Home » Artigos arquivados » 2000 – Placas de CPU e processadores (Perguntas e Respostas)

2000 – Placas de CPU e processadores (Perguntas e Respostas)

1) Onde está o fabricante da minha placa de CPU?
Já tentei de tudo para obter uma cópia do manual da placa mãe PCI 5400 Rev. 1.11, designed by ALD. Pela Internet já naveguei os 4 cantos do mundo e nada. Com o número da placa, no site da AMI, o fabricante é mencionado, mas nunca encontrado. Em consulta com quem trabalha com manutenção, também não consegui nada. Há ainda alguma coisa a tentar?
Resposta:
Guarde bem o manual da sua placa de CPU, e nunca compre placas de CPU, nem mesmo computadores já montados que não sejam acompanhados dos manuais de todas as suas placas, principalmente a de CPU. Você terá agora que torcer para que o fabricante tenha um site na Internet e que tenha colocado nele as informações técnicas sobre sua placa, ou de preferência o manual completo. Inicialmente pegue na área de download de www.laercio.com.br a nova versão do programa CTBIOS. Este programa apresenta as informações em alemão, mas não se preocupe, pois nas últimas três linhas de informação você identificará facilmente o modelo, o nome do fabricante e o site do fabricante na Internet.

2) Placa de CPU até 350 MHz?
Tenho uma placa-mãe PC-Chips com um K6-2 de 350 MHz. Pelos valores indicados no manual e na placa (seleção voltagem: 2,1V a 3,5V, seleção multiplicador: 1,5x a 5,5X, mais freqüência de 100MHz) tudo indica que posso colocar um processador K6-2 de 450 MHz. Mas na primeira página do manual está escrito que a placa só suporta processadores até 350(90~350Mhz) Posso ignorar este aviso?
Resposta:
As placas de CPU para Socket 7 podem operar na verdade com multiplicadores até 6x (a configuração é idêntica à de 2x, processadores antigos entenderão como 2x, processadores mais modernos a entenderão como 6x). Seria possível desta forma instalar processadores de até 600 MHz. O manual só faz referência a processadores de até 350 MHz porque este era o modelo mais recente disponível no mercado quando a placa foi lançada. O seu processador de 450 MHz pode ser instalado perfeitamente, apenas respeite as configurações de voltagem, clock externo (100 MHz) e clock interno (multiplicador 4.5x). Como os processadores da família K6 acima de 300 MHz esquentam muito, é necessário utilizar um cooler apropriado no comércio você encontrará dois tipos, um mais fino, com a parte de alumínio medindo cerca de 1 cm, e outro mais alto, com a parte de alumínio medindo cerca de 2 cm. O modelo mais alto mantém no processador um resfriamento tal que deixa a sua temperatura de 5 a 10 graus mais baixa que se estivesse sendo usado o dissipador comum. Também é altamente recomendável aplicar uma pequena quantidade de pasta térmica entre o cooler e o processador. O uso da pasta térmica faz com que a temperatura do processador seja reduzida de 5 a 10 graus. Portanto, um cooler grande com pasta térmica deixa o processador de 10 a 20 graus menos quente. Lembro que a temperatura elevada é a responsável por uma grande parte dos travamentos que ocorrem nos PCs.

3) Pentium MMX com problemas para iniciar
Tenho um micro 200 MMX com 32 Mb de RAM e HD de 4.3 GB. ele só consegue iniciar quando é desabilitado a memória cache interna da CPU ou quando tanto a interna quanto a externa estão desabilitadas no setup. Somente com a interna habilitada ou com as duas habilitadas ele não inicia nem no modo de segurança. Às vezes, com as duas habilitadas, depois de muitas tentativas e de diversas mensagens de erro, ele consegue chegar ao final do carregamento do Windows, porém apresenta erros em vários programas. O problema é realmente a placa mãe, ou pode ser do processador ou de ambos?
Resposta:
Não é comum um processador apresentar problemas na cache interna. A cache externa sim, localizada na placa de CPU, pode tornar-se defeituosa em virtude de maus tratos (por exemplo, eletricidade estática). É possível que a cache interna do processador funcione mal devido a algum erro na configuração do processador. O Pentium MMX/200 deve operar com o clock externo de 66 MHz, multiplicador 3x, voltagem externa de 3.3 volts e interna de 2.8 volts. Muitos usuários e instaladores colocaram o Pentium MMX para operar indevidamente em placas que não geram a tensão de 2.8 volts, resultando exatamente em travamentos durante o início do boot. Revise os jumpers da sua placa de CPU e confirme se realmente ela suporta o Pentium MMX (P55C).

4) Aquecimento do processador K6-III
Comprei uma placa Asus P5A-B, um processador K6-3 450 MHz, 64 MB RAM DIMM, gabinete ATX e a placa Matrox Millenium G200 com o chip gráfico G100. Esta placa mãe depois de muitas horas de uso do computador, quando preciso reiniciar o computador naquela tela que aparece quando se liga o computador, se eu aperto del, entra no setup e aparece a mensagem “hardware Monitor found an error, enter Power management setup for details”. No manual diz que quando isso acontecer é para entrar no Power management e desativar a opção que em: Thermal Monitor MB Temperature está dando erro causado pela elevação da temperatura da placa mãe. Como eu poderia resolver esse problema? O processador está configurado com a tensão de 2.4 volts, está correto? Qual placa de vídeo 3D você recomendaria a Viper V770 16/32 MB ou a Voodoo 3 3000 com 16 MB? Me dizem que a Viper é bem mais rápida do que a Voodoo 3 3000 embora ela seja incompatível com vários jogos.
Resposta:
Seu processador é muito quente. A AMD explica no seu site que deve ser utilizado um cooler de tamanho grande, e que deve ser aplicada pasta térmica entre o cooler e o processador. Se essas providências não forem tomadas, a temperatura do processador ficará muito elevada, causando travamentos e até mesmo a danificação do processador. Os fabricantes de PCs sabem disso e utilizam as técnicas de resfriamento recomendadas pela AMD, não apresentando problemas. Montadores de PCs nem sempre têm acesso a essa informação e não tomam os devidos cuidados relativos à temperatura do processador. Você encontrará ainda no meu site, outras dicas para resfriamento do interior do gabinete. Quanto à placa de vídeo, a Diamond V770 apresenta desempenho um pouco maior que o da Voodoo 3 3000, entretanto tem a desvantagem de não suportar a API Glide, utilizada por muitos jogos de última geração (Need for Speed Road Challenge, por exemplo). A V770 ficará limitada a operar apenas com os jogos que usam DirectX e MiniGL (o que cobre a maioria deles). Jogos que são compatíveis com Glide e não com o DirectX não poderão ser utilizados na V770 (poucos são os jogos que recaem nesta categoria), exceto no modo de renderização por software.

5) Voltagem do processador K6-2
Fiz um upgrade em meu micro passando-o para o processador K6-2 450 e placa mãe Asus modelo P5AB. A voltagem do processador foi regulada para 2,4 V conforme ditado pelo manual. Ocorre que a mesma depois de algum tempo de funcionamento começa a apitar e o led indicativo do power fica piscando. O micro continua a funcionar normalmente sem nenhum travamento e depois de certo tempo ou quando se reinicia o mesmo, para-se o apito e a luz do power volta a ficar acessa direto. Fiz a reclamação com o instalador da placa e o mesmo abaixou a tensão do processador para 2,0V. Dessa forma o computador funcionou vários dias sem nenhuma anormalidade, mas o problema do apito voltou a acontecer novamente, porém em freqüência menor do que a tensão de 2,4V. Pergunto: o problema estará na nova placa mãe? O procedimento de se reduzir a tensão está correto? Isso afeta o micro de alguma forma?
Resposta:
Tanto 2,4 volts como 2.0 volts estão errados. O procedimento correto é verificar a voltagem indicada na face superior do processador. Lá estão indicadas duas voltagens: Core e I/O. A voltagem Core é a interna, e pode ser 2,2 volts, 2,4 volts ou outro valor, dependendo do processador. A maioria dos modelos de K6-2 atuais opera com 2,2 volts, enquanto a maioria dos modelos de K6-III opera com 2,4 volts. Mesmo assim, a palavra final é sempre a da indicação na face superior do processador. A voltagem externa (I/O) é sempre 3,3 volts nos processadores modernos, porém como não varia de um modelo para outro (existem raras exceções como algumas versões do WinChip, que operam com 3,5 volts externos, bem como algumas versões antigas do Pentium) normalmente não existem como alterá-la. Não tenho notícias de processadores K6 operando com 2,0 volts internos, mas não duvido da sua existência, já que os manuais sempre são disponibilizados após o início da comercialização. Se a voltagem correta do seu processador não é 2,0 volts, diga ao instalador da placa que ele está precisando estudar hardware.
Lembro ainda que processadores acima de 300 MHz devem utilizar um cooler tamanho grande e necessitam da aplicação de pasta térmica. Isto manterá o processador de 10 a 20 graus menos quente.

6) Dúvidas sobre processadores
Tenho um PC Pentium 233 MMX que está atendendo minhas necessidades. No entanto, gostaria de melhorar seu desempenho em ponto flutuante (parte de cálculos) porque uso programas de 3D com renderização mais pesada e também na parte de jogos. Tenho também uma placa de aceleração com chipset VooDoo 2 Diamond Monster com 12 MB, funcionando em conjunto com uma placa de vídeo ATI 3D Xpression +. O K6-2 ou 3 realmente tem um ganho superior de performance em jogos comparados com o Pentium II? Gostaria de uma comparação entre K6-2 e K6-3 comparada com Pentium II e III. A plataforma K6 está bastante confiável no que diz respeito a travamentos e eventuais bugs em sua arquitetura comparada com o Pentium? Será mais viável esperar pelo Athlon K-7? Na troca de placa-mãe pode ocorrer algum fato que me force a instalar novamente o Windows 98 com todos os softwares ou é possível apagar todos os recursos de sistema para ele reconhecer normalmente depois, mesmo se for um K6, já que tenho um Pentium 233 MMX e o sistema já o identificou como tal. Qual é o método a ser utilizado nesse caso para quem quer trocar de placa-mãe com o processador? No que se refere a ponto flutuante (cálculos) qual é a comparação feita entre K6 e Pentium?
Resposta:
São realmente muitas dúvidas, vamos por partes:
1) Até 300 MHz, o K6-2 tem desempenho quase igual ao de um Pentium II. A partir daí o K6-2 começa a perder, pois seu aumento de desempenho não é proporcional ao aumento de clock. Já o K6-3 mantém o desempenho elevado nos clocks mais altos, graças à sua cache L2 interna de 256 kB, operando na mesma freqüência do núcleo do processador. O K6-3 é quase tão rápido, e em algumas aplicações, mais veloz que o Pentium III de mesmo clock. Por outro lado, se o desempenho em ponto flutuante é importante, saiba que neste aspecto o Pentium II e o Pentium III são mais velozes que os processadores K6.
2) Os travamentos ocorrem não devido ao processador, mas devido ao uso de placas de CPU de baixa qualidade e de instalações erradas (por exemplo, voltagem errada, overclock, cooler inadequado sem pasta térmica). Use uma placa mãe de boa qualidade, e que seja instalada por um técnico competente e você não terá problemas.
3) O Athlon é o mais rápido em ponto flutuante, mas ainda está caro (assim como as versões mais velozes do Pentium III).
4) A troca da placa mãe não requer necessariamente a reinstalação do Windows e demais softwares. Antes de fazer a troca, vá ao Gerenciador de Dispositivos e na seção “Dispositivos do sistema”, remova todos eles, um a um. Desligue o computador e instale a nova placa de CPU. Ao ser ligado, o Windows irá detectar corretamente os dispositivos da nova placa de CPU. Se isto for feito, dificilmente será necessário reinstalar o Windows. Mesmo assim, se for reinstalar o Windows sob o mesmo diretório, sem formatar o HD, não será preciso reinstalar os aplicativos.

7) Upgrade em um K5
Comprei um computador modelo AMD k5 PR100 MHz, 32 Mb, fax modem HSP-56, windows 98 e já atualizado para o ano 2000. Gostaria de saber se posso transformá-lo em um K6-2 400 Mhz ou Pentium II 400 Mhz. Compensa eu fazer tal expansão ou é melhor uma CPU Pentium II 400 com placa mãe intel? Qual ficaria mais barato? A CPU está fazendo barulho semelhante a um ronco. isso é normal? Como saber se a placa-mãe do PC é Intel? Caso não seja Intel, poderei instalar uma no meu PC e terei alguma vantagem em se tratando de um PC de 100 Mhz?
Resposta:
É preciso verificar no manual da sua placa de CPU, os modelos de processadores suportados. Caso você não tenha este manual, pode obtê-lo na Internet, no site do fabricante da placa de CPU. Se não souber o fabricante, use o programa CTBIOS, disponível em www.laercio.com.br. Este programa indicará a marca e o modelo da sua placa de CPU, bem como o endereço do fabricante na Internet. Afirmo entretanto com certeza que para convertê-lo em Pentium II será prociso trocar a placa de CPU. A instalação do K6-2 só poderá ser feita se a sua placa de CPU for de fabricação recente, a partir de 1998. Essas placas permitem programar a voltagem e as freqüências do processador superiores a 233 MHz. Se a sua placa não permitir isso, você precisará comprar uma nova placa de CPU. O barulho de ronco pode ser devido ao fato de algum fio estar encostando no ventilador do cooler. Este cooler também pode estar com o ventilador com problemas, neste caso será preciso trocá-lo.
Note que existe muita confusão no termo “Placa mãe Intel”. O correto é considerar como placa Intel, aquela fabricada pela própria Intel. Normalmente são vendidas em uma caixa bonita com inscrições como “Intel Motherboard”. Existem ainda placa de CPU de outros fabricantes (Asus, Abit, Soyo, FIC, etc.) equipadas com chipsets da Intel. Muitos chamam então, erradamente, “placa com chipset Intel” de “placa Intel”. Você pode saber qual é o chipset da sua placa de CPU por inspeção visual direta (será preciso abrir o computador e ver as indicações dos chips). Se você encontrar na sua placa chips como i430TX, i430VX ou i430FX, tratam-se de modelos da Intel. Se você mantiver o seu atual processador, não terá grandes vantagens em termos de velocidade se trocar a placa de CPU.

8) Compatibilidade entre placa mãe e demais componentes
Solicito informar-me se a placa-mãe Asus P2B suporta os seguintes equipamentos: a)Pentium II de 450 MHz, b)Placa Matrox G400, c)Disco rígido UDMA 66. 2)Solicito esclarecer se pasta térmica aplica-se ao processador indicado (Pentium II 450MHz).
Resposta:
Você escolheu uma placa de CPU de boa qualidade. Isto é muito animador, levando em conta que o mercado brasileiro está repleto de placas de baixa qualidade. Esta placa possui o chipset i440BX, da Intel, slots PCI e AGP, suportando portanto qualquer tipo de placa de vídeo. O suporte oferecido é até o Ultra DMA 33, mas você pode instalar discos Ultra DMA 66, apenas irão operar com a taxa de 33 MB/s, e não de 66 MB/s.
É possível aplicar pasta térmica entre o ventilador e o cartucho externo do processador, porém sua necessidade não é tão grande quanto em processadores que usam o Socket 7 (AMD K6-2, por exemplo). O cartucho do Pentium II faz contato térmico com a pastilha do processador, dissipando melhor o seu calor. Um Pentium II funciona bem sem pasta térmica, apesar da temperatura ficar um pouco mais alta. Um K6-2 e similares têm grande chance de funcionar mal sem a pasta térmica.

9) K6-2 e memória não são reconhecidos
Recentemente adquiri um K6-2 de 450 MHz e 32 MB de RAM. Porém, nem um nem outro são reconhecidos. Na tela de entrada e nas configurações do Windows, verifico que a máquina é um K6-360… e, pelo Windows, possuo apenas 24 MB de RAM. Como corrigir esses problemas?
Resposta:
O não reconhecimento do processador depende da versão do Windows que você estiver usando. No Windows 98 segunda edição, o K6-2 aparece como “AMD-K6(tm) 3D processor”. AMD K6-3D é o nome antigo do K6-2. Em versões anteriores do Windows ele pode ser reconhecido como se fosse um dos seus ancestrais. O mesmo ocorre na detecção do processador pelo BIOS da placa de CPU. O processador pode ser detectado com modelo e clock errados. Tenho uma placa com um processador K6-III/450 que é detectado como K6-2/400 pelo BIOS. A detecção errada pelo BIOS é inofensiva, mas quando o Windows não sabe exatamente qual é o modelo do seu processador, poderá não utilizar alguns dos seus recursos avançados (MMX e 3D Now, por exemplo). O Windows 95, por exemplo, detecta o Pentium II como sendo um Pentium Pro. Como resultado, as instruções MMX do Pentium II não são utilizadas, já que não estavam disponíveis no Pentium Pro. Para resolver este problema você tem que utilizar a versão mais recente do sistema operacional. Até o momento, é o Windows 98 SE. Em breve será lançada uma versão nova, o Windows Millenium, sucessor do Windows 98. Aproveitamos para lembrar que o Windows 2000 não é sucessor do Windows 98, e sim do Windows NT4.
A quantidade de memória RAM errada pode ser causada por defeito na memória ou uso do programa SMARTDRV no arquivo CONFIG.SYS ou AUTOEXEC.BAT, mas nos PCs atuais, o motivo mais comum é o uso de memória de vídeo compartilhada, característica de muitas placas de CPU com vídeo onboard. Se a sua placa de CPU possui vídeo onboard e está utilizando 8 MB como memória de vídeo, esta área é subtraída da memória total disponível para o processador, sobrando apenas 24 MB.

10) Upgrade de Pentium MMX
Tenho um computador Pentium MMX 166 com 32Mb de mémória RAM, gostaria de substituir o processador sem ter que trocar a placa mãe, será que posso instalar um processador MMX 266? Terei que ajustar o jumper da placa para o novo processador?
Resposta:
Pode ser possível a instalação deste novo processador, porém quanto mais antiga for a placa, menos provável será o suporte a processadores mais velozes. Posso afirmar com certeza que a sua placa suporta o Pentium MMX 233. Para configurá-lo basta ajustar o jumper do multiplicador para 1.5x (ou 100 MHz), e ele funcionará a 233 MHz. Note que não existe Pentium MMX de 266 MHz, o mais veloz é o de 233 MHz. Apenas versões para notebook foram produzidas com 266 MHz. Se quiser usar um processador mais veloz, será preciso usar uma nova placa de CPU. Você encontrará informações detalhadas sobre a expansão do processador e da placa de CPU em www.laercio.com.br.

11) Chipset TX Pro II só chega a 75 MHz
Segundo reportagem publicada no dia 13 de março na coluna Ciranda Cibernética do Caderno de Informática do Jornal Estado de Minas, o Editor afirma que o chipset SiS 5598 (TX ProII) poderia operar com clock externo de 100 MHz. Esta afirmação está equivocada, uma vez que esse chipset trabalha no máximo a 75 MHz, segundo informações disponíveis no site do fabricante. É provável que o modelo da placa mãe do leitor seja a PC-Chips M571 que, de acordo com o manual, poderia ser configurada para até 83 MHz, freqüência a qual não suportada teoricamente pelo chipset, forçando-o a trabalhar em overclock.
Resposta:
É, pessoal, acho melhor daqui para frente não confiar mais 100% em minha memória para guardar números. O SiS 530 sim, muito comum em várias placas de CPU atuais (ex: Asus P5-SB) opera com 100 MHz. O chipset da pergunta original é na verdade formado pelos chips SiS5597 e SiS5598, e atinge no máximo 75 MHz com confiabilidade, ou 83 MHz com overclock, o que pode ser a causa dos problemas. Mesmo sendo o K6-II capaz de operar com clock externo de 100 MHz, e mesmo com o uso de memórias DRAM PC100, o chipset e a cache L2 desta placa de CPU não são suficientemente velozes para operar nem mesmo a 83 MHz, já que o chipset chega no máximo a 75 MHz. Mesmo quando os fabricantes oferecem a possibilidade de operar com overclock, não se responsabilizam por este funcionamento, e muitas vezes nem chegam a usar cache L2 com velocidade adequada para suportar o overclock. Os travamentos naquele PC podem ser resolvidos configurando o clock externo para 75 MHz e o multiplicador deve ser 5x (375 MHz) ou 5.5x (412 MHz, cuidado pois este é overclock interno). Outra opção é usar o clock externo de 66 MHz e o multiplicador 6x (é a mesma configuração de 2x), o que resultará em exatos 400 MHz.

12) Driver para placa PC100
Adquiri a placa motherboard PC 100, que já tem onboard som e fax modem, a parte de som esta funcionando corretamente; com relação ao faxmodem PCI 56K, não estou conseguindo instalar, pois, juntamente com o disco de instalação não foi enviado o PCI COMMUNICATION DEVICE DRIVER que faz com que o Windows 98 reconheça a porta com 4 para o modem. Já procurei em vários Sites, sem sucesso, pois, não sei o nome do driver que faz este reconhecimento, peço por favor que você me informe por e-mail o nome do mesmo e onde posso fazer o download.
Resposta:
Se existe um modem na placa de CPU, o CD que a acompanha deve ter este driver. Procure em todos os diretórios deste CD e você irá encontrá-lo. Verifique no seu manual, normalmente as placas deste fabricante têm indicados nos seus manuais, os diretórios onde estão os drivers. De qualquer forma você pode procurar também no site do fabricante, www.pcchips.com e em www.amptron.com. A partir do modelo da sua placa (veja no manual), você encontrará o driver que está faltando.

13) Comparação de processadores
Minha dúvida refere-se a processadores : Qual é, na verdade, a diferença entre um Pentium lll 450mhz e um AMD-K6-2, também 450; e pior ainda, entre os Intel Pentium ll e Celeron, sendo ambos de 400 MHz? Na minha visão simplista, o único diferencial entre um processador e outro seria a sua velocidade de trabalho, medida em MHz. Ora, MHz,são uma unidade de medida uniforme, assim como quilômetros por hora; desta forma, 450mhz “cruzeirenses”e 450 mhz “atleticanos” seriam rigorosamente a mesma coisa. Tal dúvida se baseia na grande diferença de preço que se verifica entre equipamentos teoricamente “iguais”. Como escolher na hora do up-grade? Aliás, você “o” aconselharia no meu caso? Estou com um jurássico 486, “up-gradeado” para 133mhz, 16mb de ram, capacidade rídicula de HD, modem ainda de 19.200 bps e, pasme, sem CD-ROM! 99,99% da minha utilização da máquina seria para acesso à Internet e necessito de um único utilitário, o famoso editor de textos. Qual configuração você me sugeriria?
Resposta:
Será que dois carros, ambos com motores 2.0, terão o mesmo desempenho? Não, cada um tem sua própria aerodinâmica, pesos diferentes, e os motores podem ter desempenhos diferentes. Com os processadores ocorre algo mais ou menos parecido. O número de megahertz é igual ao número de ciclos por segundo que um processador pode executar. Os programas são formados por instruções, e quanto maior é o número de instruções executadas por segundo, maior será o desempenho. Ocorre que processadores de fabricantes diferentes podem utilizar números diferentes de ciclos para executar as mesmas instruções. Um pode executar 3 instruções durante um único ciclo, e outro executar apenas duas. Um pode ter uma cache L2 mais eficiente, precisando assim esperar menos pelos dados vindos da cache, enquanto aquele com a cache menos eficiente espera mais. Enfim, a arquitetura interna do processador tem influência direta no seu desempenho. O clock define apenas a unidade de tempo na qual essas máquinas trabalham. Fica fácil ao compararmos o 486 de 100 MHz com o Pentium de 100 MHz. O Pentium é mais rápido porque sua arquitetura é mais avançada que a do 486. O K6 não é internamente idêntico ao Pentium. Possui compatibilidade e arquitetura parecida, mas não é igual. Por isso os megahertz “k6sianos” são diferentes dos megahertz “pentiumanos”. A questão do preço está diretamente relacionada com a sofisticação da arquitetura interna. Processadores mais sofisticados e rápidos custam mais que os menos sofisticados e também rápidos. O Pentium III é melhor que o K6-2, e também melhor que o Celeron (que na verdade é um Pentium II ou III com cache menor). Você pode encontrar mais detalhes nos artigos sobre processadores disponíveis em www.laercio.com.br.
Como você usa basicamente edição de textos e acesso à Internet, pode comprar um PC simples, equipado por exemplo com um K6-2/400. Exija entretanto um modelo equipado com uma placa de CPU de boa qualidade, como as da Asus.

14) Upgrade para K6-2/400
Realizei um upgrade em minha máquina, transformando-a em um K6-2 de 400 MHz, placa mãe Asus P5S-B, com 64 Mb de RAM, disco rígido de 6 GB, fax/modem de 56 KBPS (US Robotics), drive de CD-Rom de 48x. Mantive a placa de som original – uma Sound Blaster 32 PnP -, bem como o monitor – um Samsung SyncMaster 3Ne de 14″, e uso 8 Mb de memória de vídeo on board, utilizando sistema operacional Windows 98SE. Como gosto de rodar jogos de simulação de corrida de carros e motos, bem como de simulação de aviões – Flight Simulator 2000. Qual deverá ser a placa de vídeo 3D a ser instalada? Há necessidade de instalar também uma placa acelaradora de vídeo? Em caso positivo, qual? Devo aumentar a memória RAM para 128 Mb? Além do mencionado upgrade, recentemente constatei que o Windows 98 de meu micro inicia mas não consegue concluir o Scandisk e o Defrag. Um amigo me informou ser necessário a formatação do disco rígido, pois, no seu entender, a reinstalação do Windows não resolverá o problema. Está certa a orientação? Como devo proceder? Lendo recente matéria sobre sistemas operacionais, deparei-me com análise sobre o Windows 2000 Professional, com elogiosas considerações sobre sua confiabilidade e segurança, se comparado com o Windows 98. Caso seja necessário formatar o disco rígido, V.Sa. recomendaria a instalação do Windows 2000 Professional?
Resposta:
Esta é uma placa de boa confiabilidade, mas não é indicada para jogos 3D. Você precisará instalar uma boa placa 3D. Como a P5S-B não possui slot AGP, você terá que comprar uma placa 3D PCI. Sugiro uma Voodoo 3 3000 PCI, pode ser encontrada com relativa facilidade. Se a considerar cara, pode usar uma Diamond Monster Fusion PCI. Esta placa já saiu de linha mas ainda está à venda. Não precisa aumentar a memória, 64 MB estão muito bons para games. Quanto aos problemas como Scandisk e Defrag, a reinstalação do Windows realmente não os soluciona. Se você formatar o HD solucionará os problemas. Na área de artigos de www.laercio.com.br você encontrará instruções passo-a-passo sobre como fazê-lo. Finalmente a questão do Windows 2000. Não use este sistema se o seu objetivo principal são jogos. Ele não tem como prioridade a execução de jogos, por isso muitos não rodam. Apenas o Windows 98 (e o Windows ME, sua versão mais nova) têm compromisso de funcionamento com games.

15) Lentidão do processador K6-2
Adquiri recentemente um micro equipado com processador AMD K6 II 450 MHz, placa CPU Soyo SY-5EHM/SEH5 Super 7, vídeo SiS 6326 3D 8 MB, 64 MB de RAM, HD Quantum Fireball 10 Gb, CD Rom Creative 52X, Placa de Som Sound Blaster 16 bits, Modem US Robotics 56kbps, Windows 98. Ao utilizar o micro, (que veio com o Office 97 instalado), verifiquei que seu desempenho era excelente, tanto no processo de inicialização/desligamento, quanto na abertura e utilização de programas. Em um único momento, instalei o Norton System Works 2000 (V.3.0) e fiz a upgrade para o Office 2000. Após estas instalações, o desempenho do micro caiu bastante, tornando as tarefas acima mencionadas, bem mais lentas do que antes. Ao fazer o teste de desempenho do Norton Utilities, tendo como parâmetro o Pentium II 450 com índice 204,8, o índice alcançado pelo meu micro fica entre 120 e 130 pontos. Diante disto pergunto: Qual evento teria provocado a diminuição do “rítmo de trabalho” do micro, a instalação do Norton ou do Office 2000? Pelo que sei, o processador AMD K6 II 450 é mais rápido que o Pentium II 450. Porque então o Norton acusa um índice tão inferior para meu micro?
Resposta:
Seu PC usa peças de boa qualidade: placa de CPU Soyo, modem US Robotics, placa Sound Blaster, drive de CD-ROM Creative, HD Quantum. Mas quanto à comparação entre o K6-2 e o Pentium II, está errada. O K6-2/300 tem quase o mesmo desempenho que o Pentium II/300, mas o Pentium II e Pentium III levam vantagem em clocks mais elevados. O K6-2/450 realmente apresenta índices que vão de 100 a 140, dependendo da placa de CPU. O processador K6-2 tem um problema de “achatamento” de desempenho em clocks mais elevados, pois sua cache L2 opera com 100 MHz, não importa se o clock interno é 300, 450 ou 550 MHz. Isto faz com que muitas pessoas sejam levadas a pensar que um K6-2/550 tem desempenho próximo ao de um Pentium III/550, o que não é verdade. Veloz sim é o K6-III, com desempenho próximo ao de um Pentium III, mesmo em clocks mais elevados. Ocorre que este processador não foi muito bem aceito no mercado, apesar de ser excelente. Tornou-se caro em comparação com o Celeron, muito caro em comparação com o K6-2 (apesar de ser muito mais veloz) e o usuário não o aceitou como concorrente do Pentium III. Por isso o K6-III não é mais fabricado. Quanto à lentidão após a instalação desses softwares, você deve removê-los e checar a diferença. Depois instale o Office 2000 e cheque o desempenho, depois faça o mesmo com o Norton. Não notei redução no desempenho nos vários PCs onde instalei o Office 2000. Quanto ao Norton System Works 2000, não o instalei e não posso afirmar o que ocorreu. Às vezes um programa anti-vírus pode causar lentidão, quando é usado por exemplo, um escudo anti-vírus.

16) Número de série do Pentium III
Possuo um Pentium III 550Mhz, que foi registrado na Intel em Miami, por telefone, mas depois de tomarmos conhecimento da forma como nossos dados podem estar sendo utilizados, queremos desabilitar o número de série. Da forma mais eficiente possível. Gostaríamos de receber instruções, neste sentido, para viabilizarmos o que, consideramos ser nosso direito.
Resposta:
A forma mais eficiente possível para desabilitar o número de série do Pentium III é através do CMOS Setup. É preciso usar um comando de software para ativar ou desativar este número, mas a alteração só fica ativa depois que o processador é resetado. Um hacker poderia fazer um programa para habilitar o número de série durante a inicialização do Windows, mas só depois do próximo Reset ele estaria ativo. O comando no CMOS Setup, por sua vez, deixa o número de série obrigatoriamente desativado, independentemente de programas que o habilitem. Procure este comando no CMOS Setup. Se você não o encontrar, acesse o site do fabricante da sua placa de CPU, pois pode existir uma versão mais nova do BIOS no qual existe o comando de desligamento do número de série.

17) Indicação de placa-mãe
Gostaria de saber sobre placa de vídeo e placa-mãe com melhor custo-benefício atualmente. Não pretendo fazer upgrade. Qual é melhor onboard ou normal? Trabalho com computação gráfica e os arquivos são “pesados”. Meu computador tem um HD slave qye ven perdendo os diretórios periodicamente só resolvendo quando dou scandisk. O que pode ser isso e como posso resolver? Já exclui a possibilidade de vírus.
Resposta:
Levando em conta questões de qualidade, confiabilidade, desempenho e disponibilidade no mercado nacional, recomendo a placa de CPU Asus P3V4X, para Pentium III. Quanto à placa de vídeo, use uma com o chip gráfico Nvidia TNT2. Existem várias no mercado, com preços variando de 200 a 400 reais, em função da versão do chip e da quantidade de memória de vídeo. Mesmo os modelos com menos memória (16 MB) e mais simples são de excepcional qualidade gráfica e desempenho. Se você trabalha com gráficos profissionais, esqueça o vídeo onboard. Ele é mais indicado para aplicações simples, e usá-lo com gráficos profissionais causará grande queda de produtividade. Quanto ao problema do HD, é difícil diagnosticar. Pode ser defeito no próprio HD, na interface IDE, na fonte de alimentação, na memória, etc. Como o problema só ocorre neste HD, é mais provável que ele mesmo esteja defeituoso.

18) Placa-mãe Asus
Pretendo adquirir uma placa-mãe Asus P5AB, 64 MB DIMM de RAM, um processador AMD K6-2/550MHz e uma placa aceleradora de vídeo Viper II de 32MB de memória de vídeo AGP. Quais seriam as especificações gerais da Viper II? E qual seria a melhor escolha: Viper II ou Voodoo 4? Quais as especificações da Voodoo 4? A Voodoo 4 já se encontra a venda no Brasil? Qual a faixa de preço das duas placas? Quais seriam os prós e contras de cada placa? Qual seria a melhor placa para o Direct X, OpenGL, Glide? A placa-mãe Asus P5AB funcionaria com essas placas? Até qual processador é possível utilizar nesta placa-mãe? Ouvi dizer que fazendo um upgrade da Bios dessa placa-mãe é possível utilizar processadores acima de 550MHz, é verdade? Gostaria que me esclarecesse essas dúvidas para comprar uma boa placa aceleradora para jogos de última geração. A configuração acima terá um bom desempenho com esses jogos?
Resposta:
Você está procurando uma orientação para uma boa compra, mas existe algo de errado nela. Você está pensando em utilizar placas de vídeo 3D bastante sofisticadas, operando junto com um processador de baixo desempenho. Saiba que o K6-2/550 é apenas um pouco mais rápido (em torno de 20%) que o K6-2/300. Para aproveitar totalmente os MHz, o K6-2 deveria utilizar uma cache L2 interna, operando na mesma freqüência do núcleo. Este processador existe, e é o K6-III, entretanto saiu de linha. Um K6-III/400 é mais veloz que um K6-2/550. Atualmente PCs equipados com o K6-2 são indicados para aplicações de escritório, e não para gráficos 3D. Devido ao seu custo reduzido, é aceitável utilizá-lo para gráficos 3D, mas não espere um excepcional desempenho. Seria economicamente viável usá-lo em conjunto com uma boa placa 3D na faixa de 150 a 200 reais, como as equipadas com o chip Nvidia TNT2 M64 ou Vanta, com 16 MB de RAM (indicada para Direct3D e OpenGL). Se você usar placas 3D mais velozes, como a Voodoo 3, Voodoo 4 ou a Viper II, terá uma placa 3D muito veloz e um processador não tão veloz. O desempenho gráfico 3D é uma parceria entre o processador e o chip gráfico 3D. Cada um faz aproximadamente a metade do trabalho. Seu usar essas placas com o K6-2, terá um chip gráfico extremamente veloz operando com um processador que deixa a desejar. Ao invés de gastar com uma das placas que você citou, sugiro que use uma placa de vídeo como a que indiquei e use a diferença para comprar uma placa de CPU mais veloz (por exemplo, Asus P3V4X) e um processador Pentium III. Leve em conta ainda que o K6-2 não suporta mais upgrade, pois está saindo de linha.
A placa Viper II é bastante rápida e bastante cara, mas não está se mostrando vantajosa em relação a outras placas do mercado. Sugiro que você consulte as análises comparativas de placas 3D, em www.tomshardware.com.

19) Temperatura do Pentium II
Tenho um PII-400 montado em uma placa P3B-F c/ 64Mb de RAM, tudo isto está montado em um gabinete MID-ATX Troni c/ fonte de 300W, além disso eu possuo um HD Seagate IDE 8.4Gb e um SCSI 2Gb, um HP-writer 4200i, DVD-ROM Pioneer, uma placa sound blaster 16, controladora SCSI 2910B, placa de fax-modem motorola, uma placa de video Viper 330 e outra Voodoo2. Aí vai o problema: eu não estou usando overclock e a temperatura da minha CPU está em torno de 68 graus!!! A temperatura da P3B-F fica entre 42 e 35 graus respectivamente. Para resolver isso eu coloquei um segundo ventilador na parte frontal do gabinete soprando para dentro, já que o vent. da fonte joga o ar quente para fora, fazendo isso a temperatura caiu para 64 graus… Usando o gabinete sem as laterais a temperatura da CPU fica em 59 graus. Essa temperatura é normal ? No site da Intel tem um manual que diz que a temp máxima recomendada para o PII é 75graus. O que eu posso fazer para diminuir essa temperatura?
Resposta:
O Pentium II/400 dissipa quase 30 watts. Se você usar um bom dissipador acoplado ao processador com pasta térmica, (resistência térmica entre 0,5oC/W e 1oC/W, a elevação de temperatura do processador em relação ao interior do gabinete será de 15 a 30 graus. Somando 42 graus com 30 graus, temos 72 graus, quase no limite máximo do processador. Por outro lado, somando 42 graus com 15 graus temos 57 graus. É quase o mesmo que o meu Pentium II/400, que durante o funcionamento normal fica em torno dos 55 graus. A elevação de 15 graus da temperatura do processador em relação ao interior do gabinete é obtida quando usamos um cooler de bom tamanho, dotado de um bom ventilador. Também é preciso aplicar pasta térmica entre o processador e o cooler, caso contrário o processador ficará de 5 a 10 graus mais quente.
Outra coisa que você pode fazer é reduzir a temperatura interna do gabinete. É normal um gabinete ter o seu interior de 5 a 10 graus mais quente que o exterior. Ao abrir o gabinete você deixou a sua temperatura interna igual à externa, que é mais baixa, mas esta não é uma boa solução. A sua fonte joga o ar para fora, o que tende a resfriar todo o interior do computador de forma mais equalizada. Jogando o ar para dentro, a temperatura média do interior do gabinete fica um pouco maior, mas o processador, por estar mais perto da fonte, ficará mais frio. Você pode abrir a fonte de alimentação e inverter a posição do ventilador para que passe a jogar o ar para dentro. Como você tem também um cooler frontal, inverta-o também para que passe a jogar o ar para fora.

20) Indicação de placa mãe para Pentium III
Estou montando um computador com processador Pentium III EB 600MHz e memória PC 133MHz. Gostaria de saber qual a melhor placa-mãe da Asus para esse tipo de processador e memória. Estava querendo comprar a placa-mãe P3C 2000 mas me disseram que ela apresenta problemas e não é fabricada mais lá fora. Isso é verdade? Entre as Placa-mãe Asus P3C 2000 e a P3V4X, qual é a melhor e mais atual? Quais as diferenças entre as duas?
Resposta:
Ainda bem que você perguntou antes de comprar. A placa P3C2000 apresenta o problema do MTH (Memory Translator Hub), um componente que faz com que o chipset i820 possa acessar memória SDRAM. Há poucos meses foi descoberto um bug neste chip e iniciou-se um processo de recolhimento das placas que o utilizam. No Brasil este recolhimento não está acontecendo na prática, as placas que usam este chip continuam a ser vendidas livremente, para a infelicidade do usuário mal informado. A P3C2000 é uma placa que tem o problema, e realmente parou de ser fabricada no exterior. Não compre esta placa. A Asus P3V4X, por sua vez, é um outro modelo avançado, utilizando o chipset Via KX133. Tenho utilizado esta placa com excelentes resultados. Pode comprar esta placa, é minha recomendação. Tem slots PCI e AGP, barramento de 133 MHz adequado ao Pentium IIIEB, soquetes para SDRAM, interfaces IDE ATA-66 e todos os avanços mais recentes de hardware.

21) Processadores e placas OEM x Box
Qual a diferença entre os padrões OEM e In a Box? Qual deles é melhor?
Resposta:
Componentes de hardware podem ser vendidos por atacado ou no varejo. Isto se aplica a processadores, placas de qualquer tipo, drives de CD-ROM, discos rígido, etc. A loja recebe uma caixa com grande quantidade de produtos iguais (50 ou 100, por exemplo), mais um lote de manuais, CDs e acessórios. Não existem caixas individuais para cada produto. Esta modalidade é chamada de OEM. Destina-se a produtores de PCs, que montam as máquinas em quantidade. Os mesmos produtos podem ser destinados à venda direta ao público, ou seja, no verejo. Em inglês esta modalidade é chamada de “retail version”. O produto é vendido em uma caixa bonita e normalmente é acompanhado de mais acessórios e softwares. Por exemplo, uma placa de som ou placa de vídeo 3D podem ser acompanhadas de vários jogos, coisa que não ocorre na versão OEM. Muitas vezes o suporte técnico ao usuário é fornecido apenas para a versão retail, já que os usuários de PCs montados normalmente procuram os produtores dos PCs, e não os fabricantes das placas. As versões de varejo também custam mais caro, por conta de terem mais acessórios e programas, maior suporte e maior prazo de garantia. Note que esta garantia muitas vezes não é válida no Brasil, muitos importadores e distribuidores não oferecem o canal de volta, e freqüentemente o usuário precisa enviar o produto defeituoso para o exterior, o que pode se tornar inviável pelo custo da tarifa postal. Note que apesar da versão OEM ser destinada a produtores, muitas lojas as vendem ao usuário final. A sua atração é o menor custo.
No caso específico de processadores, é usada a expressão “In a box” para identificar a versão de varejo. São acompanhadas de um bom cooler, em geral um software de teste e têm garantia maior. Normalmente os processadores “In a box” vendidos no Brasil são obtidos por canais oficiais e contam com a garantia do fabricante através dos seus representantes locais.
Quanto ao desempenho, não existe diferença alguma entre as versões de atacado e varejo. As diferenças ficam por conta do preço, garantia, acessórios e softwares.

22) Processador esquenta e trava
Tenho um PC AMD K6 II 450, placa TX Pro II, 64 Mb de memória, som, vídeo, rede e modem onboard. Também tenho instalado o Windows 98 SE, Office 2000 e Corel 9. Tudo funcionava perfeito, porém o processador passou a esquentar e a travar o computador. Sua temperatura já chegou 68º. Procurei um técnico e ele me disse que todo K6 tem este problema de alta temperatura e me sugeriu colocar outro cooler para resfriar o processador. Isto é verdade? Ou será que o meu processador está com defeito? O que fazer nesse caso?
Resposta:
Na verdade todo processador tem problemas de aquecimento. Em alguns modelos do K6 o problema se manifesta de forma mais acentuada, pois geram maior potência elétrica e possuem temperatura limite mais reduzida. Seja qual for o seu modelo, saiba que alguns toleram no máximo 65, outros no máximo 70 graus. O seu está com 68 graus, o que não é nada bom. A instalação de um segundo cooler, fixo na parte interior do gabinete, contribui para reduzir a temperatura do processador, mas a diferença é pequena. Uma boa redução de temperatura, entre 10 e 20 graus, pode ser conseguida com dois cuidados: A) Instalar no processador um cooler para K6-2, porém de tamanho grande, o mais alto que você encontrar. Existem modelos nos quais a parte metálica tem 2 ou 3 centímetros de altura. Os modelos mais simples, com apenas 1 cm de altura (parte metálica, sem contar com o ventilador) não são adequados ao K6-2. B) Aplicar pasta térmica entre o processador e o cooler. Lembro que essas duas recomendações não são feitas por mim, e sim pela AMD, que fabrica o K6-2. Tomando essas providências consigo fazer meu K6-2/450, do modelo mais quente, ficar com temperatura por volta de 45 graus.

23) Comparação entre placas de CPU
Estarei comprando essa semana um micro K6-500, e gostaria de saber qual dos dois modelos de placas ASUS é o mais indicado: ASUS P5 AB ou ASUS 99VM. A placa de vídeo que acompanha é uma PCI de 8M Generica. Existe alguma objeção a este produto? Finalizando, gostaria de saber se a diferença entre um processador Intel e um AMD é muito grande ou se realmente vale a pena pagar mais barato por um AMD.
Resposta:
A placa Asus P5AB operando com uma placa de vídeo, mesmo que seja PCI de 8M genérica, oferecerá melhor desempenho que uma placa Asus P599VM, que usa vídeo onboard. Assim como ocorre com qualquer placa de CPU que usa vídeo onboard com memória compartilhada, o processador e o chip gráfico disputam pelo uso da memória, o que faz o processador acabar tendo que efetuar pequenas pausas para acessar a memória, causando queda de desempenho. Ao usar uma placa de vídeo de verdade, não existe disputa entre o processador e o chip gráfico, pois cada um tem sua própria memória. O processador Intel considerado equivalente (em termos de preço e desempenho) ao K6-2 é o Celeron. Os resultados obtidos são praticamente os mesmos, apesar do Celeron ter um desempenho um pouco maior. Curioso é o resultado da comparação desses dois processadores. Na faixa de 300 a 400 MHz, o o K6-2 é mais veloz que o Celeron de mesmo clock. Em torno de 400 MHz ambos têm desempenhos bem parecidos. Na faixa de 500 a 550 MHz (máximo clock do K6-2), o Celeron leva uma pequena vantagem. De um modo geral, qualquer que seja a escolha entre Intel e AMD, os resultados são satisfatórios em termos de preço e desempenho. Para ambas as marcas, desempenho maior significa preço maior. Para obter desempenhos melhores, é preciso usar processadores AMD Athlon ou Intel Pentium III. O chave da questão é que sempre deve ser usada uma placa de CPU de boa qualidade.

24) Processador K6-2/500 aparece como K6-2/150
Recentemente fiz um upgrade no meu computador e comprei uma placa-mãe com um suposto processador K6-II 500 Mhz com circuitos de som e vídeo onboard e instalei junto a um disco rígido de 15 GB Quantum Fireball os programas Windows 98 e Office 97. Tenho observado uma coisa que está me encucando: toda vez que inicio o sistema, meu processador é indicado como um K6-II 150 Mhz! Tentei usar o Norton Utilities 2000 e o mesmo deu a mesma configuração. Será que comprei gato por lebre? Ou é alguma configuração de hardware que terei que fazer para que o processador seja reconhecido corretamente?
Resposta:
O processador pode mesmo estar errado. A única forma de conferir isso é por inspeção visual. É preciso abrir o computador, retirar o cooler do processador e verificar as inscrições na sua parte superior. Deverá ter uma indicação como “AMD K6-2/500”. Por outro lado, pode ser uma versão antiga, como um AMD K6/200, por exemplo, um gato vendido como lebre. O processador pode também ser um K6-2/500 mas estar configurado de forma errada. É preciso configura-lo com clock externo de 100 MHz e multiplicador 5x. Isto pode não ter sido feito corretamente pelo técnico que realizou a montagem do seu PC. Em algumas placas de CPU, esta configuração é feita através de jumpers, em outras é feito pelo CMOS Setup. Verifique se tudo está correto. Ao contrário de outros processadores modernos, o K6-2 não “informa” os seus parâmetros de funcionamento, cabe ao responsável pela montagem do computador, a realização dessas configurações. As informações para a realização dessas configurações estão no manual da placa de CPU.

25) DMI
Possuo um K6-II 550 Mhz, montado em uma placa ASUS – P5S-B, 64 MB de RAM, HD Quantum Fireball CX de 10.2 GB, CD-Rom de 8x e Windows ME instalado. Minha dúvida é a seguinte: para que serve o programa Desktop Management Interface (DMI) e como usá-lo, pois seu manual está em inglês e eu também gostaria de saber como posso encontrar o manual em português.
Resposta:
Esta placa vem acompanhada do programa Asus PC Probe. Este tipo de programa (DMI Manager) serve para monitorar a “saúde” do computador, monitorando as tensões da fonte, as voltagens e a temperatura do processador, a rotação do ventilador, etc. Em caso de problemas, o usuário é imediatamente avisado, evitando que problemas mais sérios ocorram. A instalação e o uso são relativamente simples, tudo pode ser feito pelo método padrão, mas como sempre, o desconhecimento de noções básicas de inglês impõem sérias limitações ao usuário de computador que precise atuar sobre o hardware. Tudo é produzido no exterior, e até as poucas fábricas localizadas aqui (Asus, Gigabyte, Digitron) não traduzem tudo para o português. Quem atua apenas em software não vai ter problemas, pois os principais programas foram traduzidos, na pior das hipóteses, usando o “português de Portugal” (ficheiro, rato, écran, Rejeitar, Salvaguardar…). Já na área de hardware ou tudo a ele relacionado, os fabricantes partem do princípio que o grande público não vai precisar intervir, apenas os técnicos, que são um público bem menor e normalmente conhecem o inglês técnico. Em linhas gerais você precisará definir as faixas de temperatura permitidas para o processador (30 a 60 graus), a rotação do ventilador (dê uma tolerância de 30% para mais e para menos em relação ao valor medido) e para as voltagens (use uma tolerância de 5% para mais e para menos em relação ao valor nominal nas tensos de +5 e +3.3, e 10% nas demais tensões).

26) Athlon e placa Asus K7M
Tenho um PC AMD K-7 650 Mhz, com placa mãe Asus K7M, 32 MB de Memória RAM, placa de vídeo ATI Rage AGP e placa de som onboard. Gostaria de saber se essa máquina compete de igual com o Pentium 650 Mhz de mesma configuração, pois já ouvi várias pessoas me dizerem que os processadores da AMD não são muito bons, que em certos casos apresentam problemas com determinados programas. Isso é verdade? Gostaria de esclarecer essa dúvida minha.
Resposta:
Processadores Atlhon e Pentium III de mesmo clock apresentam desempenhos muito parecidos. A diferença é tão pequena que não podemos senti-la usando o computador. Em relação à confiabilidade de processadores, digo o seguinte: fiz exaustivos testes com processadores Athlon e placas de CPU Asus K7V e K7M, executamos centenas de programas sem encontrar problemas. Apenas uma exceção: o jogo Wing Commander III, de 1995, no modo MS-DOS, não funcionou. Entretanto nem o Windows nem as atuais placas de CPU prometem compatibilidade total com programas antigos. Outro detalhe: para usar o Windows 2000 com processadores Athlon, é preciso instalar uma pequena atualização presente no site da AMD (www.amd.com). Problemas com PCs equipados com processadores AMD existem sim, mas isso ocorre nos modelos baratos, equipados com o processador K6-2. Não é culpa do K6-2, e sim de placas de CPU de baixa qualidade, usadas nos PCs baratos. O uso de uma placa de CPU ruim deixa o usuário descontente com o computador. Como normalmente é feita confusão entre processador e computador (“meu PC é um K6-2/500…”), acabam achando que os problemas estão no processador. Entre a K7V e a K7M, escolha a K7V, pois é um projeto mais recente e tem desempenho melhor. Ela utiliza processadores Athlon em forma de cartucho (Slot A). Mais nova ainda é a placa Asus A7V, que utiliza as novas versões do Athlon (Socket A).

27) Problemas de disco em PC 486
Possuo um PC AMD K6 II 350 Mhz, placa pc100, com dois HDs de 4.1 e 2.1 GB, e tenho também dois 486 DX2 66, com HDs de 100 MB e 540 MB. Utilizei o FDISK e formatei os HDs de 540 e 100 MB no K6 II e quando retornei-os para um dos 486, o BIOS SETUP reconheceu-os, porém, quandp foram entrar no sistema, o 486 não aceitou, pedindo o disquete de BOOT. Coloquei o disquete de BOOT do Windows 95 no 486 e entrei no FDISK para realizar tal partição, mas quando da realização da partição, ele não a finaliza, executando a seguinte mensagem: Write Protect Error Writing Fixed Disk. Tentei também com o disquete de BOOT do Windows 98 e apareceu a mesma mensagem. No K6 II, a partição destes HDs é feita normalmente e eles funcionam muito bem. Os HDs são Maxtor 540 Mb e Samsung 100 Mb. Por favor, ajude-me a resolver este problema, pois montei um comércio recentemente e estou precisando destes 486 para realizar o controle de estoque.
Resposta:
No seu K6-2, desative a função LBA antes de inicializar o disco de 540 MB. Se isto não for feito ele corre o risco de usar uma configuração não aceita pelo BIOS do 486, que provavelmente não tem a função LBA. O máximo que ele comporta então são 1024 cilindros, 63 setores e 16 cabeças, o que resulta em cerca de 528 MB. Anote os parâmetros detectados (cilindros, cabeças e setores) pelo BIOS do K6-2 em ambos os discos rígidos. Depois de usar os programas FDISK e FORMAT, coloque esses HDs no 486 e programe manualmente esses mesmos parâmetros no seu CMOS Setup. Note que esses são discos bem antigos, devem ter 5 e 8 anos, respectivamente, provavelmente já estão muito desgastados. Seus dados poderão estar em perigo se você confiar nesses discos. Por um baixo custo você irá encontrar discos rígidos novos para seu 486.

28) Placa de CPU Acorp
Comprei uma máquina Pentium III 800 Mhz, com 256 Mb de RAM, que deveria vir com uma placa Asus P3BF. O fornecedor, porém, mandou-me uma placa chamada Acorp modelo 6BX/ZX Via 82P, alegando que é tão boa ou até melhor que a Asus. Não aceitei inicialmente pois já havia pago pela Asus (consta inclusive na nota fiscal), mas depois de muita insistência do vendedor topei fazer um teste por 15 dias, depois dos quais me garantiram trocá-la se eu não estivesse satisfeito. A máquina funciona bem, é rápida, mas não tenho parâmetros para avaliá-la. Por acaso você conhece esta placa? Ela é realmente tão boa quanto a Asus? O preço é similar ou também é papo de vendedor?
Resposta:
Se quiser saber sobre a reputação de qualquer modelo de placa de vídeo, CPU, disco rígido, CD-ROM ou outros produtos de hardware, consulte a pesquisa entre usuárias feita em http://www.sysopt.com/userreviews/. A respeito de placas de CPU, lá existem informações sobre mais de 400 modelos. A sua placa, infelizmente, teve opinião de apenas um usuário, e foi considerada ruim. Esta placa utiliza o chipset Intel i440BX, o mesmo da Asus P3BF, mas isto não é um indicador de que a placa seja “tão boa quanto”. A Acorp não é considerada um fabricante do mesmo nível que Asus, Intel e Supermico, por exemplo, e o fato da placa funcionar bem durante 15 dias não é um indício de que ela é uma perfeita substituta para a Asus P3BF. Meu conselho é que você exija a sua P3BF, considerada uma das melhores placas de CPU já produzidas para o chipset i440BX.

29) Aquecimento do K6-2
Uso um micro AMD K6-II de 500 Mhz, com placa mãe Asus P5A-B. No site da Asus consta que o processador deve ser instalado em uma placa P5A, rev. 1.06 (qual a diferença com a P5A-B?) e um cooler mais potente. Meu processador aqueceu tanto que fritou, mesmo usando um Kit de ventilação que consta de um exaustor (com dois mini-ventiladores) e um mini-ventilador na parte frontal do gabinete. O técnico vai trocar o processador, mas aí a pergunta: a placa P5A-B é própria para ele?
Resposta:
Sim, as placas Asus da família P5A são próprias para este processador. P5 porque ela permite instalar processadores Pentium e compatíveis, o que inclui o K6-2. O “A” fica por conta do chipset usado, o Aladdin V. Finalmente, o “B” é devido ao formato da placa, o chamado “Baby AT”. Portanto, as placas P5A e P5A-B são idênticas, a diferença está apenas no formato (ATX / Baby AT). A questão da revisão do BIOS está relacionada ao correto reconhecimento do processador. Versões mais antigas podem reconhecer o seu processador, porém indicar o clock errado. Em alguns casos podem ocorrer problemas de mau funcionamento com o uso de um BIOS antigo. O kit de ventilação que você usou não é específico para ventilar o processador, e sim para manter mais baixa a temperatura do interior do gabinete, o que também é importante, mas não é suficiente. Muito mais importante que este kit de ventilação é usar no K6-2 um cooler de maior tamanho. O ideal é um cuja parte de alumínio tenha 2,5 ou 3 cm de altura. Também é preciso aplicar pasta térmica entre o cooler e o processador. Se você tem dificuldades de encontrar pasta térmica, compre um cooler que já tenha uma pequena fita térmica na área que faz contato com o processador. Existem outros fatores que também podem fazer um processador “fritar”: a programação errada da voltagem e do clock. O K6-2/500 deve operar com clock externo de 100 MHz, multiplicador 5, e a voltagem em geral é 2,2 volts, mas que pode ser confirmada, está estampada na sua face superior. Tome esses cuidados e o seu K6-2/500 vai funcionar bem.

30) Outro K6-2 quente
Tenho um PC com o processador AMD K6-2/450 que só consigo fazer funcionar com 4.5 x 95 (427 MHz), e não com 4.5 x 100. Se programo para 450 MHz ocorrem erros na inicialização do Windows.
Resposta:
Processadores K6-2 de 400 MHz e superiores esquentam mais que os modelos de 300 MHz. Antes de mais nada, é necessário utilizar um cooler de maior altura, ao invés dos mais baixos, mais comuns no mercado. Todos os fabricantes de processadores (e isto também ocorre com a AMD) recomendam aplicar pasta térmica entre o processador e o cooler. Isto melhora a transferência de calor e faz com que o processador opere a uma temperatura de 5 a 10 graus mais baixa. Veja só alguns resultados medidos em laboratório em um K6-2/400, com a temperatura ambiente mantida a 30 graus. A temperatura do processador foi medida pelos circuitos de monitoração existentes na placa de CPU:

Cooler pequeno, sem pasta térmica: 57 graus centígrados
Cooler pequeno, com pasta térmica: 48 graus centígrados
Cooler grande, sem pasta térmica: 42 graus centígrados
Cooler grande, com pasta térmica: 38 graus centígrados

Instale um cooler grande e peça a um técnico para aplicar pasta térmica no processador. Note que o K6-2/450 deve operar a no máximo 70 graus centígrados. O K6-2/400 versões AHX e AFQ (está indicada a versão na parte superior do processador) devem operar a no máximo 60 graus. Como muitos usuários não levam em conta a questão do cooler e pasta térmica, é comum encontrar PCs com travamento por aquecimento (isso também acontecia com o Pentium).
As memórias utilizadas também precisam ser adequadas para operar a 100 MHz. Precisam ser do tipo PC100, com tempo de acesso de 8 ns ou clock de 125 MHz. Memórias com indicações de 10 ns e 100 MHz não são adequadas para operar a 100 MHz, e sim a 83, 75 ou 66 MHz. Você reduziu para 95 MHz, memórias –10 podem funcionar mas de forma também precária. É verdade que a maioria dos usuários vai comprar memórias e se preocupa apenas com o preço e a capacidade. É preciso também checar a velocidade.

31) Cuidado com o Overclock
Tenho um Pentium II/400 e uma placa mãe PC100. Queria fazer um overclock mas não tenho certeza se é seguro, pois já me disseram que há risco do processador queimar. Através do Setup do BIOS posso fazer a operação, mas queria saber qual é a velocidade máxima para um overclock em uma máquina como a minha.
Resposta:
O Overclock é uma espécie de “envenenamento” na velocidade do processador, ou seja, consiste em obrigá-lo a trabalhar com um clock maior daquele para o qual foi projetado. Além de aumentar a velocidade, ocorre também a elevação da temperatura e a redução da confiabilidade. O processador passará a gerar mais calor, fazendo sua temperatura aumentar. Ao ultrapassar o limite máximo de temperatura especificado pelo fabricante (entre 60 e 70 graus, dependendo do processador), seu funcionamento correto não será garantido. O chip poderá queimar dentro de um ou dois anos, mas isto também pode ocorrer dentro de meses, semanas ou dias. Os travamentos também poderão ser mais freqüentes. Trata-se de uma operação que desaconselho, pois os riscos colocam a perder a vantagem do aumento de velocidade. Quem faz overclock, faz por sua própria conta e risco. Eu poderia ensinar a fazer, avisando antes que a operação é arriscada e o usuário assumiria o risco. O problema é que um colega fala para outro colega, que fala para outro e para outro. No final da cadeia, um usuário leigo acaba fazendo o overclock sem conhecer seus riscos. Por isso prefiro não ensinar, além do mais há quem ensine. Se você quiser assumir o risco, sugiro a leitura dos artigos do Tomas Pabst, grande entusiasta do overclock (www.tomshardware.com). Tome cuidado, pois ambos colocam o overclock como uma operação menos perigosa do que realmente é. Desaconselho e sou contra, mas se você quer mesmo correr o risco…

32) Versões dos processadores K6-2
Caro Laércio tenho duas máquinas com o processador AMD K6 2 de 400MHz, em uma máquina o processador é K6 2 400 AFQ e na outra um K6 2 400 AFR, qual é a diferença entre esses processadores?
Resposta:
As várias versões AFR, AFQ e AHX refletem diferentes técnicas de produção. Em termos práticos, as diferenças estão na voltagem, dissipação de calor e sensibilidade à temperatura. Seus dois processadores têm as seguintes características:
K6-2/400 AFQ: 2.2 volts, dissipação de 22.7 watts e temperatura máxima de 60 graus.
K6-2/400 AFR: 2.2 volts, dissipação de 16.9 watts e temperatura máxima de 70 graus.
Portanto, o modelo AFR apresenta menos problemas relacionados com a temperatura, já que dissipa menos calor e mesmo assim suporta temperaturas mais elevadas.

33) Substituindo o Celeron por K6-III ou Pentium III
Um amigo meu recentemente comprou um Pentium Celeron 433MHZ e gostaria de saber se tem como fazer um upgrade para um Pentium III ou AMD K6-III?
Resposta:
Talvez a instalação de mais memória (64 MB é melhor que 32 MB) e de uma boa placa de vídeo 3D resolva o problema. O soquete do Celeron (Slot 1 ou Socket 370) é incompatível com o utilizado pelo AMD K6-III (Socket 7). Se quiser usar o K6-III será preciso instalar uma nova placa de CPU. Nesse caso, por favor, não seja mais um dos milhares de compradores de placas de CPU de má qualidade e com vídeo onboard. Use uma placa de boa qualidade (Asus, FIC, Soyo, a QDI também é boa) mas sem vídeo onboard. Compre também uma nova placa de vídeo. Já o Pentium III pode ser instalado com mais facilidade, sem trocar a placa mãe. Se a placa mãe atual tem Socket 370, você terá que comprar um Pentium III no formato Socket 370. Se a placa mãe tem Slot 1, você terá que usar um Pentium III com formato Slot 1, ou então comprar um Pentium III com formato Socket 370 e uma placa adaptadora de Slot 1 para Socket 370. Antes de pensar simplesmente em trocar o processador é importante investigar o que está errado, pois esta simples troca poderá não resolver os problemas.

34) Minha placa mãe é Super 7?
Possuo um AMD K6-2/400. Não consigo configurá-lo para funcionar em 4×100 MHz. Como saber se a placa mãe é Super 7, e como saber se a velocidade da memória comporta esta configuração? Quais outras possibilidades podem impedir o uso da configuração 4×100 MHz? Gostaria de saber também a explicação dessas configurações na CMOS: 4×100, 4×95, etc.
Resposta:
Se a sua placa de CPU oferece uma opção como 4×100 (clock externo de 100 MHz), seja no CMOS Setup ou seja através de jumpers, então trata-se de um modelo Super 7. O mesmo não podemos dizer de placas que oferecem para o clock externo, apenas as opções de 66, 75 e 83 MHz. Normalmente essas placas possuem chipsets para 66 MHz que são forçados a operar com 75 ou 83 MHz (overclock). Apesar de oferecerem essas opções, os fabricantes não se responsabilizam pelo seu uso. Além do funcionamento ser na base da sorte, muitas vezes essas placas não têm memória cache L2 suficientemente rápida para suportar essas velocidades. Da mesma forma, as memórias DRAM instaladas pelo usuário podem não ser capazes de operar acima de 66 MHz. Sua placa de CPU é Super 7, já que apresenta a opção de 100 MHz para o clock externo. Já os valores superiores a este, como 105, 110, 112 MHz ou mais, são overclock, e seu funcionamento não é garantido. O processador K6-2/400 suporta o clock externo de 100 MHz, assim como os circuitos da sua placa de CPU. Resta verificar se a memória RAM que você está utilizando também suporta 100 MHz. Para isto basta verificar se são do tipo PC100, com clock de 125 MHz (possuem a indicação –125), o que corresponde ao tempo de acesso de 8 ns (possuem a indicação –8). Finalmente, o seu processador pode não estar suportando o clock de 400 MHz devido ao aquecimento excessivo. Use um cooler grande (aproximadamente 2 cm de altura, na parte de alumínio), acoplado ao processador através de pasta térmica.

35) Travamentos em um servidor com K6-2
Uso o Servidor com NT 4.0 com Service Pack 6, Internet Explorer 5, Proxy, Office 97 e SQL Server 7, e a rede formada por mais 5 máquinas, todas com Ie 5, Win98 e Office 2000. Pois bem, o meu Servidor é um K6 II, 400 Mhz, 128 Ram, 08 Gb de HD (Quantum) … Quando acesso a internet e abro 02 ou 03 páginas simultaneamente, ou até mesmo os outros clientes acessam através do Proxy, no máximo 10 minutos o NT simplesmente caí naquela tela Azul (famosa do NT), e reseta totalmente. O que vc acha que está acontecendo???? Já me falaram que pode ser o K6 II, outros falaram que pode ser a memória Ram…, mesmo porque ás vezes sem nenhuma explicação ele fica muito lento, e pela configuração do servidor ele teria que ser bem mais rápido… quanto a linha telefônica que uso de acesso a Internet, ainda estou usando o prefixo 223, já pedi para trocar a digital, mas como sempre até agora não fomos atendidos.
Resposta:
É preciso, antes de mais nada, verificar se os problemas de “tela azul” ocorrem apenas na execução do servidor Proxy ou se ocorrem com outros softwares. Não estou me referindo a utilizar nos demais PCs, programas que usem bases de dados armazenadas no servidor, refiro-me a utilizar programas diversos no próprio servidor. Se os problemas ocorrem apenas no servidor Proxy, sugiro trocá-lo por outro de versão mais nova (pode ser um bug) ou então usar o compartilhamento de conexão com a Internet disponível no Windows 98 SE. Se os problemas ocorrem com outros programas no servidor, é possível que sejam causados por aquecimento do K6-2. Acho essa hipótese ainda mais provável devido à lentidão momentânea que você descreve. Muitas placas de CPU monitoram a temperatura do processador e reduzem automaticamente o clock quando a temperatura está muito alta. O K6-2 deve ser acoplado a um cooler de tamanho grande. Deve também ser aplicada pasta térmica entre o cooler e o processador. Essas duas providências fazem com que o processador fique de 10 a 20 graus mais frio. Lembro que são muito comuns as queixas de travamentos no K6-2 causados por aquecimento, sempre devido ao uso de cooler inadequado (tamanho pequeno) e sem pasta térmica.

36) Comparando K6-2 com K6-III
Adquiri um computador K6-III 400 com placas independentes e 64 mb de ram, comparando com outro computador IBM K6-ll 450, pude notar que o K6-lll trabalha mais rápido. Meu pai pretende adquirir um computador, mas ele gostaria de um com boa velocidade, vale mais a pena comprar um Pentium? Qual você acha o melhor custo benefício? PS- Gostaria de parabenizar sua seção de cartas, já aprendi muitas coisas interessantes!
Resposta:
Realmente o K6-III é melhor que o K6-2 devido à sua cache L2 operando na mesma freqüência do núcleo (no caso do K6-III/400, são 400 MHz). No K6-2, mesmo em uma versão mais veloz (550 MHz), a cache L2 opera com apenas 100 MHz, o clock do barramento. O K6-III consegue rivalizar com um Pentium II de mesmo clock, mas infelizmente saiu de linha. Seu custo de produção e seu desempenho o coloca em uma posição difícil no mercado. Se quiser optar pela linha AMD de baixo custo, afirmo que um K6-III/450 (ainda pode ser encontrado à venda) é mais veloz que um K6-2/550. Se você quiser optar pela linha Intel, poderá utilizar o Pentium III, existem versões de custo acessível (450 ou 500 MHz). Usar o Pentium III tem mais uma vantagem: você poderá futuramente instalar um processador novo mais veloz na sua placa de CPU, coisa que não será possível se você usar o K6-2 ou K6-III.

37) Alterando o clock do Pentium II?
Tenho um PII/300 com as seguintes configurações: CPU base frequency 66Mhz e Multiple Factory x4.5, o que dá 300Mhz. Porem gostaria que a CPU base frequency fosse 100Mhz, mas no bios não há um Multiple Factory igual a x3 (o menor é x3.5, e se usado com esse fator seria um overclock?). Existe alguma solução para esse problema (como uma atualização do bios) ou terei que comprar um processador mais veloz? Obs.: Meu bios é American Megatrends, Release 09/09/1998S, String 61-0909-000747-00101111-071595-M747-00-H, a memória RAM suporta 100Mhz.
Resposta:
Neste tipo de pergunta é importante indicar a marca e o modelo da placa de CPU. Pela string do BIOS, acredito ser uma M747, da PC Chips. Observe que o processador Pentium II/300 não foi fabricado na versão com clock externo de 100 MHz. Para este clock externo temos clocks internos de 350, 400 e 450 MHz. Com clock externo de 66 MHz, o Pentium II mais simples é o de 233 MHz, que usa o multiplicador 3.5x. Sendo assim o multiplicador 3x nunca foi usado com o Pentium II, por isso você não tem acesso a ele na sua placa. Você não pode simplesmente aumentar a freqüência externa para 100 MHz, isto é overclock e o funcionamento não é garantido. Pior ainda, fazê-lo operar a 350 MHz internos também é overclock, o que poderá torná-lo instável, produzirá muito aquecimento e poderá danificá-lo em pouco tempo. Sua placa suporta processadores com clock externo de 100 MHz, portanto você poderá instalar versões mais novas do Pentium III, como por exemplo, a de 850 MHz (100 MHz externos e multiplicador 8.5x). Por outro lado, o simples fato de aumentar o seu clock externo de 66 para 100 MHz, mantendo o interno a 300 MHz, não traria grande vantagem ao desempenho. A vantagem existe, mas não chega a 10%.

38) Diferenças entre processadores
Gostaria que você explicasse a diferença entre um Pentium II e o III, e sobre o K6-II , K6-III e o K7?
Resposta:
O Pentium II já deixou de ser fabricado, foi substituído pelo Pentium III, a sua nova geração. Além de clocks mais elevados, foram incluídas novas instruções para processamento 3D, processamento de sons e imagens (extensões do padrão MMX) e um código para identificação do processador. Novos melhoramentos foram recentemente incluídos nas versões mais recentes do Pentium III, como o barramento externo de 133 MHz (o Pentium II tinha versões de 66 e 100 MHz) e a nova cache L2 operando com a mesma freqüência do núcleo (a cache do Pentium II operava com a metade da freqüência do núcleo). Na área de artigos de www.laercio.com.br você encontrará dois artigos sobre o Pentium III.
Os processadores K6-2 e K6-III são bastante parecidos. A diferença é a cache L2 embutida com 256 kB operando na freqüência do núcleo, encontrada no K6-III. Este recurso tornou o K6-III quase tão veloz quanto o Pentium III, mas por razões de mercado, a AMD não produziu modelos mais rápidos, ficando apenas com as versões de 400 e 450 MHz. Já o K6-2, mais lento e bem mais barato, continuou sendo produzido, e é encontrado em modelos de 500, 533 e 550 MHz. O K6-III não é mais produzido, e o K6-2 deixará de ser produzido dentro de poucos meses. No seu lugar a AMD vai produzir o Spitfire ou Duron, uma versão econômica do Athlon.
O processador originalmente chamado de K-7 é o AMD Athlon, o concorrente direto do Pentium III. Trata-se de um processador totalmente novo, diferente do K6 e do Pentium III, mas com recursos avançados que o tornam sensivelmente mais rápido que um Pentium III de mesmo clock. Pela primeira vez a AMD compete diretamente com a Intel na produção do mais rápido processador para PCs.

39) Onde está o fabricante da minha placa de CPU?
Já tentei de tudo para obter uma cópia do manual da placa mãe PCI 5400 Rev. 1.11, designed by ALD. Pela Internet já naveguei os 4 cantos do mundo e nada. Com o número da placa, no site da AMI, o fabricante é mencionado, mas nunca encontrado. Em consulta com quem trabalha com manutenção, também não consegui nada. Há ainda alguma coisa a tentar?
Resposta:
Guarde bem o manual da sua placa de CPU, e nunca compre placas de CPU, nem mesmo computadores já montados que não sejam acompanhados dos manuais de todas as suas placas, principalmente a de CPU. Você terá agora que torcer para que o fabricante tenha um site na Internet e que tenha colocado nele as informações técnicas sobre sua placa, ou de preferência o manual completo. Inicialmente pegue na área de download de www.laercio.com.br a nova versão do programa CTBIOS. Este programa apresenta as informações em alemão, mas não se preocupe, pois nas últimas três linhas de informação você identificará facilmente o modelo, o nome do fabricante e o site do fabricante na Internet.

40) Cooler sem fio
Comprei um cooler para o meu AMD K-6 II e ele não veio com o seu cabo já instalado. Como devo proceder a ligação de seu cabo? Tenho que abri-lo e soldar os fios?
Resposta:
Volte à loja e troque este cooler por outro, com os fios instalados. Este seu cooler deve estar com defeito de fabricação, “esqueceram” de soldar os fios e o conector na fábrica. Não é muito difícil soldar os fios, o problema é que você também precisaria arrumar os conectores para ligar na fonte de alimentação, que não vendem em forma avulsa (talvez você os encontre em alguma loja de eletrônica ou mesmo em uma sucata de PCs, mas não vale a pena o trabalho). A melhor coisa a fazer mesmo é trocar o cooler por um bom, com fios e conectores.

41) Overclock
Tenho um AMD K6-2 de 400 MHz com 64 MB de RAM, só que quando instalei o processador, depois de ter ajustado o clock para 400 o BIOS reconheceu o processador sendo um AMD 450 MHz com um clock de 400 MHz, mais o processador é de 400 MHz não 450 MHz. Outra dúvida é a seguinte: já vi reportagens sobre overclock em CPUs e gostaria de saber como faço para overclocar o meu PC.
Resposta:
Pode existir erro na rotina de detecção de clock do seu BIOS, mas este é um erro inofensivo, desde que você não deixe ser usada a configuração automática erradamente detectada. Programe manualmente o valor do clock de acordo com a indicação na face superior do seu processador. Quanto ao overclock, eu não ensino como fazer, porque é perigoso, você pode danificar o processador ou reduzir sua vida útil, além do PC perder totalmente a confiabilidade. Muitos dos travamentos que ocorrem em milhares de PCs são causados por overclock. Um usuário que está ciente dos perigos do overclock tem o direito de correr o risco e usá-lo, mas o perigo é quando esses usuários mostram para colegas que desconhecem os riscos e acabam usando o overclock. Acho que se eu ensinar overclock, meus professores de microeletrônica vão mandar cassar meu diploma de engenharia eletrônica. Para mim, overclock é uma picaretagem, mas se você quiser a aprender como fazer, sugiro que consulte o site www.tomshardware.com.

42) K6-2 travando
Tenho uma computador ADM K6-2 400, placa M598, Sys 530, Video Onboard Sys 5595,64MB. Tem um ano que estou com essa configuração, só que de um mês para cá, o computador está travando, com seguinte mensagem: “Erro fatal OE em 0028:C027F7F8 no VXD VMM(06) + 000047F8”. Por favor um dê uma sugestão para eliminar este erro. O que devo fazer? No aguardo da resposta, agradeço-lhe antecipadamente.
Resposta:
Desculpe o comentário, mas tenho que fazê-lo toda vez que vejo um leitor com problemas com esta placa. Dos mais de 1300 leitores entrevistados no meu site com a pergunta “qual é a pior marca de placa de CPU”, 48% responderam que são as placas PC Chips. De nada adiantará este comentário para você, mas espero pelo menos prevenir os demais leitores. O erro fatal 0E pode ser causado por memórias defeituosas, ou por problemas em drivers. O erro na memória também pode se manifestar com as memórias em boas condições. No caso o processador pode ter “entendido” erroneamente um dado vindo da memória devido a um problema na placa de CPU, ou por aquecimento do processador. Quando o problema é causado por drivers, a instalação de drivers mais recentes costuma resolvê-lo. Sugiro que você procure um técnico da empresa que vendeu o computador. Não recomendo que você tente reinstalar o Windows. Essas placas de CPU têm vários macetes para a instalação, e a simples instalação do Windows causará outros problemas. Melhor é pedir ajuda ao técnico acostumado a resolver problemas (muitos deles repetidos) com placas semelhantes.

43) DMI Pool data
Tenho um micro com processador MMX 233 e 64 Mb de memória RAM. Constantemente travava, porém agora não consegue passar da tela Sistem Configurations, sendo que após mostrar as configurações apresenta a mensagem: Verifying DMI pool data…. fica parado. Substituí as memórias RAM, placa de vídeo, fax moden, processador, desinstalei todos os periféricos (CD ROOM, GRAVADOR DE CD) e não conseguí resolver o problema. Ao examinar a placa mãe, notei a configuração de 3,3v embora o processador MMX trabalhe com 2,8v. Acertei para voltagem certa e nada…Pequisei em diversas literaturas, não encontrando solução para o problema. O que pode estar ocorrendo?
Resposta:
Quando a voltagem do processador está configurada de forma errada, a princípio podem ocorrer travamentos diversos, inclusive a paralisação durante o processo de boot. Quando a voltagem está alta, ocorre aquecimento excessivo do processador, o que causa mais travamentos e, a médio ou longo prazo, a sua danificação. O Pentium MMX deve ser programado com 3.3 volts externos e 2.8 volts internos. Todos os processadores modernos possuem este duplo sistema de voltagem. Processadores AMD K6-2 e K6-III, por exemplo, podem usar externamente 3.3 volts e internamente 2.2 ou 2.4 volts, dependendo do modelo. Sempre existirá na face superior do processador, a indicação da sua voltagem interna (CORE). Quem fez a instalação deste Pentium MMX, a fez de forma errada, pois não configurou os jumpers da placa de CPU para gerar a voltagem correta. O processador tornou-se instável e pode ter sido danificado, parcial ou totalmente. Use o manual da sua placa de CPU para configurar corretamente a voltagem e os clocks (interno e externo). Verifique ainda se as memórias estão corretamente instaladas. Na maioria das placas de CPU não é permitido misturar memórias EDO e SDRAM. Se ao conferir os jumpers e corrigir a instalação de memória os travamentos continuarem, significa que provavelmente o processador está danificado.
2000_01
Este processador tem a indicação de 2.9 volts

44) Marcas de placas de CPU
Possuo um Pentium III 450, 64 Mb, com uma placa mãe PCchips. Eu estou querendo trocar minha placa mãe por uma melhor pois sei que a minha (Pcchips) oferece um desempenho muito baixo em relação as outras. Gostaria de saber se existe uma diferença muito grande em termos de performance entre uma placa mãe Intel e uma placa mãe com chipset Intel.
Resposta:
Muito pouca diferença de desempenho existe entre placas de CPU de fabricantes diferentes mas que usem o mesmo chipset. A própria PC Chips possui alguns modelos que operam com chipsets Intel. Existem inclusive outros chipsets de excelente desempenho, como os da VIA Technologies. Uma boa placa de CPU deve ter qualidade e desempenho. A qualidade está mais ligada ao fabricante, enquanto o desempenho está mais ligado ao chipset. Há algum tempo realizei uma enquete perguntando aos usuários quais consideram as melhores marcas de placas de CPU (veja a figura). Apenas em relação ao chipset, recomendo que não compre placas com o Intel i820 e SDRAM. Este chipset foi criado para usar memórias RAMBUS, e a Intel criou um chip chamado Memory Translation Hub (MTH) que permite o uso de memórias SDRAM com este chipset. O MTH apresentou problemas e as placas estão sendo devolvidas. Se você encontrar uma dessas placas no mercado, não a compre. A Intel já está providenciando a correção do problema, mas o mercado brasileiro ainda está cheio de placas que não puderam ser devolvidas (em geral por terem sido importadas por canais não oficiais).
2000_10
Melhores placas de CPU
OBS: A pesquisa tendeu a beneficiar a Asus, pois era na época (2000) a melhor placa de CPU entre as populares disponíveis no mercado. Considero que existem outras de melhor qualidade, como Intel, MSI e Supermicro. A Soyo atualmente (2003) já oferece qualidade melhor que a Asus.

45) Configuração de jumpers da placa mãe
Possuo um K6-2/350 64Mb placa ASUS P5A-b bios rev 1010, e instalei uma placa Diamond Stealth III XS540 Xtreme 32Mb AGP. Minha placa mãe aceita que mude o multiplicador para 4x, já que ele vem configurado para 2x? Seria necessária a instalação de um cooler adicional?
Resposta:
O processador K6-2/350 deve utilizar preferencialmente o clock externo de 100 MHz, suportado pela P5A-B. Clocks menores são usados apenas quando queremos aproveitar memórias antigas, que não suportam operar a 100 MHz. Se suas memórias forem adequadas, o clock externo deverá ser de 100 MHz, e o multiplicador deverá ser 3.5x. Usar 2x está errado, na verdade o K6-2 entende este multiplicador como 6x, ou seja, tentaria operar a 600 MHz. Obviamente isto não está ocorrendo, caso contrário o processador teria fritado. Calculo então que sua placa deve estar configurada com o clock externo de 66 MHz, que com o multiplicador 6x resulta em 400 MHz, valor este já acima das especificações do seu processador. Ele poderá sobreaquecer, apresentar travamentos e ter sua vida útil bastante reduzida. Programe então o seu clock externo para 100 MHz e o multiplicador para 3.5x, resultando em 300 MHz. Se sua placa estiver configurada para 66 MHz pelo fato das memórias serem antigas, use então o multiplicador 5.5x, você ficará com cerca de 366 MHz, valor que o K6-2/350 pode suportar sem maiores problemas. Não deixe também de conferir se o seu processador é realmente um K6-2/350. para fazer isso, é preciso abrir o gabinete e retirar o cooler que está encaixado no processador. Na face superior do processador estará indicado o seu clock. Faça isso apenas se você tiver experiência com hardware, senão peça ajuda a um amigo.
2000_03
Processador K6-2

46) PC com K6-2/300 não funciona com cache externa
Fiz uma atualização no meu PC adquirindo uma placa mãe Asus P5A-B, um processador AMD K6-2/300 e 64 MB de SDRAM tipo PC100. O PC está travando em vários aplicativos, e só funciona quando a cache L2 está desabilitada. Testei a memória cache com vários programas mas não encontrei erros.
Resposta:
O AMD K6-2/300, assim como todos os processadores modernos, dissipa muito calor. Para que funcione corretamente é preciso que utilize um cooler de tamanho grande (veja artigo a respeito em www.laercio.com.br). Melhor ainda é quando aplicamos pasta térmica entre o processador e o cooler. No site da AMD estão explicados os cuidados relacionados à temperatura dos seus processadores. Esses cuidados são seguidos pelos fabricantes de PCs, eu mesmo os recomendo em meus livros mas infelizmente a maioria dos PCs montados encontrados no Brasil não passaram por esses cuidados. Este é um ponto muito importante que deve ser verificado. O segundo ponto é a cache externa, localizada na placa de CPU. Existem casos de placas nas quais a cache L2 está defeituosa, e a solução é a troca da placa de CPU. A cache L2 pode ter defeito de fabricação ou pode ter sido danificada por eletricidade estática. Infelizmente a maioria dos vendedores não toma cuidado algum com a questão da eletricidade estática (o mesmo pode ser dito sobre a maioria dos usuários) e acaba danificando chips e placas. Leia artigo no meu site que explica os cuidados que devem ser tomados em relação à eletricidade estática. O revendedor deve realizar a troca da placa pelo fato da cache estar defeituosa. Não descarto ainda a possibilidade do próprio processador ter sido danificado por eletricidade estática.

47) Voltagem do K6-III
Ao instalar um processador AMD K6-2/450 em uma placa de CPU Asus P5A, encontrei no manual a indicação de que este processador usa 2.4 volts, mas no chip está indicado 2.2 volts. Deixei em 2.4 volts como diz o manual. O PC funciona bem, mas quando instalei uma câmera WebCam USB da Logitech, o alto falante passou a dar um beep contínuo e prolongado e o LED Power começou a piscar. O computador continua funcionando normalmente apesar disso.
Resposta:
Realmente existem versões do AMD K6-2 que operam com 2.2 volts internos e outras com 2.4 volts. Considere sempre como palavra final o valor impresso na parte superior do chip, e não o indicado no manual da placa de CPU. Ao deixar a tensão em um valor errado, o PC poderá apresentar comportamento errático. Se for usado um valor superior ao correto, o processador aquecerá muito, terá a vida útil reduzida e poderá até mesmo queimar. Volte a voltagem para 2.2 volts, as anomalias que ocorrem no seu PC podem ser causadas por esta tensão errada.

48) RAM e CACHE
Há dois anos atrás li um artigo na PC World que falava sobre o tamanho ideal da cache em função da quantidade de memória RAM. Compramos recentemente um servidor Compaq com 256 MB de RAM e apenas 512 kB de cache, e estou achando pouco. Gostaria de esclarecimentos sobre este ponto. O sistema operacional pode interferir na proporção RAM/CACHE?
Resposta:
Quanto maior é o desempenho da cache, maior é o ganho de velocidade experimentado pela memória RAM, isto é correto. O desempenho da cache, por sua vez, depende não apenas da sua quantidade, mas também da sua taxa de transferência frente ao processador. O Pentium IIIE, por exemplo, tem apenas 256 kB de cache L2, mas esta cache opera com o mesmo clock do núcleo do processador (por exemplo, em um modelo de 700 MHz, a cache L2 opera com 700 MHz), enquanto no Pentium II e no Pentium III, a cache L2, apesar de ter 512 kB, opera com a metade do clock do núcleo do processador. Por exemplo, em um modelo de 600 MHz, a cache L2 opera com 300 MHz. Levando em conta o tamanho e o clock da cache L2, o Pentium IIIE acaba levando vantagem sobre o Pentium III e Pentium II. Entretanto você está correto em suspeitar de alguma relação entre o sistema operacional e o tamanho da cache L2. Sistemas operacionais como o Windows NT, sob os quais temos uma grande quantidade de programas em execução simultânea, a importância da cache L2 é maior, tanto é assim que freqüentemente a Intel lança versões especiais dos seus processadores, com maior quantidade de cache L2, para uso em servidores. Seu servidor teria sim um melhor desempenho se a cache L2 fosse de 1 MB ou 2 MB, e também se a freqüência de operação da cache fosse mais elevada (no Pentium II Xeon e Pentium III Xeon, a cache L2 opera com a mesma freqüência do núcleo, assim como ocorre com o Pentium IIIE). De qualquer forma, não há como aumentar a quantidade de cache desses processadores. O que você pode fazer é trocar o processador por uma versão com cache L2 maior e mais rápida quando estiver disponível, caso tenha problemas de desempenho no seu servidor. Quando isto ocorrer, você pode também aproveitar para usar um clock maior no processador. Faça isso com a ajuda do fabricante do seu servidor.

49) Preciso de uma placa de CPU para K6-2
Estava querendo comprar uma placa mãe com processador AMD K6-2, mas queria saber qual seria a melhor placa e também o que vem onboard nela.
Resposta:
Cuidado, o mercado está cheio de placas de CPU que poderíamos classificar como B.O. (pode chamar de “bom para otário” ou “bom para office”). Placas com vídeo onboard resultam em um PC barato, mas o desempenho em jogos 3D é fraco demais, tornando inviável jogar. Além disso, quando usam memória compartilhada com o processador, acabam reduzindo o desempenho. Um K6-2/400 fica com desempenho inferior ao de um K6-2/350. Essas placas são boas para “office applications” (B.O.), ou seja, usar Word, Excel, Power Pointe, acesso à Internet e outras tarefas que os PC mais lentos conseguem cumprir bem. São portanto, “bom para office” (escritório). Se a intenção é usar o PC para jogos 3D, essas placas são inadequadas. Mesmo as que usam memória de vídeo própria (não compartilhada) utilizam um chip gráfico 3D modesto demais para os jogos 3D de última geração. As melhores placas de CPU são aquelas que não possuem vídeo, som, modem e rede onboard. Se uma dessas placas com tudo onboard for utilizada em um PC voltado para jogos 3D, então poderíamos chamá-la de B.O. (bom para otário). Quando o usuário descobre as limitações dessas placas, resolve remediar instalando uma placa de vídeo de verdade, mas o problema nem sempre é resolvido. Em muitas dessa placas não existe slot AGP. É preciso instalar uma placa de vídeo PCI, que tem taxa de transferência menor. Pior ainda, em muitas dessas placas, o vídeo onboard não pode ser desabilitado, fica operando como vídeo secundário e “roubando” parte do desempenho do processador. Recomendo uma placa Asus P5-AB ou uma FIC VA-503+, ambas encontradas com relativa facilidade no mercado brasileiro.

50) Desempenho de um K6-III
Gostaria de saber se o desempenho de 180.6 é normal, medido pelo Norton SystemWorks 2000 para um computador com placa PC Chips 598LMR com 64 MB de RAM (8 MB compartilhado com o vídeo) e chip K6-III/450. Esta nota é inferior à de um Pentium II/450. Como poderia melhorar o desempenho deste computador?
Resposta:
Não, está de fato um pouco baixo. O K6-III/450 deveria marcar algo em torno de 200, portanto está 10% mais lento que o normal. Isto se deve ao uso de memória de vídeo compartilhada com o processador. O chip gráfico passa o tempo todo lendo a memória de vídeo para transferir seus dados do monitor. Com a memória de vídeo compartilhada, o processador não pode ter a memória 100% do tempo à sua disposição, tendo que esperar para acessá-la. Daí vem a queda de desempenho. Algumas placas permitem desabilitar o vídeo onboard. Desta forma a instalação de uma placa de vídeo (de preferência AGP, se tiver slot deste tipo) resolverá o problema. Em muitas placas entretanto, o vídeo onboard não é desabilitado, e sim passa a operar como vídeo secundário. Continua funcionando e acessando a memória, e desta forma continua também reduzindo o desempenho do processador. Note que a queda de desempenho que você observou foi pequena. Processadores K6-2 chegam a ter quedas de 30% no desempenho.

51) Temperatura do Pentium II
Eu comprei recentemente um PII-400 montado em uma placa P3B-F c/ 64Mb de RAM, tudo isto está montado em um gabinete MID-ATX Troni c/ fonte de 300W, além disso eu possuo um HD seagate IDE 8.4Gb e um SCSI 2Gb, um HP-writer 4200i, DVD-ROM Pioneer, uma placa sound blaster 16, controladora SCSI 2910B, placa de fax-modem motorola, uma placa de video Viper 330 e outra Voodoo2. Aí vai o problema: eu não estou usando overclock e a temperatura da minha CPU está em torno de 68 graus!!! A temperatura da P3B-F fica entre 42 e 35 graus respectivamene.Para resolver isso eu coloquei um segundo ventilador na parte frontal do gabinete soprando para dentro, já que o vent. da fonte joga o ar quente para fora, fazendo isso a temperatura caiu para 64 graus… Usando o gabinete sem as laterais a temperatura da CPU fica em 59 graus. Essa temperatura é normal ? No site da Intel tem um manual que diz que a temp máxima recomendada para o PII é 75graus. O que eu posso fazer (além de deixar o gabinete aberto!!) para diminuir essa temperatura?
Resposta:
O Pentium II/400 dissipa quase 30 watts. Se você usar um bom dissipador acoplado ao processador com pasta térmica, (resistência térmica entre 0,5oC/W e 1oC/W, a elevação de temperatura do processador em relação ao interior do gabinete será de 15 a 30 graus. Somando 42 graus com 30 graus, temos 72 graus, quase no limite máximo do processador. Por outro lado, somando 42 graus com 15 graus temos 57 graus. É quase o mesmo que o meu Pentium II/400, que durante o funcionamento normal fica em torno dos 55 graus. A elevação de 15 graus da temperatura do processador em relação ao interior do gabinete é obtida quando usamos um cooler de bom tamanho, dotado de um bom ventilador. Também é preciso aplicar pasta térmica entre o processador e o cooler, caso contrário o processador ficará de 5 a 10 graus mais quente.
Outra coisa que você pode fazer é reduzir a temperatura interna do gabinete. É normal um gabinete ter o seu interior de 5 a 10 graus mais quente que o exterior. Ao abrir o gabinete você deixou a sua temperatura interna igual à externa, que é mais baixa, mas esta não é uma boa solução. A sua fonte joga o ar para fora, o que não é boa coisa. O ideal é a fonte jogar o ar para dentro, sendo direcionado para o processador. A maioria das fontes ATX joga o ar para dentro, mas não é o caso da sua. O ideal seria você trocar esta fonte por uma que joga o ar para dentro (melhor), e usar o ventilador frontal para jogar o ar para fora. Se você tiver habilidade eletrônica, nem precisa trocar a fonte. Basta abri-la e inverter os fios de alimentação do ventilador, que provavelmente foram conectados de forma errada.

52) Conferindo o clock do processador
Acabei de comprar um novo computador ( AMD K6 III 500 MHz.) numa loja confiável, mas ouvi falar que existem programas que lhe informam a velocidade real do processador, etc. Gostaria de saber também se existe um modo de se identificar um processador IN-BOX e aqueles de cartela ?????
Resposta:
Você fez uma boa compra. O K6-III é muito melhor que o K6-2, apesar de ser um pouco mais caro. Certamente você não sofrerá os problemas de lentidão comuns a vários usuários de PCs de baixo custo. Programas medidores de desempenho são muitos. Na Internet você pode obter gratuitamente o PC-Check (www.eurosoft-uk.com) que entre outras coisas, mede o clock do processador. Também o ZD Bench (www.zdbop.com) faz várias medidas de desempenho, e o Norton Sysinfo são programas indicados. Não existe diferença física entre processadores in-box e os de “cartela” (OEM). Alguns processadores in box são “colados” a um ventilador, mas não é o caso do K6-III. A diferença principal é o maior prazo de garantia. Se a loja comprou o processador por canais oficiais (ou seja, se não fez importabando), você terá direito a esta garantia maior.

53) AMD K6-III sai de linha
Recentemente ouvi falar que a AMD parou de fabricar os K6 III, gostaria de saber se isso é verdade. Gostaria de saber também quais são os melhores chipsets e mainboards para os K6 II e III e qual o desempenho relativo destes processodores em relação aos Pentium II e III.
Resposta:
A AMD tirou de linha o K6-III. Apesar de ser um excelente processador, seu custo de produção é elevado para a faixa de mercado na qual se situa, onde os outros concorrentes são o Celeron e o K6-2, bem mais baratos. A AMD continuará produzindo o K6-2 (você ainda encontra o K6-III nas lojas, nas versões de 400 e 450 MHz, vale a pena comprá-los, são bem mais velozes que o K6-2 e o Celeron) até aproximadamente o final de 2000, quando será lançado o seu substituto, o AMD Spitfire (Duron). Este processador é uma espécie de “Celeron de Athlon”, ou seja, uma versão simplificada do Athlon que utilizará soquete ZIF (um pouco maior que o Soquete 370 do Celeron) e terá custo mais competitivo. Processadores K6-2 a partir de 300 MHz apresentam desempenho inferior ao do Pentium II e Pentium III de mesmo clock. Já o K6-III apresenta desempenho quase igual ao do Pentium II/III de mesmo clock. A partir de 500 MHz, não encontramos versões do K6-III, e os K6-2 disponíveis são mais lentos que os modelos da Intel. Quanto aos chipsets e placas de CPU, existe um grande problema: praticamente todas as placas de CPU para K6-2 são de baixo desempenho e baixa qualidade (PC Chips & CIA). Sugiro um dos poucos modelos de boa qualidade e bom desempenho (sem vídeo e modem onboard, que reduzem o desempenho), a Asus P5-AB.

54) Aquecimento do K6-2
Tenho um computador AMD K6 II de 450Mhz com 64mb de RAM. Acontece que, na ao ligá-lo pela primeira vez aparentemente tudo funciona bem, depois de 15 minutos funcionando começa a travar, mostra a tela azul de erro de proteção fatal e as vezez quando não trava totalmente ele reinicia sozinho. Tenho o norton systemwork instalado e algumas vezes o norton crashguard consegue destravar. Na Segunda tentativa ele já abre em tela azul, clico em qualquer tecla e ele vai abrindo o menu iniciar, depois de cada tela azul, fica instável. Não consigo usar programas mais pesados, jogos ele só inicia e depois interrompe. Já fiz três reinstalações e nada resolveu. Aparentemente não há conflito de hardware e no norton windoctor corrijo erros de arquivos. Não apresenta mensagem de erro de registro. Tenho instalado no micro uma unidade de cdrw creative, uma hd de 8.4gb, placa de vídeo ATI Ranger de 4mb e placa mãe VIA com fax modem e rede on board. Peço uma ajuda já que como profissional de redes tentei tudo o que estava ao meu alcance.
Resposta:
Este é um caso típico de aquecimento. Os problemas ocorrem depois de alguns minutos de uso. Ao desligar e ligar novamente, ou mesmo resetar, os problemas aparecem imediatamente, sem o período original de 15 minutos. Apenas ao desligar o PC por um período mais longo (resfriamento), ele pode ser novamente ligado para funcionar por 15 minutos. O maior suspeito de estar sofrendo aquecimento é o processador K6-2. Este processador esquenta muito, e para que funcione corretamente é preciso usar um cooler de grande tamanho (cerca de 2 cm de altura, sem contar com o ventilador) e acoplado ao processador através de pasta térmica. Com essas providências o processador ficará de 10 a 20 graus mais frio, resolvendo os problemas de aquecimento. Parece uma redução de temperatura pequena, mas não é. Se a temperatura ambiente for de 30 graus, o interior do gabinete poderá estar a 40 graus. A temperatura máxima permitida para o processador poderá ser de 65 ou 70 graus, dependendo do modelo. Partindo de 40 graus, chegar a 70 é fácil. Se o seu processador ficar de 10 a 20 graus mais frio, pode ser o suficiente para que não ultrapasse a temperatura máxima permitida.

55) Processador K6-2 sai de linha
Estou para comprar um K6-II 500 mhz, mas soube que ele está saindo de linha e por isso deveria comprar um de 550 mhz. Seria desvantagem mesmo comprar um micro com esta configuração? Uma placa que suporta o K6-II 500~, suporta o de 550 MHz?
Resposta:
Sim, todas as placas de CPU para K6-2/500 suportam também o modelo de 550 MHz. Em muitas delas a escolha do clock é feita pelo CMOS Setup. Em outras é preciso utilizar os jumpers que definem o multiplicador (4x, 4.5x, 5x, etc.). O K6-2/500 usa o multiplicador 5x, e o K6-2/550 usa o multiplicador 5.5x. Muitas placas possuem em seus manuais apenas a indicação até 500 MHz. Esta é uma norma seguida pela maioria dos fabricantes. Indicam apenas os processadores que foram testados na época de fabricação da placa. Posteriormente, conforme são lançados novos processadores, são feitos novos testes e as especificações da placa são atualizadas no site do fabricante. Se você quer ter 100% de certeza, pode acessar o site do fabricante da placa de CPU, antes de comprá-la, e checar quais são os processadores suportados. Finalmente, lembre-se que existem placas com diferentes preços e qualidades, e que o vendedor sempre dirá que suas placas são boas.

56) Problemas com o Pentium III
Eu tenho um pentium3 500 e gostaria qual a temperatura adequada que ele deve trabalhar….. E também tenho outra duvida na configuração da bio está CPU:System Frequency Multiple esta configurado como 5.0x e eu gostaria de mudar p/ 4.0x so q não é possivel mudar no manual esta falando q essa configuração so da p/ mudar em processadores destravados então vem a minha 3º duvida como faz p/ “destravar” o processador??
Resposta:
A máxima temperatura externa do Pentium III/500 é de 75 graus. O ideal é mantê-la mais baixa, quanto mais baixa melhor. Temperaturas entre 55 e 65 graus podem ser obtidas com facilidade, através do uso de coolers adequados. O Pentium III/500 opera com 500 MHz internos e 100 MHz externos, seu multiplicador é 5x. O que você quer fazer é overclock, o que as versões atuais do Pentium III não permitem. No passado, muitos usuários “fuçadores” e vendedores desonestos aumentavam o multiplicador para obter clocks mais elevados, ou então aumentavam o clock externo e diminuiam o multiplicador para compensar. Visando proteger os usuários dessas alterações, a Intel “travou” os multiplicadores, ou seja, os sinais que chegam aos pinos que definem o multiplicador são ignorados, ao invés disso utilizam internamente um multiplicador fixo. Não é possível “destravar” este multiplicador. Os processadores Intel Celeron, AMD Athlon e AMD Duron também usam este mesmo recurso para evitar o overclock. O único tipo de overclock que ainda é possível fazer consiste em aumentar o clock externo, coisa que a maioria das placas de CPU permite. Aumentando o clock externo e mantendo fixo o multiplicador, automaticamente o clock interno aumenta. Aumenta também o aquecimento e diminui a confiabilidade.

57) Placa TXPro 2 e K6-2
Eu possuo uma placa mãe tx pro 2 da pcchips. Eu gostaria de saber se há compatibilidade com o processador amd k6 2 300mhz. Eu também gostaria de saber quais são as placas compatíveis com o processador.
Resposta:
Não, a TX PRO 2 não é compatível com as versões atuais do K6-2. É uma placa relativamente antiga, anterior ao lançamento desses processadores, pelo menos nas versões atuais. Esta placa ainda está no mercado para ser usada em manutenção e upgrades em computadores antigos. Por exemplo, alguém compra um processador Pentium MMX (segunda mão) e o instala em uma TX PRO 2, conseguindo assim produzir um PC bem baratinho. O modelo atual da PC Chips, compatível com o K6-2 é a M598, encontrada à venda com bastante facilidade. Não que eu recomende esta placa. Eu iria sugerir a Asus P5SB, que dá menos problemas que a 598.

58) Drivers da placa mãe
Gostaria de contar com vossa ajuda, pois preciso instalar em meu PC os drivers de video e som, e o vendedor não me forneceu o disco da placa mãe, onde e como posso fazer para conseguir estes drivers gratuitamente na internet ?
Resposta:
Este vendedor é um mau profissional. Se não forneceu o disco por esquecimento, menos mal. Volte a ele e exija este disco. Todo vendedor tem obrigação de fornecer ao cliente, os CDs ou disquetes com os drivers de todos os dispositivos deste computador. O erro é perdoável quando compramos um PC de segunda mão, afinal muitos usuários não sabem que esses drivers são necessários. Suponha entretanto que você não consiga mais localizar o vendedor (a empresa fechou, ou o vendedor se mudou, etc.). Você está então, quase “no mato sem cachorro”. A primeira coisa a fazer é identificar a marca e o modelo da placa de CPU (estou supondo que os circuitos de som e vídeo estão localizados nesta placa; se não for o caso, é preciso identificar a marca e o modelo da placa de som). Esta tarefa não é das mais difíceis para um bom técnico. Em geral basta abrir o computador para descobrir essas informações. Sem a ajuda de um técnico, a tarefa pode ser bem mais difícil. Use o programa CTBIOS, encontrado em www.laercio.com.br, para identificar a marca e o modelo da placa de CPU. Este programa informa ainda o endereço do site do fabricante da placa, pelo menos para um grande número delas. Com essas informações você pode acessar o site do fabricante e obter os drivers.

59) Upgrade para K6-III
Gostaria de saber se posso trocar meu processador K6-2 de 500Mhz (Compaq 7463) que tem plataforma Socket7 por um K6-III de 500Mhz e se esta alteração vai significar um bom aumento de velocidade ou apenas uma ligeira melhora. Já fui informado de que a troca da placa mãe e do processador por uma Asus com Athlon ou Duron seria muito bem vinda. Desde já gradeço vossa colaboração.
Resposta:
O K6-III é consideravelmente mais veloz que o K6-2 de mesmo clock. A diferença fica por conta da velocidade da cache L2. Enquanto no K6-2 a cache L2 trabalha com 100 MHz fixos, não importa qual seja o clock do processador, o K6-III tem uma cache L2 que opera com o mesmo clock que o seu núcleo. Isto significa que, por exemplo, em um K6-III/450, o clock da cache L2 é 450 MHz, contra apenas 100 MHz de um K6-2/450. Nos processadores atuais, é muito mais importante que a cache L2 seja veloz, e não apenas grande. Por isso o Pentium III antigo tinha 512 kB de cache L2, operando com a metade da freqüência do núcleo, enquanto o Pentium III novo (os modelos atuais) têm apenas 256 kB de cache L2, porém operando com a mesma freqüência do núcleo. Infelizmente o K6-III/500 não existe. Foi produzido apenas nas versões de 400 e 450 MHz. Eu mesmo estou escrevendo esta coluna em um PC equipado com um K6-III/450, ele tem desempenho similar ao de um Pentium II/450, e preço muito menor. Portanto você não vai conseguir fazer este upgrade. Se encontrar um K6-III/450, vale a pena instalá-lo no lugar do K6-2/500, ou mesmo do K6-2/550.
O desempenho dos processadores Athlon e Duron é bastante superior ao do K6-2 e do K6-III. Será entretanto necessário trocar a placa mãe por uma que tenha “Socket A”, próprio para esses processadores. Um exemplo é a Asus A7V.