sendo então usado o sufixo “B” para indicar o barramento de 133 MHz. Por exemplo, em 600 MHz temos Pentium III/600, 600B, 600E e 600EB. Para 800 MHz temos 800E e 800EB. Para modelos que são produzidos em uma única versão, os sufixos são desnecessários. Por exemplo, o modelo de 1000 MHz tem ATC e clock externo de 133 MHz. Não existem modelos de 1000 MHz com clock externo de 100 MHz, e nem com a cache L2 antiga. Portanto basta dizer Pentium III/1000.

3) Processadores K6-2
Estou para comprar um K6-II 500 mhz, mas soube que ele está saindo de linha e por isso deveria comprar um de 550 mhz. Seria desvantagem mesmo comprar um micro com esta configuração? Uma placa que suporta o K6-II 500~, suporta o de 550 MHz?
Resposta:
Sim, todas as placas de CPU para K6-2/500 suportam também o modelo de 550 MHz. Em muitas delas a escolha do clock é feita pelo CMOS Setup. Em outras é preciso utilizar os jumpers que definem o multiplicador (4x, 4.5x, 5x, etc.). O K6-2/500 usa o multiplicador 5x, e o K6-2/550 usa o multiplica-dor 5.5x. Muitas placas possuem em seus manuais apenas a indicação até 500 MHz. Esta é uma norma seguida pela maioria dos fabricantes. Indicam apenas os processadores que foram testados na época de fabricação da placa. Posteriormente, conforme são lançados novos processadores, são feitos novos testes e as especificações da placa são atualizadas no site do fabricante. Se você quer ter 100% de certeza, pode acessar o site do fabricante da placa de CPU, antes de comprá-la, e checar quais são os processadores suportados.

4) AGP 2x e 4x
Estou pretendendo montar um computador peça por peça porém quando escolhi a placa mãe percebi que a placa possuia dois modelos diferentes, a placa da qual estou me referindo e a asus P3-V que possui o modelo AGP 4x e o modelo AGP 2x , gostaria de saber mais sobre esse tipo de slot e se e necessario que placa de video seja tambem de 4x.
Resposta:
Você deve preferencialmente escolher a placa com slot AGP 4x. A diferença principal está na taxa de transferência. A versão 1x opera com 266 MB/s, a versão 2x opera com 533 MB/s e a versão 4x opera com 1066 MB/s. Os problemas de compatibilidade praticamente inexistem. Uma placa de CPU com AGP 4x pode operar em modos 1x, 2x ou 4x, dependendo da placa AGP utilizada. Da mesma forma, uma placa AGP 4x funcionará em modo 2x se for ligada a uma placa de CPU com slot AGP 2x. Enfim, entre a placa de vídeo e a placa de CPU, prevalecerá o modo AGP mais rápido possível que seja suportado por ambas. Para que seu computador possa tirar o maior proveito de placas AGP de última geração, é recomendável que ela tenha um slot AGP 4x, e não um modelo 2x. O slot AGP 2x era muito comum nas placas de CPU produzidas ao longo de 1999. A partir de 2000 tornaram-se comuns as versões 4x, tanto para a placa de CPU como para a placa de vídeo.

5) CD-ROM da placa de CPU
O meu cd da placa mãe ele não esta querendo instalar, ele esta com problemas. Tentei conseguir a configuração da placa no site www.windriver.com.br mas não consegui. Entrei no sys.com também não conseguindo novamente, gostaria que Você me desse informações sobre o que devo fazer para conseguir a Configuração da placa sys 530.
Resposta:
O CD de instalação de uma placa de CPU possui vários drivers importantes. Os mais importantes deles, e que muitos esquecem de instalar, são os drivers do chipset da placa de CPU. Muitas vezes os drivers nativos do Windows servem para a placa de CPU em uso, principalmente quando o Windows é de uma versão recente. Mesmo assim, existem casos em que os drivers do Windows não são próprios para o chipset da placa de CPU em uso, então é preciso instalar os drivers existentes no CD-ROM que acompanha a placa, ou então obtê-los na Internet. Esses drivers da placa de CPU são necessários para o correto funcionamento das funções de gerenciamento de energia (modo de espera, desligamento correto, etc), para o funcionamento do barramento AGP (quando existe, mas não é o caso da sua placa), das interfaces IDE e do gerenciamento de IRQs e DMAs. Provavelmente sua placa é uma PC Chips modelo 598, ela usa o chipset SiS530, e é a mais comum no Brasil. Se for o caso, você pode buscar os drivers em www.pcchips.com. Se a placa for de outro fabricante, é melhor buscar o driver no site deste fabricante. Uma forma de identificar o fabricante de uma placa de CPU é usando o programa CTBIOS (deve ser usado no modo MS-DOS), encontrado em vários sites, como por exemplo, na área de download de www.laercio.com.br. O CD-ROM que acompanha as placas de CPU também tem os drivers para os dispositivos onboard, como som e vídeo. Seja como for, o programa CTBIOS identificará o fabricante, e ainda o endereço do site onde você pode obter os drivers. Lembro ainda que no lugar onde você comprou o computador, o CD com esses drivers também está disponível.

6) Indicação de placa de CPU
Se fosse possível eu gostaria que o senhor escalarecece uma dzvida minha. Eu gostaria de saber se a placa mce FIC i boa, se vale a pena eu comprar uma FIC do que uma ASUS CUV. Eu estou querendo montar uma maquina com a seguinte configuragco e gostaria que o senhor me dissese qual dessas duas placas seria a mais adequada. (Tudo Off-board)

Processador Intel de 1Ghz, 256 Mb de memsria 133Mhz, Placa de vmdeo TNT2 de 32 Mb, Placa de Som Creative Np3 Live+, Fax Modem de 56K US. Robotics, Kit multimedia da Creative 52X e Graavdora de Cd da HP. Vou colocar nessa maquina 2 Hd4s.

Qual dessas Motherboards seria a melhor para a minha configuragco e essa placa FIC é boa??
Resposta:
Considero como fabricantes de placas de CPU primeiríssima linha, Intel, MSI e Supermicro, porém são placas bastante caras. Outros fabricantes de placas de primeira linha encontrados no Brasil são Asus, FIC e Soyo. As placas Asus são muito boas, assim como as da FIC e Soyo, porém seus preços parecem mais com os de placas Intel. Tenho recomendado para aqueles que querem placas de alta qualidade, como as da Asus, mas não querem pagar um preço de placa Intel, usar placas da Soyo e FIC. No seu caso, uma FIC FS-35 atenderia bem. Apenas faço uma observação quanto ao modem. Se você vai comprar um US Robotics, que não seja um modelo Winmodem, já que são muito caros e tão fracos quanto um soft modem qualquer. Recomendaria então os modelos 2976, 2977 ou 5610, da US Robotics. Se quiser um Winmodem, recomendo que você use um modem Lucent, que apresenta bons resultados apesar de ser um soft modem, e tem custo bem mais acessível.

7) Placas de CPU FIC
Gostaria de saber sua opnião referente a motherboards da marca FIC e ASUS CUV, para montagem de um Pentium III com processador de 1GHZ. Qual delas é a melhor? Gosto muito da placa mãe ASUS, mas fui informado que a FIC para este tipo de configuração está correspondento melhor que a ASUS.
Resposta:
Levendo em conta todas as marcas de placas de CPU encontradas no Brasil, podemos observar o seguinte: existem alguns modelos que são produzidos no Brasil, em fábricas locais, e modelos não produzidos aqui mas que chegam ao nosso país por importação. Como o mercado consumidor aqui não é tão grande a ponto de viabilizar a produção de todos os modelos, os fabricantes selecionam apenas alguns modelos com maior potencial de vendas. Analisando os modelos produzidos no Brasil, constatamos que são destinados a PCs Entry Level e Mainstream (ou seja, para PCs simples e médios). Já as placas para modelos High End (mais alto desempenho), não são produzidas, e sim importados. Tanto Asus como FIC e Soyo são fabricantes de primeira linha, tenho testado várias dessas placas em meu laboratório. Creio que a principal diferença está no preço. A Asus já está cobrando nos seus produtos, um preço proporcional à fama, o que não é nada bom.

8) Troca de processador
Tenho um processador Cyrix M II 300, e tem um amigo meu, que me disse que seu quisesse colocar um K-6 500 eu poderia, isso é verdade? é recomendavel? realmente gostaria de ter um processador mais rápido, então eu gostaria de uma dica (para não pesar muito no bolso), seria possível mesmo o tal upgrade? Ou tem algum jeito de tornar o Cyrix mais rápido?
Resposta:
Não existe como tornar o seu atual Cyrix mais rápido, a menos que seja por overclock, o que nem sempre funciona e coloca em risco o processador, que pode queimar por excesso de temperatura. Mesmo utilizando um super cooler, a confiabilidade seria comprometida. Dependendo da idade da sua placa de CPU, ela poderá ou não aceitar um processador K6-2/500. Para isso será preciso verificar se ela opera com barramento de 100 MHz, informação encontrada no seu manual. Se ela operar com 100 MHz, poderá ser configurada como tal, e usando o multiplicador 5 e a voltagem correta (2.2, 2.3 ou 2.4 volts, dependendo da versão do K6-2 – a voltagem correta está indicada na face superior do chip). Se a sua placa de CPU não possui jumpers para configuração de voltagem, então o upgrade não pode ser feito. Os processadores Cyrix MII/300 não operam na verdade com 300 MHz, e sim com 225 ou 233 MHz. Uma versão opera com clock externo de 75 MHz e multiplicador 3x, outra opera com clock externo de 66 MHz e multiplicador 3.5x. Sua placa de CPU pode ser um modelo antigo, que suporta apenas 66 MHz, ou no máximo 75 MHz. Se foi produzida de 1998 em diante, é possível que opere com barramento de 100 MHz e suporte o K6-2. Seja qual for o caso, será preciso confirmar no manual da placa de CPU. Como o MII e o K6-2 são mais ou menos da mesma época, provavelmente o manual da placa de CPU faz referência a ambos, caso os suporte, a menos que a placa seja antiga (1996-97).
2000_01
Processador Cyrix MII

9) Superaquecimento
Tenho um micro-computador com as seguintes configurações: Athlon 1.2 Giga, com uma placa mãe of board, 20 gb de HD, 128 MB de Ram, placa de som Criative 128 bits, placa aceleradora de vídeo 32 MB, e três drives de CD, um drive normal de CD ROM, uma gravadora LG e um DVD Sansung. O problema eu acho que está no culer, pois colocaram um culer normal do K7. Mas a confusão é maior porque seu funcionamento é “normal”, até o momento que se usa um dos drives de CD. A partir do momento que se dá o uso de um dos drives, o computador aquece de tal forma que che até a travar, e até mesmo reinicia automaticamente, as vezes alcança
temperaturas de 70 graus ou mais. O que devo fazer, pois se fosse só o culer, eu acho que super aqueceria mesmo sem usar os drives de CD. Se não for muita, gostaria que mim informaçe o mais breve possível, pois fico receioso para ligá-lo, já que se der algum problema mais sério, as primeiras peças a queimar serão placa mãe e processador.
Resposta:
O processador Athlon de 1.2 GHz esquenta muito. Também geram muito calor as placas aceleradoras 3D e os gravadores de CDs. Seu computador é um caso atípico, já que possui 3 drives de CDs. Um computador com essas características deve utilizar um gabinete com tamanho adequado. Gabinetes compactos não são indicados para esses casos. Eu recomendaria um gabinete torre com cerca de 60 cm de altura. Também é absolutamente necessário instalar um ventilador adicional na parte interna frontal do gabinete. Este ventilador deve puxar o ar pela parte frontal, enquanto o ventilador da fonte moverá o ar quente para a parte traseira do computador. Também é necessário utilizar um cooler grande para o processador, com 5 cm de altura na parte de alumínio e acoplado ao processador através de pasta térmica.
2001_19
Coolers para processadores mais potentes

10) Uma placa para cada processador
Tenho um AMD-K6 com barramento PCI, ISA portas 1 paralela,2 serial memória 128mb discos flexíveis 1,44mb em placa mãe on-bord PC100, mas com placa de som 16mb, e placa de vídeo e fax modem independentes, tudo a 32bits e gostaria de saber se seria possível colocar nesta placa mãe um processador Pentium II de 450 Mhz.
Resposta:
Não é possível fazer este upgrade porque são processadores de famílias diferentes. O K6 é conectado no chamado “Socket 7”, e o Pentium II é encaixado no chamado “Slot 1”. O processador mais veloz suportado pelo Socket 7 é o K6-2 de 550 MHz, entretanto não é um upgrade que eu recomende, pois é muito pequena a diferença entre o desempenho dos diversos modelos de K6-2. Apenas será possível fazer um upgrade de processador neste PC se for trocada também a placa de CPU. Se você fizer isso, lembro que deve ser usada uma placa de boa qualidade, como Soyo, Asus, FIC ou Intel. A maioria das lojas infelizmente oferecem placas de má qualidade, como as da linha PC Chips / XCELL. Apenas os vendedores elogiam essas placas, que muitos chamam de “placas de CPU para leigos”, pois apenas os leigos em hardware não sabem sobre a sua baixa qualidade.

11) Cooler para Duron
Fiz um upgrade para Duron 600 Mhz, PC 133 e placa mãe Asus A7Pro. Já que não tinha cooler específico para o equipamento, comprei um de K6 (Cooler Master). O encaixe foi normal e eu comparei as especificações deste cooler com um próprio do Duron no site da empresa e vi que eram iguais (diâmetro, rotação, etc..). O problema é a temperatura chega a mais de 70 graus, mesmo com pasta térmica! Usando o PC Probe da Asus e a opção CPU Cooling, consigo mais ou menos 65 graus. A placa mãe sempre ficou a mais ou menos 31 graus. Já diminui a voltagem do que podia ( 3.35 I/O e 1.60 Core), mas mesmo assim não adiantou. Nos fóruns americanos, dizem que deve rodar a menos de 50 graus ( mesmo com overlock). O que eu faço? Cooler de gabinete ajuda? E outra: comprei uma SB Live! Value neste upgrade, mas a caixa de som Creative que eu usava desligada na minha outra SB16 tem o som muito baixo agora. Mesmo mexendo em todas a configurações da placa, não consegui aumentar. Você sabe o que pode ser?
Resposta:
Com a placa de CPU a 31 graus e o processador a 65 graus, temos uma diferença de 34 graus. A potência elétrica dissipada pelo Duron/600 é de cerca de 25 watts. Dividindo a diferença de temperatura pela potência, temos 1,36, que é a resistência térmica deste cooler. Está muito alta para um cooler que supostamente é adequado para o Duron. Usando um cooler grande, com pasta térmica ou material similar (muitos coolers atuais possuem uma fita térmica para este fim), conseguimos uma resistência térmica entre 0,6 e 1, o que é recomendado para este processador. Ou este cooler não é suficientemente grande, ou o contato térmico não está correto, ou não existe circulação de ar nas imediações do processador. Aperte bem o cooler sobre o processador para melhorar o contato térmico. Deixe desimpedida a passagem de ar em torno do processador. Deve existir um caminho livre entre a entrada de ar frontal do gabinete e a entrada de ar na parte interna da fonte de alimentação, para que o cooler realmente funcione. Ele transfere o calor do processador para o ar ao seu redor, e este ar tem que ser rapidamente afastado pelo sistema de ventilação. Feche eventuais fendas abertas em outras partes do gabinete. Por exemplo, quando um slot fica vazio, a abertura correspondente na parte traseira do gabinete deve ficar fechada por uma lâmina metálica, caso contrário ocorrerá a redução do fluxo de ar sobre o processador. Outra coisa, acho muito difícil que o Duron realmente funcione a 50 graus. Talvez em um ambiente refrigerado isso seja possível. É mais provável que você consiga algo em torno de 55 graus.

12) Placa de CPU Asaki
Recentemente comprei um computador Pentium III 550 Mhz, com 64 Mb de RAM e que deveria vir com uma placa XTEL 2000 748. O fornecedor, porém, mandou-me uma placa chamada ASAKI, alegando que é tão boa como a XTEL. A máquina funciona bem, é rápida, mas não tenho parâmetros para avaliá-la. Gostaria de saber se você conhece esta placa e se ela é realmente tão boa quanto a XTEL. E também referente a placa XTEL, ela é boa ou não? Qual devo escolher?
Resposta:
Nenhuma dessas placas são notoriamente conhecidas como sendo de alta qualidade. As melhores placas de CPU são Intel, Supermicro, Asus, Aopen, Tyan, FIC, Gigabyte, Soyo, A-Trend. Algumas são muito caras, outras são mais caras que a média. Placas baratas são as mais comuns no Brasil, mas eu diria que decidir qual das placas que você citou é a melhor é mais ou menos a mesma coisa que decidir (aqui na minha cidade, Niterói-RJ) em quem votar para prefeito. Eu diria que ambas são placas baratas e sem reputação de alta qualidade. Não existe muita diferença entre escolher entre uma ou outra. Recomendo portanto que você continue com a placa que está usando, ao menos está funcionando bem. Não tome como referência as opiniões de vendedores sobre o que é uma boa placa. Sempre consideram boas as placas que vendem. Toda placa é boa quando funciona bem, mas no universo de várias placas iguais, quantas funcionam e quantas apresentam problemas? Esta é a principal diferença entre as reputações de vários fabricantes de placas.

13) Processadores suportados por uma placa de CPU
Possuo uma placa-mãe PCCHIPS M748MR, que segundo seu próprio manual (1999), suporta o processador Pentium III de até 500 Mhz e 3,3 volts. Ocorre que, ao instalar o Programa SiSoft Sandra, o mesmo reconheceu corretamente tanto a placa como o processador, e indicou “Supported Speed 800 Mhz or More”. O que poderia estar acontecendo? Podemos confiar na avaliação do software ou não? O manual estaria desatualizado? Esta placa realmente suporta um processador de 800 Mhz? Qual processador utilizar? EB ? Não consegui confirmar tal informação no site da PCCHIPS.
Resposta:
Esta placa tem barramento externo de 100 MHz. Toda placa para Pentium III com esta característica pode, a princípio, suportar versões mais novas do Pentium III que também tenham barramento externo de 100 MHz. É o caso do Pentium III/850. A versão de 800 MHz é produzida em duas modalidades: com clock externo de 133 MHz (800EB) e com clock externo de 100 MHz. A princípio esta última versão deveria ser compatível com a sua placa de CPU, mas a última palavra é sempre do seu fabricante. Quando uma placa de CPU é lançada, ela é testada com os processadores mais velozes, mas à medida em que novos processadores são lançados, o manual da placa pode ficar desatualizado. Cabe ao fabricante testar os novos processadores com suas antigas placas e indicar no seu site, a lista atualizada de processadores suportados. Apesar de muitos PCs serem vendidos com esta placa de CPU, a PC Chips a indica apenas para o Pentium III/500, portanto sua compatibilidade com o Pentium III/800 não é assegurada. Quanto à avaliação do software sobre o máximo processador suportado, saiba você que ela é empírica. Parte do princípio de que uma placa de CPU com clock externo de 100 MHz poderá suportar qualquer versão de processadores compatíveis que também tenham clock externo de 100 MHz, o que nem sempre é verdade. Muitos produtores de PCs instalam versões mais velozes do Pentium III nesta placa, mas ao mesmo tempo, muitos são os problemas de compatibilidade como falhas gerais e travamentos no Windows. Será que as duas coisas estão relacionadas?

14) Informações sobre placa mãe
Tenho um micro K6 2 300 Mhz, placa mãe PC 100 M590, vídeo 64 bits AGP 8MB – onboard, som 3D Sound Pro – onboard, modem Motorola SM56 PCI, 64 MB memória SDRAM, HD 2.1 GB e 6.4 GB Western Digital. Uso Windows ME e Office 2000 e gostaria de saber tudo sobre esta placa mãe, prós e contras. Qual o maior processador aceito por ela? Vale a pena investir em mais memória? Uso o PC para trabalho, fotos, internet e jogos de todos os tipos.
Resposta:
As informações sobre esta placa estão em:

http://www.pcchips.com.tw/M590.html

Trata-se de uma placa já descontinuada, portanto o fabricante não mais coloca suas informações no menu principal de produtos. A página que encontrei é interna e não tem links para ela. Suas informações portanto podem estar desatualizadas. Nessas especificações está indicado que opera com barramento de 100 MHz e aceita processadores de até 350 MHz. Este limite pode ser indicado por duas razões: pelo fato das especificações estarem desatualizadas ou por terem constatado que processadores superiores a 350 MHz não funcionam. Ainda assim, não mostrar informações sobre produtos descontinuados é um desrespeito com o consumidor. Se eles apresentam essas informações, devem estar bem escondidas. Na página que citei existem links para o manual da placa e para a última versão do BIOS. Teoricamente qualquer placa de CPU para K6-2 que suporte o barramento de 100 MHz poderá operar com o K6-2/550, bastando programar o multiplicador para 5,5x e usar a voltagem correta. Na prática existem alguns casos de incompatibilidade, mas como este processador é barato, acho que vale a pena tentar o upgrade. Você encontrará todas as informações sobre esta placa fazendo o download do manual, no link que indiquei. O processador máximo seria um K6-2/350 (oficial) ou um K6-2/550 (extra-oficial). Quanto à expansão de memória, 64 MB são suficientes para o tipo de trabalho que você tem, com uma exceção: o processamento de fotos. Se notar lentidão e muitos acessos a disco ao manipular fotos de alta resolução, valerá a pena instalar mais memória para acabar com a lentidão. Note que a memória não acelera o computador, e sim, faz com que operações que antes eram feitas com o auxílio do disco rígido passem a ser feitas em RAM, um processo bem mais rápido.

15) Performance de um K6-2/350
Para um AMD básico, montei um K6-2 350 usando a placa-mãe ASUS P5S-B, HD Quantum de 10 GB, UDMA/66, ligado com o cabo de 80 vias, 64 MB de RAM, placa de vídeo Trident 9685 2MB, som e driver de CD Creative, Windows 98SE. O PC funciona muito bem, mas acho que a performance não foi a esperada. Antes esta mesma máquina estava montada em uma placa-mãe i430TX, Pentium 233MMX, HD Quantum 2,5 que não era UDMA/66 e mesmo assim era rápido. No K6-2 usei o System Information do Norton Utilities 4.0 para a medição do desempenho, com estes resultados: Desempenho Sistema 135,6 -Teste Lógico L. Cache 59,3 – E. Cache 54,4 e Teste Físico 12,2. No Windows, o DMA está ativado, em Propriedades de Sistema, Desempenho, Sistemas de Arquivo está marcado Servidor de rede, na inicialização o HD é reconhecido como UDMA 4. O que faço para melhorar? Vale a pena trocar pela Asus P5A-B ChipSet Ali, mas sem suporte a UDMA/66?
Resposta:
Com os vários modelos de K6-2, entre 300 e 550 MHz, tenho conseguido índices entre 130 e 160, dependendo da placa de CPU. O K6-2/350 apresenta índices entre 130 e 145. A placa P5S-B tem vídeo onboard que não pode ser desativado, mesmo quando é instalada uma placa de vídeo avulsa. Ele continua ativo, operando como vídeo secundário, ocupando parte do tráfego de dados da memória, graças à sua memória compartilhada. Placas de CPU com vídeo onboard em geral não primam pelo desempenho, elas têm como prioridade o baixo custo. Portanto, se você puder trocá-la por uma placa P5A-B, valerá a pena. Ambas são placas de boa qualidade, mas a P5A-B tem desempenho um pouco melhor, além de ter mais slots livres. Eu tenho PCs com ambas as placas, e considero a P5A-B melhor, apesar de ser um pouco mais cara. Ela não tem som nem vídeo onboard, portanto um PC montado com ela fica um pouco mais caro, devido à necessidade do uso de uma placa de vídeo e uma placa de som avulsas. Como você já tem essas placas, não terá custo adicional.
O K6-2 sofre de um problema de saturação do tráfego de dados na cache L2. Em todas as versões entre 300 e 550 MHz, a cache L2 opera com 100 MHz fixos. Se esta velocidade aumentasse proporcionalmente com o clock do processador (como ocorre nos processadores mais avançados), um K6-2/550 seria quase duas vezes mais veloz que um K6-2/300, mas na prática esta diferença fica em torno de 20 a 30%. Mesmo assim o K6-2 é um processador bastante aceitável para os PCs de baixo custo.

16) Aquecimento do Athlon
Estamos tentando montar, um computador com o processador Athlon 800Mz em uma placa Asus K7V. Mas o computador está travando. O problema pode estar no aquecimento do processador ou na configuração dos jumpers da placa mãe? Gostariamos de saber qual é o cooler indicado para esse caso?
Resposta:
A placa K7V funciona perfeitamente com a configuração de fábrica. Não é preciso posicionar jumpers para indicar voltagens ou clocks. O que pode estar ocorrendo é mesmo o aquecimento do processador. Os Athlons de “cartucho” (compatíveis com o Slot A, da placa K7V) são produzidos em duas versões: Modelo 1 e Modelo 2. O Modelo 1 é o que esquenta mais, possui uma indicação “C” no final da sua numeração. O Modelo 2 usa tecnologia de 0,18 micron e esquenta menos, possui uma indicação “A” no final do seu número. É bom verificar isso antes da compra. Se você estiver com um modelo mais quente, pode instalar um cooler mais potente. Procure o cooler de maior tamanho que puder. Existe um modelo com três ventiladores, comercializado pela Justcooler, e também modelos de grande capacidade de dissipação, produzidos pela Thernaltake. Ambos são encontrados com facilidade no mercado brasileiro. Travamentos também podem ser ocasionados pelo uso de memórias inadequadas. A sua placa requer memórias PC133. Também é preciso tomar cuidado para não danificar a placa, o processador e as memórias com eletricidade estática. Muitas pessoas não tomam cuidado com isso e acabam estragando os componentes. Lembro ainda que a fonte de alimentação também pode causar problemas de travamento, não custa experimentar uma troca.

17) Placa DFI com desempenho fraco
Comprei um computador há alguns meses com a seguinte configuração: Pentium III 550 Mhz , placa mãe Pentium DFI (o manual da placa contém a especificação P2XBL) não onboard, 128 MB de RAM. O computador está funcionando bem, mas eu ainda não notei realmente uma grande diferença de velocidade e desempenho em relação ao meu antigo computador, um Pentium 166 com 32MB de RAM, principalmente usando os programas Office e o Microstation. Desejo saber alguma informação sobre esta placa e também como posso avaliar melhor a performance (velocidade de funcionamento) do meu computador. Se amanhã eu quiser atualizar a minha máquina, qual será o processador mais veloz que ela suportará?
Resposta:
O fabricante da sua placa de CPU é de boa reputação (www.dfi.com), melhor que a maioria das marcas encontradas no mercado nacional. O único problema que vejo é que esta placa está um pouco ultrapassada em relação ais processadores modernos. O seu chipset, o i440BX, opera com barramento externo de 100 MHz, enquanto a maioria das placas atuais opera com 133 MHz. Tecnicamente ela é capaz de operar com um Pentium III/1000, desde que com barramento externo de 100 MHz e encapsulamento SECC (cartucho). O problema é que processadores Pentium III neste formato são cada vez mais difíceis de encontrar. Apesar de poder chegar a 1000 MHz, o fabricante a liberou para no máximo 700 MHz. Futuramente quando você quiser fazer um upgrade, deverá consultar o site do fabricante para checar se novos processadores foram testados, ou então arriscar e testar você mesmo. Ainda assim é uma boa placa, com slots ISA, PCI e AGP e um excelente chipset para 100 MHz. O Pentium III/550 é um processador bem veloz. Você não notou diferenças no desempenho porque softwares como o Office e o Microstation operam de forma satisfatória em PCs mais lentos. Eles não precisam utilizar todo o poder de processamento do Pentium III/550. A diferença será notada quando você utilizar softwares mais pesados.

18) Aumentar a velocidade do PC
Eu quero aumentar a velocidade do meu micro, um Pentium III 650 MHZ, 64 MB de RAM, 10 GB de HD, placa onboard, modem Pctel e Windows 98 instalado. O que devo trocar e comprar, as melhores marcas e modelos dos produtos?
Resposta:
Se você gosta de jogos em 3D, o melhor upgrade que pode fazer é instalar uma placa de vídeo de bom desempenho. Sugiro uma equipada com o chip TNT2. Existem placas 3D muito baratas, como SiS e Trident, mas o desempenho é tão baixo quanto o preço. O ideal é que a placa seja AGP, mas caso a sua placa de CPU não tenha slot AGP, terá que usar uma placa de vídeo PCI. Infelizmente muitos PCs de baixo custo não possuem slot AGP. O usuário os compra sem saber que não têm slot AGP, sem saber que uma placa de vídeo AGP 4x tem taxa de transferência 8 vezes maior que a de uma placa PCI, e sem saber que o vídeo onboard é de baixo desempenho e que será preciso instalar uma placa de vídeo. Ainda assim é melhor usar uma placa PCI 3D de bom desempenho que o vídeo onboard. Se você notar que o seu disco rígido trabalha muito, mesmo quando a princípio não deveria estar trabalhando ou então apenas acessando arquivos pequenos, provavelmente seu PC precisa de mais memória. Para comprovar, use o programa Monitor do Sistema, encontrado no menu de ferramentas do sistema. Programe a opção Gerenciamento de memória / Memória física livre. Se o gráfico da memória livre chegar a zero ou próximo, significa que seu PC precisa de mais memória. Uma expansão poderá então resolver os problemas. Instale um disco rígido de maior capacidade quando o seu estiver muito cheio e os programas que têm instalado ocupem muito espaço. Se você acessa muito a Internet e tiver problemas com o seu modem PCTel, troque-o por outro de melhor qualidade.

19) M598 não suporta processamento pesado
Possuo um AMD K6-2/550, com 128mb de ram, vídeo diamond sealth iii 32, duas placas de rede (uma onboard e uma encore) e fax modem 56k usr ( a onboard está desabilitada), placa de CPU M598. Enquando estou escutando musicas MP3, caso o computador esteja com o processamento pesado (uns 3 programas rodando ao mesmo tempo), o mp3 começa a pular, como se fosse riscado. Estou querendo comprar uma placa de som simples, apenas para substituir a onboard, há como fazer isso? Vi uma placa de som genius por 69.00. O preço é bem atrativo. Não preciso de uma placa ótima para som… Sendo uma da mesma qualidade que a onboard, porém com processador próprio, está ótimo. Saberia me dizer se, caso adquira uma placa de som sem ser onboard, o problema com o mp3 irá parar? Este problema pode ser por causa da memória RAM do processador?
Resposta:
O som onboard não tem influência sobre o desempenho do computador. Ao tocar MP3, com qualquer placa de som, quem trabalha bastante é o processador da placa de CPU, realizando o trabalho de descompressão de áudio. Os dados de áudio já descomprimidos são transferidos para a memória. A placa de som, através de DMA, tem o simples trabalho de acessar esses dados digitais na memória, converter cada um deles para o formato analógico e transferi-los para os alto falantes. Como vemos, a placa de som não faz processamento algum, apenas usa seus conversores D/A. Muitas placas de CPU com som onboard usam o chip CMI8330 (Sound Pro), idêntico ao existe em várias placas de som de baixo custo. Seu som onboard não está com esses problemas pelo fato de não ter processador próprio (esta estória acontece com os modems, não com as placas de som). O problema é que a M598 é uma placa de CPU para aplicações modestas, como “Office applications”. O processador K6-2 já tem um grande problema, que é a cache L2 operando com apenas 100 MHz, velocidade inferior à exigida pelo seu núcleo (no seu caso, 550 MHz). A placa M598 tem vídeo onboard com memória compartilhada, que reduz o desempenho do processador. Ao utilizar três programas com processamento pesado, adicione um quarto programa, que é o MP3 Player, que também trabalha bastante. O uso do seu processador chega a 100% (você pode confirmar isso com o programa Monitor do Sistema), e o MP3 Player não consegue mais trabalhar em tempo real, resultando nas paradas. Muitas vezes é possível “remendar” a M598, instalando uma placa de vídeo e um modem com DSP, mas nem sempre o problema é resolvido. A M598 não foi projetada para processamento pesado, e sim para PCs para aplicações mais simples. Daí o seu baixo custo.

20) Processador com velocidade baixa
Instalei na minha máquina o Norton System Works 2001 e usei o utilitário System Information. O primeiro erro que notei foi quanto a velocidade do processador que havia caído para 428 Mhz. Utilizei o item desempenho e o resultado mostrado foi de 61,5 vezes mais rápido que um 386 SX 16 Mhz (inferior ao Pentium-II 450 que é de 204,8 vezes mais rápido). O que devo fazer para melhorar o desempenho da minha máquina? Através do Setup consigo aumentar a velocidade do processador sem perigo de queimá-lo? Ou o resultado foi normal?
Resposta:
Está correto, o índice apresentado por um Pentium II/450 é realmente superior a 200. Este índice 61,5 mais parece o de um Pentium/200. É possível que o seu processador esteja com uma das caches (L1 ou L2) desabilitada. As caches podem ser habilitadas através do Advanced CMOS Setup. Não há perigo algum de queima do processador. O clock está correto. Se não fosse de 450 MHz, o programa não estaria informando como 428 MHz, e sim como um valor bem menor. Com o clock correto e uma das caches desabilitada, pode realmente ser indicado um clock um pouco menor, como no seu caso, por isso acho que o problema está realmente nas caches. Veja como é bom checar o desempenho do computador com programas como o Norton Sysinfo. Seu computador pode estar com este problema há muito tempo e você pode não ter notado, até agora que fez a medida.

21) Caches L1 e L2
Estou realizando um curso de hardware e gostaria de saber como são as memórias Cache (L1/L2) dos AMD Duron e Athlon. Estão no processador ou externos?
Resposta:
Praticamente todos os processadores atuais possuem as caches L1 e L2 embutidas no núcleo, ou seja, são internas. O Athlon e o Duron têm 128 kB de cache L1. A cache L2 do Athlon tem 256 kB, e a do Duron tem 64 kB. Outros processadores apresentam diferentes quantidades de caches L1 e L2. O Pentium III tem 256 kB de cache L2, enquanto o Celeron tem 128 kB. Ambos possuem 32 kB de cache L1. Ocorrem entretanto algumas diferenças nos processadores um pouco mais antigos. O Athlon original, por exemplo, assim como o Pentium III, eram produzidos na forma de um cartucho. Dentro do cartucho existia o processador propriamente dito, e chips de memória que formavam a cache L2. Do ponto de vista do cartucho, a cache L2 era interna, mas encarando o processador apenas como o chip central do cartucho, a cache L2 seria considerada externa. É realmente uma confusão. A cache L1, desde que foi usada pela primeira vez, no processador 80486 em 1989, sempre foi interna. A cache L2 começou externa, localizada na placa de CPU, depois passou para dentro do cartucho, agora está integrada ao núcleo do processador. Já o novo processador Itanium, de 64 bits, a ser lançado pela Intel, terá as caches L1 e L2 integradas ao núcleo, mas no seu cartucho existirá ainda uma cache L2, com 2 MB ou 4 MB… Realmente a coisa não vai estabilizar tão cedo. Sempre que for necessária uma cache maior, ela ficará externa ao núcleo, e posteriormente será integrada.

22) Placa para Athlon de 1.1 GHz
Adquiri uma placa Asus A7 Pro juntamente com um processador Athlon de 1.1 GHz. O sistema está operando normalmente. Ao ler o manual da placa-mãe, verifiquei que ela suporta apenas até o processador Athlon de 1GHz. Pode haver algum dano no uso do meu computador?
Resposta:
Este procedimento é normal, por parte dos fabricantes de placas de CPU. Nos manuais estão indicados os processadores que foram testados na época em que a placa foi produzida, mas geralmente processadores mais velozes também podem ser instalados, desde que exista compatibilidade. Esta placa opera com versões do Athlon com barramento externo de 200 MHz. Você só não poderá instalar os novos modelos, que possuem barramento externo de 266 MHz. No caso do seu processador, com 1.1 GHz, o barramento externo é de 200 MHz, portanto não existe problema neste ponto. Normalmente o site do fabricante (no seu caso, www.asus.com) fornece informações atualizadas sobre novos processadores suportados. Apesar de não existir referência a processadores acima de 1 GHz para a sua placa, se ela funciona com 1.1 GHz, não existe risco de dano.

23) Temperatura de processadores
Gostaria de ter uma tabela com as temperaturas máximas de trabalho de processadores como K6 II 550 e Pentium III 600 (e se possível os demais dessas duas marcas).
Resposta:
As tabelas seriam muito extensas para publicar, pois além de englobar cada clock para cada processador, existem versões diferentes do mesmo modelo. Os processadores K6-2 têm no final da sua numeração, três letras (exemplo: AFR, AHX, etc.). Observe a parte superior do chip e veja a terceira letra. Q indica 60 graus, X indica 65 graus e R indica 70 graus. Processadores Duron suportam temperatura interna (DIE) de 90 graus, mas existe aqui uma diferença importante. A temperatura indicada para o K6-2 é medida na carcaça externa, e não no interior do núcleo (esta é mais elevada). Portanto a temperatura na carcaça do Duron deve ser menor. Isto pode ser conseguido mantendo a temperatura da carcaça no máximo em torno de 70 graus, o mesmo sendo válido para o Athlon. Processadores Pentium III e Celeron suportam temperaturas internas de 70 a 85 graus, dependendo do clock. O ideal é que você faça o download do manual do processador de seu interesse, nos sites dos fabricantes (www.intel.com e www.amd.com). Seja qual for o caso, os processadores modernos necessitam de coolers bem grandes, maiores que os utilizados há poucos anos atrás.

24) Processador superaquecido
Tenho um Celeron 533. Não sei qual modelo da placa-mãe, mas o chipset dela é da Intel’s 810 GMCHOset &ICH (82810 82801) BaByAT Socket 370 e com Slot 1. Som, vídeo e fax onboard. O processador está superaquecendo em muito pouco tempo de uso. Mais ou menos em dois minutos, ele chega a uma temperatura de 73 graus. Já fiz de tudo para tentar resfriá-lo. Uma semana antes, o vídeo tinha pifado (de 256 cores agora só funcionam 16). Reinstalei os drivers de vídeo mas, não consegui resultado. O que poderia estar causando o superaquecimento?
Resposta:
Os três principais motivos que levam o processador ao superaquecimento são o overclock, a tensão errada e o cooler inadequado ou com problemas. É preciso checar se o seu Celeron é realmente de 533 MHz, o que é indicado na sua face superior. Este processador deve operar com clock externo de 66 MHz. Muitos fazem overclock, obrigando o processador a operar com velocidade acima da normal. Na maioria das vezes o overclock não funciona, e ainda causa travamentos e superaquece o processador. O outro problema é a tensão do processador, que deve ser configurada no modo automático, através do CMOS Setup ou de jumpers da placa de CPU. Muitas placas permitem que a tensão do processador seja programada no modo manual. Nesse caso é preciso indicar exatamente a tensão utilizada. É melhor usar o modo automático, no qual o processador informa à placa de CPU qual é a tensão que utiliza. Finalmente, verifique se o cooler do processador está acoplado corretamente e se está girando. Utilize um cooler com no mínimo 3 cm de altura na sua parte de alumínio. Coolers menores podem não refrigerar corretamente o processador. Muitos vendedores colocam na parte frontal do processador, uma maldita “etiqueta de garantia”, que prejudica a transferência de calor entre o processador e o cooler. Do ponto de vista técnico esta etiqueta não deve ser usada.

25) Chipset SiS tem suporte ruim
Adquiri um cabo IDE de 80 fios acreditando que assim conseguiria mais velocidade no HD. Mas para que esse cabo funcione é necessário instalar o Bus Mastering da placa. Como se faz para instalar os drivers do IDE Bus Mastering da SiS5513 sendo que nenhum deles vem para Windows Me? Não adianta instalar o do Windows 98 pois dá “pau”.
Resposta:
Usuários de chipsets SiS quase sempre ficam “no mato se cachorro” quando o assunto é suporte. O site da SiS não tem datasheets detalhados de seus produtos, apenas informações superficiais. Não existe informação sobre produtos descontinuados, como chipsets de 4 anos atrás. A seção de FAQs não traz informações sobre chipsets antigos, e os drivers são muito desatualizados. Os drivers para o 5513 são de 1998. Devido à falta de informações oficiais, tive que fazer uma busca na Internet, ou seja, procurando informações extra-oficiais. Uma coisa é garantida: este chip não suporta o modo ATA-66, portanto o cabo IDE de 80 vias é desnecessário. Para o modo ATA-33, o cabo IDE de 40 vias é adequado. Resta confirmar se este chip opera ou não no modo Ultra DMA-33. Pelo que pude constatar na minha pesquisa, este chipset não suporta Ultra DMA, ficando limitado aos modos PIO e DMA de 16,6 MB/s. Para isso não é preciso instalar drivers, você pode utilizar os do próprio Windows. Basta usar o Gerenciador de Dispositivos, selecionar Unidades de Disco, clicar em Generic IDE Disk e no quadro de configurações marcar a opção DMA. Existe uma pequena chance deste driver não funcionar, portanto esteja preparado para fazer uma restauração do Registro, usando o programa SCANREG no modo MS-DOS. Os drivers para Windows 98 normalmente funcionam também no Windows ME, portanto o side213.exe deveria funcionar. Mas travamentos e bugs de hardware são coisas que infelizmente acontecem, principalmente com produtos descontinuados que já não têm mais suporte. Na minha opinião, a SiS abandonou este produto muito cedo. Por isso recomendo placas com chipsets Intel e VIA, que oferecem atualizações com mais freqüência, e o suporte para produtos antigos é melhor.

26) XCELL2000 não é placa, é chipset
Tenho um computador Pentium III cuja placa-mãe é XCEL2000. Em razão de um vírus, tive de formatar o HD. Preciso do disco com os drivers da placa-mãe. Como posso encontrá-lo?
Resposta:
A placa mãe não é uma XCEL2000. Este é o nome do chipset utilizado. A placa deve ser uma M741 ou M748, da PC Chips. Você encontrará os manuais, drivers e BIOS em www.pcchips.com e www.amptron.com. Este chipset na verdade é o SiS620.

27) Upgrade para Athlon
Qual é o clock máximo de Athlon que a placa-mãe Soyo K7VTA-B aceita? Eu comprei uma para usar com um Athlon de 1 ghz. Quando quiser fazer upgrade para 1,4 ghz terei que trocá-la?
Resposta:
No manual da placa está especificado o máximo de 1 GHz. Entretanto é comum os fabricantes de placas limitarem por baixo o clock máximo do processador. Nos manuais é indicado apenas o máximo testado quando a placa foi lançada no mercado. Processadores mais novos podem funcionar, desde que a voltagem e o clock externo sejam suportados pela placa. Você poderá instalar um Athlon novo, porém deverá buscar uma versão com barramento externo de 200 MHz (na verdade são 100 MHz com double data rate). Existem versões com barramento externo de 266 MHz (133 MHz com DDR), que não pode ser usadas na sua placa. Na verdade podem, mas irão operar com 200 MHz, o que reduzirá automaticamente em 25% o valor do seu clock interno. Os processdores Athlon com menos de 1 GHz operam com 200 MHz externos. A partir de 1 GHz existem versões de 200 e 266 MHz, mas conforme chegam as versões mais rápidas, o barramento de 200 MHz será abandonado, já que é necessário usar clocks externos maiores para acompanhar o aumento do clock interno. Você pode identificar o clock externo de um Athlon pelo número de identificação estampado na sua face superior. Por exemplo, A1400AMS3B. O “B” final indica barramento de 200 MHz, enquanto “C” indica barramento de 266 MHz.

28) Temperatura do Athlon
Qual é a temperatura média e máxima recomendável para trabalhar com um processador Athlon de 1,2gh?
Resposta:
Observe o código do processador, estampado na sua face superior. Por exemplo, A1400AMS3C. O terceiro caracter da direita para a esquerda pode ser “S” ou “T”, o que indica 95 graus e 90 graus, respectivamente. Em caso de dúvida, tomemos o valor de 90 graus, por segurança. Também por segurança, não devemos trabalhar com temperaturas muito próximas ao limite. Se ao executar uma tarefa simples, como um editor de textos, a temperatura já chegar a 80 graus, o processador poderá fritar quando for submetido a uma tarefa mais pesada, como processar um jogo 3D. Se conseguir mantê-lo a no máximo 60 graus nas tarefas simples, dificilmente a temperatura máxima será ultrapassada nas tarefas mais pesadas. Isto é conseguido com o uso de um cooler de grande tamanho, como os da Thermaltake. O cooler deve ter no mínimo 5 centímetros de altura na parte de alumínio, e deve ser acoplado ao processador através de pasta térmica.

29) Novos processadores
Hoje estamos com processadores indo para casa de até 2Gigas de velocidade( AMD, Intel, Cyrix, etc… ) mas quais são os melhores, suas utilidades, usos gerais. Sou um iniciante em Montagem e Manutenção de Micros e isso me interessa muito!!!
Resposta:
Os processadores Intel e AMD são os que brigam pelo domínio do mercado. Atualmente podemos dizer que essas empresas estão praticamente empatadas em tecnologia, velocidade dos seus processadores e participação no mercado. A Cyrix tem um porte bem menor, e está pelo menos dois anos atrás da Intel e AMD. Sempre são lançados processadores cada vez mais velozes, e sempre surgem novas aplicações para este aumento de desempenho. Os modelos mais simples, hoje chegando na faixa de 1000 MHz, são mais que adequados para praticamente todas as aplicações atuais. Na verdade um Pentium III/500 faz quase tudo o que precisa fazer um computador moderno, enquanto um Pentium MMX/233 é capaz de executar a maioria das tarefas simples. Os processadores de última geração, já quase chegando na casa dos 2 GHz, vão executar tarefas antes impossíveis para micros. Os programas para edição de vídeo, por exemplo, antes de execução bastante demorada, poderão um dia ser tão rápidos quanto um processador de textos. Com a tecnologia atual, são gastas muitas horas para comprimir um vídeo, e muitos minutos para gerar arquivos de áudio em MP3, por exemplo. O tempo de execução dessas tarefas será cada vez menor com os processadores modernos, tornando seu uso mais fácil e produtivo. Em um primeiro momento, apenas os profissionais terão proveito com os processadores mais novos. Depois de algum tempo a tecnologia estará mais barata e ao alcance do grande público.

30) Desempenhos do K6-2 e K6-III
Tenho duas dúvidas: tenho um pc com a seguinte configuração: Processador K6 II de 500 Mhz. placa mãe Asus P5 A-B, 128 mb de ram, placa de vídeo s3 savage 4 Pro, com bus agp e 32 mb de ram. Medi o desempenho do Pc com o Norton Sys Info e consegui uma marca de 158 pontos. Esta marca é condizente com o potencial da máquina? Outra dúvida: pretendo comprar um processador K6 III de 400 Mhz, ou mais veloz, pois já ouvi ótimos comentários a respeito, mas não consigo encontrá-lo aqui em BH e não achei nenhuma loja que fizesse entrega.
Resposta:
Está correto, o K6-2/500 realmente apresenta índices de desempenho entre 150 e 160, medidos com este programa. Aqui ocorre um fato curioso: o K6-2/300 é praticamente tão rápido quanto o Pentium II/300, mas quanto maior é o clock, menor é a vantagem do K6-2, devido à saturação do barramento da cache L2. Enquanto no Pentium II e no Pentium III, o desempenho da cache L2 é proporcional ao desempenho do processador, no K6-2 a cache L2 opera com clock fixo de 100 MHz, não importa qual seja o clock do processador. Este problema não ocorre com o K6-III, pois ele tem a cache L2 integrada e funcionando com o mesmo clock do núcleo do processador. Um K6-III/450, por exemplo, rivaliza com um Pentium II/450. O problema é o que o K6-III não é mais fabricado. Foi produzido apenas nas versões de 400 e 450 MHz. Algumas poucas lojas ainda vendiam o K6-III, em pequenas quantidades, mas há alguns meses já não são mais encontrados. Agora podemos encontrá-lo apenas no mercado de peças usadas.

31) Processadores suportados por uma placa de CPU
Gostaria de saber qual o processador de maior clock que as placas abaixo suportam. Disseram-me opiniões discordantes que só deixou-me mais confuso. Recorro a vocês para esclarecer. Desde já obrigado. Placas: P6BA-A+ e P6BX-MS, ambas da Elite Group, e Tomato TX100-3D, da Zida
Resposta:
O manual da placa de CPU normalmente é desatualizado no que diz respeito aos processadores suportados. Placas para Pentium III com barramento externo de 133 MHz, por exemplo, a princípio suportam qualquer processador Pentium III, até de 1.13 GHz ou outro modelo mais rápido que venha a ser lançado. Nos casos em que processadores mais velozes não funcionam, uma atualização no BIOS pode resolver o problema. É difícil avaliar com exatidão, mas digamos que uma placa de CPU tenha 80% de chance de suportar sem alteração alguma, processadores mais rápidos que os indicados, e 15% de chance de suporta-los mediante uma atualização de BIOS, e 5% de chance de não suportarem, mesmo com a atualização. A palavra final será do fabricante da placa de CPU, que mantém no seu site, uma lista dos novos processadores suportados por suas placas, não indicados no manual original. Existem ainda casos em que esses processadores não são indicados, e o fabricante sugere o uso de novos modelos de placa para esses processadores, mesmo que eles saibam que as placas antigas também os aceitem.
A compatibilidade é provável, desde que os novos processadores tenham barramento externo igual ao dos antigos, como é o caso das versões atuais do Pentium III. No site da Zida, não está indicado o clock máximo da placa TX100-3D, cuja página está em

http://www.zida.com/product/TX100-3D.htm

No manual da placa também não existe referência de clock máximo, como seria o correto ter. Tenho observado que a maioria das placas de CPU com Socket 7 de fabricação recente suporta até 550 MHz, portanto poderia chegar no máximo a um K6-2/550. No site da Elitegroup (www.ecsusa.com). Não existem referências às placas que você citou, e sim a outros modelos similares. Pelo que observei os modelos deste fabricante que começam com “P6B” usam o chipset i440BX, e ele suporta clock externo de 100 MHz. O Pentium III mais veloz para este clock é o de 850 MHz. Para outras placas similares, o site indica máximos de 800 e 850 MHz, mas curiosamente as placas que você citou não estão no site da ECS. Eu arriscaria 850 MHz.

32) Coolers para os processadores mais velozes
Venho por meio desta solicitar sua ajuda para uma questão no mínimo curiosa. Apesar de ter lido a maioria dos seus livros não encontrei nada sobre posição de coolers. Especificamente falando, Coolers Thermaltake para Socket A (Socket 462). Possuo uma placa mãe Asus A7V, o Athlon TBird 850Mhz e um cooler duplo da ThermalTake, para CPU´s até 1,5Ghz. Minha placa-mãe (06/03/2001) apresentou problemas e parou de funcionar. Deixei-a na loja dia 07/03/2001 (terça) e voltei dia 09/03/2001. Ao voltar, o técnico me informou que a placa-mãe foi foi queimada pelo cooler invertido (???) e que não seria efetuada a troca. Para surpresa ainda maior, o técnico me mostrou o processador FALTANDO UM PEDAÇO. Além das grosserias que tive de engolir (burro, incompetente, moleque, e outras coisas que não gostaria de mencionar). Cabe lembrar que a máquina chegou montada à loja e quando fui buscar as peças estavam amontoadas (igual a lixo) dentro da caixa da placa-mãe, sem proteção alguma. Misturadas placa-mãe, placa de vídeo, de som, processador, tudo solto e fora do lugar. O técnico disse que eu deveria procurar o Procom se quisesse reclamar. Conversei com várias pessoas sobre o assunto e com detalhes. Todos me disseram que nunca ouviram nada a respeito desse cooler. Aliás, ele é elogiado por toda a mídia pela sua excelente qualidade. Só como esclarecimento, o cooler é o Duplo SuperOrb, modelo Socket A. Seu endereço é http://www.thermaltake.com. Desculpe se isso pareceu um desabafo, mas estou procurando ajuda técnica de pessoas esclarecidas e inteligentes, como você. Você acha que a inversão do Cooler poderia destruir a placa-mãe e quebrar, literalmente, o processador?
Resposta:
Parece que eles foram bastante hostis, entretanto a questão do cooler invertido tem bastante lógica, dependendo do cooler. Os soquetes para processadores que usam o encapsulamento PGA não são simétricos, ou seja, o processador não fica exatamente na parte central. A assimetria é devido à lateral, aquela parte onde está escrito “Socket 462”. No cooler existe um ressalto com cerca de 1 milímetro que fica exatamente sobre a parte com a inscrição “Socket 462”. Se o cooler for instalado de forma invertida, um dos seus lados ficará cerca de 1 mm mais alto que o outro. Como no processador existem 4 pequenos círculos de borracha e como o grampo fixa o cooler com bastante pressão, o cooler acabará ficando firmemente acoplado ao processador, entretanto ficará com uma pequena inclinação, com aproximadamente 1 grau. Por conta disso, o contato entre o cooler e o pequeno retângulo no centro do processador, onde o calor é gerado, não será perfeito. O cooler irá trabalhar com apenas uma fração da sua capacidade, e muito calor ficará acumulado no próximo processador. Ele irá sobreaquecer e queimar. Pode até mesmo rachar, como ocorreu. Cooler é coisa séria, principalmente com os processadores modernos, que geram tanto calor. Toda atenção deve ser dada à sua instalação. É preciso verificar se está corretamente acoplado, se não ficou torto, e de preferência deve ser aplicada pasta térmica entre o cooler e o processador. Muitas placas de CPU possuem sensores de temperatura para o interior do gabinete e para o processador. Eles devem ser usados, e em caso de aquecimento, avisarão o usuário sobre o problema. Um processador pode ter ficado muito tempo operando com temperatura elevada, acima do permitido, até chegar ao ponto de queimar e rachar.

33) Trocando Cyrix MII por AMD K6-2
Eu ma chamo Roger e tenho uma dúvida com relação a minha placa mãe. É o seguinte: eu tenho um processador Cyrix M II 300, e tem um amigo meu, que me disse que seu quisesse colocar um K-6 500 eu poderia, isso é verdade? é recomendavel? realmente gostaria de ter um processador mais rápido, então eu gostaria de uma dica (para não pesar muito no bolso), seria possível mesmo o tal upgrade? Ou tem algum jeito de tornar o Cyrix mais rápido???
Resposta:
Não existe como tornar o seu atual Cyrix mais rápido, a menos que seja por overclock, o que nem sempre funciona e coloca em risco o processador, que pode queimar por excesso de temperatura. Mesmo utilizando um super cooler, a confiabilidade seria comprometida. Dependendo da idade da sua placa de CPU, ela poderá ou não aceitar um processador K6-2/500. Para isso será preciso verificar se ela opera com barramento de 100 MHz, informação encontrada no seu manual. Se ela operar com 100 MHz, poderá ser configurada como tal, e usando o multiplicador 5 e a voltagem correta (2.2, 2.3 ou 2.4 volts, dependendo da versão do K6-2 – a voltagem correta está indicada na face superior do chip). Se a sua placa de CPU não possui jumpers para configuração de voltagem, então o upgrade não pode ser feito. Os processadores Cyrix MII/300 não operam na verdade com 300 MHz, e sim com 225 ou 233 MHz. Uma versão opera com clock externo de 75 MHz e multiplicador 3x, outra opera com clock externo de 66 MHz e multiplicador 3.5x. Sua placa de CPU pode ser um modelo antigo, que suporta apenas 66 MHz, ou no máximo 75 MHz. Se foi produzida de 1998 em diante, é possível que opere com barramento de 100 MHz e suporte o K6-2. Seja qual for o caso, será preciso confirmar no manual da placa de CPU. Como o MII e o K6-2 são mais ou menos da mesma época, provavelmente o manual da placa de CPU faz referência a ambos, caso os suporte, a menos que a placa seja antiga (1996-97). Lembro ainda aos leitores que dentro do possível, procurem informar sempre nas suas dúvidas, a marca e o modelo da placa de CPU para que seja possível uma resposta mais direta.

34) Identificação da placa mãe
Tenho um micro Pentium 133 placa-mãe Asus, 32 MB de RAM , HD 1.2GB rodando Windows 98SE. Rodei o programinha “Ctbios” para identificar o modelo da placa-mãe e assim baixar drives atualizados para o meu sistema mas não consegui entender as informações obtidas. Poderia me ajudar? A seguir o resultado do “Ctbios”:

BIOS-Info, c’t/Andreas Stiller, 10/97
Computer ID : FC, Type : AT
BIOS Date : 05/23/96
Award BIOS found : Award Modular BIOS v4.51PG
Award ID-String : 05/23/96-82430FX-PI-5XTP4C-00
Board/BIOS-Version: #401A0-0202 2
OEM : AsusTek
URL : http://www.asus.com
Chipset : 82430FX

Resposta:
A placa de CPU foi identificada como Asus, e o modelo está indicado através do “Award ID String”. Você deverá entrar no site www.ping.be/bios/ e procurar por esta “ID String”, o que irá identificar o modelo da placa. Esta lista não é necessariamente completa, já que é construída manualmente através de informações recebidas de vários usuários, e não dos fabricantes. A coisa é bastante facilitada quando a placa de CPU é de um fabricante conhecido. A Asus costuma colocar o modelo da placa indicado de forma bem visível, entre os slots da placa. Na página

http://www.asus.com/Products/Motherboard/archives.html

você encontrará links para manuais e BIOS de placas de CPU descontinuadas. Quando o seu computador é ligado, é mostrado na tela o modelo da sua placa, durante a contagem de memória, esta é uma outra forma de descobrir o modelo sem ter que abrir o gabinete. De posse do modelo você poderá obter as informações na página citada. Existem outros modelos equipados com o chipset 82430FX, basta entrar em Motherboard e Socket 7 no site da Asus.

35) Nova placa de CPU
Olá amigo, quero mudar minha placa mãe mas ainda não me decidir qual modelo a escolher, pois estou em duvida. Tenho um pentium lll de 500mhze de 128 de ram, chipset intel 810e. A duvida está no modelo ASUS CUSL2 ou o modelo CUV4X. A diferença é que uma usa o chpset intel 815 e a outra usa o da via pro133z. Gostaria de colocar a primeira mas em Salvador estou tendo dificuldade de encontra-la, optando pela segunda mesmo não sendo chipset intel, seria uma boa escolha? Desde já agradeço pela atenção.
Resposta:
Eu não testei a CUV4x, mas testei a P3V4x que é similar, a diferença está apenas no formato do soquete do processador (Slot 1, ao invés do Socket 370). Já testei exaustivamente nos últimos meses, uma dúzia de placas de CPU com chipsets Via, e os resultados são excelentes. Quanto à CUV4x, conheço várias pessoas que a estão utilizando e vendendo computadores com ela, também tendo bons resultados. Você pode ficar tranqüilo com a sua escolha. O desempenho também é muito bom. Lembro apenas que não importa o modelo de placa de CPU, você sempre deve fazer a instalação dos seus drivers, encontrados no CD-ROM que a acompanha. Esta instalação deve ser feita logo depois que o Windows está instalado. Os drivers da placa de CPU garantem o bom funcionamento do barramento AGP, das interfaces IDE, das funções de gerenciamento de energia e gerenciamento de recursos de hardware. Muitos esquecem de fazer a sua instalação, e como resultado ocorrem várias anomalias. Fazendo a instalação dos drivers você não terá problemas. Nem sempre os drivers existentes no CD-ROM são os mais atualizados. Neste caso obtenha os drivers mais novos, no site do fabricante da placa de CPU.

36) Temperatura de processadores
Gostaria de ter uma tabela com as temperaturas máximas de trabalho de processadores como K6 II 550 e Pentium III 600 (e se possível os demais dessas duas marcas).
Resposta:
Saber a temperatura máxima de um processador K6, K6-2 ou K6-III é fácil. Basta observar o sufixo indicado na sua parte superior. Você encontrará sufixos como AHX, AFR, AFQ, etc. A segunda letra indica a tensão interna:
F = 2.2 volts
G = 2.3 volts
H = 2.4 volts
A terceira letra indica a faixa de temperatura:

Q = 0°C a 60°C
R = 0°C a 70°C
X = 0°C a 65°C
O Pentium III/600 FC-PGA (para soquete 370) opera no máximo a 82 graus, e o modelo de cartucho aceita no máximo 75 graus. Note que esta é a temperatura externa da carcaça. Como o modelo FC-PGA não tem carcaça, a temperatura é medida em um ponto mais próximo do núcleo, sendo portanto mais elevada. Por isso é necessário que o modelo FCPGA use um bom dissipador de calor. Você poderá encontrar informações detalhadas sobre temperatura fazendo o download dos manuais dos processadores, encontrados nos sites www.amd.com e www.intel.com.

37) Silício e chips
Por que o Brasil não produz microchip sendo que é um dos grandes produtores de silício? Quais os principais fabricantes (empresas e países) fabricantes de componentes de informática (processadores, memórias, etc…)
Resposta:
Vou fazer uma analogia usando o aço e o minério de ferro. Digamos que para produzir aço seja necessária uma tecnologia 10 vezes maior que a necessária para extrair o minério. Sendo assim, a tecnologia para produzir chips seria 1000 vezes mais avançada que a necessária para extrair o silício. Ter silício em abundância não é vantagem alguma, principalmente se levamos em conta que é muito pequena a quantidade de silício para produzir um chip. Sobre o silício são adicionados outros materiais que formam os transistores, e aí está a tecnologia. Também é preciso lidar com técnicas de microeletrônica bastante sofisticadas e desenvolvidas durante anos. É verdade que um país deve dar preferência à produção de manufaturados ao invés de exportar matéria prima bruta, mas a tecnologia para produção de chips é muito avançada, o silício é apenas um detalhe. É um dos materiais mais baratos e mais abundantes na natureza, portanto o Brasil não tem vantagem alguma com suas reservas. Depende das condições econômicas favoráveis ao nosso país que fabricantes de chips venham se estabelecer aqui, para que efetivamente o Brasil se torne um produtor. Quanto à tecnologia de fabricação, ela existe nas universidades e centros de pesquisa, mas é desenvolvida a duras penas com os limitados recursos disponíveis. Existe ainda uma grande diferença entre construir protótipos e produtos em escala industrial.

38) Monitorando a temperatura do processador
A maioria dos usuários domésticos de PCs utilizam seus computadores sem a devida refrigeração (ar condicionado). Este problema se torna mais grave aqui no nordeste devido à temperatura média elevada. Alguns computadores possuem o recurso de monitoração de temperatura, que, caso alcance um certo limite, emite um aviso etc. No meu caso específico, o setup possui essa informação. Mas, se eu desejasse monitorar essa temperatura constantemente, como faria? Minha placa é uma PC100 e a CPU, um PENTIUM 600E.
Resposta:
Todas as placas de CPU modernas possuem sensores de temperatura, voltagem e rotação. Eles medem a temperatura interna do gabinete, a temperatura do processador e a velocidade de rotação dos coolers. Através de um software de monitoração, o usuário pode ser imediatamente avisado sobre problemas de aquecimento e queda de rotação dos ventiladores dos coolers. No CD-ROM que acompanha a sua placa de CPU você deverá encontrar um programa para tal monitoração. Por exemplo, as placas Asus são acompanhadas do programa Asus Probe. Programas de monitoração são dependentes da placa, portanto você não deve utilizar um programa para monitorar uma placa que não seja aquela que o acompanha. Procure inicialmente no CD-ROM que acompanha a sua placa de CPU por este programa. Se não o encontrar faça o download no site do fabricante da placa de CPU.

39) Desempenho do Athlon
Tenho um micro com as seguintes configurações:

Placa-mae: ASUS K7M (com som on-board)
Processador: AMD K7 800 MHz
Memoria: 256 SDRAM
Placa de video: SIS 6326 8 MB
HD: Quantum Fireball 20.4 GB
Sistema operacional: Windows 2000 Professional Ingles com Service Pack 1

Estou achando ele um pouco lento por ser um K7 com estas configurações. Existe algum teste que eu possa fazer para medir seu desempenho ??? Por favor me ajudem.
Resposta:
Muitas placas de CPU modernas reduzem automaticamente a velocidade do processador quando existe aquecimento. O que pode estar ocorrendo no seu caso, assim como em outros casos semelhantes que já tive conhecimento, é mesmo a redução do clock resultante da elevada temperatura do Athlon. Utilize um cooler de maior capacidade, com maior massa de alumínio e de preferência com 2 ou 3 ventiladores. Você pode medir o clock e o desempenho através de vários programas, como o Norton Sysinfo. Um programa que você pode usar para medir o clock é o PC-Check, obtido gratuitamente em versão demo, no endereço www.eurosoft-uk.com.

40) Overclock
Possuo um velhinho Pentium 100Mhz. Posso fazer um over com o programa “SoftFSB”, sem ajustar os “jumpers” fisicamente, com segurança?
Resposta:
O overclock é perigoso e pode estragar o seu processador. Mesmo nos casos em que não estraga, faz o computador perder a confiabilidade, aumentando a chance de travamentos. Por isso adoto a postura de não ensinar os leitores a fazerem overclock. Quem quiser correr o risco, há quem ensine. Uma coisa é um usuário com conhecimentos de hardware conhecer todos os prós e contras e fazer o overclock por sua própria conta e risco. Outra coisa é um usuário desavisado tomar conhecimento de forma superficial, sem conhecer os perigos para o computador, e resolver fazer o overclock. Por isso acho que quanto menos for divulgado, melhor. Para quem quer fazer overclock sabendo dos riscos, existem todas as informações na Internet. Quanto ao SoftFSB, ele não funciona com qualquer computador, pois não são todos os chips geradores de clock que permitem programação. Portanto não há segurança em usar o SoftFSB, nem em ajustar jumpers. Overclock não combina com segurança.

41) Dúvidas sobre Pentium 4
Montei um Pentium 3 de 1,00 GHz com 384,00 MB de RAM e disco Seagate de 20 GB, placa-mãe ASUS CUSL2-C 133, placa de vídeo ASUS V7100 Pro de 32 MB AGP, monitor 17” LG Studioworks 77i e placa de som Creative SB Live M3 + Studio e estou satisfeitíssimo com a máquina. Li atentamente a reportagem A MÃE DE TODAS AS PLACAS na PC World deste mês e fiquei muito interessado no Pentium 4, mas ficaram 2 dúvidas que passo a relatar:

1. qual a necessidade do uso de uma fonte especial para o P4? A que vem no gabinete não é suficiente?;

2. A placa ASUS P4T exige dois módulos de memória em seus bancos para que possa funcionar, assim como, dois de 64 MB totalizando 128 MB RDRAM?
Resposta:
As placas de CPU para Pentium 4 exigem um gabinete diferente, com furos de fixação para a placa e para o processador. Existem explicações detalhadas sobre isso em www.intel.com. A fonte de alimentação para a Asus P4T, especificamente, deve ser do tipo ATX12V. Essas fontes possuem um conector adicional de 12 volts e alta corrente. Esta modificação deve-se ao fato dos conversores DC/DC que operam com tensões de entrada mais altas serem mais eficientes que aqueles que operam a partir de 3,3 volts, como ocorre na maioria das placas atuais. A P4T também requer memórias RDRAM. O Pentium 4 “on the box” é comercializado com dois módulos de 64 MB, totalizando 128 MB. Note que a memória RDRAM é muito cara, e já existem placas de CPU para Pentium 4 com suporte para memórias DDR e SDRAM. O desempenho não é tão alto quanto o da RDRAM, mas pode ser uma boa opção se o custo for um ponto importante.

42) Desempenho baixo do K6-2
Tenho um k6-2 500 com 128 Mb e disco de 20Gb e o Norton System Works. Neste tem uma opção de fazer um teste do sistema verificando o desempenho, ao fazê-lo ele compara a performance com um 386…. .; só que ele afirma que um Pentium II 350 ou perto disso é 250,…% melhor seu desempenho o meu deu 64.5 % melhor quase igual a um Pentium 200 o que me deixou bastante frustrado já que o meu micro roda tudo só ficou meio lento com jogos que usam o 3d e o processamento muito alto ex.: Roland Garros 2001, Need for speed porsche tenho que jogá-lo com a menor resolução e tudo desligado. Mas o problema aparece quando executei o mesmo nos micros do meu serviço que teve um desempenho de 100,…% melhor e ambos tem a placa mãe bastante semelhante (sis530 com tudo on-board) Mas eu não uso mais nada on-board (placa de som Creative 16 bits, Voodoo 3 Pci , Modem 56 Kbts USR) Será que há a possibilidade de alguma configuração na bios estar retardando o desempenho.

Instalei o win 98 SE sem a opção Ultra DMA support marcada, só que fiquei sabendo que esta opção aumenta a velocidade da taxa de transferência, e quando a marco o win se perde totalmente nem ao menos inicia, reclamando de um arquivo corrompido e ao voltar ao estado anterior ele quer fazer o exame de superfície tenho que deixar fazer por que se não toda a vez que iniciar ele pede para fazê-lo
Resposta:
Existe pouca diferença entre os desempenhos das várias versões do K6-2. Um K6-2/550 é cerca de 30% mais veloz que o K6-2/300, graças ao efeito de saturação da cache L2. Mesmo com o clock interno mais elevado, a cache L2 opera com apenas 100 MHz, o que atrapalha muito o seu desempenho. Menor ainda é o desempenho quando o PC tem vídeo onboard. Diferenças também ocorrem de um PC para outro, dependendo da placa de CPU e do chipset utilizado. A tabela que se segue mostra algumas medidas que fiz usando processadores K6-2 usando uma placa de CPU sem vídeo onboard. As medidas foram feitas com o Norton SI que acompanha o Norton Systemworks 2000.
Modelo Norton SI
K6-2/300 116
K6-2/350 125
K6-2/400 131
K6-2/450 139
K6-2/500 145
K6-2/550 149
Pentium II/300 140
Pentium II/450 210
Como a cache L2 do K6-2 está muito “estrangulada”, o processador acaba sem tornando sensível até mesmo à velocidade da DRAM. Procure no Advanced Chipset Setup, itens que definem os ciclos de acesso à DRAM e à cache L2. Valores menores resultam em desempenho maior, mas também podem tornar o computador instável. Você terá que testar. Quanto ao Ultra DMA, existem casos de chipsets e discos rígidos que não o suportam corretamente. Você terá que desativar o DMA. Execute o boot no modo MS-DOS e use o programa SCANREG. Use o comando Exibir Backups, selecione o último backup e use o comando Restaurar. Você terá então ativado uma versão do Registro do Windows com o DMA desabilitado.

43) Upgrade de processador em Socket 7
Olá, pessoal eu tenho uma grande dúvida, a minha placa mãe é uma TX Pro II com Vídeo onboard Modelo SIS 5597/5598 e eu uso um processador Soquet 7 Pentium 233 MMX. Eu quero comprar um processador mais rápido então que modelo de processador a minha placa mãe aguenta ???, um amigo meu me disse que eu poderia comprar um processador AMD K6 – II 550MHZ , mas eu fiquei com uma grande dúvida, a voltagem da minha placa mãe só vai até 2,5 Volts e a voltagem do AMD K6 – II 550MHZ é de 2,2 volts. Caso eu coloque este processador, ele vai rodar, será que ele vai queimar ( se ele aquecer de mais ). e como eu devo configurar a placa mãe para ele trabalhar, será que é 1.5 x 66MHZ ou 1.5 x 75MHZ.
Resposta:
Se a voltagem da placa só chega a 2,5 volts, esqueça. Não é possível instalar um K6-2, que normalmente exige 2,2 volts. O processador poderá queimar se for ligado a uma tensão mais elevada, além do seu funcionamento não ser garantido. Outra questão importante é o clock externo e o multiplicador. Para instalar o K6-2/550 é preciso configurar a placa com 100 MHz externos e multiplicador 5,5. Se a placa de CPU não possui essas configurações, o processador não poderá ser instalado. Finalmente, o desempenho do K6-2/550 não é tão mais elevado que o do Pentium 233 MMX. Você provavelmente notará pouca diferença. Poderá obter melhor desempenho se instalar mais memória e uma placa 3D, já que o funcionamento do K6-2 na sua placa não é garantido. Você pode tentar encontrar um processador Cyrix MII/333, pois aceita clocks de 66 e 75 MHz, além de operar com 2,9 volts, tendo maiores chances de ser compatível com a sua placa.

44) Processador errado
Comprei um Compaq Presario 5BW173 no Extra-Mappin. Os folhetos de publicidade e a pagina na Internet informavam para o modelo: Processador Intel Pentium III de 750 MHz – Mem. RAM 128 MB – HD 40 GB. Era o segundo da linha Compaq; o primeiro só apresentava a mais o DVD. Ontem entrei em “MEU COMPUTADOR – C: – Cq_rem” e, entre outros dados, descobri lá “[CPU1] – Description=Celeron em 600 MHz – Title=Processador 1” Pergunto: Fui enganado? Celeron não indica a segunda linha de processadores? Qual a atitude a tomar, apesar de um ano já transcorrido? (Continua na garantia).
Resposta:
Você precisará levar a nota fiscal para reclamar a troca. É preciso checar se realmente o modelo que você comprou era o anunciado. Não acredito que você tenha sido enganado de forma proposital, já que a maioria dos usuários percebe as mensagens apresentadas durante o boot e nas propriedades de Meu Computador, indicando detalhes técnicos como processador, clock, etc. Você pode ter comprado um modelo que não era na verdade o mesmo do anúncio, ou eles podem ter se enganado ao entregar a máquina. É sempre bom conferir a configuração do processador, no anúncio, na nota fiscal e nos quadros de propriedades apresentados pelo Windows. Clique em Meu Computador com o botão direito do mouse e escolha no menu a opção Propriedades. Na guia Geral estarão sempre indicados o processador e a quantidade de memória. No caso do Windows XP, é indicado também o clock do processador, mas esta informação pode ser também obtida na tela inicial do boot, após a contagem de memória.
2001_019
Conferindo o computador: Athlon de 1 GHz, 256 MB de RAM

45) Duron lento
Tenho um micro AMD Duron 800MHz, motherboard Soyo K7VTA PRO 133, 256 Mb Ram, HD 15GB Quantum. Adquiri essa placa Soyo recentemente para fugir do “tudo on-board”, tendo em vista o baixo custo dela. Acontece que estou achando essa placa muito lenta, mesmo com os 256MB de RAM PC133. No manual dela, o barramento para o meu processador tem que ser configurado como 100Mhz (multiplicador 8) para meu processador Duron. Mas na outra placa on-board que eu tinha, o barramento era configurado com 133Mhz. Será que a lentidão da placa é devido ao baixo barramento? Se eu colocar o barramento para 133Mhz com multiplicador de 6, poderei queimar a placa ou o processador? Se não queimá-los, como devo proceder para fazer tais ajustes de barramento e multiplicador, já que o manual dela não me orienta?
Resposta:
O AMD Duron trabalha com barramento de 200 MHz, apesar de sua configuração na placa ser de apenas 100. Tanto o Duron como o Athlon operam com double data rate em seus barramentos, fazendo duas transferências a cada ciclo. Sendo assim uma configuração de 100 MHz resulta em desempenho típico de 100 MHz, enquanto a configuração de 133 MHz resulta em desempenho equivalente a 266 MHz. O Pentium III não usa este recurso, portanto 133 MHz são 133 MHz mesmo. O Pentium 4 opera com quad data rate, portanto ao ser configurado com 100 MHz, oferece desempenho equivalente a 400 MHz. A lentidão pode ser causada por outros motivos. Verifique se as caches L1 e L2 estão habilitadas no CMOS Setup. Identifique qual atividade exatamente no PC está lenta. O computador é um conjunto de peças, e cada uma delas tem importância em determinadas atividades. Por exemplo, o tempo gasto durante o boot do Windows depende do desempenho e do estado de fragmentação do disco rígido. Se a lentidão está no uso de jogos 3D, é preciso checar os requisitos do jogo em termos de processador e placa. As placas 3D da SiS e da Trident, por exemplo, são tão lentas quanto as placas onboard. Configurar um jogo para operar com 1280×1024 com 32 bits por pixel resultará em lentidão, mesmo usando processadores e placas de vídeo mais rápidas. Use um programa medidor de desempenho como o Norton Sysinfo para checar se existe realmente um problema de lentidão relativo ao processador.
2001_020
Processador AMD Duron

46) Drivers para placa a XCELL2000
Gostaria de saber onde consigo os drivers de som e modem para placa mãe Xcell2000.
Resposta:
A placa mãe não é uma XCELL2000. Este é o nome do chipset utilizado. A placa deve ser uma M741 ou M748, da PC Chips. Você encontrará os manuais, drivers e BIOS em www.pcchips.com e www.amptron.com. Este chipset na verdade é o SiS620. O problema é que dependendo da versão da placa, diferentes versões de modems podem ser fornecidas. Testei recentemente uma placa PCChips M755, e o modem que a acompanhava era diferente do modem indicado no seu manual. Apesar disso os drivers fornecidos no seu CD-ROM funcionaram perfeitamente no Windows XP, o sistema que usei nos testes. Se você está tendo problemas com o modem desta placa, pode ser necessário instalar também os drivers de som, já que os modems onboard normalmente pegam uma “carona” nos conversores A/D e D/A do som onboard, visando maior economia.
2001_021
Placa “XCELL2000”

47) Asus ou FIC?
Eu preciso de sua ajuda, se possível. Onde trabalho, compramos um micro, e, seguindo os conselhos do seu site, solicitei que a placa mãe fosse Asus. O vendedor colocou no orçamento a placa Asus, mas entregou o micro com uma placa FIC mod. FB-11. Só descobri agora, uns sei meses depois. Eu reclamei a ele e ele disse que são iguais, etc, aquele papo furado… Eu sei que posso exigir que ele troque a placa, mas, para ajudar, eu gostaria, se possível que voce me enviasse sua opinião sobre essa tal placa FIC. Isso muito vai nos ajudar.
Resposta:
Aproveito esta resposta para dizer que FIC é uma boa marca, e também que o cliente tem o direito de especificar a placa que quiser. O produtor não pode tratar as placas como genéricas, trocando por sua conta as placas combinadas, afirmando que “é tudo a mesma coisa”. Tanto a Asus como a FIC podem ser consideradas do time de primeira linha. É bem verdade que ocorreram no passado alguns problemas com certos modelos da FIC, relacionados com reconhecimento de processadores novos (ex: instalar K6-III em placa projetada para o K6-2), porém foram resolvidos com atualizações de BIOS. A FIC e a Soyo são bons fabricantes e eu os coloco como boas alternativas aos modelos da Asus, que apesar de bons, muitas vezes são caros. As placas FIC e Soyo são mais baratas que modelos equivalentes da Asus. A FIC tem fábrica em São Paulo, e está produzindo alguns modelos, como a FB-11, por isso é relativamente fácil encontrar essas placas no Brasil. Eu estou no momento avaliando em meu laboratório uma placa FB-11, e ela tem passado bem nos testes de qualidade e desempenho. Mesmo assim, mercado é mercado. O consumidor tem o direito de especificar a marca de placa de CPU que quiser, cabe ao produtor concordar e vender o PC desta forma, ou discordar e não fazer a venda. Mas prometer uma marca e instalar outra não é correto. Você tem todo o direito de pedir a substituição pela placa que você pediu e que foi substituída por outra sem o seu consentimento.
2001_022
Placa FIC FB-11

48) Athlon não funciona em placa PC Chips
Recentemente adquiqui um processador Atlhon 800 – T-Bird, porém mesmo não funciona na placa PC CHIPS M805LR (Rev. 1.0), o computador nem inicializa. Gostaria de saber se há alguma incompatibilidade entre os mesmos, pois no manual da placa é informado que a mesma aceita processadores Duron 550~850 Mhz, FSB 200 Mhz e Atlhon 650~Unlimited, FSB 200 Mhz, portanto deveria aceitar o referido processador. Existe algum processador Athlon Socket A que não seja o T-Bird?
Resposta:
Não, todos os processadores Athlon para Socket-A são T-bird. A principal característica do T-bird é a cache L2 de 256 kB integrada ao núcleo do processador, operando em “full speed”. Existem entretanto versões do Athlon de cartucho com a cache L2 neste novo padrão. Na revista PCs número 21, na qual sou colunista (recomendo para todos os que gostam de hardware) existe uma análise detalhada da M805LR. Não existem problemas de compatibilidade indicados. A placa suporta processadores até 1 GHz, de acordo com as informações no site da PC Chips. É preciso checar se as memórias estão bem conectadas e se são adequadas (PC133). Não esqueça de verificar se a chave 110/220 da fonte de alimentação está na posição correta, pois se estiver em 220 (configuração de fábrica) e for ligada em uma rede de 110, normalmente o computador não liga. Casos em que o computador não liga são normalmente resultantes de erros grosseiros, como este citado sobre a tensão da fonte, memória mal conectada ou com defeito, cabos invertidos, parafuso do gabinete encostando nos circuitos da placa, etc.
2001_023
Placa PC Chips M805LR

49) Programação de clock do processador K6-2
Possuo um computador AMD-K6-2, 333mhz, 160MB de memória, hd de 4.2g e sistema operacional Windows ME. e placa mãe PC 100 modelo M571. Ao tentar substituir o processador para 500MHZ jampiei a placa ao máximo possível 83MHZ x 5.5 o que seria igual a 456MHZ. O mesmo não funciona com estas caracteristicas. Minha dúvida é a seguinte: qual o processador máximo que a placa aguenta, 400 ou 450 MHZ? A multiplicação CPU External Clock vezes a CPU Internal Clock Speed tem que ser exata, maior ou menor a frequencia do processador? Minhas opções de CPU External Clock são de: 50, 55, 60, 66, 75, e 83MHz. Minhas opções de CPU Internal Clock Speed são de : 1.5 até 5.5 em intervalos de 0.5.
Resposta:
O que você fez está correto, mas só funciona se todo o hardware for compatível. Desconfio que as memórias usadas no seu PC não suportem operar com o barramento de 83 MHz. Elas estavam operando com os 66 MHz externos de K6-2/333. Recomendo que você use memórias PC100, que têm marcação de 125 MHz ou 8 ns. As memórias inferiores a esta, com marcação de 100 MHz ou 10 ns, nem sempre conseguem operar com 75 ou 83 MHz, são garantidas apenas para 66 MHz. Para confirmar isso, experimente outras configurações com o seu novo K6-2/500. Por exemplo, se usar o barramento externo em 66 MHz e programar o multiplicador 2x, o K6-2 o entenderá como 6x, e irá operar com 400 MHz. Também pode utilizar o barramento externo de 75 MHz (talvez suas memórias suportem) e multiplicador 2x (entendido como 6x), o que resultará em 450 MHz internos. Experimente ainda 66 MHz e 5.5x. Os processadores compatíveis com o K6-2 não precisam necessariamente operar com clocks “exatos”, como 400, 450 e 500 MHz. O clock usado é o resultado da multiplicação do clock externo, seja qual for o seu valor, pelo fator multiplicador. Não esqueça ainda que é preciso programar os jumpers que definem a voltagem do processador.

50) Overclock e memória
Tenho um Pentium-MMX 233, 32MB de memória EDODRAM (2x16Mb) Placa-Mãe: PC-Chips M571 (max external frequency@75Mhz), chipset SiS 5598, SoundPRO, controladora IDE, USB e vídeo onboard. Suporte a memória: 4xSIMM Banks, 2xDIMM Banks. BIOS: AMI 586 1995 – Release 12/07/98s Processador em OverClock: Existe alguma forma segura de fazer overclock no processador? tentei fazer meu P233MMX rodar a 266Mhz, mas o computador apresentou travamentos constantes e instabilidade. Isso afeta a vida útil do processador? Upgrade de Memória: Posso colocar as novas memórias PC100 SDRAM DIMM no meu computador?
Resposta:
O overclock nunca é seguro. Sempre coloca o processador em risco de queimar, e reduz a confiabilidade do computador. Além disso existem alguns macetes a serem aplicados para que o overclock funcione. O que nunca pode ser esquecido é que o overclock é uma prática arriscada, que deve ser feita sob responsabilidade do usuário. Por uma questão de ética, assumo a posição de não ensinar usuários a fazerem overclock, mas não me oponho em indicar onde isto pode ser aprendido. Um dos melhores sites sobre o assunto é o www.tomshardware.com. O seu autor é um médico com excepcionais conhecimentos sobre hardware, e creio que não tem problemas éticos para ensinar o overclock. No seu caso, o computador apresentou travamentos constantes e instabilidades. Essas são possibilidades quando fazemos overclock. Afeta a vida útil do processador, que poderá queimar dentro de um ou dois anos, ou talvez dentro de um ou dois meses. Quanto à memória, você pode instalar módulos SDRAM PC100, mas terá dois problemas. Primeiro, terá que retirar os módulos de EDO DRAM, pois eles não podem funcionar de forma simultânea com a SDRAM. Segundo, a sua placa opera no máximo a 83 MHz, portanto suas memórias SDRAM irão operar nesta velocidade, e não a 100 MHz. Na verdade elas irão operar na mesma velocidade programada para o clock externo do seu processador.

51) Dois processadores?
Descobri a pouco tempo atrás que a minha placa-mãe (XCELL 2000) tinha todos os seus componentes on-board. Sei que este tipo de placa é uma das piores que existem, mas ha uma vantagem nela: permite que eu troque o processador que é um Celeron 466 do tipo Socket- 370 em um Pentium III de até 550 Mhz que é do tipo soquete Slot-1. Minha duvida é se eu poderia colocar dois processadores em uma só placa; e caso seja possivel qual sera o tipo de memória Ram que eu deveria comprar(por causa do Barramento), e tambem se possivel como deveria configurar para que um processador faça tarefas determinadas por mim, como por exemplo fazer que um dos processadores fique só para o vídeo pois de todos os componentes on-board ele é o que mais utiliza o processador, fazendo assim com que o outro processador faça outras funções como o som e o modem.
Resposta:
Não com esta placa. A presença dos dois soquetes não significa que ela faz multiprocessamento. Trata-se de uma versão que foi lançada visando facilitar a transição do encapsulamento de Slot 1 para Socket 370. A placa seria assim compatível com ambos os tipos de processadores, mas não permite a instalação de ambos ao mesmo tempo. Existem placas de CPU próprias para uso em servidores, que suportam 2 ou 4 processadores. São placas bastante caras, sofisticadas, e destinam-se a casos em que custo não é problema, mas sim desempenho. Também são normalmente placas de alta qualidade, e seus preços geralmente ultrapassam os 1000 dólares. Devem ser usadas com sistemas operacionais que suportam multiprocessamento, como é o caso do Windows 2000. O Windows ME, assim como seus antecessores (Windows 95, 98, etc.) dão suporte a apenas um processador. Ainda bem que você perguntou antes, pois se ligasse dois processadores nesta placa, correria o risco de queimá-los, juntamente com a placa. Quanto aos dois tipos de soquetes, lembro que Slot 1 e Socket 370 são os nomes dos soquetes existentes na placa de CPU. Os nomes dos encapsulamentos dos procecessadores são, no caso do Pentium III, SECC2 e FC-PGA.
2001_024
Processadores Pentium III para Slot 1 e Socket 370

52) Processador aritmético
Venho acompanhando a evolução dos PCs desde o processador 80286, usando programas de simulação de circuitos eletrônicos que dependem de co-processador matemático. Esta evolução foi muito grande quando passei de 286 para 486, que trouxe o co-processador 80287 dentro do processador principal. Depois disso, mesmo com os processadores mais rápidos, não sinto a mesma evolução em velocidade de cálculo. O que aconteceu? Como posso melhorar este desempenho?
Resposta:
Certamente você encontrará diferença significativa se tentar executar em PCs modernos, velhos programas de simulação que funcionavam com a dupla 80286/80287. As unidades de ponto flutuante realmente têm evoluído nesses anos. A unidade do Pentium é melhor que a do 486, a do Pentium II é melhor que a do Pentium, e assim por diante. Além dos melhoramentos na arquitetura, os aumentos de clock resultam em aumentos proporcionais de desempenho. Acredito que o grande problema seja o acesso à memória. No passado as memórias eram lentas, mas não influenciavam na velocidade dos cálculos, já que mesmo com a lentidão, a leitura de dados da memória era rápida em comparação com o processamento numérico. As memórias têm ficado mais rápidas, mas sua evolução é bem mais lenta que a dos processadores. Os acessos à memória necessários para obter os dados a serem processados na sua simulação podem portanto levar um tempo considerável, em comparação com o tempo de processamento desses dados. Leve em conta ainda que nem sempre existe por parte dos fabricantes de software, preocupação extrema com a otimização do desempenho. Finalmente lembre-se que nem toda simulação é fortemente realizada pelo processador numérico. Aquelas que não utilizam cálculos de ponto flutuante dependem basicamente da seção não numérica, e principalmente da memória, ficando portanto sujeita à sua lentidão.

53) Barramento do processador e da memória
Tenho um K6-II 500 Mhz com Placa Mae M598 (Som, Video, Modem, Rede on-board), HD 20 Gb Quantun Fireball e 128 Mb RAM. Acontece que o barramento da memoria e de 133Mhz mas a Placa Mae so trabalha com velocidade ate 100Mhz para comunicacao com a memoria. Gostaria de saber se ha algum problema em estar utilizando essa memoria nesse computador. Com o Windows Me nao ha nenhum problema relacionado, no entanto sera que havera algum problema futuro como por exemplo conflitos ou problemas interferindo o bom desempenho?
Resposta:
Em qualquer caso, sempre podemos utilizar memórias mais velozes que as requeridas por uma placa. Placas de CPU que exigem memórias PC66 podem operar também com memórias PC100 ou PC133, apesar de nesse caso o desempenho ficar igual ao de uma memória PC66. Da mesma forma, placas que requerem memórias PC100 podem funcionar perfeitamente com memórias PC133, desde que do mesmo tipo. No seu caso, o tipo é SDRAM. Suas memórias suportam o funcionamento em 133 MHz mas estão operando com apenas 100 MHz, da mesma forma como seria se fossem memórias PC100. Não existe problema algum com o desempenho, se comparadas com as memórias PC100. Não existe risco de travamentos, nem quedas de desempenho no computador, nem outras anomalias. Caso ocorram problemas, eles podem ter várias origens, mas certamente não o fato de serem PC100. Sempre que dois componentes de velocidades diferentes operam em conjunto (no seu caso, placa x memória), deve prevalecer a velocidade do mais lento.

54) Desempenho do Pentium III
Tenho um Micro com Placa-mãe ASUS P2-99, e processador Pentium II 400, barramento 100 Mhz e cache de 512 k. A Motherboard acelera até 7,5 X . Pensei em trocar o processador por um Pentium III ,barramento 100 MHz , de 700 Mhz , porém no mercado só existem processadores (seja 600, 700 ou 750 mhz) com 256 k de cache. Amigos meus que “entendem”do assunto dizem que o meu ganho em desempenho será mínimo, passando por exemplo de 400 Mhz para 650 Mhz , por causa da diminuição do cache. É verdade ? Qual seria o ganho de desempenho?
Resposta:
Temos aqui dois erros técnicos. Primeiro, a questão da placa de CPU “acelerar até 7,5x”. Nas primeiras versões do Pentium II, o clock interno era controlado por jumpers que definiam os multiplicadores. O manual da sua placa indica que o multiplicador máximo é 7,5x, mas o conjunto de jumpers BF0, BF1, BF2 e BF3 pode gerar valores até 9x. Além disso as versões do Pentium II com clock externo de 100 MHz e todas as versões do Pentium III não usam mais os jumpers da placa de CPU para definir os multiplicadores. Eles são definidos internamente pelo próprio processador. Você pode então instalar processadores mais rápidos. O problema crítico está na voltagem do núcleo do processador usada pela sua placa. Placas de CPU Pentium II/III antigas usavam uma especificação VRM 8.1, que suportavam tensões de 1,8 a 3,5 volts para o núcleo do processador. Quando o processador informa um valor fora da faixa, a placa de CPU tem que fornecer 0 volts, o que impede uma eventual queima mas também impede que o processador utilize tensões mais baixas. A especificação VRM 8.2 aceita tensões entre 1,3 e 3,5 volts, o que cobre as novas versões do Pentium III com encapsulamento de cartucho, que usam 1,65 volts. No manual e nas especificações da placa não está indicada qual é a especificação VRM utilizada, mas se for a 8.2 (que por sinal é necessária para o Pentium II/400), provavelmente poderá gerar os 1,65 volts exigidos pelo Pentium III. É preciso testar.
O outro erro é a questão do desempenho da cache L2. É fato amplamente conhecido que o Pentium III de núcleo Coppermine, com cache L2 de 256 kB, resulta em desempenho maior que o do Pentium II/III de núcleo Katmai, com cache de 512 kB. A vantagem da cache do núcleo Coppermine é devida ao fato de opera com 256 bits simultâneos e com clock igual ao do núcleo do processador, enquanto a cache do Katmai operava com 64 bits e com metade do núcleo do processador. Por isso um modelo Coppermine é mais veloz que um modelo Katmai de mesmo clock. Ao instalar um Pentium III/800, o desempenho do processador será cerca de duas vezes maior que o do seu Pentium II/400. É preciso entretanto selecionar uma versão com clock externo de 100 MHz na hora da compra, e não de 133 MHz. O seu novo Pentium III deve também utilizar o encapsulamento de cartucho (SECC2), compatível com a sua placa. Também será preciso comprar um cooler próprio para o Pentium III, pois o seu cooler de Pentium II é para encapsulameto SECC, que é um pouco diferente.
2001_025
Processador Pentium III com encapsulamento SECC2

55) Placa de CPU para Athlon
Trabalho com Computação Gráfica p/ Arquitetura, DataCAD e RenderizeLive e c/ animação também. Quero comprar um computador para realizar meus trabalhos e tenho em mãos uma configuração que um técnico me passou: Placa Mãe Asus, Processador Athlon 750, Placa Video Riva TNT Series 32Mb, 128 de RAM, nada onboard. Ao passar esta configuração para os vendedores, alguns me dizem que a Asus não suporta o Athlon 750, é verdade? Se for, qual seria uma placa de boa qualidade que comportaria esse processador? Essa configuração seria veloz para esse tipo de trabalho?
Resposta:
Não fique impressionado, isso é “papo de vendedor”. Normalmente usam este tipo de afirmação quando não possuem o produto que o cliente quer. Devem estar querendo oferecer a você uma placa PC Chips, fuja desses vendedores. Você pode utilizar placas de CPU Asus ou Soyo com suporte para Athlon com Socket A. A configuração é veloz para o tipo de trabalho que você quer, mas levando em conta os preços dos processadores, pode valer a pena pagar um pouco mais para ter um Athlon de 900 ou 1000 MHz. A placa de vídeo e a memória que você tem especificadas são boas escolhas. Se você quiser usar Athlons de até 1 GHz, sugiro placas como a Asus A7V-133 ou a Soyo K7VTA-B. Já para alguém que pretende usar modelos mais velozes, acima de 1 GHz, sugiro que seja escolhida uma placa de CPU com suporta a memórias DDR, como a Asus A7A266 ou A7V266, ou a Soyo SY-K7ADA.
2001_026
Placa A7A266

56) Clock externo do Duron
Tenho um micro equipado com processador duron 800 , placa mãe M805LR que supostamente suporta velocidades de 200MHz a 266MHz. Acontece que no setup da placa há uma indicação de que o processador está trabalhando com clock externo de 100MHz. A AMD diz que seu processador tem clock externo de 200MHz. Onde está o problema na placa-mãe ou no processador? Existe duron com clock externo de 100MHz?
Resposta:
Não são 200 MHz, e sim, 100 MHz. Ocorre que os processadores Athlon e Duron utilizam um método de transferência de dados chamado DDR (Double Data Rate). O Pentium III, por exemplo, faz uma transferência a cada ciclo, portanto 100 MHz correspondem a 100 milhões de transferências por segundo. O seu processador Duron a 100 MHz faz duas transferências a cada ciclo, o que resulta em 200 milhões de transferências por segundo, teoricamente. São realmente 100 MHz, mas com resultado equivalente a 200 MHz. Versões mais novas do Athlon operam com 133 MHz, resultando em 266 milhões de transferências por segundo. Não são 266 MHz, mas o efeito é o mesmo. Processadores Pentium 4 operam com 100 MHz mas 4 transferências por ciclo, o que resulta em 400 milhões de transferências por segundo. Não são 400 MHz, mas o efeito é o mesmo.

57) Troca de Pentium III por Celeron
Gostaria de saber se o processador intel celerom 800 mhz com 128 kb de cache é um bom processador. Pois meu processador pentium III de 550 mhz com 512 kb de cache queimou e está na garantia; mas não se encontra mais este processador e eles estão querendo colocar o celeron no lugar. É vantagem eu colocá-lo? Ele é mais rápido que o meu? Se não, qual processador poderá substituí lo, já que os novos processadores pentum 3 possuem só 256 kb de cache. Por favor respondam o meu E-mail o mais rápido que puderem para que eu possa decidir?
Resposta:
O Intel Celeron é um processador mais fraco que o Pentium III, pelo fato da sua cache L2 ter apenas 128 kB, e também por normalmente operar com clock externo de 66 MHz (versões novas já operam com 100 MHz). O seu Pentium III opera com 550 MHz, tem 512 kB de cache, mas esta cache L2, mas esta cache L2 opera com apenas 275 MHz. Já o Celeron/800 opera com 800 MHz internos, clock externo de 100 MHz (igual ao do Pentium III/550), e sua cache L2 apesar de ter apenas 128 kB, opera com os mesmos 800 MHz do núcleo. Colocando tudo isso na balança, este Celeron/800 pode atingir a mesma velocidade do seu velho Pentium III/550. Acho entretanto que é mais vantagem optar por um Pentium III novo. Sua cache L2, mesmo com 256 kB (contra 512 kB do Pentium III antigo) opera com o mesmo clock do núcleo do processador (contra a metade, do Pentium III antigo) e com 256 bits (contra 64 do Pentium III antigo). Medidas de desempenho mostraram que um Pentium III com a nova cache é sensivelmente mais rápido que um Pentium III de mesmo clock com a cache antiga.
2001_027
Processador Intel Celeron

58) Placa mãe para Athlon T-bird
Estou com uma dúvida com relação à placa-mãe Asus A7V133A Via KT133A. Se eu usar um Athlon 1.2 GHz com Bus 266 MHz e colocar a placa para funcionar com bus de 133 MHz essa placa ficará em overclock ? Para usar o Athlon com bus de 266 MHz não seria necessário usar uma placa com chipset VIA KT266 ? Qual a diferença entre o KT 133 e o 266 ? E o chipset AliMAGiK1 e o SiS 730S, eles são compatíveis ?
Resposta:
O chipset KT133A opera a 266 MHz (133 MHz com double data rate, que faz duas transferências a cada ciclo, resultando em um clock dobrado) na comunicação com o processador, mas opera a 133 MHz na comunicação com a memória. Qualquer chipset para Athlon/Duron tem esta característica: um clock para a comunicação com o processador e outro para a comunicação com a memória. Os primeiros (ex: AMD 750) operavam com 200/100, ou seja, comunicação com a processador a 200 MHz (100 MHz com DDR) e 100 MHz na comunicação com a memória. Depois surgiram modelos operando com 200/133. O chipset KT133A opera com 266/133. O KT266 opera com 266/266, pois suporta as novas memórias DDR SDRAM. Essas memórias utilizam o método double data rate (duas transferências a cada ciclo) para atingirem taxas mais elevadas. Sendo assim, com o subsistema de memória operando com uma velocidade máxima teórica duas vezes maior, conseguimos um bom aumento no desempenho do computador. O processador não é mais rápido, mas pode transferir dados da memória com maior rapidez, o que contribui para melhorar o desempenho total. Quanto aos chipsets AliMagik e SiS730, eles não são similares, porém possuem muitas características semelhantes, a exemplo do que ocorre com outros chipsets. Você pode conseguir maiores informações em www.via.com.tw, www.ali.com.tw e www.sis.com.tw.

59) Troca de processador
Tenho um processador Cyrix M II 300, e tem um amigo meu, que me disse que seu quisesse colocar um K-6 500 eu poderia, isso é verdade? é recomendavel? realmente gostaria de ter um processador mais rápido, então eu gostaria de uma dica (para não pesar muito no bolso), seria possível mesmo o tal upgrade? Ou tem algum jeito de tornar o Cyrix mais rápido???
Resposta:
Não existe como tornar o seu atual Cyrix mais rápido, a menos que seja por overclock, o que nem sempre funciona e coloca em risco o processador, que pode queimar por excesso de temperatura. Mesmo utilizando um super cooler, a confiabilidade seria comprometida. Dependendo da idade da sua placa de CPU, ela poderá ou não aceitar um processador K6-2/500. Para isso será preciso verificar se ela opera com barramento de 100 MHz, informação encontrada no seu manual. Se ela operar com 100 MHz, poderá ser configurada como tal, e usando o multiplicador 5 e a voltagem correta (2.2, 2.3 ou 2.4 volts, dependendo da versão do K6-2 – a voltagem correta está indicada na face superior do chip). Se a sua placa de CPU não possui jumpers para configuração de voltagem, então o upgrade não pode ser feito. Os processadores Cyrix MII/300 não operam na verdade com 300 MHz, e sim com 225 ou 233 MHz. Uma versão opera com clock externo de 75 MHz e multiplicador 3x, outra opera com clock externo de 66 MHz e multiplicador 3.5x. Sua placa de CPU pode ser um modelo antigo, que suporta apenas 66 MHz, ou no máximo 75 MHz. Se foi produzida de 1998 em diante, é possível que opere com barramento de 100 MHz e suporte o K6-2. Seja qual for o caso, será preciso confirmar no manual da placa de CPU. Como o MII e o K6-2 são mais ou menos da mesma época, provavelmente o manual da placa de CPU faz referência a ambos, caso os suporte, a menos que a placa seja antiga (1996-97).