Home » Artigos arquivados » 1999 – Upgrades (Perguntas e Respostas)

1999 – Upgrades (Perguntas e Respostas)

1) Conflitos no modem
Tenho um Pentium Pro de 180 MHz, 32 MB EDO DRAM, 256 kB de cache, unidade de CD-ROM 8X, placa de som AWE32, placa de vídeo ATI Graphics Pro Turbo PCI com 2 MB de VRAM, disco Western Digital de 2,1 GB e modem interno Sportster Voice 33.600. Até alguns dias atrás usava um modem de 14.400 e tudo corria bem. Resolvi adquirir o modem descrito acima. Primeiro foi detectado um conflito de interrupção, que deixou de ocorrer quando desativei a COM2 no BIOS. O Windows 95 resolveu instalar o placa na COM3 e sempre diz (no Gerenciador de Dispositivos) que a COM2 está causando um conflito de recurso. Não consigo mais alocar recursos como sugere a Solução de Conflito do Windows 95, pois ainda uso o ZIP Drive, impressora e scanner, ou seja, não há quase nada (ou nada mesmo) de recursos sobrando no sistema. É um problema grave? Como resolver? O modem tem funcionado bem, mas por duas vezes, o Windows 95 o jogou para a COM4 e o listou como apresentando conflito. Tenho só mais uma pergunta: não tenho mais slots ISA livres, mas dois PCI me restam. Os recursos (como o Windows 95 chama IRQs e outras coisas) parecem não estar sobrando. Pergunto: posso instalar uma placa aceleradora 3D, como a Monster 3D, que trabalha junto com a 2D que já tenho) sem me preocupar com estes recursos?
Resposta:
Você está tendo problemas para instalar uma nova placa de modem, mas a sua placa antiga estava funcionando corretamente, e com os seus recursos devidamente (COM e IRQ) já alocados. A instalação da nova placa não funcionou porque, sendo provavelmente Plug and Play, o Windows 95 aloca novos recursos. A antiga placa, instalada pelo processo convencional (programação manual dos recursos através de jumpers) estava configurada corretamente, e infelizmente a placa Plug and Play, apesar de usar a instalação automática, não conseguiu ter o mesmo sucesso. Faça então o seguinte:
Anote os recursos que estavam sendo utilizados pela antiga placa (COM e IRQ).
Desative o recurso PnP da nova placa, bastando para tal, configurar os jumpers de COM e IRQ, como explica o seu manual.
Desative a antiga placa através do Gerenciador de Dispositivos. Basta selecioná-la e pressionar o botão Remover.
Coloque a nova placa e ligue o computador. Verifique no Gerenciador de Dispositivos, através do ítem Computador/Propriedades, se a COM e a IRQ ocupadas pela antiga placa continuam livres.
Use o comando Adicionar Novo Hardware no Painel de Controle. Ao ser perguntado se deseja que o Windows detecte seu novo hardware, responda que não. Será apresentada a seguir uma lista de tipos de hardware, na qual você deve selecionar a opçãp Modem.
Marque a opção “Não detectar o modem”
Será apresentada uma lista de fabricantes e modelos de modems. Ignore a lista e clique sobre o botão “Com Disco”. Indique a letra do drive de CD-ROM e coloque o CD que acompanha a sua placa de modem, que provavelmente tem a inscrição “Connections, Installation, Internet & Communications Software”. Selecione o diretório raiz deste CD.
Será feita uma leitura, e a seguir será apresentada uma lista de modelos suportados. Selecione o modelo Sportster Voice 33.6.
Terminada a instalação, selecione o modem no Gerenciador de Dispositivos e clique em propriedades. Verifique se os recursos estão corretos (COM e IRQ). Se não estiverem altere-os, indicando o modo como foram programados os jumpers.
Configure os parâmetros do modem, usando o Painel de Controle. Ative a discagem por pulsos, caso necessário, indique o código de cidade e país, etc.
Você já pode agora testar os programas de comunicação que já estavam presentes.
Se você quiser instalar qualquer nova placa, é preciso antes verificar se existem slots disponíveis, e também se existem recursos de hardware (endereços de E/S, IRQ e DMA) disponíveis. Esta informação é obtida através do Painel de Controle. Provavelmente você ainda tem IRQs livres. Talvez o IRQ10, IRQ11 ou IRQ12. Um deles deve estar sendo usado pela sua placa controladora de scanner, e os outros dois estão livres. Consulte o manual do seu scanner e descubra quais são os endereços de E/S, canais de DMA e linhas de interrupção (IRQ) que estão sendo usados. Muitas dessas placas não são reconhecidas pelo Gerenciador de Dispositivos do Windows 95 (verifique se é o seu caso), apesar de poderem funcionar perfeitamente. O problema é que neste caso, o Windows 95 pensará que os seus recursos estão livres, e poderá tentar destiná-los a outras placas, causando conflitos de hardware (o scanner não funcionará, e nem as outras placas que utilizam os recursos conflitantes). Para que isto não aconteça, defina manualmente os recursos utilizados pela placa de scanner. Para isto, execute o Gerenciador de Dispositivos, selecione Computador e use o botão Propriedades. Selecione a guia Reservar recursos, e indique-os manualmente.
A propósito, uma das formas de chegar ao Gerenciador de Dispositivos é clicando o ítem Meu Computador com o botão direito do mouse, escolhendo a opção Propriedades no menu apresentado, e selecionando a guia Gerenciador de Dispositivos.

2) Impressora x ZIP Drive
Possuo um Pentium-100 com 64 MB, kit multimídia 6X da Creative Labs, gravador de CD-ROM HP 6020i, placa de vídeo Diamond Stealth PCI com 2 MB, fax/modem US Robotics de 28.800 bps Winmodem, um ZIP Drive Iomega externo e uma impressora Canon 610. O que acontece quando uso o ZIP drive, a máquina trava, a menos que eu retire antes do WIN.INI o WPSLOAD.EXE, o programa que gerencia a impressora Canon. Será que a instalação de uma segunda interface paralela resolveria o problema? Minha máquina só possui slots PCI livres, e por acaso tenho uma controladora PCI.
Resposta:
Você pode usar esta sua placa em qualquer slot PCI disponível, já que todos os slots ISA estão ocupados. Será preciso desabilitar todas as interfaces desta placa, exceto a paralela. Também será preciso configurar a sua interface paralela para que opere com um outro endereço de E/S diferente daquele que já é ocupado pela sua primeira interface paralele. Povavelmente a primeira está usando o endereço 378 e a interrupção IRQ7. Você pode constultar o Gerenciador de Dispositivos para verificar quais são os recursos usados. A nova placa precisará também de uma interrupção livre, diferente daquela que é usada pela primeira interface paralala. Se você conseguir fazer essas configurações com sucesso, poderá instalar o ZIP Drive nesta nova interface.
Ainda assim, sugiro que você faça mais uma tentativa. Tenho um ZIP Drive e uma Canon 620, e ambos convivem bem. É possível que este problema seu tenha sido corrigido nos novos drivers da Canon ou do ZIP Drive. Dê um passeio pela Internet (http://www.canon.com e http://www.iomega.com), e veja se o problema é comum, e se os novos drivers o resolvem.

3) IRQ da placa de som se altera sozinha
No meu Cyrix 6×86, com 32 MB de RAM, dois discos rígidos, placa SVGA Trident e placa Sound Blaster 16, estou tendo o seguinte problema: quando uso a placa de som pelo DOS, a IRQ usada é 5, o endereço é 220 e tudo funciona bem. Já quando vou para o Windows 95, as configurações da placa de som são alteradas (apesar dos drivers serem carregados), e os jogos para DOS não funcionam mais. O Windows 95 diz usar a IRQ10, eu posso até mudar para IRQ5, mas não funciona. Também segundo o Windows 95, a IRQ5 está sendo usada pela LPT2, mas quando estou no DOS, está livre. A minha impressora está em LPT1.
Resposta:
Tudo indica que a sua IRQ5 está sendo usada pela porta paralela, por isso o Windows 95 se recusa a deixar a placa de som usá-la. Procure no CMOS Setup do seu computador, em uma seção provavelmente chamada de “Peripheral Configuratoin”, as opções para uso de recursos (endereço e IRQ) da interface paralela. Normalmente são oferecidos os endereços 278, 378 e 3BC, sendo que o 378 é o default. Quanto à IRQ, normalmente são oferecidas a IRQ5 e a IRQ7. Mude para IRQ7, e você poderá usar a sua placa de som na IRQ5.

4) Upgrade vale a pena?
Tenho um IBM Aptiva com Pentium-75, 16 MB de RAM, disco de 850 MB, drive de CD-ROM 4X e fax/modem de 14.400 bps. O que vale mais a pena, vender meu PC atual e comprar um novo ou fazer upgrades no meu PC? Qual é uma configuração recomendável para o novo modelo? É verdade que o Pentium MMX é capaz de executar todos os programas que funcionam nos Pentiums comuns?
Resposta:
Sou favorável à realização de upgrades, mas a operação pode ser economicamente inviável quando é preciso trocar muitas peças. Um PC considerado avançado para os padrões atuais (nov/99), sem ser exageradamente caro, deveria ter em sua configuração:
• Processador com pelo menos 400 MHz
• Memória cache L2 com no mínimo 512 kB
• 32 MB ou 64 MB de memória SDRAM
• Disco rígido de no mínimo 10 GB
• Placa de vídeo 3D AGP com no mínimo 8 MB
Para chegar a uma configuração como esta seria preciso trocar muitos componentes do seu computador, o que pode ser desvantajoso financeiramente. Leve em conta ainda que trata-se de um computador original IBM, o que o torna valorizado no mercado de PCs usados. No seu lugar, eu venderia o PC para adquirir um novo.
Quanto à úlima pergunta, pode ficar tranqüilo. O Pentium MMX e todos os processadores superiores são inteiramente compatíveis com o Pentium comum, ou seja, executa perfeitamente todos os programas para o Pentium comum.

5) Upgrade em 386
Comprei meu computador 386DX-40, upgradeable para 486, em 1993. Sei portanto que minha placa de CPU aceita o 486. Gostaria de saber se posso instalar na mesma, um 486DX4-100 e como fazê-lo.
Resposta:
Se você possui o manual da sua placa de CPU, nele você encontrará todas as instruções para fazer o upgrade do processador. O manual dirá quais são os processadores que a placa aceita (certamente não aceita o 486DX4-100, lançado em 1994, se a sua placa é de 1993), e também as instruções sobre os jumpers que devem ser alterados para suportar o novo microprocessador. Uma solução alternativa seria comprar uma nova placa de CPU, já equipada com o 486DX4-100 (ou AMD 5×86-133), e acompanhada do seu manual. Note que processadores 486/586 e placas de CPU apropriadas não são mais fabricadas, portanto você precisará comprar este material no mercado de segunda mão.

6) 486, P24T, P24D
Tenho um 486DX4-100 em uma placa de 586, com 24 MB de RAM (16 EDO e 8 comum), drive de CD-ROM 4X, placa SB16, disco de 540 MB compactado com o DriveSpace 3, Windows 95 e placa de vídeo Cirrus Logic com 1 MB.
O manual fala sobre um soquete ZIF, e sobre processadores P24T e P24D. Será que posso usar um processador Pentium?
Resposta:
O P24D é uma versão especial do 486DX2 da Intel, equipado com memória cache interna do tipo “Write Back”. O P24T é o chamado “Pentium Overdrive”. Internamente é equivalente a um Pentium, e externamente é similar a um 486. No lugar de um 486DX2-66, pode ser instalado um Pentium Overdrive de 83 MHz, que não é substancialmente mais veloz que o seu 486DX4-100, não sendo portanto vantajoso este upgrade. Como sua placa de CPU é do tipo 586, certamente permite a instalação de um AMD 5×86 de 133 MHz, 33% mais veloz que o seu 486DX4-100. É bastante barato, e apesar de um pouco difícil de encontrar, é mais fácil que os Overdrivers P24T.

7) Upgrade com Overdrive ou 5×86?
Tenho um 486DX4-100 e quero instalar um processador mais rápido, mantendo a mesma placa. As opções suportadas são AMD 5×86 e Pentium Overdrive P24T. Qual é o mais indicado?
Resposta:
Se você instalar um 5×86 de 133 MHz, terá um aumento de desempenho de cerca de 33% em relação a um 486DX4-100, o que vale a pena, visto que este microprocessador (caso você o encontre à venda) está custando menos que 50 dólares. Por outro lado, o Pentium Overdrive para 486 opera com no máximo 83 MHz, é apenas 20% mais veloz que o 486DX4-100 e custa muito mais caro. Sugiro que você opte pelo 5×86. Leve em conta entretanto, a instalação de uma nova placa de CPU, equipada com o Pentium. Os preços estão cada vez mais baixos, e o desempenho é muito maior.

8) Overdrive para Pentium-75
Tenho um Pentium-75, da Itautec, e gostaria de saber qual é o Overdrive de máxima velocidade que posso instalar.
Resposta:
O Pentium-75 pode ser substituído apenas pelo Pentium Overdrive de 125 MHz. Entretanto, a Intel recomenda que esta instalação seja feita sob supervisão do fabricante do PC, no seu caso a Itautec, já que nem todas as placas de CPU estão preparadas para receber um Overdrive. Sem este cuidado, a instalação do Overdrive pode resultar em fracasso.

9) Upgrade com Pentium MMX
Gostaria de saber se minha placa de CPU Pentium-133 genérica, em cujo manual não está indicado o nome do fabricante, poderá aceitar um upgrade para o Pentium-MMX de 200 MHz. Segundo o manual, é suportada qualquer versão do Pentium, de 75 a 200 MHz. O chipset é o Triton, BIOS Award e 256 kB de cache.
Resposta:
A instalação do Pentium MMX nem sempre pode ser feita no caso de placas que não foram projetadas para suportá-lo. Consulte o manual da placa de CPU e verifique se entre as opções possíveis de microprocessador, está indicado o Pentium MMX. Se não estiver, a instalação não poderá ser feita.
Um dos problemas que podem inviabilizar a instalação de um Pentium MMX em uma placa de CPU Pentium que não foi projetada para suportá-la é o seu duplo sistema de voltagem. São necessárias tensões diferentes para alimentar os circuitos internos e os circuitos que fazem contato com o barramento externo. Faça a instalação apenas se a sua placa trouxer instruções específicas sobre o MMX. Observe mesmo antes do lançamento do Pentium MMX, existiam à disposição dos fabricantes de placas de CPU, especificações e protótipos do Pentium MMX, e por isso muitos já produziram placas preparadas para recebê-lo. Portanto, se você comprou sua placa de CPU alguns meses antes do lançamento do Pentium MMX, existe a possibilidade de que possa suportá-lo. Consulte o seu manual.
Existe uma outra opção para instalar um MMX em uma placa de CPU Pentium, que é o uso do chamado Pentium Overdrive MMX. Atualmente, estão disponíveis as seguintes versões:
• Overdrive MMX de 125 MHz, para ser instalado no lugar de um Pentium-75
• Overdrive MMX de 150 MHz, para ser instalado no lugar de um Pentium-90
• Overdrive MMX de 166 MHz, para ser instalado no lugar de um Pentium-100
Este Overdrive pode ser instalado em placas de CPU Pentium comuns, que não possuem o sistema duplo de voltagem que o Pentium MMX exige. Entretanto, não é totalmente garantido que o Overdrive MMX funcionará. Segundo a Intel é preciso, antes de mais nada, consultar o fabricante da placa de CPU para verificar quais os seus modelos que suportam o Overdrive MMX. Você pode também consultar o fabricante do próprio computador, caso trate-se de um micro de marca. Se for um micro sem marca, nem adianta, já que esses pequenos montadores não costumam manter o mesmo modelo de placa em todos os seus PCs.
Através da Internet é possível obter maiores informações sobre a compatibilidade com o Pentium MMX. A Intel colocou no seu site, uma lista com vários modelos de placas que já foram testadas e funcionaram com o MMX. Muitos fabricantes de placas de CPU também possuem em seus sites na Internet, informações sobre esta compatibilidade. Consulte os sites de fabricantes de placas de CPU, encontrados na nossa área de links.

10) Upgrade de um Pentium-200
Tenho um Pentium-200 com 32 MB de RAM tipo EDO, disco rígido de 2,1 GB, uma unidade de CD-ROM 2X e uma placa de vídeo PCI com 2 MB de memória. Trabalho muito com Photoshop, Corel Draw e 3D Studio. Por isso, peciso de uma máquina com desempenho elevado. Gostaria de saber então, o que resultaria em melhor velocidade com esses programas, uma placa de vídeo mais rápida, mais memória ou um novo processador?
Resposta:
Seu computador tem uma configuração razoável e merece alguns upgrades que certamente trarão mais produtividade no seu trabalho. Existem dois grandes pontos muito fracos no momento, que são o drive de CD-ROM e a placa de vídeo. Caso você não use com freqüência programas que acessam CDs, pode continuar usando o drive 2X. Sua única desvantagem será uma demora bem maior durante a instalação de programas em CD. A placa de vídeo realmente é deficitária, e vale a pena instalar um modelo mais novo e de maior desempenho, com 4 MB de memória.
Com 32 MB, seus programas funcionarão bem, mas se você reservou dinheiro para upgrade, vale a pena compara mais 32 MB, já que você trabalha intensamente com processamento gráfico. Finalmente, você pode fazer um upgrade de disco rígido, caso esteja considerando pouco o espaço disponível.
Os 200 MHz do seu processador atendem bem à demanda da maioria dos softwares, mas você poderá encontrar lentidão em operações complexas, como renderização e aplicação de filtros especiais. Considere seriamente a instalação de um novo processador com no mínimo 400 MHz, junto com a respectiva placa de CPU.
Uma última opção de upgrade que pode ser bastante útil, já que você deve ter muitos arquivos gráficos de grande tamanho, é usar um meio de backup com alta capacidade. Recomendo portanto, o JAZ Drive. Cada um dos seus “disquetes” armazena nada menos que 1 GB, e você pode usar quantos quiser. Se achar caro, use pelo menos um ZIP Drive.

11) Upgrade de processador
Minha placa de CPU está com um Pentium-200 instalado, mas suporta até Pentium-233 MMX. Quero fazer este upgrade, mas gostaria de saber se para isto é preciso reformatar o disco rígido. Digo isto porque quando troquei minha placa de CPU 486 para Pentium-200, o computador ficou lento, pois tudo estava configurado para 486. Depois que formatei e instalei tudo, o computador ficou bem rápido.
Resposta:
Quando é feita apenas a troca do microprocessador, não é preciso reinstalar o Windows, nem fazer alterações na sua configuração. Já no caso da troca da placa de CPU (por exemplo, de 486 para Pentium), é necessário fazer algumas alterações na configuração, ou de uma forma mais radical, instalar tudo novamente. Pode retirar o chip Pentium-200 e instalar o Pentium-233 MMX, alterando os jumpers de acordo com o manual da sua placa de CPU, e o sistema irá funcionar perfeitamente.

12) Instalação de PAD
A COM1 do meu computador estava com o mouse, e a COM2 com o modem. Comprei um PADII da Wacom, que exige uma porta serial. O técnico não conseguiu instalar esse PAD, que trabalha com caneta de radiofreqüência. Ele instalou no Windows 95 mas não funcionou. Mandei fazer uma caixa comutadora serial para ligar o mouse e o PAD, que foi colocado em COM4 para evitar conflito de IRQ, mas nada adiantou.
Resposta:
Quando vamos instalar um novo dispositivo serial, o melhor a fazer é usar a COM2. Para isto, devemos remanejar a placa fax/modem para que opere como COM3 ou COM4 (de preferência COM3, pois algumas placas de vídeo usam endereços da COM4, causando conflitos). Também é preciso fazer com que a placa fax/modem utilize outra IRQ, tipicamente a IRQ9. Ao instalar a placa fax/modem desta forma, ficarão livres a COM2 e a sua interrupção, a IRQ3. O novo dispositivo poderá ser instalado na COM2, sem perigo de conflitos. Para checar se isto funciona, ou se existe outro problema, retire provisoriamente o modem do computador, e desabilite-o no Gerenciador de Dispositivos. Para isto, selecione o seu quadro de propriedades e desmarque o quadro “Configuração Atual”, no campo “Utilização do Dispositivo”. Depois do boot, o modem estará completamente ausente. Ative a COM2 no CMOS Seutp, para que use o endereço 2F8 e IRQ3. Execute um boot, e o Windows 95 deverá apresentar a COM2 no Gerenciador de Dispositivos. Desligue o computador, conecte o PAD na porta serial. Ligue o computador e faça a instalação do software do PAD. Depois que estiver funcionando, será preciso reinstalar o modem. Se for um modelo Plug and Play, tente alterar o endereço para 3E8 e a interrupção para IRQ9. Se a alteração for aceita, desligue o computador e conecte o modem. Ao ser ligado, o modem estará reconfigurado. Se não for possível alterar os recursos de hardware, será preciso removê-lo do Gerenciador de Dispositivos e repetir a sua instalação. Como a COM2 e a IRQ3 já estarão em uso, o modem (caso seja do tipo Plug and Play) ocupará outro endereço e outra IRQ. Se o modem não for Plug and Play, a programação do endereço e da IRQ serão feitos através dos seus jumpers. Contulte também os artigos sobre instalação de modems, na área de artigos deste site.

13) O que é DMA?
O que é, e como funciona o Acesso Direto à Memória (DMA)?
Resposta:
O DMA é usado em transferêncais de grupos de dados em casos nos quais o microprocessador não pode ser sobrecarregado. Em uma tranferência de DMA, seqüências de dados presentes em uma área de memória são envidos diretamente para um dispositivo de E/S, sem intervenção direta da CPU. Quem faz o trabalho de transferência é o circuito controlador de DMA (antigamente era o chip 8237A, agora está embutido no chipset). Desta forma, em um jogo o microprocessador pode ficar dedicado a processar o teclado e movimentar gráficos na tela, ao mesmo tempo em que o controlador de DMA envia para a placa de som, seqüências de áudio digitalizado, em intervalos de tempo constante. O microprocessador só precisa indicar ao controlador de DMA, qual é o número de bytes a serem transferidos, qual é o endereço inicial de memória, e qual é o intervalo de tempo entre bytes (ou words) consecutivos. Ao terminar a transferência, o controlador de DMA avisa à placa de som, que por sua vez interrompe a CPU para indicar que o trecho já foi transferido.
Transferências de DMA também são usadas em dispositivos SCSI, e ainda nos atuais discos IDE que operam a 33 MB/s (Ultra DMA 33). Curiosamente, drives de disquetes também usam DMA, apesar de serem muito mais lentos. A razão disso é que quando o PC foi lançado, o microprocessador 8088 era tão lento que não tinha condições de manipular sozinho os bytes a serem transmitidos e recebidos dos disquetes. Apenas com DMA era possível a transferência. Por questões de compatibilidade, as transferências de disquetes por DMA foram mantidas até os dias atuais.

14) Upgrade com o Turbo Chip
Comprei um PC Compaq importado, originalmente com um 486SX-33, no qual o processador foi trocado por um Overdrive 486DX2-66 (já comprei com o upgrade, feito de fábrica), com 8 MB de RAM e HD de 540 MB. Gostaria de saber se ele permite mais upgrade, por um 586 de 133 MHz ou um Pentium Overdrive de 83 MHz. Existe alguma limitação de hardware ou de BIOS para isso? No caso de um 586 de 133 MHz, tenho que comprar um chip Overdrive ou o de linha normal serve?
Resposta:
A Kingston (011-532-2868) comercializa um produto chamado Turbo Chip. Trata-se de uma pequena placa de circuito na qual está montado um microprocessador AMD 5×86-133, um regulador de voltagem e um microventilador. Com ele, um 486DX-25, SX-25 ou DX2-50 passa a operar em 100 MHz (clock interno de 100 MHz, externo de 25 MHz), e um 486DX-33, SX-33 ou DX2-66 passa a operar com 133 MHz (clock interno de 133 MHz, externo de 33 MHz). Neste último caso, o desempenho é o equivalente ao de um Pentium-75, no que diz respeito à velocidade de processamento. No seu caso, o desempenho global do computador só será realmente melhorado se for feita uma expansão para 16 MB de RAM. O custo do Turbo Chip é significativamente superior ao de um AMD 5×86-133 padrão (que não pode ser instalado na sua placa, devido à incompatibilidade de voltagem e também do controle do clock interno). Seu objetivo é permitir o upgrade em placas de CPU antigas, que não estão preparadas para receber um 5×86-133 comum. Portanto, antes de decidir pela expansão, consulte o manual da placa de CPU. Se for de fabricação recente, provavelmente estará especificada a possibilidade de instalação de um 486DX4-100, 486DX4-120 ou 5×86-133. Será melhor portanto adquirir o chip normal, da versão mais rápida permitida. Em placas de CPU mais antigas (como provavelmente é o caso da sua), o microprocessador 486 mais veloz permitido fica limitado a 33, 50 ou 66 MHz. Velocidades superiores só podem ser obtida mediante o uso de Overdrives, como é o caso do Turbo Chip.
Note entretanto que a possibilidade de sucesso na instalação não pode ser 100% assegurada. Em algumas placas de CPU, o 486 está soldado, e existe um soquete vazio para a instalação de um Overdrive. Esta instalação pode requerer o remanejamento de jumpers, o que não pode ser feito caso o usuário não possua o manual da placa de CPU. Também é possível a ocorrência de problemas resultantes de incompatibilidade de BIOS. Como o seu PC é um Compaq, existe a grande possibilidade de já ter sido testada a compatibilidade pela Kingston, mas este teste prévio não poderá ser feito no caso de PCs “sem nome”. Nesse caso, para quem não quer correr o risco, sugiro a substituição da antiga placa de CPU 486 por uma nova placa de CPU, já equipada com o Pentium. Pelo preço pago por um Turbo Chip, é possível comprar uma placa de CPU com processador de no mínimo 300 MHz. Aí existem outros problemas. Dependendo do caso, pode ser preciso adquirir novas memórias, e também substituir a placa de vídeo. Existem upgrades simples e upgrades baratos, mas as duas coisas ao mesmo tempo, é muito difícil encontrar.

15) Upgrade em um 486DX4-100
Meu computador é um 486DX4-100, com 16 MB de RAM (4 módulos de 72 vias), 256 kB de cache, HD de 1 GB, placa de vídeo Diamond PCI com 1 MB, drive de CD-ROM 4X, Sound Blaster e Windows 95. Pretendo comprar um módulo de memória de 32 MB, ficando com 44 MB, e um chip Pentium Overdrive que, de acordo com o fabricante, irá transformá-lo em um Pentium-133. Preciso também de uma placa de vídeo mais veloz, com mais memória e recursos 3D. O novo módulo de memória pode causar alguma incompatibilidade com os outros? O processador Pentium Overdrive é confiável (ou estável)? Ouvi falar que sua voltagem é de 5 volts, contra 3,5 volts do DX4-100. Como faço a mudança de voltagem? O ganho de velocidade realmente equivale ao de um Pentium-133? O tamanho do slot do processador é o mesmo do Overdrive?
Resposta:
O seu vendedor está equivocado. O Pentium Overdrive mais veloz para ser instalado em PCs 486 é o de 83 MHz. Como o barramento do 486 é mais lento que o do Pentium além de operar com 32 bits (contra 64 de um Pentium genuíno), o desempenho obtido será comparável ao de um Pentium-75, e o gasto será muito elevado (sairá mais barato comprar uma placa de CPU nova, equipada com um processador ainda mais veloz). Note que a Intel não assegura a completa compatibilidade dos seus processadores Overdrive em relação a placas de CPU 486 ditas “sem nome”. Sugiro portanto que você faça a substituição da placa de CPU. A questão que você levantou sobre a voltagem é verdadeira. O Pentium Overdrive para 486 foi feito para ser instalado em placas de CPU 486 de até 66 MHz, e nestas, a alimentação do processador em 5 volts era muito comum. Por isto, o Overdrive recebe 5 volts, disponível no soquete do 486, e faz a conversão para a sua própria voltagem.
Trocando a placa de CPU, ou mantendo da placa de CPU 486, não será possível manter os 4 módulos de 72 vias em conjunto com um novo módulo de 32 MB, pois nenhuma dessas placas de CPU (exceto em raríssimos casos) possui soquetes suficientes. No caso da placa antiga, provavelmente existe 4 soquetes, e como todos estão ocupados, uma expansão requer a substituição. Consulte a tabela de configurações de memória no manual da sua placa de CPU (que varia de uma placa para outra). Talvez a sua placa permita a combinação 32+4+4+4, totalizando assim, 44 MB. Se não for o caso, procure outra combinação que aproveite ao máximo os seus módulos antigos. Também no caso do 486, provavelmente será necessário usar um novo módulo do tipo FPM, já que a maioria esmagadora das placas de CPU 486 não aceita memórias EDO. Por outro lado, se você vai comprar uma placa de CPU nova, pode aproveitar dois dos seus módulos FPM de 4 MB, ambos instalados em um banco, e adquirir mais dois módulos EDO de 16 MB, para instalar em outro banco.

16) Instalação de SCSI em 486
Comprei uma placa SCSI Adaptec-2920A PCI para nela conectar um scanner e um ZIP Drive no meu PC 486 de 100 MHz, com slots VESA, ISA e PCI. O computador ficou inativo, nem aparecia nada na tela. Achei que era um conflito e comecei a tirar as outras placas uma por uma, tentando descobrir qual era a causadora do conflito. Não consegui descobrir nada, mesmo com apenas a placa SCSI conectada o computador ficava completamente inativo. Tentei alterar os jumpers da placa de CPU e descobri que a placa SCSI só funcionava quando o clock do processador era múltiplo de 25 (50 e 75 MHz), não funcionando com as outras opções (33, 40 e 50 MHz). Inclusive com 25 MHz, o Windows 98 detectou a placa sem problemas. Achei estranho, pois esta placa funcionou perfeitamente em um Pentium, que usa o clock externo de 66 MHz.
Resposta:
Esta é uma placa PCI. Os slots PCI operam tipicamente com um clock de 33 MHz. Se você configurar o 486 para o clock externo de 40 MHz, este será o clock enviado para o barramento PCI. A placa SCSI não irá tolerar esses 40 MHz, muito menos os 50 MHz. O clock externo de 50 MHz em placas de CPU 486, apesar de estar quase sempre presente, raramente funciona. Para um 486DX4-100, o recomendável é usar o clock externo de 33 MHz, e o multiplicador 3x. Por outro lado, a placa SCSI deveria funcionar com o clock externo da CPU em 33 MHz. Tente desativar itens no Advanced Chipset Setup relacionados com a velocidade do barramento PCI, como PCI Streaming. Desconfie também da versão beta do Windows 98, ela pode ser a culpada pelo não funcionamento em 33 MHz. Tenho aqui uma placa SCSI parecida com a sua (AHA2940A), e uma placa de CPU 486DX4-100 parecida com a sua, e tudo funciona perfeitamente, no Windows 3.x e no Windows 95. Com o Windows 98 beta 3 ainda não testei.
Você citou que o Pentium opera com clock externo de 66 MHz, é verdade. Ocorre que os slots PCI as placas de CPU Pentium operam com a metade do clock externo do processador, ou seja, 33 MHz. A sua placa SCSI funcionou então perfeitamente com 33 MHz no Pentium. No caso dos PCs 486, o clock do barramento PCI é igual ao clock externo do processador, e não à metade, como ocorre com o Pentium. Faz sentido a placa não funcionar com 40 ou 50 MHz de clock externo no 486, e também faz sentido funcionar com 25 MHz. Não faz sentido que não funcione com 33 MHz, e você poderá fazer tentativas de ajustes, mas não ao ponto de quebrar a sua cabeça. Já vi alguns chipsets para placas de CPU 486 (UMC) apresentarem algumas anomalias no funcionamento, não em relação ao SCSI, mas a placas de vídeo PCI e a discos rígidos. Alguns resolvi com ajustes no CMOS Setup, reduzindo a velocidade do barramento PCI (usando wait states, desligando o PCI Streaming, etc), mas outras anomalias não consegui sanar, e simplesmente desisti, por não confiar 100% na qualidade do hardware de certas placas de CPU.

17) Conversão de 486 em Pentium
Estou com um probleminha sério aqui. A alguns meses decidi passar meu 486 DX66 para um Pentium 166 de 16 mega. Quando o Micro voltou estava uma beleza, mas começou a dar uns bugs que nunca aconteceram. Quando iniciava o Windows aparecia uma mensagem no Prompt do DOS “erro ao iniciar o registro do Windows, você precisa reiniciar o windows”. Depois de algumas tentativas consegui entrar no Windows. Esse problema não dava toda hora, um dia sim outro não. Levei o micro para outra empresa de Informática. Ele disse que o problema era o Winchester. Troquei o Winchester por um de 3.5GB da Quantum, e o erro continuou. Depois ele disse que era a placa mãe, e que o “Cooler” (o ventilador) estava parando e estava esquentando muito. Levei o micro para a loja que tinha comprado a placa mãe, ele trocou o ventilador e fez um teste, disse que era o Disco (Winchester). Decidi levar o micro em Poços de Caldas para um rapaz que conhece bem do assunto. E ele disse que quando um ventilador para ele estraga a placa, exigiu que eu pedisse outra placa. Agora um fala que era o Winchester e outro fala que era a placa Mãe. Gostaria que você me desse um solução para isso.
Resposta:
É possível que tanto a placa de CPU e o processador, como o disco rígido, estejam em perfeitas condições. Provavelmente quem trocou a placa de CPU não o fez da forma correta. Para fazer esta troca, é preciso entrar no Gerenciador de Dispositivos e remover todos itens da seção Dispositivos do Sistema. Se isto não for feito, o Windows 95 pensará que ainda está usando a sua antiga placa de CPU. Mesmo detectando os dispositivos da nova placa, o Registro fica meio “maluco”, como se existissem dispositivos das duas placas de CPU. Depois de remover todos os dispositivos do sistema através do Gerenciador de Dispositivos, desligue o computador e faça a troca da placa de CPU. Quando for ligado novamente, os dispositivos da nova placa serão detectados, e não entrarão em conflito com os antigos dispositivos, ausentes fisicamente porém indicados no Registro. Como a instalação já foi feita, você terá que corrigir agora o problema. Entre no Gerenciador de Dispositivos e remova todos os itens da seção Dispositivos do Sistema. Alguns desses itens serão da nova placa de CPU, outros serão da antiga. Reinicie o Windows, e os dispositivos da nova placa serão novamente detectados, e o problema estará resolvido. Se o problema não puder ser resolvido desta forma (normalmente pode), você terá que reinstalar o Windows 95.
Quando o microventilador para de funcionar, o processador realmente fica muito aquecido, e poderá ficar danificado, mas não significa necessariamente que isto ocorreu. A placa de CPU, excluindo o processador, não sofre dano algum com a falha no microventilador. O que você pode fazer é instalar um microventilador de melhor qualidade. É também importante que, para evitar o aquecimento excessivo, seja aplicada pasta térmica entre o processador e o microventilador. Qualquer técnico de hardware pode fazer esta aplicação.

18) Conflito entre modem e mouse
Caro Laércio, estou com um problema que me incomoda bastante. Possuo um modem U.S Robotics 28.800 e um mouse Microsoft Serial. O que acontece é que quando estou usando o modem, no momento em que realizo a conexão com o servidor, o mouse trava. Sou então, obrigado a me virar com o teclado. Como posso resolver isso? Será que o problema se deve ao caso de que o modem estar ligado na porta COM2 e o mouse na COM1? Ajude-me, não agüento mais ficar teclando Alt, Tab, etc….
Resposta:
Tem alguma coisa muito errada na configuração das portas seriais do seu computador, ou então a informação que você forneceu está errada. Quando o mouse está na COM1 e o modem está configurado como COM2, tudo deve funcionar perfeitamente. Talvez o seu modem esteja na verdade configurado como COM3, ou talvez o mouse esteja na verdade ligado na COM2. Faça o seguinte:
1) Entre no CMOS Setup e desabilite a COM2. Você encontrará este comando no item Peripheral Configuration, ou Integrated Peripherals, ou algo parecido. Deixe apenas a COM1 ativa.
2) Entre no Windows 95 e verifique se o mouse está funcionando. Através do Gerenciador de Dispositivos, selecione o item Portas (COM & LPT), e aplique um clique duplo sobre o item COM1. No quadro apresentado, selecione a guia Recursos, e verifique se está correto o endereço (3F8) e a interrupção (IRQ4).
3) Ainda no Gerenciador de Dispositivos, remova o seu modem (basta aplicar um clique sobre o modem e a seguir no botão Remover). Faça o mesmo com a porta COM2, caso esteja presente.
4) Reinicie o computador e repita a instalação do modem. Se o modem for do tipo Plug and Play (provavelmente é), será automaticamente detectado pelo Windows 95. Use os procedimentos de instalação descritos no manual do seu modem. Será feita a sua instalação como COM2, e usando a IRQ3, já que a COM2 da sua placa de CPU está desabilitada.
5) Terminada a instalação, use o gerenciador de dispositivos para conferir os recursos da COM1 (3F8, IRQ4) e da COM2 (2F8, IRQ3). A COM2 está agora ocupada pelo modem (não a COM2 da placa de CPU, e sim, a porta serial embutida no seu modem). Os conflitos terão desaparecido.

19) Upgrade da placa de CPU
Tenho um PC equipado com Pentium-166 que ainda considero satisfatório, mas gostaria de aproveitar a queda de preços dos processadores, e instalar um mais veloz. Quais são as opções? Posso trocar apenas o processador, ou tenho que trocar também a placa de CPU?
Resposta:
Para ter acesso aos processadores mais modernos, você precisará trocar também a placa de CPU. A maioria das placas de CPU que eram vendidas com processadores Pentium-166 só chegavam no máximo ao Pentium-200, ou então ao Pentium MMX/233. Procure uma placa equipada com um chipset para 100 MHz, como o Via Apollo MVP3 ou o ALI Aladdin V. Nessas placas você poderá instalar qualquer processador AMD K6-III, K6-II, K6, Cyrix M II ou mesmo os mais antigos Pentium e Pentium MMX. O clock máximo suportado para os processadores dessas placas é de 600 MHz.
Você também pode optar pela linha da Intel, com Pentium II, Celeron e Pentium III. Nesse caso, também será preciso comprar uma nova placa de CPU. Note entretanto que na maioria dos gabinetes (padrão AT), essas placas ficam muito apertadas. O ideal para esses processadores é usar um novo gabinete, padrão ATX. Se quiser manter o seu atual gabinete, será preciso comprar uma placa de CPU padrão AT.
Provavelmente será preciso comprar também memórais novas. No seu antigo processador existem memórias SIMM/72. Essas memórias podem ser instaladas em placsa com o chipset MVP3, mas ocorre uma ligeira queda de desempenho, já que só poderão operar com o clock externo de 66 MHz, ao invés dos 100 MHz disponíveis nessas placas. Melhor opção será usar memórias novas, do tipo SDRAM, padrão PC-100 e encapsulamento DIMM/168.

20) Indicação de clock do Pentium
Gostaria de saber como identificar visualmente um processador Intel de 200 MHz. Em um processador de 166 MHz que comprei, existe impresso na parte superior, o número 166, mas no de 200 não tem. Quando o instalei no computador, o BIOS o identificou como sendo de 166 MHz, e não de 200.
Resposta:
Os primeiros processadores Pentium possuíam a identificação do seu clock em ambas as faces, superior e inferior. Os mais recentes, como é o caso do Pentium-200 e do Pentium MMX, em todas as suas versões, possuem a indicação de clock apenas na parte inferior. Na parte superior, existe apenas uma pequena chapa metálica de formato quadrangular com a inscrição Intel Pentium, ou Intel Pentium MMX. Na parte inferior desses processadores, você identificará uma inscrição como 80502-200 (se fosse Pentium MMX, seria 80503-200), o que indica o clock de 200 MHz. Quando um processador é instalado em uma placa de CPU, não irá operar necessariamente com o seu clock correto, mas sim, com o clock que é programado através dos jumpers da placa. Se a sua placa estava configurada para 166 MHz, e nela você instalou o Pentium-200, este irá operar com 166 MHz, e assim será detectado pelo BIOS. Confira na parte inferior do processador se o seu clock é realmente de 200 MHz, e programa os jumpers da placa de CPU (será preciso consultar o seu manual) para este valor de clock. Você verá que desta forma o clock de 200 MHz será corretamente detectado.

21) Processadores Intel, Cyrix e AMD
Gostaria de fazer um upgrade no meu computador para MMX 233. Gostaria de saber quais são as vantagens e desvantagens entre os processadores Amd-K6, Intel e o Cyrix? E se a configuração da placa mãe e a mesma para os três ou se depende da marca? Minha placa mãe e a VX PRO.
Resposta:
O Pentium MMX da Intel só chega ao clock de 233 MHz. Já o AMD K6 pode ser obtido com clocks superiores, como 266 e 300 MHz. Os mais modernos K6-2 e K6-3 chegam a clocks ainda mais elevados. Entretanto, nem todas as placas de CPU suportam esses processadores (exceto as de fabricação mais recente). Você precisa consultar o manual da sua placa, e verificar se existem jumpers para clock de 266 MHz. Se chegar a 600 MHz, provavelmente chegará também a valores maiores, até 400 MHz. Também é preciso procurar no seu manual, instruções para programação da voltagem interna do processador. O AMD K6-2, por exemplo, nas suas versões mais novas, opera com 2,2 volts, o K6-3 usa 2,4 volts. O 6x86MX, produzido pela Cyrix, requer 2,9 volts. De um modo geral, na face superior dos processadores, encontramos as indicações das voltagens interna (Core) e externa (I/O). A voltagem externa é 3,3 volts em todos os processadores modernos, mas a interna pode variar bastante, dependendo do processador. Por isso as placas de CPU modernas permitem uma programação da voltagem interna do processador, podendo variar de 2,0 volts até 3,5 volts.
As placas de CPU que não são tão modernas só permitem programar o clock máximo de 233 MHz. Se você quiser aproveitar uma placa antiga, e usar clocks mais elevados, pode optar pelos processadores Cyrix 6x86MX. Seu rendimento é bem maior que o do Pentium MMX, se considerarmos clocks iguais. Por exemplo, o Cyrix 6x86MX PR266, apesar de operar com o clock de 233 MHz, apresenta desempenho similar ao de um Pentium MMX de 266 MHz (apesar do Pentium MMX só chegar até 233 MHz).
Note ainda que a sua placa de CPU não é uma “VX PRO”. É uma placa, de um certo modelo e de um certo fabricante, equipada com o chipset VX PRO. Será preciso consultar o seu manual para checar quais são os clocks e voltagens suportados, e isto independe do chipset utilizado.
Quanto às vantagens e desvantagens, tenho no meu laboratório todos os tipos de processadores, inclusive o AMD K6, K6-2, K6-3 e o 6x86MX. Todos funcionam muito bem, sem mostrar problemas de compatibilidade com software algum. Inclusive o PC que passo a maior parte do tempo usando, é equipado com um AMD K6-3 de 450 MHz, que funciona perfeitamente.

22) Instalação de dispositivos SCSI
Tenho um computador com uma placa SCSI Adaptec AHA2940 e um disco removível Syquest de 270 MB. O problema ocorre quando tento ligar os periféricos SCSI em série. Segundo o manual da placa, o procedimento seria ligar o Syquest ao computador e o scanner ao Syquest. Porém feito isto, o computador trava, pois a máquina tenta realizar o boot através do Syquest. O endereçamento da placa SCSI, que vai de 0 a 7, informa que a placa utiliza o ID 7, o disco rígido ID 6, o scanner ID 5 e o Syquest ID4. O scanner pode ser alterado para qualquer ID, porém com o Syquest a configuração é um pouco mais difícil. Como devo proceder para que não ocorram mais conflitos?
Resposta:
Os dispositivos SCSI não são fáceis de configurar como ocorre com os dispositivos IDE. Existem algumas regras que devem ser seguidas. Primeiro, a placa controladora deve preferencialmente usar o SCSI ID 7. No BIOS dessas placas, existe suporte para discos rígidos SCSI, porém devem usar o SCSI ID 0 ou 1. Com outros valores, é preciso instalar drivers apropriados no CONFIG.SYS.
Outra questão muito importante é a terminação. Condidere o barramento SCSI como uma linha, formada por cabos, na qual estão ligados os dispositivos e a placa controladora. Os dois dispositivos (incluindo aí a placa) presentes nas duas extremidades desta linha devem ter suas terminações instaladas, enquanto todos os dispositivos presentes no meio devem ter suas terminações desativadas. Por exemplo, se na placa controladora ligarmos dois dispositivos SCSI internos através de um cabo flat, as terminações devem ser usadas na placa e no dispositivo localizado na extremidade do cabo. O dispositivo ligado no meio do cabo deve ficar sem a terminação. Se for usado um disco rígido interno, um scanner ligado no conector SCSI externo da placa, e um drive Syquest ligado no scanner, então as terminações devem ser ativadas no disco rígido e no Syquest. No caso da placa AHA2940, a ativação dos resistores de terminação é feita através do utilitário SCSI SELECT, ativado quando pressionamos CONTROL-A durante o boot. No caso dos demais dispositivos, os resistores de terminação podem ser instalados ou desinstalados manualmente, ou através de jumpers.

23) Conflitos de hardware
Todos os PCs do meu trabalho são equipados com Windows NT 4.0 ou Windows 3.11, por isso não temos a facilidade de usar o recurso Plug and Play. Então minha maior dificuldade é a configuração de IRQ, DMA, etc de novos dispositivos que instalo. Eu gostaria que você me desse uma verdadeira aula para que eu possa saber o melhor caminho para esses problemas de conflito, e se existe algum programa útil e simples para isto.
Resposta:
Este é um problema que os usuários do Windows NT 4.0 sofrem. Considere seriamente a realização de Upgade para o Windows 2000 (que na verdade é o Windows NT 5.0), que é compatível com o padrão Plug and Play. Muitos dispositivos modernos, sendo PnP, não podem ser usados com o Windows NT 4.0. Antes de comprar esses dispositivos, você deve checar quais são compatíveis com o Windows NT 4.0. No caso do Windows 3.x, o problema é menos crítico, pois muitos dispositivos ainda são compatíveis com este sistema. Normalmente são fornecidos juntamente com utilitários para a configuração e ativação de dispositivos Plug and Play, coisa que não é necessária no Windows 95 e no 98, que já fazem isto automaticamente. Em muitas placas de CPU de fabricação recente, o próprio BIOS faz o gerenciamento e a ativação dos dispositivos Plug and Play, bastando para isto que no CMOS Setup seja desabilitada a opção “Boot with PnP OS”. Desta forma, como foi declarado que o sistema operacional não é PnP, o BIOS se encarregará do trabalho de ativação desses dispositivos.
Além da questão da incompatibilidade com dispositivos PnP, existe o problema dos drivers. Nem todos os fabricantes produzem para os seus produtos, drivers para o Windows NT 4.0. Este é um problema que você terá que enfrentar, e em muitos casos a instalação não será possível. No Windows 2000 este problema não existe mais, já que os drivers produzidos para o Windows 98, compatíveis com o padrão WDM (Windows Driver Model) funcionam também no Windows 2000.
A aula sobre IRQ, DMA que você deseja pode ser encontrada na área de artigos deste site. Leia o artigo “Instalações sem conflitos de hardware”.

24) Placa IDEPLUS PCI
Ouvi falar sobre uma placa IDEPLUS PCI. Gostaria de saber onde poderia comprá-la.
Resposta:
Logo que surgiram as primeiras placas de CPU com barramento PCI, vi à venda algumas dessas placas, por cerca de 50 dólares. As placas de CPU passaram então a embutir os circuitos da IDEPLUS, e esta caiu em desuso. A última vez que vi uma dessas placas foi no stand da Tropcom em uma feira de informática. Pelos correios, você pode comprar na JDR Microdevices (http://www.jdr.com ), mas eu tentaria antes procurar nas lojas de informática da rua Santa Ifigênia, em São Paulo. Muitas delas anunciam nos classificados de informática da Folha de São Paulo.

25) Incompatibilidade entre CD-ROM e ZIP Drive.
Fiz um upgrade da minha placa mãe DX2-66 para uma com chipset DX Pro 2 com vídeo e som onboard e processador Pentium-166 MMX. Quando instalo o ZIP Drive ele desabilita o drive de CD-ROM. Pensei que fosse problema do Windows 95 OSR2, então instalei o Windows 95 comum mas o problema continuou.
Resposta:
Você esqueceu de dizer se o seu ZIP Drive é do tipo paralelo (conectado na porta de impressora) o IDE (ligado em uma das interfaces IDE da placa de CPU). Se for do tipo IDE, seria bom que indicasse também como o seu disco rígido, o drive de CD-ROM e o ZIP Drive estão distribuídos pelas duas interfaces IDE da placa de CPU. Lembre-se que esses drives possuem jumpers que os configuram como Master e Slave. A forma mais natural de fazer a instalação é deixar o disco rígido como Master na controladora IDE primária, e deixar o drive de CD-ROM e o ZIP Drive instalados na controladora secundária. Se ocorrerem problemas, inverta os jumpers master/slave do drive de CD-ROM e do ZIP Drive (isto é, tente CD-ROM=master e ZIP=slave, e também CD-ROM=slave e ZIP=master). Se ainda assim tiver problemas de não reconhecimento (confirme o reconhecimento através do Gerenciador de Dispositivos), experimente colocar o drive de CD-ROM como slave na controladora IDE primária, junto com o disco rígido. Nesse caso, será preciso configurar no disco rígido, o jumper “slave present”. Você pode também tentar remanejar a letra usada pelo drive de CD-ROM para que não entre em conflito com o ZIP Drive. No Gerenciador de dispositivos, clique sobre o drive de CD-ROM e no quadro apresentado selecione a guia Configurações. Marque os campos “Primeira letra da unidade” e “Última letra da unidade” com uma letra que ainda não esteja sendo usada, por exemplo, “H”. Reinicie o computador e verifique se agora ambos são reconhecidos.
Se o ZIP Drive for do tipo paralelo, você não poderá remanejá-lo pelas interfaces IDE, mas poderá alterar a letra do drive de CD-ROM como mostramos acima.

26) Joystick não instala
Recentemente adquiri um joystick PC Mission, 2 eixos e 2 botões, e assim começou o meu problema. O Win95 reconheceu o novo hardware e instalou o driver da OPTi Plug and Play normalmente sem nenhum conflito como pude observar no Gerenciador de Dispositivos. Todos os jogos que tenho sob DOS reconhecem o joystick sem nenhum problema como Quake, Heretic, etc. Já os jogos sob Win95 não o reconhecem. Fui ao Painel de controle, entrei no controlador de jogos e verifiquei que não havia nenhum controlador selecionado. Peço para adicionar o controlador para Joystick 2 eixos e 2 botões e nada acontece. Simplesmente, quando clico em Ok, volta-se a caixa anterior sem que nenhum controlador apareça selecionado. Já fiz de tudo, reinstalei os drivers de joystick manualmente ou não, já reinstalei a placa de som e nada. O que pode estar acontecendo?!
Resposta:
Você esqueceu apenas de mencionar o modelo da sua placa de som, o que poderia me ajudar a dar uma resposta mais direcionada para o seu problema específico, mas mesmo assim acho que a solução que apresento servirá. O seu PC possui realmente uma porta de joystick padrão que está funcionando perfeitamente, já que jogos para MS-DOS reconhecem o joystick. Normalmente o problema que você descreve ocorre quando a interface de joystick não é reconhecida pelo Windows 95, ou então quando não está com o seu driver corretamente instalado. Entre no Gerenciador de Dispositivos (clique em Meu Computador com o botão direito do mouse e escolha a opção Propriedades, depois selecione a guia Gerenciador de Dispositivos). A seguir aplique um clique duplo no item Controladores de som, vídeo e jogo. Lá você deverá encontrar o item relacionado ao joystick. Se não encontrar, ou se estiver presente mas com um ponto de exclamação sobre o seu ícone, significa que não está corretamente instalado. Clique sobre o botão Remover para repetir a sua instalação. Talvez você não esteja fazendo corretamente a instalação da placa de som, no item que diz respeito à interface para jogos. Se você tiver dificuldades, pode instalar o driver genérico para joystick, através do Painel de Controle. Use o comando Adicionar Novo Hardware, responda não à detecção automática e escolha a opção Controladores de som, vídeo e jogo. Será apresentada uma lista de fabricantes de modelos. Selecione o fabricante Microsoft, e o modelo “Joystick para porta de jogos”. Terminada esta instalação, você poderá repetir a declaração do joystick no Painel de Controle, que desta vez funcionará.

27) PCI Bridge
Montei um Pentium-II 300 há um mês com 64 MB de RAM, formatei meu HD de 2,6 GB com a versão win95 4.00.950.B “FAT 32”. Instalei os drives padrão da placa mãe que é: processador INTEL 82371AB BUS MASTER IDE CONTROLLERS. Possuo placa Fax Modem 56k padrão Flex, com Voz Drive CD-ROM 32X Monitor Digital 15 polegadas e placa som Sound Blaster 32 placa de vídeo S3 virge PCI 3D com 4 MB.
Desculpe pela sinuosa descrição desta maquina, após tudo instalado configurado e funcionando, encontrei em: Painel de controle / Propriedades do sistema / Outros dispositivos / é solicitado uma atualização do dispositivo PCI-Bridge. Não consegui encontrar no meu CD da placa mãe o drive necessário para este dispositivo. Gostaria de receber de vocês a dica de onde encontrá-lo na Internet e quais os passos corretos para a sua instalação.
Resposta:
Isto é perfeitamente normal, apesar de não afetar o funcionamento do seu computador. O problema é que o Windows não está reconhecendo o chip 82371AB, e desta forma não utiliza todos os seus recursos. Desta forma o disco rígido não poderá operar no modo Ultra DMA. Como o seu disco rígido é de 2,6 GB, acredito que não suporte o Ultra DMA (existem exceções, mas os primeiros discos Ultra DMA a serem lançados apresentavam capacidades de 4 GB e superiores). Se isto estiver correto, o disco opera no máximo em PIO Mode 4, e já estará na sua máxima velocidade, mesmo sem utilizar todos os recursos do 82371AB. Se um dia você instalar um disco rígido capaz de operar no modo Ultra DMA, precisará instalar o driver Ultra DMA (também chamado de Ultra IDE) apropriado. Este driver está localizado no CD-ROM que acompanha a sua placa de CPU. Usuários que não receberam este CD têm a opção de instalar o driver fornecido pela Intel, que pode ser obtido em:
http://support.intel.com/support/chipsets/
Usuários do Windows 98 não precisarão tomar esta providência, já que o Windows 98 reconhece os chipsets mais recentes, sem a necessidade de drivers adicionais.

28) Hardware para o Windows 98
Tenho um computador Pentium-100, 32 MB de RAM, multimídia 8x, placa de vídeo com 4 MB, fax/modem de 33.600 bps, HD de 1,7 GB. Entre os softwares instalados tenho o Windows 95, Office Pro 97, VB5, Corel 6.0, Internet Explorer 3.0, e restam no meu HD, 144 MB. Com esta configuração poderei instalar o Windows 98 sem dor de cabeça? Me informaram que a outra alternativa seria a instalação do Internet Explorer 4.0, que tem alguns pontos parecidos com o Windows 98, mas outras pessoas me disseram que o Explorer 4.0 está com bastante bugs. O que você me aconselha? Caso eu precise comprar um novo HD, o que seria mais indicado: substituir o antigo pelo novo ou deixar ambos operando em conjunto?
Resposta:
Todo o seu hardware é adequado à instalação do Windows 98, apesar da Microsoft recomendar no mínimo um Pentium-133. O Pentium-100 não fica muito atrás em termos de performance. Uma diferença de 25% a menos no desempenho não comprometerá o uso do sistema nem irá trazer problemas, principalmente quando levamos em conta que o computador tem 32 MB de memória. O ponto fraco é realmente o disco rígido, não por ter capacidade baixa, mas pelo fato de existirem muitos softwares pesados instalados, o que deixa pouco espaço livre. Já que você é usuário de softwares como esses, é realmente necessário adquirir um novo disco rígido. É possível encontrar opções baratas com capacidades entre 3 GB e 9 GB. Seja como for, é bem melhor manter ambos os discos instalados. Como o disco novo provavelmente terá um desempenho maior que o do antigo (é o que normalmente ocorre, pois discos de maior capacidade em geral apresentam maior desempenho), é recomendável usar o novo disco como primeiro (Master), e deixar o antigo como segundo (Slave). Na prática, isto significa usar o novo disco como C, e o antigo como D. Esta instalação é um pouco trabalhosa, e deve ser feita apenas por quem já tem experiência no assunto. Em linhas gerais, é preciso instalar o disco novo como Slave, copiar os arquivos do disco antigo para o novo, e depois trocar os discos de função, deixando o antigo como Slave e o novo como Master. Depois de testado o PC com o novo disco, podemos formatar o antigo (particularmente só faço isso depois de no mínimo uma semana de uso intensivo). Você poderá usar agora o disco antigo, por exemplo, para fazer backup dos dados mais importantes, ou então para instalar softwares que não serão de uso permanente (por exemplo, jogos ou softwares em versões de demonstração).
Manter o Windows 95 e apenas instalar o Internet Explorer 4 não terá o mesmo efeito que instalar o Windows 98. A maior vantagem do novo sistema é a correção dos antigos bugs do Windows 95. A instalação do IE4 apenas fará com que o uso da Área de Trabalho fique parecido com o do Windows 98. Quanto aos bugs, sempre existem, já que os fabricantes correm para lançar novos softwares antes mesmo de estarem totalmente testados. De um modo geral, versões mais novas terão menos bugs. O IE4 que acompanha o Windows 98 é mais novo que o originalmente lançado, e irá trazer menos problemas.
Aproveite ainda para dar uma olhada nos artigos que escrevi sobre o Windows 98, na área de artigos deste site.

29) Conversão de 486 em Pentium
Possuo um computador 486 DX2-66-MHZ com 32 MB de RAM e HD de 3,2 GB e CD-ROM de 24X, porém, por não ser um Pentium, não tem um bom desempenho com a maioria dos novos programas. Geralmente passa uma eternidade para rodar os programas ou quando roda, fica muito lento o seu desempenho. Gostaria de saber quais os equipamentos, placas etc., que eu devo comprar para que ele se torne um Pentium MMX e não dê mais dor de cabeça quando eu rodar os programas e por aproximadamente quanto sairia esse grau no meu computador.
Resposta:
Um 486DX2-66 com 32 MB é um PC veloz para executar programas criados até 1994, ou no máximo 1995. A partir daí os novos programas passaram a assumir que seriam executados em um Pentium. Como você quer executar sempre os softwares mais novos, é possível que cada vez mais tenha este tipo de problema. Curiosamente, a quantidade de memória RAM e a capacidade do seu disco rígido são bastante generosas, e o processador é realmente o seu ponto fraco. A primeira coisa que você vai precisar é uma placa de CPU. Compre uma placa equipada com os chipsets MVP3 ou Aladdin V, de boa marca como Asus, Soyo, FIC ou A-Trend. Essas placas suportam processadores AMD ou Cyrix de até 600 MHz. Você pode também optar pela linha Intel, com Pentium II, Pentium III ou Celeron-A, com placa de CPU apropriada.
Outra questão importante são as memórias. Caso o seu 486DX2-66 utilize memórias SIMM de 72 vias, estas poderão ser aproveitadas na nova placa de CPU (exceto se você escolher um Pentium II, já que as placas para este processador normalmente operam apenas com memórias DIMM/168). Caso você esteja usando as velhas memórias SIMM de 30 vias, esqueça, não poderão ser aproveitadas. Existe ainda a ser considerado o caso da placa de vídeo. Se for do tipo PCI, poderá ser utilizada em conjunto com a nova placa de CPU, mas se for do tipo VLB (aqueles antigos modelos, muito comuns em 1994, que utilizavam 3 conectores), você também precisará substituí-la.
Outro detalhe a ser considerado é o seu disco rígido. Em PCs antigos, discos rígidos com mais de 512 MB precisavam ser instalados com o auxílio de um driver LBA, como o EZ Drive ou o Disk Manager. Em PCs mais modernos, o BIOS já possui a função LBA, e o Disk Manager ou EZ Drive não precisam ser usados. Caso o seu disco rígido utilize um software como este, você pode mantê-lo com a nova placa de CPU, mas precisará desabilitar no CMOS Setup a função LBA. Caso deseje desabilitar este software, precisará habilitar no CMOS Setup a função LBA e utilizar o seguinte comando:
FDISK /MBR
Isto fará com que o Disk Manager ou o EZ Drive sejam removidos. Depois disso será preciso usar o programa FDISK para particionar o disco rígido e o programa FORMAT para realizar a formatação lógica. Observe que isto faz com que todos os dados do disco rígido sejam perdidos.
Para maiores informações a respeito da conversão de 486 em Pentium, sugiro a leitura de artigo sobre o assunto, disponível na área de artigos deste site.

30) Upgrades de memória e disco rígido
Tenho um Pentium 166 MHz com 16 MB de RAM e uma amiga tem um 486DX2-66 com 4 MB de RAM, e me interesso bastante no aumento da memória do meu micro assim como minha amiga. É possível colocar um só pente de memória no 486 ou ele tem que ser em par? E no Pentium é obrigatório ser em par? Em relação ao 486, o HD é pequeno e não possibilita a instalação do Windows 95. Ao colocarmos um HD de, por exemplo, 3.5 GB, teremos que reconhecê-lo como secondary master ou primary slave? Pode ocorrer conflito com a placa mãe? Caso haja a possibilidade de conflito, o que devemos fazer? Pretendemos instalar o Win95 para depois acessar a Internet, por isso a necessidade de aumentar o espaço de disco. Durante a instalação do Win95, você recomendaria no HD antigo ou novo, se é que seria possível? E por último, no mercado há uma diferença até alarmante de preços entre as placas de fax/modem, por exemplo: placa US Robotics 33.6Kbps R$120,00 enquanto que a mesma só que pró-terra por R$70,00. Realmente existe um diferença que justifique o preço da placa US Robotics? Se existir, qual é esta diferença, e é importante em um futuro acesso à rede?
Resposta:
Em placas de CPU 486, módulos de memória do tipo SIMM/72 podem ser instalados de um em um, e não aos pares como ocorre nas placas de CPU Pentium. Note entretanto que os módulos devem ser do tipo FPM, e não EDO. São muito raras as placas de CPU 486 que aceitam módulos EDO (os mesmos tipos usados nas placas de CPU Pentium). Como o seu é um 486DX2-66, relativamente antigo, acredito que só aceite módulos FPM. Quando surgiram placas de CPU 486/586 com suporte para módulos EDO, o 486DX2-66 praticamente não era mais encontrado à venda, e o mínimo encontrado era o 486DX4-100. Tome cuidado, pois o módulo FPM é fisicamente idêntico ao módulo EDO. É possível que muitos vendedores não saibam a diferença. Por outro lado, se a placa de CPU for muito antiga, é possível que aceite apenas módulos SIMM de 30 pinos, que não são mais encontrados à venda. Para ter mais memória, será preciso trocar a placa de CPU.
Quanto ao disco rígido, recomendo que seja feita a sua instalação como Primary Master. O disco antigo deve ser convertido para Primary Slave. Isto é feito através dos jumpers dos discos. Em ambos os discos, você encontrará no manual, ou então estampadas na carcaça metálica, as instruções para a configuração desses jumpers. Como o disco novo certamente apresenta um desempenho muito superior ao do antigo, recomendo que o sistema operacional, bem como a maioria dos softwares, sejam instalados no disco novo. O disco antigo pode ser usado, por exemplo, para backup.
Os modems da US Robotics pertencem ao time de primeira linha. Podemos encontrar modems de segunda linha, consideravelmente mais baratos. Esta é uma economia que não vale a pena. Na época em que os modems Zoltrix eram oferecidos no mercado a preços bem inferiores aos da US Robotics, eram muito comuns as cartas que eu recebia de usuários, relatando problemas com esses modems baratos. Agora os modems Zoltrix praticamente não são mais encontrados à venda. As próprias lojas se recusam a oferecê-los aos clientes, graças à grande quantidade de reclamações. Como regra geral, os modems baratos são de qualidade inferior, e devem ser evitados. Outros modems de primeira linha encontrados no Brasil são o Motorola e o Diamond.

31) Conexões do gabinete
Há pouco tempo fiz o upgrade de meu computador, passando para um Pentium-200 MMX, chipset i430TX. Tudo funciona perfeitamente. Só não consegui ligar o Turbo LED e o Turbo Switch. Na nova placa, ao invés dessas conexões, existem SUS SW e SUS LED. Como faço para conectá-los?
Resposta:
As placas de CPU modernas não utilizam mais a chave Turbo, nem o LED Turbo. Os gabinetes modernos também não apresentam essas conexões. Por outro lado, placas e gabinetes novos apresentam conexões para uma chave usada para colocar o computador no modo suspend. Neste modo, o computador fica ligado, porém paralisado, consumindo pouca energia. Você pode ligar a saída SUS LED da sua placa de CPU no seu antigo Turbo LED, e ligar a entrada SUS SW no antigo Turbo Switch. Apenas deverá tomar cuidado ao usar esta chave. Essas chaves são em geral ativadas por contato momentâneo, assim como é o botão de RESET. O Turbo Switch não faz contato momentâneo, ele opera de forma estática, ficando com o contato aberto ou fechado. Para ativar o modo suspend, você terá que apertar o botão Turbo, e depois apertá-lo novamente, gerando o mesmo efeito de um contato momentâneo.

32) Desmontando o PC para instalar o Windows
Meu PC é um Pentium-166 MMX, placa mãe VX-PRO, 64 MB de RAM, Sound Blaster AWE64 PnP, drive de CD-ROM, scanner Genius Color de mão, modem Cirrus 33.600 (em COM3), monitor AOC Spectrum 5V PnP. Há um mês adquiri uma nova placa de vídeo, a Diamond S220 II Turbo, pois a placa de vídeo original estragou. Ao fazer a instalação da nova placa de vídeo, identifiquei um conflito na entrada do Windows. Resolvi instalar o Windows novamente, mas travava na parte em que fazia a detecção do hardware existente. Para instalar a nova placa de vídeo sem travar, precisei remover o modem, a placa do scanner e a placa de som. Isto é normal? Terei que desmontar meu computador sempre que quiser instalar o Windows? Outra dúvida, a nova placa foi reconhecida por vários jogos, mas o mesmo não ocorreu com o Quake II, no qual a placa se comporta como uma simples aceleradora 2D.
Resposta:
Para instalar uma nova placa de vídeo sem passar por esses problemas, faça o seguinte:
1) Ainda com a placa antiga, acesse o quadro de propriedades de vídeo e altere o adaptador para padrão VGA, com resolução de 640×480, 16 cores. Se a antiga placa de vídeo estiver danificada, instale a nova, faça um boot no modo de segurança e altere o adaptador para VGA. Execute a seguir um boot normal.
2) Execute um boot com a nova placa de vídeo. A placa será detectada e será pedida a colocação do disco com o novo driver. Neste ponto você deve consultar o manual da placa de vídeo, pois existem procedimentos de instalação diferentes. As placas Diamond são um exemplo típico. Ao invés de usarem a instalação padrão do Windows, necessitam que seja executado um programa de instalação, fornecido em um CD-ROM que as acompanha.
O problema que você teve quando instalou pela primeira vez a placa de vídeo provavelmente ocorreu devido a um conflito com o driver da placa anterior, o que ocorre muitas vezes em instalações feitas desta forma. A alteração do driver para VGA padrão garante a compatibilidade com qualquer modelo de placa de vídeo, evitando o travamento antes da instalação do driver definitivo.
Quando você foi instalar o Windows, teve problemas durante a detecção de hardware. Isto pode ter acontecido por causa da sua interface de scanner. Muitas dessas placas não são detectadas pelo Windows. Você deveria retirá-la, instalar o Windows, e posteriormente fazer a sua instalação. Nunca vi ocorrer problemas semelhantes com as placas Sound Blaster, mas o próprio manual da Sound Blaster AWE64 e de outros modelos da Creative Labs recomendam que a sua instalação seja feita depois que o Windows está instalado.
Quanto à questão do jogo Quake II, saiba que nem todos os jogos reconhecem as placas 3D de forma automática. Normalmente eles possuem um comando no seu Setup que habilita o uso da aceleração 3D. Para ter certeza de que um jogo é compatível com uma placa de vídeo, certifique-se se ambos seguem o padrão DirectX. A versão do DirectX instalada com a placa de vídeo deve ser igual ou superior à exigida pelo jogo. Note ainda que certos jogos utilizam o padrão OpenGL, ao invés do DrirectX, e este é o caso do Quake II. Acesse o site da Diamond para obter os drivers OpenGL para a sua placa.

33) Ultra DMA
Gostaria de saber o que é o recurso Ultra DMA e se meu PC possui este recurso. Como descubro seu meu HD é ou não Ultra DMA? Possuo um Pentium II de 233 MHz, HD de 3.2 GB e motherboard Asus.
Resposta:
O modo Ultra DMA é um método de transferência de dados dos discos rígidos modernos, capaz de transferir cerca de 33 MB/s. Para que possa ser utilizado em um sistema, é preciso que o chipset da placa de CPU suporte o modo Ultra DMA, e também que o disco rígido seja do tipo Ultra DMA. Finalmente, é preciso que o sistema operacional possua suporte para Ultra DMA. Para saber se a placa de CPU suporta Ultra DMA, devemos verificar se esta opção está presente no seu CMOS Setup. O disco rígido é capaz de informar seus possíveis modos de funcionamento, inclusive indicando se suporta o Ultra DMA. Se a placa de CPU possui suporte para Ultra DMA, basta programar o PIO Mode Auto. O BIOS detectará se o disco rígido suporta Ultra DMA, e o usará se for possível. Certamente já existem programas capazes de detectar informações sobre o disco rígido, como é o caso do IDEINFO. No momento não conheço tais programas, mas assim que encontrá-los darei a informação aos leitores. De qualquer forma, sabendo o modelo do disco rígido, é possível acessar o site do seu fabricante para descobrir as suas características.
O requisito mais complicado para usar o Ultra DMA é o suporte do sistema operacional. O Windows 98 possui suporte nativo para o modo Ultra DMA, porém este não é habilitado por default. Precisamos habilitá-lo através do Gerenciador de Dispositivos. No Windows 95, mesmo na versão OSR2, o suporte a Ultra DMA não está presente. É preciso instalar drivers apropriados. Esses drivers são fornecidos juntamente com as placas de CPU. É bom lembrar ainda que no caso do Pentium II, o modo Ultra DMA passou a estar presente com os chipsets i440LX e depois no i440BX. O antigo i440FX usado nas primeiras placas de Pentium II não possui Ultra DMA. O primeiro chipset para Pentium a suportar o Ultra DMA foi o i430TX. O i430VX, i430HX, i430FX e anteriores não o suportam.

34) 586 por Pentium II
Possuo um 586 de 133 Mhz e tenho pensado numa atualização para Pentium II/300. Porém, me ocorreu a possibilidade de que, talvez, devido aos baixos preços, comprar uma CPU Pentium 233, sem monitor (- 250), sem kit multimídia (- 250), sem placa de vídeo (- ?), HD de 3.2 GB (Pentium II/300, 64 MB de RAM, ou AMD 3Dnow), DOS 7.0, Windows 98. Quais os pontos negativos, minha projeção de custo é real?
Resposta:
Você pode comprar uma nova máquina sem monitor e sem kit multimídia, teclado e mouse. As peças em falta seriam retiradas do seu atual computador. Até mesmo a placa de vídeo pode ser aproveitada, mas caso seja um modelo simples (ex: Trident ou Cirrus Logic com 1 MB ou 2 MB), você certamente ficará tentado a trocá-la por um modelo mais novo, padrão AGP, com no mínimo 4 MB de memória e aceleração tridimensional (a menos que não goste de jogos). O monitor realmente sai por esta faixa de preço, mas o kit multimídia (dependendo da sua qualidade) pode custar entre 150 e 400 reais. O disco rígido já existente no 586 pode ser instalado no novo computador, que ficará então com dois discos rígidos. A rigor até mesmo o drive de disquetes e o gabinete do seu antigo PC poderiam ser aproveitados. Você compraria a placa de CPU nova, a memória RAM, o novo disco rígido, e opcionalmente uma placa de vídeo 3D. Com essas peças você faria um upgrade no seu atual computador, que passaria a ser tão bom quanto um novo.

35) Troca de fonte para instalar um AMD K6?
Tenho um AMD 586 32 MB c/ fax U.S. Robotics 33.600 e kit Creative 32x e estou querendo transformá-lo em um K6 de 300 MHz trocando a placa mãe, processador e memórias. A dúvida é se tenho que trocar de gabinete (250 W), pois devido a informações que me passaram devo usar um com fonte de (300 W).
Resposta:
Não é preciso trocar o seu gabinete. Com a configuração que você forneceu, garanto que o seu PC atualmente não está consumindo nem 150 watts. A nova placa mãe consumira aproximadamente o mesmo que a anterior, assim como as memórias. O AMD K6-2 /333 MHz consome cerca de 19 watts, enquanto o 5×86 não chega a 4 watts. Portanto a sua nova placa de CPU deverá consumir aproximadamente 15 watts a mais que a antiga. Mesmo assim não chega a exigir a troca de uma fonte de 250 watts por outra de 300. Mais “gulosas” em termos de corrente elétrica eram as primeiras versões do AMD K6, que operavam com 3,2 volts e chegavam a consumir quase 30 watts. Mesmo assim, tenho aqui PCs bem equipados (modem, CD-ROM, etc) usando uma dessas primeiras versões do K6, e usando fontes de 200 watts. Se você quiser, pode trocar a fonte (custa cerca de 30 reais), mas saiba que a troca não é necessária.

36) Conflitos de hardware causam problemas na placa de som
Meu kit multimídia emudeceu, e tentando saber o motivo, li sobre Conflitos de Sistema. Verifiquei que na janela “Propriedades do Sistema”, clicando no Gerenciador de Dispositivos e expandindo os itens Controladores de CD-ROM (controlador de CD-ROM Mitsumi com velocidade dupla) e Controladores de som, vídeo e jogo (Compag Business Audio e Creative Sound Blaster 16 ou AWE32 placa de som compatível) apareceu um sinal de exclamação dentro de um círculo amarelo, indicando que aqueles dispositivos estão causando ou sofrendo algum tipo de conflito. Desejo saber o que ocasionou o problema e como solucioná-lo.
Resposta:
Este problema pode ocorrer quando é feita a instalação de um novo dispositivo de hardware que use indevidamente os recursos da placa de som (endereços de E/S, DMA e IRQ), ou então quando os drivers da placa de som forem indevidamente apagados. Olhe mais atentamente as guias do quadro de propriedades da placa de som (basta aplicar-lhe um clique duplo no Gerenciador de Dispositivos). Na guia Geral é informado se o driver está ausente ou com erro. Na guia Recurso são informados os eventuais conflitos de IRQ, DMA e E/S. Caso estejam ocorrendo esses conflitos, serão informados quais são os dispositivos de hardware que estão conflitando com a placa de som. Nesse caso, o erro terá sido causado por uma instalação errada deste eventual dispositivo de hardware (por exemplo, um modem). Ao instalarmos um dispositivo de hardware, temos que garantir que não serão utilizados recursos já em uso por outras placas. Na maioria dos casos, os conflitos são evitados graças ao método PnP (Plug and Play), porém este método pode apresentar falhas, sobretudo quando existem placas antigas (é o caso da placa que controla o seu drive de CD-ROM 2x). Para instalar placas antigas desprovidas do recurso PnP (placas de legado), é preciso utilizar os métodos tradicionais de instalação. Os recursos de hardware (IRQ, DMA e E/S) devem ser configurados na placa através de jumpers, sendo escolhidos entre os recursos que não estão em uso (isto pode ser visto pelo Gerenciador de Dispositivos). Feita a configuração de jumpers, devemos declarar no CMOS Setup, no item PnP Configuration, os canais de DMA e linhas de IRQ que estão sendo usados pelas placas de legado. Fazemos então a instalação da placa de legado e indicamos na sua guia Recursos, os recursos de hardware que estão sendo usados. Desta forma ficam configurados os jumpers da placa, o CMOS Setup e o Gerenciador de Dispositivos, todos de forma coerente. Realmente, a instalação de placas é simples quando todos os dispositivos de um PC são Plug and Play, mas pode exigir muitos conhecimentos técnicos quando existem placas de legado.
O problema pode ser bem mais simples, caso não existam conflitos de hardware. Os pontos de exclamação existentes no Gerenciador de Dispositivos podem ser causados apenas por falta de drivers (podem ter sido acidentalmente apagados). Nesse caso, a reinstalação da placa de som resolverá o problema. Anote antes os recursos de hardware que estão sendo usados para programá-los após a nova instalação.

37) Upgrade de placa de CPU
Gostaria de receber umas dicas para deixar meu PC mais rápido, tenho um Pentium 166 MMX com 32 MB de RAM, e quero fazer um upgrade, estou em dúvida entre comprar um Pentium 233MMX ou um AMD K6 233, todos sabem que o Pentium tem nome no mercado, mas ouvi comentários que o AMD K6‚ é cerca de 20% mais rápido, gostaria que vocês esclarecessem minha dúvida sobre o desempenho desses dois processadores.
Resposta:
O AMD K6-2 e o K6-3 oferecem desempenhos elevados e custos inferiores aos dos processadores da Intel. Mesmo operando com o mesmo clock, o AMD K6-2 realmente apresenta um desempenho quase igual, e o K6-3 sensivelmente superior ao do Pentium II. Entretanto, verifique antes se a sua placa possui o jumper BF2, que permite a operação com clocks internos de 266 MHz e superiores. Se não possuir, você terá que ficar limitado a 233 MHz, ou então comprar uma placa de CPU nova. Note que as placas de CPU vendidas na época em que o Pentium-166 era comum, não permitem a instalação de processadores mais modernos, primeiro devido à limitação de clock máximo em 233 MHz, segundo devido à ausência de configurações de voltagem para os processadores mais modernos.

38) Portas e IRQs
Gostaria que me indicassem um programa para ver as portas e IRQs através do MS-DOS.
Resposta:
As portas podem ser visualizadas através do programa IOVIEW, que pode ser obtido na área de download deste site. As IRQs podem ser visualizadas com restrições através do programa MSD (Microsoft Diagnostics), encontrado no MS-DOS, no Windows 3.x e nos CD-ROMs de instalação do Windows 95 e 98. Outro software que vale muito a pena é o PC-Check, que pode ser obtido gratuitamente (versão demo) em http://www.eurosoft-uk.com . Note que os utilitários que mostram o uso de IRQs no modo MS-DOS não são precisos. Placas PnP e placas que não têm suas interrupções gerenciadas pelo BIOS não serão detectadas por esses programas, e as IRQs serão indevidamente indicadas como livres.

39) Placa Video Blaster em conflito
Instalei no meu Pentium-200 MMX uma placa Video Blaster SE que funcionava perfeitamente no 486DX2-66 de um colega. A placa não foi reconhecida e foi indicado conflito de IRQ. No site do fabricante, fui instruído a baixar o clock do barramento ISA para 8 MHz. Com isso o programa de Setup da placa passou a funcionar, mas o conflito de IRQ continua. O que devo fazer?
Resposta:
Realmente as placas de expansão ISA precisam operar com este barramento configurado para 8, ou no máximo 8,3 MHz. Esta configuração em geral é feita através de jumpers da placa de CPU. Se o barramento ISA for configurado para operar com clocks mais elevados, placas de expansão ISA poderão deixar de funcionar, como foi o seu caso. Além deste problema, existe ainda um conflito de hardware. Você precisa identificar quais são os endereços de E/S, canal de DMA e linha de IRQ usados pela sua Video Blaster. Esta configuração é feita através de jumpers. Verifique através do Gerenciador de Dispositivos se esses recursos estão livres. Caso não estejam, os conflitos de hardware irão ocorrer. Programe os jumpers da placa para que utilizem outros recursos que estejam livres. Use então o Setup da placa Video Blaster para indicar os novos recursos que você programou pelos jumpers. Desta forma os conflitos serão eliminados e a placa passará a funcionar.
Para maiores informações sobre conflitos de hardware envolvendo endereços de E/S, IRQ e DMA, consulte o artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site.

40) Periféricos para SCO Unix
Pretendemos adquirir um drive para backup (ZIP, JAZ, LS-120 ou equivalente) para porta paralela que possa ser usado tanto em PCs com Windows 95 como em PCs com SCO Unix 3.02. Gostaríamos de saber se existe hardware que possa ser instalado em sistema SCO Unix, ou se os drives existentes no mercado são exclusivos para a plataforma Windows.
Resposta:
Tanto a Iomega como a Syquest, fabricantes desse tipo de disco, não oferecem drivers para o sistema SCO Unix. Quanto ao Windows 95, não há problema algum. Entretanto, a Syquest informa que seus produtos podem ser usados sob o SCO Unix, bastando que seja instalada uma placa controladora SCSI com drivers para este sistema. Desta forma, os dispositivos instalados no barramento SCSI serão automaticamente reconhecidos pelo sistema operacional. Você poderia desta forma, fazer a instalação de dispositivos da Syquest, como o Sparq e o Syjet. Seguindo este mesmo princípio, drives SCSI da Iomega (como o JAZ, por exemplo) também funcionariam sob o SCO Unix. Da mesma forma, os fabricantes de placas SCSI afirmam que suas placas podem controlar diversos dispositivos, inclusive JAZ e similares, sob vários sistema operacionais. Você terá então que adquirir uma placa controladora SCSI com driver para SCO Unix (sugiro os modelos da Adaptec, consulte http://www.adaptec.com ). Você pode ainda obter informações sobre ZIP, Jaz e similares em http://www.iomega.com e http://www.syquest.com.

41) Dicas para instaladores de hardware
Algum procedimento feito de forma errada na montagem mecânica de um drive pode causar erros intermitentes no funcionamento do computador?
Resposta:
Sim, alguns cuidados podem ser tomados para evitar transtornos. Vamos apresentar aqui alguns exemplos:
1) Parafusos – Existem parafusos de aço e de outros metais (alguns parecidos com alumínio). Dê preferência aos parafusos de aço. Muitos parafusos feitos de metais mais fracos costumam ficar engastados e não conseguimos removê-los. Por serem de metais menos duros, sua cabeça é destruída quando tentamos girá-los com a chave de fenda. Existem ainda os modelos de cabeça redonda e de cabeça hexagonal. Os de cabeça hexagonal são os melhores, pois podem ser girados com o auxílio de um alicate ou de uma chave apropriada. Já vi inúmeros casos de drives que estão presos para sempre ao gabinete, pois os parafusos não giram mais e tiveram a cabeça destruída pela chave de fenda, por serem de metal pouco resistente.
2) Disco rígido próximo da fonte – Muitos gabinetes possuem um local para a instalação do disco rígido, sobre ou sob a fonte de alimentação. Tenho muitas notícias de que este tipo de instalação pode causar interferência no disco rígido, resultando em travamentos e erros de leitura. Se você tem este problema, experimente fazer o seguinte: coloque o disco rígido com a carcaça metálica voltada para a fonte. A placa de circuito existente no disco rígido ficará voltada para o lado oposto, e não captará interferência eletromagnética da fonte.
3) Erros intermitentes – Erros intermitentes de leitura em drives de disquete, discos rígidos, drives de CD-ROM e outros tipos de drives podem ter diversas causas, mas uma delas é o aterramento ruim entre o drive e a fonte de alimentação. Apesar de existir ligação de terra nos cabos de alimentação e nos cabos de dados, muitos drives exigem ainda, para um melhor funcionamento, o aterramento da carcaça. Pegue um pedaço de fio, com tamanho suficiente para ir do drive até a fonte. Descasque as duas pontas, deixando cerca de 2 cm de fio exposto, que deve ser torcido. Em cada extremidade, faça uma argola metálica com esta parte do fio, para que possa ser fixa através de um parafuso. Fixe uma extremidade na fonte e outra no drive problemático. A fixação deve ser feita através de parafusos. Você pode aproveitar os próprios parafusos existentes na fonte, e aqueles usados na fixação do drive ao gabinete. Apenas afrouxe o parafuso, coloque o fio e aperte novamente. Note que alguns drives já são fornecidos com furos na sua carcaça, próprios para a ligação à fonte através deste fio auxiliar. Já vi muitos drives deixarem de apresentar problemas depois desta pequena providência.

42) Controladora SCSI faz PC travar
Tenho um micro Pentium/166 MHz MMX (placa VXpro-II PCI Chipset PCI Bus e ISA Bus), com 32 MB de memória EDO RAM, disco de 1.6 GB, placa multimídia Sound Blaster 16, modem 33.600 bps e placa de vídeo SVGA PCI FS-4400. Quando instalo a placa Adaptec AVA-1502AP (placa PnP SCSI), para scanner Adara Imagestar I, o micro trava na inicialização. O que pode estar acontecendo? Já desinstalei todas a placas PnP (multimídia e modem), deixando só a Adaptec, mas ele continua travando. Segui todas as orientações do manual para a configuração de endereço de memória e IRQ. Não há nenhum conflito.
Resposta:
Consulte o site da Adara Technologies (http://www.adara.com) onde existe suporte para seu scanner, com mais informações que no seu manual. Várias podem ser as causas do seu problema. Acredito que não ocorrem conflitos de hardware, pois você já verificou este ponto, e ainda removeu outras placas de expansão. Verifique agora o seguinte:
1) Ligue o scanner antes do PC, caso contrário a placa SCSI não irá reconhecê-lo, podendo até mesmo travar;
2) Os dispositivos das extremidades da cadeia SCSI precisam ter os terminadores ativados. No seu caso, tanto a placa como o scanner precisam ter essas terminações. Alguns scanners têm os terminadores ativados por jumpers, em outros o terminador precisa ser comprado (em lojas especializadas em hardware) e encaixado na sua parte traseira. A placa SCSI também precisa ter os terminadores ativados. Dependendo do modelo isto pode ser feito por jumpers, por encaixe direto dos terminadores (são fornecidos junto com a placa) ou através de um programa de Setup da placa;
3) Um cabo SCSI defeituoso também pode causar travamento;
4) A placa SCSI pode estar defeituosa. Nesse caso o uso de outra placa SCSI, mesmo que não seja do mesmo modelo, resolverá o problema;
5) A placa SCSI pode estar mal encaixada no slot.

43) Alterando o IRQ da placa de som
Tenho um computador Pentium, 166 MHz, 32M de RAM e Kit multimídia. Instalei um fax-modem interno US Robotics de 33.600, mas ele só aceita na COM 4 e IRQ 5 e a placa Sound Blaster usa IRQ 5 — o que causa conflito na placa de som. O que devo fazer para corrigir o problema?
Resposta:
Você pode mudar a IRQ da placa Sound Blaster para outro valor, como IRQ10, IRQ11 ou IRQ12. Use o Gerenciador de Dispositivos (Clique em Sistema no Painel de Controle e selecione a guia Gerenciador de Dispositivos) para descobrir quais dessas IRQs está livre. Para isto clique em Computador e use o botão Propriedades. Será apresentada uma lista das IRQs em uso. Uma vez tendo determinado uma IRQ livre você poderá fazer com que a sua placa de som passe a utilizá-la. Para isto clique sobre a placa de som no Gerenciador de Dispositivos e a seguir sobre o botão Propriedades. Selecione a guia Recursos. Clique sobre o item Pedido de Interrupção e a seguir sobre o botão Alterar Configuração. Se este botão estiver inativo desmarque a opção Usar Configurações Automáticas. Se ainda assim a alteração não for aceita, altere o campo Configuração básica 0000 para 0001 e tente novamente. Experimente também 0002, 0003 e assim por diante. Quando finalmente for aberto um quadro para alterar configuração, você verá que a interrupção ativa para a placa de som é a 5. Altere-a para aquela que você encontrou livre. Desta forma você poderá deixar a IRQ5 livre para o modem.
Um cuidado adicional deve ser tomado caso a placa de som não seja Plug and Play, como é o caso dos modelos produzidos antes de meados de 1995. Nesse caso será preciso alterar também a IRQ diretamente na placa de som, através de jumpers. Placas Sound Blaster antigas possuem em geral dois jumpers IS0 e IS1 que servem para definir a IRQ utilizada.
Para maiores informações sobre conflitos de hardware envolvendo endereços de E/S, IRQ e DMA, consulte o artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site.

44) Interfaces IDE e SCSI no mesmo PC
Gostaria de saber se é possível utilizar duas controladoras (IDE e SCSI) no meu computador, para poder utilizar discos rígidos SCSI com HDs IDE. Ou o disco IDE é um periférico como ZIP DRIVE SCSI, JAZDRIVE, ou CD-ROM SCSI?
Resposta:
Nas duas interfaces IDE existentes na placa de CPU você poderá instalar até 4 dispositivos IDE (dois em cada uma), como discos rígidos, drives de CD-ROM, ZIP Drive IDE, etc. Em uma placa controladora SCSI você poderá instalar 7 ou 15 dispositivos SCSI, dependendo da placa. Note que algumas placas SCSI mais simples não possuem BIOS e não permitem a instalação de discos rígidos. É preciso usar uma placa SCSI com BIOS, como a AHA 2940 da Adaptec. Desta forma discos rígidos IDE e SCSI podem ser instalados simultaneamente no seu PC. O Setup dos discos IDE é feito pelo CMOS Setup da placa de CPU. Já o Setup dos discos rígidos SCSI é feito por um “Setup” da placa controladora SCSI. Nas placas Adaptec é preciso teclar Control-A durante o boot para ter acesso a este Setup. Na maioria dos PCs, o boot será executado pelo primeiro disco IDE (Primary Master), mas em placas de fabricação mais recente é possível programar no Advanced CMOS Setup qual disco será usado para o boot. Podemos desta forma comandar a execução do boot por um disco SCSI, mesmo com discos IDE instalados.

45) Teclado/scanner híbrido não instala
Comprei um teclado-scanner da Compaq, mas não estou conseguindo instalá-lo em meu micro – um Pentium/133 MHz, com 16 MB de RAM, disco de 2,1 GB etc., da marca Acer (modelo AcerAcross). Os disquetes de instalação não encontram porta serial para ligar o scanner, embora eu tenha duas disponíveis (COM 1 e COM2). Pedi socorro ao SAC da Compaq, que me mandou entrar em contato com a Acer – mas esta me manda procurar novamente a Compaq. O que devo fazer, já que não sei a quem recorrer?
Resposta:
Apesar de aparentemente simples, esta é uma instalação de hardware e pode requerer conhecimentos sobre o assunto. Como o seu mouse provavelmente está ligado na COM1, o conector serial deste teclado/scanner deve ser ligado na COM2. Verifique no CMOS Setup se esta interface está habilitada (veja na seção Peripheral Configuration ou Integrated Peripherals) e operando no modo Normal, pois nos PCs modernos a COM2 também pode estar configurada para operar com infravermelho, que neste caso não funcionaria com o seu teclado/scanner. Verifique ainda no Gerenciador de Dispositivos se existe algum conflito com a IRQ3, que é usada pela COM2. Se outro dispositivo estiver usando a IRQ3, tanto o dispositivo como a COM2 poderão deixar de funcionar. Finalmente, use um software de diagnóstico para testar o funcionamento da COM2. Um bom software para isto é o PC-Check, que pode ser obtido em http://www.eurosoft-uk.com . Experimente a título de teste ligar o mouse na COM2, e desta forma você terá uma certeza maior sobre o seu bom funcionamento. Ligue então o conector serial do seu teclado/scanner na COM2 e use o software de instalação.

46) Conflito entre scanner e impressora, ambos na porta paralela
Possuo um Pentium 133, com 32 MB de RAM e impressora HP 660C. Após instalar o scanner TCE S430 na porta paralela, com o scanner no estado “energy saving”, ao terminar a impressão de um documento aparece o aviso “o computador perdeu a conexão com a impressora, cancele a impressão”. Como posso solucionar este problema?
Resposta:
Na esmagadora maioria dos casos, a ligação de dois ou mais dispositivos na porta paralela funciona bem, como no caso do scanner e impressora ligados no seu computador. Existem entretanto casos de incompatibilidades diversas e várias soluções precisam ser tentadas, desde a instalação de drivers novos até a instalação de uma segunda porta paralela. Experimente por exemplo manter o scanner desligado enquanto usa a impressora, o que muitas vezes resolve o problema. Se o problema persistir, existe uma solução simples, que é a instalação de uma caixa comutadora de impressoras. Nesta caixa você poderá ligar o scanner e a impressora de forma independente. Use uma caixa de comutação do tipo “bidirecional”, que é aquela que possui todas as conexões da porta paralela. Existem caixas de comutação mais baratas que utilizam apenas um conjunto mínimo de contatos, sendo portanto incompatível com as impressoras e outros dispositivos paralelos modernos.

47) Endereços de hardware que mudam sozinhos
Tenho um Pentium 200 MMX, placa Asus SP97-V166 – Super Tx MainBoard e placa de fax modem US Robotics 336000 com Personal Voice Mail.1, Irq 4, Com 2, IRQ 3, Com 4, IRQ 3 e Plug and Play, obedecendo a critérios de habilitação e desabilitação no Setup com o devido cuidado de verificar os endereços corretos. Em todas as situações, a instalação é bem sucedida e reconhecida por determinado tempo, podendo ser dias ou semanas. Porém, quando removo algum programa ou uso o Norton Utilities Diagnostics ou Scandisk do Win 95, a configuração de port Com e Irq, no gerenciador de dispositivos e na inicialização do “Post” desaparecem. Não agüento abrir gabinete e mudar jumpers da placa de modem. Por favor, o que pode estar acontecendo? Existe, no Setup desta placa alguma configuração além das portas de endereços de Com ou Irq que devem ser habilitadas ou desabilitadas?
Resposta:
Endereços de dispositivos Plug and Play que mudam sozinhos podem ser causados por defeito nesses dispositivos, mas a causa mais comum é um erro na programação do CMOS Setup. Os recursos de hardware podem ser gerenciados pelo BIOS ou pelo Windows 9x, mas não por ambos, caso contrário poderão ocorrer problemas como o seu. Em todos os Setups modernos existe um comando que serve para indicar se os recursos PnP serão gerenciados pelo BIOS ou pelo sistema operacional. Deixe sempre que sejam gerenciados pelo Windows 9x. Para isto, procure no PCI/PnP Configuration, o item “PnP Aware Operating System” e programe-o com a opção YES. Em alguns Setups este item aparece com o nome “Resources Managed by”, com as opções BIOS e OS. Programe então com a opção OS.
Note que no caso da instalação “não PnP”, utilizando os jumpers da placa, é preciso usar o comando Adicionar Novo Hardware para indicar a presença de uma nova porta serial, utilizando uma IRQ que esteja livre (por exemplo, COM3 / IRQ9). Os jumpers da placa de modem devem ser programados de acordo. Depois de instalada a porta serial da placa, faça a instalação do modem, também com o comando Adicionar / Remover programas. Use a opção Modems e clique no botão Com disco. Use então o CD-ROM que acompanha o modem para selecionar o driver apropriado. Em caso de dúvida, consulte o artigo sobre instalação de modems na área de artigos deste site.

48) Problemas nas interfaces IDE
Estou com um problema, ao meu ver, impossível de ser solucionado. Quando fui executar um anti-vírus, encontrei um vírus desconhecido alojado na memória. Como o anti-vírus não o removia, decidi ir ao DOS e executar o comando FDISK/MBR. Assim minha memória foi modificada e limpa. Mas, ao reiniciar o Windows, apareceu a mensagem de que alguns aplicativos não funcionariam com 32 bits. Não entendi a mensagem e só ao entrar no Windows, percebi que meus driver D: (CD-ROM) e E: (copiadora de CD) não estavam sendo suportados. Ao entrar no painel de controle e, em seguida, em sistema percebi um ponto de exclamação nos seguintes tópicos:
• Primary Ide Controller (Dual Fifo)
• Secondary Ide Controller (Dual Fifo),
dizendo que eles não têm todos os drivers instalados, não estão presentes ou não estão funcionando. Mas, o dispositivo pai, Via Bus Master Ide Controller está funcionando, corretamente. O que eu faço para instalar os drivers? Preciso usar o drive D com o CD do Win 98?
Resposta:
Note que o comando FDISK/MBR não remove vírus da memória, e sim, apaga vírus que estejam gravados no setor de boot. De qualquer forma, o procedimento adotado foi correto. Você está agora com problemas nas interfaces IDE, que estão com um ponto de exclamação no Gerenciador de Dispositivos. Este problema é facilmente solucionado, mas você precisará reinstalar o Windows. Não será preciso instalar novamente os aplicativos, basta que seja escolhido o mesmo diretório onde o Windows está atualmente instalado (C:\WINDOWS). Todos os seus aplicativos serão mantidos, apenas será preciso repetir a instalação do driver da placa de vídeo. Caso você esteja usando uma placa de vídeo AGP, será preciso instalar também o AGP Patch, um pequeno programa que compatibiliza o Windows 98 com o barramento AGP do seu chipset (provavelmente o Via MVP3). Este utilitário é encontrado no CD-ROM que acompanha a sua placa, e também em http://www.via.com.tw .
Talvez você encontre dificuldades para reinstalar o Windows 98, já que não está conseguindo acessar o drive de CD-ROM. Execute então um boot com o disco de inicialização do Windows 98. Com este disco você terá acesso ao drive de CD-ROM no modo MS-DOS. Copie então o diretório \WIN98 do CD-ROM de instalação do Windows 98 para o seu disco rígido. Isto é um procedimento bastante útil, já que não será mais preciso utilizar o CD-ROM de instalação quando for instalar novos componentes do Windows. Feito isto, você pode reinstalar o Windows 98.

49) Placa mãe não reconhece COM1 e COM2
O BIOS da minha placa de CPU não está reconhecendo as portas seriais COM1 e COM2 que são “onboard”. Minha placa mãe possui o chipset 430VX e a data do BIOS é 21/06/96. Eu entro no Setup e defino a onboard serial port 1 como COM1/3F8 e a port 2 como COM2/2F8, mas ela só instala a COM3/3E8, que é onde está instalado o modem. Sem as portas seriais o PC não pode usar o mouse. A bateria da placa mãe é nova. O que devo fazer?
Resposta:
Sua placa mãe já funcionou corretamente e agora está apresentando este problema. É normal a troca forçada dos endereços das portas seriais da placa de CPU quando existem placas de expansão que já utilizam os endereços default (3F8 e 2F8). Isto pode ocorrer por exemplo quando o modem está instalado como COM1 ou COM2. Para confirmar se isto está ocorrendo, desconcerte as placas de expansão suspeitas (o modem é o maior suspeito) e execute um boot no modo MS-DOS (para não deixar o Windows reclamar da falta das placas retiradas). Se os endereços 3F8 e 2F8 forem aceitos significa que existia uma placa que utilizava esses endereços. Você pode também verificar os endereços ocupados através do Gerenciador de Dispositivos. Clique com Computador e use o botão Propriedades. Selecione a opção E/S (entrada e saída) e verifique se as faixas 3F8-3FF e 2F8-2FF (usadas pela COM1 e COM2) estão ocupadas por algum outro dispositivo. Existe ainda um item do CMOS Setup que, se programado de forma errada, pode causar problemas de endereçamento como este. Procure na seção PCI/PnP Configuration do CMOS Setup o item “Boot with PnP aware OS” e programe-o com a opção YES. Em alguns Setups este item aparece com o nome “Resources managed by” e as opções são BIOS e OS. Use a opção OS.

50) Conflito entre impressora e scanner
Recentemente adquiri um scanner paralelo TCE S440 que compartilha uma porta paralela com minha impressora HP680C. Sempre que esta impressora é ligada, puxa uma folha e fica em espera. Quando vou fazer uma impressão, esta primeira folha é ejetada com alguns caracteres aleatórios, antes de dar início à impressão a partir da segunda folha. Já entrei em contato com a TCE que me sugeriu algumas mudanças mas nada funcionou. O que posso fazer?
Resposta:
Realmente o uso da porta paralela para conectar scanners é um excelente negócio para o fabricante, já que até uma criança pode fazer a instalação. Isto descongestionou mais de 90% das linhas de suporte técnico dos fabricantes e revendedores. Entretanto, nem tudo é maravilha. Existem diversos casos de incompatibilidades, como está ocorrendo no seu computador.
A primeira coisa a ser tentada é procurar um driver mais novo para a impressora ou mesmo para o scanner, através dos seus fabricantes. É possível que o problema possa ser solucionado com os drivers novos, mas isto depende só dos fabricantes.
Caso os drivers novos não resolvam, a solução mais simples é ligar a impressora e o scanner através de uma caixa comutadora, o que normalmente resolve. Para checar se a caixa irá resolver o problema antes de comprá-la, desconecte o scanner do seu computador e deixe ligada apenas a impressora (é preciso desligar todos os equipamentos para fazer essas alterações). Ligue o computador e a impressora e verifique se o problema desapareceu. Se a primeira página com caracteres inválidos não for mais impressa, pode comprar uma caixa comutadora de um PC para duas impressoras e usá-la para ligar o scanner e a impressora. Você não terá mais o problema, mas precisará atuar sobre a chave para selecionar se vai utilizar a impressora ou o scanner.
1) Impressora Epson Stylus Color 600 x scanner paralelo
Tenho uma impressora Epson Stylus Color 600 adquirida em agosto em um revendedor autorizado, que funcionava perfeitamente, até que resolvi comprar um scanner paralelo modelo Primax Colorado Direct. Agora o scanner funciona perfeitamente mas a impressora não. Corta as linhas pela metade, ejeta folhas em branco, imprime linhas truncadas. Nos gráficos, imprime formas esquisitas. No despooler da impressora aparece sempre a mensagem “A impressora está desativada”. Já desconectei o scanner e liguei a impressora diretamente na porta paralela, mas os problemas persistem.
Resposta:
Este tipo de problema às vezes ocorre quando são conectados dois ou mais dispositivos na porta paralela. Eu mesmo tenho em um PC, um scanner Plustek e uma câmera digital Canon ligadas na porta paralela, e a câmera não consegue transferir todas as fotos, a menos que o scanner esteja desligado. Em certos casos, é preciso desligar o scanner para a impressora funcionar, em outros casos é preciso mantê-lo ligado. Configure a porta paralela para operar no modo SPP. Para isso entre no CMOS Setup e na seção Peripheral Configuration ou Integrated Peripherals, configure a porta paralela para operar como SPP, Standard ou Compatible. Os modos EPP e ECP nem sempre funcionam com todos os dispositivos paralelos. Por exemplo, sua impressora pode suportar o modo EPP, e o scanner não, ou vice-versa. Feito isso, vá ao Gerenciador de Dispositivos do Windows e na seção Portas (COM/LPT), remova a porta de impressora (basta clicá-la e usar o botão Remover). Reinicie o Windows e deixe que a porta paralela seja detectada, desta vez no modo SPP. É possível que desta forma a impressora e o scanner funcionem corretamente. Não esqueça de fazer o teste com o scanner ligado, e depois desligado.
Quando você conectou a impressora diretamente na porta paralela, sem o scanner, deveria ter funcionado. É importante que a mesma volte a funcionar corretamente de forma isolada. Se ainda não estiver funcionando, desinstale o scanner e a impressora, depois repita a instalação da impressora. Teste agora a impressora. Depois que funcionar, retire-a a faça a instalação do scanner. Teste o scanner, e depois que estiver OK, ligue e teste a impressora sozinha. É necessário que tanto o scanner como a impressora sejam capazes de funcionar de forma isolada na porta paralela. É possível que o não funcionamento da impressora tenha sido causado pelo uso da porta paralela em modo EPP ou ECP. Faça então o teste em conjunto, com o scanner ligado na porta paralela e a impressora ligada no scanner. Teste com o scanner ligado e desligado. Se o problema persistir, a solução mais simples é comprar uma caixa comutadora de impressoras (1 micro x 2 impressoras) e usar a chave para selecionar entre a impressora e o scanner.

2) Mouse não funciona
Fiz um upgrade no meu PC usando uma placa mãe VX II Pro. Inicialmente apresentou muitos problemas, levei de volta e o revendedor fez algumas trocas, momentaneamente resolvendo o problema, até que começou a travar o mouse, só funcionando o teclado. Reinstalei o mouse, reinstalei o Windows, formatei o HD, comprei um mouse novo e nada. Depois de algum tempo, o mouse misteriosamente voltou a funcionar. Passado mais algum tempo, o problema voltou. Tentei novamente todos os procedimentos, menos comprar um mouse novo. O que devo fazer?
Resposta:
Pode estar ocorrendo um conflito de hardware que impede o funcionamento do mouse (dê uma olhada no meu artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site. É possível também que a porta serial COM1 do seu PC esteja com problemas. Experimente então ligar o mouse na COM2 e repita a sua instalação. O Windows 9x será capaz de usá-lo na COM2. Já vi também casos como o seu, nos quais o defeito estava na fonte de alimentação, que não gerava corretamente as tensões de +12 e -12 volts, necessárias ao funcionamento das portas seriais. Um técnico de manutenção pode checar a fonte, com o auxílio de um multímetro.

3) Instalando uma LPT2
Gostaria de saber se é possível e como colocar mais uma porta paralela no meu PC. Tenho três impressoras e queria que elas imprimissem simultaneamente, o que é impossível com uma caixa comutadora.
Resposta:
Para instalar uma segunda porta paralela você precisará comprar uma placa IDEPLUS ISA e desabilitar todas as suas interfaces, exceto a paralela. Será preciso configurar os jumpers para escolher o endereço e a IRQ para que não entre em conflito com a porta paralela existente na placa mãe. As opções são 378/IRQ7 e 278/IRQ5. Depois de instalada use o comando Adicionar Novo Hardware do Painel de Controle para indicar a presença desta nova porta paralela. No seu caso, como é preciso utilizar 3 impressoras, será preciso instalar duas portas paralelas adicionais. Entre os jumpers das placas IDEPLUS e mesmo no CMOS Setup, é possível escolher para a porta paralela um terceiro endereço, o 3BC, porém as interrupções possíveis são apenas duas: IRQ5 e IRQ7, o que resultaria em um conflito de IRQ. Felizmente as impressoras, quando operando no modo SPP (Porta de impressora comum) podem funcionar sem interrupções (é o caso das portas paralelas existentes nas placas IDEPLUS). Para desativar as interrupções de uma porta paralela, selecione-a no Gerenciador de Dispositivos e abra a guia Recursos. Escolha entre as configurações básicas apresentadas, uma que possua apenas endereço de E/S sem IRQ.

4) Opções de upgrade de processador e placa de vídeo
Tenho um Pentium-120 com 32 MB de RAM e pretendo fazer um upgrade da máquina. Gostaria de saber se o barramento AGP é mais vantajoso e rápido que o PCI. Estou pensando em comprar possivelmente uma placa Diamond V550. O que seria mais vantajoso, comprar um K6-III de 400 MHz ou um K6-II de 450 MHz, levando em conta a relação custo/benefício?
Resposta:
Se você gosta de jogos, o uso de uma placa de vídeo com barramento AGP trará mais vantagens que usar o mesmo modelo porém com barramento PCI. É preciso notar que apenas o barramento AGP não faz milagres. Por exemplo, uma Diamond V330 PCI apresentará gráficos 3D melhores que os de uma Trident AGP. O chip gráfico mais poderoso trará maior velocidade e maior realismo para as imagens 3D. O barramento AGP contribuirá para maior velocidade (até 800 MB/s, contra 132 MB/s obtidos com o PCI). Outra vantagem do AGP é que este tipo de placa de vídeo pode armazenar texturas na memória da placa de CPU, ao invés de usar apenas a memória de vídeo. Com este recurso as imagens podem utilizar maior quantidade de texturas diferentes, resultando em mais realismo.
A Diamond V550 é uma excelente placa, mas dê uma olhada também na Diamond V770, ainda mais avançada. Quanto ao dilema entre os modelos do K6, recomendo que dê preferência ao K6-III, mesmo que seja de um clock um pouco menor. Este processador leva vantagem sobre o K6-2 para clocks a partir de 400 MHz.

5) Configurando o endereço do modem
Possuo um modem com a velocidade de 33600 da AT&T plug and play e, quando eu instalo no Windows 95, ele funciona normalmente. Já no Windows 98, ele achou a placa mas, quando fui fazer uma conexão, apareceu um erro dizendo que o Windows não está recebendo uma resposta do modem. Pede para desligar e ligar novamente. Fiz isso mas o erro persistiu. Levei o modem em uma loja e ele funcionou. Depois, pensei que ele podia estar na porta errada (COM 1,2,3), mas não tinha jeito de trocar como no meu modem anterior, através dos jumpers. O modem só funciona em uma porta, a COM3, mas o meu modem anterior funcionava na COM 4.Com isso achei que a porta poderia estar errada. O que devo fazer?
Resposta:
Uma forma de obrigar o seu modem a utilizar a COM4 como antes é desmarcar a opção Usar configurações automáticas no seu quadro de Recursos no Gerenciador de Dispositivos, e a seguir escolher uma das demais configurações básicas disponíveis. Existem configurações que usam COM1, COM2, COM3 e COM4. Você também poderá usar agora o botão Alterar configuração se for necessário. Uma outra forma de “expulsar” o seu modem da COM3. Desfaça a sua instalação (remova-o do Gerenciador de Dispositivos) e use a seguir, no próprio Gerenciador de Dispositivos, o comando Reservar Recursos. Marque a opção Endereço de E/S e reserve a faixa 3E8-3EF. A faixa que seria usada pela COM3 ficará ocupada, e ao fazer a instalação do modem, ele será obrigado a usar a COM4.

6) Som em conflito
Houve qualquer alteração em meu computador (Pentium e Windows 95) no tocante aos sons do Windows. Quando ele é ligado, ao invés de tocar os sons de abertura, ele fica tocando indefinidamente o primeiro acorde. Se qualquer evento alterar o som emitido, ele muda e fica tocando também indefinidamente o novo acorde inicial.
Resposta:
Este problema ocorre quando há conflito de IRQ envolvendo a placa de som. Através do Gerenciador de Dispositivos, verifique os recursos (endereço de E/S, IRQ e DMA) utilizados pela placa de som e se existem conflitos (dois ou mais dispositivos utilizando o mesmo recurso). Por exemplo, sua placa de som pode estar utilizando a mesma IRQ destinada à porta paralela. Para remover tais conflitos, leia meu artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site.

7) Mouse não é reconhecido
Comprei um mouse novo mas o computador não o reconhece e não aceita o antigo. Nos outros dois computadores de casa os dois mouses são aceitos. Gostaria de saber qual o defeito e como consertá-lo?. Possuo o Windows 98.
Resposta:
Tanto o primeiro mouse como o segundo estão funcionando (note como não consigo usar a palavra “mouses”, pois o plural de mouse em inglês é “mice”, que também não consigo usar, é um dilema…), já que os outros computadores os aceitaram. Você terá que usar o comando Adicionar Novo Hardware no Painel de Controle para que o mouse seja detectado corretamente. No caso de mouse serial com conector DB-9, basta fazer a sua ligação na COM1 ou na COM2 (verifique se essas interfaces estão habilitadas no CMOS Setup). No caso do mouse padrão PS/2, será preciso habilitar no CMOS Setup o item Mouse Port. Você realmente poderá ter problemas quando troca um mouse padrão “DB-9” por um padrão PS/2. O procedimento correto é utilizar o comando Adicionar Novo Hardware e deixar o Windows detectar o mouse.

8) Drive de disquetes não funciona e travamento do mouse
Tenho um PC com os seguintes problemas:
1º- Meu Drive de Disquete 3½(A:) não está funcionando de maneira algum neste computador. Não está queimado pois testei em outro incluindo também o cabo flat (de comunicação) e funcionou;
2º- Quando faço qualquer tarefa relacionado à linha Telefônica (como discar para um número ou acessar a Internet), o mouse trava voltando apenas no final da comunicação.
Resposta:
Seu drive foi testado em outro computador juntamente com o cabo e funcionou. Existem então duas possibilidades, a primeira é a fonte de alimentação. Pode estar com baixa voltagem na linha de +12 volts (o fio amarelo), ou então com mau contato neste conector. Troque o conector de alimentação da fonte, normalmente existe pelo menos um livre. A outra possibilidade é que a interface para drives de disquetes existente na sua placa de CPU esteja defeituosa. Não é comum ocorrer este problema, mas também não é impossível. Das centenas de placas de CPU existentes no meu laboratório, uma delas, inclusive de boa marca (SuperMicro) está com este problema. A solução mais vantajosa para este problema é a instalação de uma nova placa de CPU, mantendo seu processador e as memórias.
O problema do congelamento do mouse durante as atividades do modem é um caso típico de conflito de hardware. A interface serial na qual o mouse está ligado (provavelmente a COM1) está utilizando indevidamente a mesma interrupção que a interface serial existente no modem. A forma mais simples de resolver o problema é ligando o mouse na COM2, a segunda porta serial da sua placa de CPU. O outro processo consiste em alterar através do Gerenciador de Dispositivos, a IRQ utilizada pelo modem. Para maiores detalhes sobre conflitos de hardware, consulte meu artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site.

9) Salada de hardware
Resolvi fazer um upgrade na minha máquina, transformando em um Pentium II/400 com 64 MB de RAM, vídeo e modem onboard. Após a instalação do Windows 98, vídeo, modem e scanner, o computador desligou ficando a tela do monitor toda escura. O Windows reclamava a falta do arquivo VMM32.VXD. Entrei no modo de segurança, removi o adaptador de vídeo e o instalei novamente de acordo com o manual da placa. Fui acessar a Internet e não consegui, fiz o diagnóstico do modem e ele estava funcionando normalmente. Reinstalei o programa de fax e voltou o problema no vídeo. Instalei um US Robotics 56k e ele funcionou normalmente, mas o PC continuou pedindo o arquivo VMM32.VXD. Fiz uma inicialização passo a passo e vi que ao carregar o programa C:\WINDOWS\SMIS11.386 ocorreu um estouro de divisão. Tentei o Windows 95 mas deu o mesmo tipo de problema. Isto já se prolonga por mais de um mês. Será que o problema está relacionado com a placa mãe?
Resposta:
De fato este é um problema bastante complicado. Sugiro que você tente resolver tudo por partes. Primeiro desabilite o modem onboard e deixe apenas o vídeo habilitado. Faça a instalação do Windows 98 (não use o Windows 95, pois o 98 tem menos bugs). Utilize o driver de vídeo que acompanha a sua placa, mas se ocorrerem problemas, tente obter uma versão mais nova pela Internet. Leia o nome do chip gráfico existente na placa de CPU e entre em um site de busca da Internet (é claro que será preciso acessar a Internet em outro computador) para procurar por este nome. Assim você chegará ao fabricante do chip gráfico e poderá obter drivers mais novos. Se já souber o nome do fabricante, procure na área de LINKS deste site onde existem endereços da maioria dos fabricantes. A falta do arquivo VMM32.VXD pode ser corrigida pelo programa SFC.EXE (verificador de arquivos do sistema), existente no Windows 98. Para usá-lo, clique em Iniciar / Executar e a seguir digite SFC.EXE. Marque a opção “Extrair um arquivo do disco de instalação” e digite VMM32.VXD. O arquivo será então recuperado. Não passe para a instalação do modem e do scanner enquanto o Windows 98 não estiver funcionando corretamente com o seu vídeo onboard. Depois deste problema resolvido, faça a instalação do modem, a configuração para acesso à Internet, a instalação do gerenciador de Fax. Use e teste as funções relacionadas com o modem. Finalmente faça a instalação do seu scanner.
Estamos supondo que o seu hardware está em perfeitas condições, e que você apenas realizou alguma etapa errada ou usou algum driver com problemas. É claro que você pode ter feito tudo certo e o problema estar em um defeito na placa de CPU, ou mesmo na fonte de alimentação.