Home » Artigos arquivados » 1999 – Scanners, câmeras digitais, digitalização (Perguntas e Respostas)

1999 – Scanners, câmeras digitais, digitalização (Perguntas e Respostas)

1) Imagens x textos
Possuo um Pentium-133 com 16 MB de RAM e um scanner Genius Color Page-1, Corel Draw 6.0, Print Artist 2.0 e um programa que acompanha o scanner chamado EasyReader Special Edition. Estou precisando digitalizar um livro e alterar algumas informações nas páginas. Quando faço a leitura e transfiro para o Print Artist, ele carrega como imagem, funcionando como uma cópia. Quando faço a leitura como texto e peço para reorganizar para transferir para o Word, o texto fica irreconhecível, cheio de caracteres estranhos. Será que o meu scanner somente lê texto como imagem, não permitindo alterações em texto?
Resposta:
Não existe scanner que “somente lê como imagem, não reconhecendo texto”. Qualquer scanner lê na verdade como imagem, não é ele o responsável pelo reconhecimento desta imagem como sendo um texto. Este trabalho é feito pelo software chamado OCR (reconhecimento ótico de caracteres), que é fornecido junto com o seu scanner. Me parece que o Easy Reader é o OCR que acompanha o seu scanner. Verifique se o mesmo está utilizando configurações adequadas. Alguns softwares para OCR exigem que o scanner faça a captura usando uma resolução e um número de cores fixo (por exemplo, 300 DPI, B/W). Verifique se esta é a fonte do seu problema.
De qualquer forma, existem programas e OCR melhores e piores. Alguns deles não podem ser, por exemplo, configurados para a língua portuguesa. Se este for o seu caso, você pode perfeitamente tentar utilizar programas de OCR de outros scanners. Na verdade, esses programas não são exclusivos de scanner algum. O OCR de um scanner pode perfeitamente operar com um scanner diferente daquele que acompanha.
Veja também o artigo sobre instalação e utilização de scanners, na área de ARTIGOS deste site.

2) Memória insuficiente para digitalizar com o scanner
Tenho um scanner Genius Color de 3200 ppp que veio acompanhado do Photoprint 3.0 e o SmartPage 2.1. Quando termino de digitalizar alguma figura no Photoprint, surge um aviso dizendo que não há memória suficiente, entretanto tenho 16 MB. Isto é possível? Quando digitalizo usando o SmartPage, recebo um aviso de que só podem ser digitalizadas figuras de até 400 ppp e no modo P&B. Por quê?
Resposta:
Figuras escaneadas ocupam muito espaço em memória. Uma simples figura de 10x10cm, escaneada com a resolução de 300 DPI e True Color, ocupa cerca de 4,3 GB de espaço na memória RAM. Depois de convertida em um arquivo gráfico, a compressão de imagem resultará em arquivos de tamanho bem menor, mas na ocasião da captura pelo scanner, a imagem é transferida para a memória sem compressão. Desta forma, 16 MB pode ser pouco. Você pode resolver o problema através de uma expansão de memória, mas mesmo com os seus 16 MB, é possóvel trabalhar satisfatoriamente com o scanner, através do uso de resoluções mais baixas, ou mesmo selecionando áreas menores para captura. Quanto ao SmartPage, apresenta uma característica comum a todos os softwares de OCR (Reconhecimento Ótico de Caracteres). Opera com imagens em Black/White (1 bit por pixel), e com uma resolução fixa, normalmente entre 300 e 600 DPI.

3) Placa do scanner não encaixa?
Possuo um scanner Image Color Artec modelo A256C. Esse scanner funcionou bem até poucos dias conectado em um 486DX2-66. Porém, depois de comprar um Pentium-166, verifiquei que a placa do scanner não encaixa na placa de CPU nova. O que fazer?
Resposta:
Seu 486DX2-66 certamente tinha no mínimo 6 slots ISA (16 bits), e o seu novo Pentium-166, dependendo do modelo, poderá ter apenas 3 slots ISA. É comum o caso em que o número de placas ISA a serem instaladas é maior que o número de slots ISA disponíveis. Entre os diversos tipos de placas ISA, citamos as placas de som, modem, rede, SVGA antigas e interfaces para scanner. A solução para fazer o scanner funcionar é tentar disponibilizar slots ISA. Caso você use uma placa de rede ISA e/ou uma placa SVGA ISA, faz sentido trocá-las por versões PCI. A sua placa de CPU Pentium certamente possui slots PCI disponíveis. Assim você poderá instalar a placa controladora do scanner.
Por outro lado, é possível que o seu problema seja bem mais simples, e você esteja bastante enganado a respeito dos slots usados nas placas de CPU. Muitas placas controladoras de scanner são do tipo ISA de 8 bits. É possível que, devido ao tamanho do conector, você esteja tentando ligá-la em um slot PCI. Este procedimento é errado, e o encaixe é impossível. Você deve usar um slot ISA, mesmo que seja de 16 bits. Placas ISA de 8 bits (com apenas um conector) podem ser perfeitamente encaixadas em slots ISA de 16 bits (de 2 conectores). Sua placa de CPU Pentium provavelmente não possui slots ISA de 8 bits, e sim, de 16 bits. Se sua placa controladora de scanner for ISA de 8 bits (possui apenas o maior dos dois conectores), ligue-a no conector correspondente de um slot ISA de 16 bits.

4) Regulando o tamanho das figuras digitalizadas
Possuo um scanner Genius Color e utilizo o driver TWAIN que acompanha o produto. Estou produzindo crachás, e digitalizo fotos 3×4, porém após a digitalização, ela aparece no computador enorme, por volta de 10×12 cm, e ocupando quase 15 MB. Existe alguma forma de diminuir este tamanho antes de passar a foto para o programa processador de imagens? Sei que nesses programas a redução é possível, porém a qualidade da imagem cai muito.
Resposta:
Você está provavelmente trabalhando com uma resolução desnecessariamente elevada. Uma foto 3×4, digitalizada com 16 milhões de cores e resolução de 300 DPI resulta em um arquivo com cerca de 500 kB, muito abaixo dos espantosos 15 MB que você está obtendo. Não use resoluções acima de 300 DPI com este tipo de scanner, pois normalmente não existe melhoramento algum na imagem, e o tamanho do arquivo cresce assustadoramente. Para reduzir anda mais o seu tamanho, você pode optar por armazenar o arquivo no formato JPG, o que provavelmente resultará em arquivos menores que 50 kB. Entretanto, ao decidir que formato utilizar, é preciso antes saber quais são os formatos suportados pelo software que você usará posteriormente para acessar as figuras. Muitos programas não suportam o formato JPG. Tente então usar o TIF, que resulta em arquivos não tão compactos, mas menores que os de formato BMP.

5) Sem slot livre para a interface do scanner
Depois de um blackout na minha cidade, algumas interfaces do meu computador ficaram danificadas. Tive que trocar a placa fax/modem e instalar uma nova placa só para controlar a impressora. Agora não tenho slot livre para instalar a placa de interface do scanner. O que posso fazer?
Resposta:
O seu computador está com todos os slots ocupados, o que torna praticamente inviável a instalação de novas placas, como por exemplo a controladora do scanner. Existem entretanto algumas opções:
1) Procure um scanner que possa ser conectado na interface paralela. Não são comuns modelos com esta característica.
2) Verifique se existe uma porta serial livre, e se a sua impressora pode ser ligada na porta serial. Desta forma, você terá um slot livre para a instalação de uma placa controladora de scanner.
3) No seu caso não é uma boa solução, pois seu computador já possui uma placa de modem. Se não fosse por isto, seria viável a solução de usar um modem externo, ligado em uma porta serial livre (provavelmente a sua COM2 está disponível). Desta forma você teria um slot livre para instalar a interface do scanner.

6) Resoluções ótica e interpolada
As resoluções de um scanner de mesa são de dois tipos: ótica e interpolada. Qual a diferença?
Resposta:
A resolução de um scanner é um fator importante. Os modelos mais baratos atingem resoluções normalmente mais baixas, e simulam resoluções mais altas através de interpolação. Entram então em jogo dois conceitos: resolução ótica e resolução interpolada. A resolução ótica representa a verdadeira capacidade de um scanner capturar figuras com detalhes mínimos. Os melhores scanners de mesa operam com resoluções óticas de 600×600 DPI (Pontos por polegada), 600×1200, 1200×1200 ou superiores. Através de interpolação, podemos simular resoluções mais altas, como 9600×9600 DPI. Diga-se de passagem que qualquer software para tratamento de imagens consegue partir de uma figura com resolução baixa (ex: 300 DPI) e realizar uma mudança de escala através de interpolação, atingindo resoluções mais altas. Portanto, o que é mais importante em um scanner é a sua resolução ótica, e não a interpolada.

7) A memória que um scanner exige
Gostaria de saber qual e melhor maneira de configurar a memória, pois muitas vezes, quando tento digitalizar imagens, consigo trabalhar somente com a resolução de 800 pontos por polegada, apesar do meu scanner chegar a 3200 ppp. Quais programas posso colocar na memória alta ?
Resposta:
Figuras escaneadas em alta resolução requerem muita memória. Você pode calcular facilmente o número de bytes necessários, de acordo com a resolução utilizada e com as dimensões da figura. Calcule inicialmente o número de pixels na largura da figura, usando a fórmula:
PL = largura x resolução / 2,54
A largura deve ser dada em centímetros e a resolução em DPI. O fator 2,54 é a conversão entre centímetros e polegadas (1 polegada = 2,54 cm). O resultado desta conta será o número de pixels no sentido horizontal. Suponha por exemplo, uma figura com 15 cm de largura e 20 cm de altura, e uma resolução de 800 dpi. O número de pixels no sentido horizontal será:
PL = 15 x 800 / 2,54 = 4724 pixels
No sentido vertical, fazemos o mesmo cálculo, ou seja:
PV = altura x resolução / 2,54
Teremos então um total de:
PV = 20 x 800 /2,54 = 6299 pixels
O número total de pixels armazenados na memória será igual a PLxPV. No noseo exemplo, teremos:
4.724 x 6.299 = 29.756.476
Operando em modo True Color, cada pixel ocupa 3 bytes, e portanto serão ocupados na memória:
29.756.476 x 3 = 89.269.428
Portanto, o tamanho total ocupado na memória é de quase 90 MB. Para que esta figura caiba na memória e possa ser manipulada com conforto, é preciso que o PC possua 128 MB de memória RAM !!!
Felizmetne a coisa não é tão feia assim. A resolução de 800 DPI normalmente não precisa ser utilizada. Se você vai apenas exibir na tela figuras escaneadas, 100 DPI serão suficientes (a mesma figura ocuparia pouco menos de 1,5 MB de RAM). Se você pretende imprimir a figura em uma impressora colorida, bons resultados são obtidos quando é usada uma resolução de 3 a 4 vezes menor que a resolução da impressora. Por exemplo, para uma impressora de 720 dpi, figuras escaneadas a 200 DPI ficarão boas ao serem impressas. Desta forma, a nossa foto de 15 x 20 cm necessitaria de apenas cerca de 6 MB de memória. Esqueça portanto as altíssimas resoluções para escanear figuras de grande tamanho.

8) Indicação de scanner
Trabalho com programação visual e gostaria de adquirir um scanner. Sei que existem várias marcas e modelos. Queria que você me indicasse qual é o melhor fabricante.
Resposta:
Na sua atividade, o scanner é muito usado para a captura de figuras. Também é comum o uso do OCR (Reconhecimento ótico de caracteres), que consiste em transformar em arquivo tipo texto, qualquer texto impresso em papel. Para este tipo de atividade, os melhores tipos de scanners são os de mesa, já que os manuais não apresentam resultados tão bons e não são de manuseio tão rápido. Você pode procurar por exemplo os modelos fabricados pela HP, encontrados com relativa facilidade nas revendas de informática em todo o Brasil.

9) Falta de memória para usar um scanner
Meu PC é um 486DX4 com 16 MB de RAM e disco rígido de 1,28 GB. Instalei um scanner Genius de 3200 DPI. Veio com driver TWAIN e o software Photofinish 3.0. Quando digitalizo uma imagem de 10×15 cm em 24 bits e 300 DPI, tudo bem. Ao pressionar OK, esta imagem é transferida para o Photofinish. Mas se tento utilizar resolução superior a 300 DPI, o TWAIN dá a mensagem “Out of Memory”. Será que preciso de mais memória? O tratamento de imagens a 300 DPI é muito demorado, o LED de acesso a disco rígido fica piscando muito durante a operação. Demoram alguns minutos para transferir a imagem do TWAIN para o Photofinish.
Resposta:
Mesmo a 300 DPI, a quantidade de memória necessária para capturar uma imagem através de um scanner é muito elevada. Uma foto de 10×15 cm equivale a aproximadamente 4×6 polegadas. Com 300 dpi, isto corresponde a 1200×1600 pixels. No modo True Color, cada pixel ocupa 3 bytes, portanto a quantidade total de memória ocupada é cerca de 5,7 MB. Aumentando para 400 DPI, a mesma imagem passa a ocupar 1600×2400 pixels, o que resulta em mais de 11 MB no modo True Color. Descontando dos seus 16 MB, 1 MB correspondente à memória convencional e à memória superior, a área utilizada pelo sistema operacional, cache de disco, e os próprios aplicativos relacionados com o uso do scanner, fica claro que os 16 MB não são suficientes. Mesmo que você utilize um formato de armazenamento que faz compressão da imagem, como o JPEG, as imagens são transferidas do scanner para a memória sem compressão, sendo comprimidas apenas quando é feita a gravação na forma de um arquivo.
Não se espante com as elevadas resoluções anunciadas para os scanners. A maioria dos bons scanners possui uma resolução ótica de 400 ou 600 DPI. Resoluções superiores são obtidas através de interpolação, feita pelo próprio scanner, simulando assim uma resolução mais alta. Um efeito muito similar pode ser obtido por software. Programas como o Photo Shop, o Photo Styler, ou mesmo o Paint Shop Pro são capazes de, partindo de uma imagem com uma certa resolução, gerar outra imagem com maior número de pixels. Você poderá portanto usar o scanner com 300 DPI, e depois de ter armazenado a figura em disco, aumentar a sua resolução por software.
Se mesmo assim você insistir em usar o scanner com resoluções óticas de 400 ou 600 DPI, faça uma expansão de memória para 32 MB, ela realmente será necessária.

10) Scanner deixou de funcionar com o Windows 95
Tenho um scanner de mão Genius ScanMate Color da Genius que funcionou perfeitamente até eu instalar o Windows 95. Reinstalei o driver TWAIN que acompanha o scanner e o configurei. Porém, não consigo mais digitalizar nenhuma imagem a partir de programas como o Photoshop, Paintshop, Corel, entre outros.
Resposta:
Você fez tudo corretamente. Tenho um scanner idêntico ao seu, comprado antes do lançamento do Windows 95. Seu driver para Windows 3.x funciona perfeitamente no Windows 95, e este deveria ter sido o seu caso. Programas gráficos que são Twain compatíveis deveriam reconhecer automaticamente o scanner, bastando usar antes o comando Select Source, ou Select Scanner.
Sugiro que você repita a instalação do scanner, mas antes, verifique no Gerenciador de Dispositivos, se os recursos de hardware da placa controladora do scanner (IRQ, DMA e I/O) estão livres. Feito isto, anote os recursos usados pela placa e reserve-os, através da guia Reservar Recursos no Gerenciador de Dispositivos. Isto evitará que outras interfaces utilizam indevidamente os recursos configurados na placa de interface do scanner, pois como esta não é PnP, não é “reconhecida” pelo Windows 95. Esta reserva de recursos é uma espécie de reconhecimento feito manualmente pelo usuário. Também é preciso reservar o IRQ e o DMA da placa no CMOS Setup, em um ítem chamado PCI/PnP Configuration. Coloque tanto o IRQ como o DMA usado programados como “ISA” (a outra opção, que não deve ser usada, é “PnP”). Isto indicará ao BIOS que esses recursos estão ocupados, e que não podem ser utilizados pelas interfaces PnP. Repita a instalação do scanner e use o comando “Hardware Test”. Com ele você poderá verificar se o scanner está captando imagens. Terminada a instalação, reinicie o Windows, e os programas gráficos estarão aptos a captar figuras do scanner, através do seu driver TWAIN.
O endereço do site da Genius é:
http://www.genius-kye.com

11) Digitalização de vídeo x câmera digital
Tenho uma filmadora SUPER VHS. Pergunto: Qual a placa de vídeo mais adequada e de boa resolução de imagem que aceita uma filmadora SVHS NTSC? Se a filmadora é SVHS (boa imagem), é possível usá-la como um scanner, já que é possível congelar as imagens e guardá-las em um folder? Seria melhor comprar uma câmera digital ao invés da filmadora?
Resposta:
Câmeras SVHS geram imagens com maiores resoluções que as do padrão VHS, o mais popular. Placas digitalizadoras de vídeo são sempre capazes de funcionar como câmeras digitais, gerando arquivos gráficos resultantes da digitalização da imagem. O custo total do equipamento, bem como o seu grau de sofisticação, depende do desejo do usuário em operar a nível amador ou profissional. A maioria das placas digitalizadoras de vídeo não possui entrada Super VHS, sendo restrita ao padrão NTSC/VHS. As imagens são capturadas na resolução de 320×240 pixels, e através de interpolação podem ser exibidas em uma janela ou em tela cheia. Uma boa opção é a Intel Smart Video Recorder III, encontrada com relativa facilidade no mercado brasileiro. Seu custo nos Estados Unidos está em torno de $800, no Brasil o preço pode variar em função dos impostos.
No ramo profissional, placas digitalizadoras ainda mais sofisticadas podem apresentar entrada Super VHS. Um fabricante especializado no assunto é a Fast Electronics (http://www.fastmultimedia.com). Espere entretanto gastar acima de $2000 por uma placa digitalizadora Super VHS. O seu elevado custo é justificável, por exemplo, para empresas produtoras de programas de multimídia.
Seja qual for o caso de digitalização, amadora ou profissional, é necessário um PC bastante poderoso. Quanto ao processador, a maior velocidade possível é desejável, para que o processo de edição seja rápido. Já deixei um Pentium-133 trabalhando durante 22 horas seguidas para converter um filme de MJPEG para Indeo (esses são dois métodos de compressão de imagem bastante utilizados). O filme tinha cerca de 30 minutos de duração. Também é comum utilizar quantidades generosíssimas de memória RAM, como 64 MB ou mais. Discos rígidos IDE em geral são inadequados para uma digitalização perfeita. Normalmente nesta aplicação são utilizados discos SCSI do tipo “A/V compatible”. Esses discos são capazes de garantir uma taxa de transferência uniforme, sem as pausas para recalibração térmica, comuns em outros discos. As operações de backup de filmes digitalizados requerem um meio de armazenamento poderoso, como fitas DAT (4 GB ou mais), JAZ Drive de 1 MB, ou outros similares. O CD-ROM é o melhor meio para armazenar os filmes depois de prontos, e um gravador de CD-R é quase obrigatório em um PC para digitalização.
É possível usar um PC comum para digitalização de vídeo, mas suas limitações de velocidade de processamento e capacidade de armazenamento impedem que seja ultrapassado o nível amador.
Para um usuário que não está interessado em filmar, e sim em obter fotos de alta resolução, a câmera digital ainda é a melhor opção. O seu custo é bastante inferior ao de um sistema de digitalização, sua resolução é bem maior (os modelos mais simples operam com 640×480, que já é superior ao Super VHS), e não é preciso utilizar um PC muito sofisticado.

12) Scanner no escuro
Possuo um scanner de mão Genius modelo ScanMate Color Deluxe 24 bit True Color Handy Scanner. Adquiri este em novembro/96 na “Casa das impressoras” de BH, com garantia de um ano. Tive que formatar meu HD e agora estou tendo problema para configurá-lo, após instalados o Twain Driver e o Photofinish 3.0, vou escanear uma foto e ela aparece toda preta. Quando aumento a claridade saem algumas cores, mas com baixa resolução. O revendedor disse que o problema pode ser na calibragem. Peço ajuda para resolver o problema.
Resposta:
Junto com o seu scanner, você deve ter recebido um cartão com uma faixa branca e outra preta (talvez também uma cinza). Este cartão é usado para calibrar o scanner, operação que é feita durante o seu processo de instalação. Provavelmente esta é a solução, mas outros problemas ainda podem ter ocorrido. O driver TWAIN que você recebeu pode estar desatulizado, ou o que é pior ainda, a lâmpada do scanner pode estar queimada. Se for este o caso, provavelmente será impossível obter outra no Brasil, onde a manutenção é bastante precária. Em termos de equipamentos de informática, aqui vende-se quase tudo e conserta-se quase nada.
Através da Internet (http://www.genius-kye.com), você pode obter a mais recente versão do driver TWAIN para o seu scanner. Selecione Technical Support / Scanners / Handheld, e finalmente faça o download do arquivo SMCD.ZIP, que é o driver para o seu scanner. Neste mesmo site, você pode obter e listar uma folha de calibração. Para isto, selecione FAQs / Scanners / Callibration Sheet. Tente primeiro fazer a calibração, e se não resolver, instale o novo driver do seu scanner.

13) Scanner em alta resolução
Possuo um scanner Genius Color Page EP, e quando vou escanear uma figura usando a resolução de 600 DPI ou mais, a imagem custa a ser escaneada, ou então o computador trava. Como fazer para a digitalização ser mais rápida e sem travar? Como salvar a imagem de modo que ocupe menos espaço no disco? Já ouvi dizer que o formato JPEG ocupa menos espaço, mas como usá-lo? O que muda quando salvo a imagem em GIF, BMP, etc? Como usar a função OCR? Meu PC é um Pentium-166 com 32 MB de RAM.
Resposta:
As altas resoluções do scanner não se destinam a uso permanente. São úteis apenas quando desejamos ampliar uma imagem muito pequena. Por exemplo, uma foto 3×4 digitalizada em 600 DPI resulta em uma imagem de 720×900 pixels. Apesar da resolução ser alta, a qualidade da imagem é ruim, já que a foto original não ajuda muito. Se você digitalizar uma foto de 10×10 cm em 600 DPI, ficará com um arquivo com resolução de 2400×2400 pixels, uma resolução muito maior que a permitida pelo vídeo. Seu tamanho sem compressão será de 17 MB, um exagero. Por isto a digitalização é lenta. Se a imagem tiver 15×15 cm, sua memória de 32 MB será totalmente ocupada, daí vêm os travamentos. Fotografias coloridas resultam em arquivos gráficos com qualidade suficiente para serem exibidos na tela ou impressos, quando a digitalização é feita com 150 DPI. Você pode experimentar também os resultados com 100 e 200 DPI. Se a imagem original não for uma fotografia, e sim uma figura impressa (como a foto colorida de uma revista), faça o escaneamento inicialmente em uma resolução duas vezes maior (se o resultado esperado deve ter 150 DPI, comece com 300 DPI). Use a seguir o comando Remove Moiré do seu programa gráfico (este comando pode aparecer com outros nomes, como Soften, Blur ou Median). Será feito um espalhamento dos pixels, com o objetivo de eliminar uma granulação conhecida como Moiré, que aparece sempre que digitalizamos figuras impressas. Depois reduza o tamanho da figura à metade. Os resultados serão muito bons.
Existem diversos formatos gráficos amplamente utilizados, como GIF, BMP, PCX, TIF, JPEG, entre outros. Alguns suportam no máximo 256 cores, como o GIF. Outros podem chegar a 16 milhões de cores. Alguns mantém a imagem original sem compressão, outros reduzem o seu tamanho através de técnicas especiais de compactação, como é o caso do JPEG. Note entretanto que o JPEG resulta em redução de tamanho, apenas para fotos. Se você representar, por exemplo, um desenho neste formato, terá um arquivo muito grande. Neste caso é melhor utilizar outros formatos que usem menos compressão, como o TIF. Junto com o seu scanner, você deve ter recebido um software para tratamento de imagens, como o PhotoPaint ou similar. Use-o para “chamar” o scanner, manipular a imagem recebida, e finalmente salvá-la, usando o formato gráfico desejado.
Também junto com o seu Scanner, você deve ter recebido um programa para OCR (reconhecimento ótico de caracteres), como o SmartPage ou o WordLinx. Caso você não goste do software fornecido, pode instalar o software que acompanha o scanner de um colega, ou então adquirir um em separado, em alguma loja revendedora de software.

14) Edição de vídeo em um PC
Trabalho com filmagens de festas, uso uma filmadora Panasonic M3000, um vídeo SVHS JVC7200, um vídeo JVC VHS J836, dois VCRs Panasonic VHS J40, gerador de caracteres TM2000 e uma mesa de efeitos AVE55. Comprei um computador com finalidade de usá-lo em edição de fitas. Gostaria de saber que placa e que programas preciso comprar para fazer melhores montagens de fita.
Resposta:
No Brasil é difícil, mas nos Estados Unidos existem empresas especializadas em vender PCs sofisticados, já preparados a nível de software e hardware para realizar digitalização e edição de vídeo. Partindo de um PC comum, é possível adicionar placas e instalar softwares para digitalizar, editar e gerar vídeo pelo computador. Uma placa Video Blaster, ou uma Intel Smart Recorder III podem ser usadas nesta tarefa. O custo é relativamente baixo (entre 500 e 1000 dólares), mas os resultados não apresentam a mesma qualidade obtida com os métodos convencionais. Para produzir vídeo por computador com qualidade profissional, é preciso gastar muito em um PC com bastante capacidade e velocidade, adicionar periféricos especiais e ainda uma placa digitalizadora de vídeo com qualidade profissional. Tais placas custam alguns milhares de dólares. Uma certa economia pode ser obtida se você abrir mão do padrão SVHS, ficando limitado ao VHS. Desta forma, a placa digitalizadora de vídeo custará cerca de 1000 dólares, como a Broadway 2.0 (é caro, mas é melhor que os 5000 dólares, em média, gastos em uma placa que digitalize SVHS).
Se você não tivesse comprado o computador, em recomendaria um Pentium MMX ou K6 de 233 MHz, 64 MB de RAM e um disco rígido SCSI “A/V Compatible” de 8 GB. Para backup, recomendaria uma unidade de fita DAT de 8 GB (você certamente vai querer manter backup das imagens digitalizadas). Esses componentes são necessários para o processamento e armazenamento das imagens. Para a digitalização, seria necessária uma placa de som (qualquer placa de som atual serve) e uma placa digitalizadora de vídeo com entrada e saída. Para processar as imagens, o software Adobe Premiere é uma boa escolha. Um computador com todas essas características é bastante caro, mas mesmo assim não é suficiente para digitalizar e processar uma hora de vídeo, a menos que seja tolerada perda de qualidade. Este é o caso dos vídeos armazenados em CD-ROM, que apresentam características inferiores aos de um vídeo normal. Por exemplo, é comum reduzir a taxa de exibição para 15, 12 ou 10 quadros por segundo, além de usar uma taxa de compressão que torna a imagem menos nítida. Se o computador for bastante veloz, tiver bastante memória, e os clips tiverem curta duração (alguns minutos), será possível digitalizar e processar alguns trechos com boa qualidade. Esses trechos podem ser adicionados ao filme principal, usando a sua mesa de edição.
Computadores mais simples, como o Amiga 500, já forma usados para edição de vídeo, mas com limitações. A imagem é recebida por uma placa, são adicionados alguns efeitos como geração de caracteres, e imediatamente transferida para uma saída. Neste caso, não existe armazenamento e muito pouco processamento, mas nem de longe é possível obter os resultados do equipamento que exemplifiquei, e muito menos ainda, o processamento 100% digital feito com os computadores de mais de 100.000 dólares das grandes emissoras de TV.

15) Scanner x Windows 95
Adquiri em 1995, um PC 486DX4-100. Pouco depois, um scanner de mesa Genius Color Page SP. Tudo funcionava às mil maravilhas, com o Windows 3.11, até que resolvi migrar para o Windows 95, e desde então o scanner deixou de funcionar. Consegui por intermédio de um colega, o disquete de drive mais atualizado, funcionou por um certo período, até instalar a versão mais recente do Windows 95. Embora eu tenha obtido um disquete de drive novo, o scanner ainda não funcionou. O Windows não está reconhecendo o scanner, como um novo hardware instalado. Gostaria de uma dica que fizesse o hardware funcionar. Será que a placa (SCSI) de interface, ao invés de estar no barramento ISA, deveria estar no PCI?
Resposta:
Scanners anteriores ao lançamento do Windows 95 podem perfeitamente funcionar em um PC equipado com o Windows 95, mesmo utilizando os drivers do Windows 3.11, e mesmo que não apareça no Gerenciador de Dispositivos. A principal razão para o não funcionamento é um conflito de recursos de hardware, ou então a falta da definição desses recursos. Por exemplo, digamos que a sua interface de scanner esteja usando IRQ10, DMA3 e endereços 3A0-3A7. Antes de fazer a instalação, é preciso consultar o Gerenciador de Dispositivos, checando então se os recursos a serem usados pela placa de interface estão livres. Caso estejam, precisamos marcá-los, evitando que o Windows os destine para outros dispositivos Plug and Play. Para fazer isto, usamos o Gerenciador de Dispositivos e clicamos em Computador / Propriedades, e a seguir usamos a guia “Reservar Recursos”. Marcamos então IRQ10, DMA3 e endereços de E/S 3A0-3A7. O Windows entenderá esses recursos como “Reservado para o Sistema”. Podemos agora desligar o computador, conectar a placa de interface do scanner, ligar o computador e usar o software de instalação que acompanha o scanner (ou uma versão mais recente, desde que você tenha certeza que a mesma destina-se ao seu modelo de scanner). Quando é feita a instalação do software que acompanha o scanner, você encontrará um comando de configuração (normalmente “Hardware”), no qual será preciso indicar a IRQ, DMA e endereços de E/S programados. Esses recursos, além de terem sido reservados no Gerenciador de Dispositivos, precisam também estar configurado nos jumpers da placa de interface do scanner.
A questão do slot a ser usado não tem nenhuma relação com o funcionamento do scanner. Placas ISA só podem ser conectadas em slots ISA, e funcionam tanto no Windows 3.x como no Windows 95. Não podem portanto ser ligadas em slots PCI, e nem é necessário adquirir uma nova placa SCSI PCI para colocar o scanner em funcionamento.
Aproveito para indicar o endereço da Genius na Internet:
http://www.genius-kye.com
Consulte também na área de ARTIGOS deste site, um artigo que trata sobre instalação e uso de scanners.

16) Instalando um scanner antigo
Estou tentando instalar um scanner no meu micro, mas estou tendo problemas. Conectei a placa do scanner na placa mãe. Conectei o cabo no scanner (modelo ScanMate/256A). Coloquei o disquete de instalação. Inicia bem, faz algumas leituras, e pronto. De repente reinicia o Windows. Às vezes aparece uma tela de erro, dizendo que houve uma coisa fatal. Pior ainda, o scanner continua o tempo todo ligado. Junto com esse scanner veio o software Smart Page Direct 2.1, PhotoFinish 3.0.
Resposta:
Este me parece ser um modelo antigo da Genuis, do tempo do Windows 3.x. Pode funcionar no Windows 95, mas o método de instalação é diferente. Comece retirando a placa do scanner. Entre no Windows e use o Gerenciador de Dispositivos (clique o Meu Computador com o botão direito do mouse e escolha Propriedades, depois selecione a guia Gerenciador de Dispositivos). Clique em Computador e depois em Propriedades. Você verá uma lista de canais de DMA e de IRQ. Anote quais são os IRQs e canais de DMA livres. Os IRQs vão de 0 a 15, os canais de DMA vão de 0 a 7. Consulte no manual do scanner, quais são os canais de DMA, IRQ e endereços de E/S que podem ser configurados. Isto é feito através de jumpers. Configure a placa para que use um IRQ e um canal de DMA que estejam livres. Veja ainda quais são as faixas de endereços de E/S que podem ser usados. Escolha uma faixa que esteja livre, no mesmo quadro onde você achou IRQs e canais de DMA livres. Neste quadro, use a guia Reservar Recursos para indicar quais configurações você fez na placa de interface do scanner. Feitas as alterações, será preciso reiniciar o computador. Quando isto for feito, desligue-o e conecte a placa de interface. Agora você poderá ligá-lo e usar o software de instalação do scanner. Neste software você encontrará um comando (botão, menu, ou similar) chamado hardware. Deverá então indicar para este software, quais foram os recursos de hardware configurados (IRQ, DMA e E/S). Desta forma não existirão conflitos de hardware, e o scanner poderá funcionar normalmente. Você poderá encontrar mais detalhes sobre a instalação e uso de scanners em na área de artigos deste site.

17) Scanner não instala
Adquiri um ScanJet 5100 C da HP, em Miami, e não consegui fazê-lo funcionar. Ele deveria funcionar a partir da mesma porta paralela da impressora e a impressora é conectada no própria scanner. Segui as instruções de instalação que acompanham o produto e, ao fazer os testes, aparece uma mensagem de que o scanner não foi encontrado. O problema é que o driver parallel SCSI da Shuttle Tech não funciona. No Device Manager do Windows 95 o dispositivo aparece desabilitado e o sistema alega que o dispositivo não está presente ou não tem todos os arquivos necessários instalados. Eu tentei instalar em várias máquinas diferentes com o Windows 95 em inglês e português, OSR2 ou não e em nenhuma ele funcionou. O suporte da Shuttle Tech diz que toda as informações têm de ser dadas pelo OEM (no caso a HP). Estou tentando também conseguir orientação da própria HP. Até o momento não consegui nada. Gostaria de saber se você tem algum conhecimento de problema parecido.
Resposta:
Retire o scanner e desconecte a impressora. Ligue o computador e desinstale a impressora (basta apagá-la da pasta de impressoras). Desinstale também o scanner, removendo a sua “interface SCSI” do Gerenciador de Dispositivos. Remova também no Gerenciador de Dispositivos, a porta paralela. Reinicie o computador, entre no CMOS Setup, e verifique se a porta paralela está configurara como SPP (Standard Parallel Port, on Compatible, on Normal). Alguns dispositivos paralelos podem apresentar problemas ao serem configurados como EPP ou ECP. Ligue o computador e deixe o Windows 95 detectar a porta paralela. Desligue-o a seguir, e faça a instalação do scanner de forma isolada nesta porta paralela, sem a impressora. Por este método, o scanner terá maiores chances de funcionar. Caso funcione, faça a seguir a instalação da impressora, e verifique se agora ambos estão funcionando. Caso não funcione, você precisará comprar uma caixa comutadora, para ligar na mesma porta paralela, a impressora e o scanner. Este sistema de ligar a impressora e o scanner em cascata quase sempre funciona, mas tenho sabido de muitos casos de incompatibilidade, como o seu.

18) Software para Scanner ARTEC
Possuo um scanner de mão Artec, recentemente por um problema em meu computador foi necessário reinstalar todos os programas, mas o disco de meu scanner estava danificado, vocês saberiam me informar um site ou onde conseguir o software Scantool para o meu scanner?
Resposta:
O endereço que você procura é http://www.artecusa.com . De um modo geral, podemos localizar facilmente endereços de fabricantes. Eu não conhecia o endereço deste fabricante, e tentei inicialmente, www.artec.com. Este endereço existia, mas não tinha nada a ver com scanners. Entrei no Altavista ( http://www.altavista.digital.com ) e mandei procurar +artec+scanner. Achei mais de 60 ocorrências, e lá estava o link para o fabricante. Este método é genérico, e quase sempre permite encontrar o que procuramos. Coloquei ainda na área de LINKS da minha Home Page, endereços de quase 200 fabricantes.

19) Fotos rosadas
Adquiri no exterior uma câmera digital da Marca Casio, Modelo QV200, para ser utilizada em trabalhos de engenharia. Acontece porém que todas as fotos adquirem um tom rosado após serem captadas. Tentei mexer em alguns recursos, filtros por exemplo, mas não encontrei nenhuma solução para o problema. Através de amigos, descobri uma pessoa que havia comprado uma Casio QV10A e fui ao seu encontro. Fazendo testes com as duas câmeras, foi notado que a qualidade das fotos tiradas com essa segunda era superior as tiradas com a minha. Gostaria de obter qualquer informação a respeito.
Resposta:
Sua câmera está provavelmente desregulada nos circuitos que recebem a componente verde das cores. Desta forma, o azul e o vermelho sobressaem, resultando em um tom rosado. Se a desregulagem for pequena, você poderá tentar compensar através de correção de cor, feita pelo programa de tratamento de imagens que acompanha a câmera. Esses programas são capazes de reajustar as componentes de verde, vermelho e azul, corrigindo pequenas distorções de cor. Para fazer a regulagem, você precisa fotografar uma folha de papel branca, bem iluminada. A seguir abra a imagem resultante e tente alterar a porcentagem da intensidade do verde, até obter a cor branca. Por exemplo, se a cor captada teve R=250, B=250 e G=220, faça um aumento no verde de 30/220, ou seja, 13,6%. Alguns programas processadores de imagens, ao captarem as figuras, podem adicionar automaticamente ajustes na imagem, como por exemplo, a correção de uma ou mais componentes de cor, usando uma porcentagem programada pelo usuário. Nem todos os programas possuem tal capacidade.
Talvez o problema possa ser corrigido através de uma regulagem interna, mas também pode ser causado por um defeito no circuito do verde, e não uma desregulagem Você deverá tentar trocar a câmera onde comprou. Pode ainda contactar a assistência técnica através da Casio no Brasil. Seu telefone é 011-3155-0355.

20) OCR
Gostaria de saber como funcionam os editores de imagens OCR?
Resposta:
OCR (Optical Character Recognition, ou Reconhecimento Ótico de Caracteres) é a operação de obtenção de um texto a partir de uma listagem impressa. Imagine por exemplo, a partir de uma página de revista ou jornal, obter um documento de texto, para ser depois reformatado e alterado através de um processador de textos, sem que para isto precise ser digitado. É uma aplicação realmente útil. Para usar o OCR é preciso ter um scanner (de preferência um modelo de mesa, ou flatbed), e um software OCR. Todos os scanners são acompanhados de um software para este fim, e esses softwares são compatíveis com qualquer modelo de scanner. Significa que se você não gostar do OCR que acompanha o seu scanner, pode adquirir um outro software OCR que mais lhe agrade, e usá-lo com o seu scanner. O OCR obtém através do scanner, uma imagem digitalizada do texto a ser reconhecido. A partir de então, tenta identificar os caracteres presentes na imagem. Uma vez identificados, são convertidos em texto e enviados a um processador de textos, como o Word ou o WordPad. Alguns caracteres podem não ser reconhecidos corretamente, por estarem ilegíveis. Nesse caso, são preenchidos com um símbolo “?”. O usuário deve utilizar um corretor ortográfico para detectar e corrigir os erros decorrentes de caracteres que não foram reconhecidos.

21) Scanner x memória
Tenho um Pentium-200 MMX com 32 MB de RAM, HD de 2.1 GB e placa de vídeo com 2 MB. Não consigo trabalhar direito quando estou usando o scanner Genius CS2 4800. Ou trava ou tenho que reiniciar o PC depois de capturar imagens, pois fica muito lento, até para usar o Word.
Resposta:
Alguns programas quando requisitam grandes quantidades de memória (como é o caso do drive do scanner) e depois liberam esta memória, podem resultar em problemas pelo fato dessa memória não ter sido realmente devolvida ao sistema, provocando lentidão em outros programas. Isto ocorre devido a um bug presente no Windows 95, que pode ser resolvido com a instalação do Service Pack 1. Você pode obtê-lo em:
http://www.microsoft.com/windows/software/localize/brz.htm
Muitos problemas no Windows 95 ocorrem por falta de memória, o que pode ter várias causas. Uma delas é a incorreta liberação de áreas de memória que foram tomadas por programas cuja execução já terminou. Uma forma de confirmar isto é utilizando o programa System Monitor, que pode ser obtido em:
http://www.microsoft.com/windows95/info/legacy.htm
Deixe este programa em execução, monitorando a quantidade de memória livre. Execute então os programas suspeitos e verifique a quantidade de memória livre que é reportada pelo System Monitor. Isto não resolverá o problema, mas ajudará a apontar um caminho. Se o problema for realmente falta de memória, a instalação do Service Pack 1 poderá solucioná-lo.

22) Scanner para Windows NT
O sistema operacional do meu computador é o Windows NT 4.0 Workstation. Desejo comprar um scanner que tivesse driver para o NT. Quais os existentes no mercado e que possuem esses drivers?
Resposta:
Os usuários do Windows NT ficam realmente em muitos casos, impossibilitados de instalar certos equipamentos por falta de drivers. Este problema acabará depois do lançamento do Windows 98 e do Windows NT 5.0, pois ambos os sistemas usarão drivers no padrão WDM (Win32 Driver Model). Os novos drivers criados pelos fabricantes para o Windows 98 servirão também para o Windows NT 5.0, e vice-versa.
Os scanners da HP (6100C, 6100CSe, 5100C, 5100CSe, 5000Cxi, 5S) são todos compatíveis com o Windows 95 e o Windows NT 4.0. Esta informação é fácil de conseguir de qualquer fabricante. Basta acessar o site na Internet, selecionar Products, Scanners, e Specifications ou Features. Assim você pode encontrar informações semelhantes sobre scanners da Genius, Mustek, Envisions e outros. Aqui vão portanto alguns endereços que você pode consultar:
http://www.microtek.com
http://www.umax.com
http://www.envisions.com
http://www.genius-kye.com
http://www.hp.com
http://www.epson.com
http://www.logitech.com
http://www.artecusa.com

23) Driver para scanner Genius
Tenho um scanner modelo Genius CS4800 que adquiri na última Fenasoft, juntamente com um computador. O computador apresentou um problema e tive que formatar o disco rígido. Ocorre que não recebi o software de instalação do scanner, e a loja onde comprei o equipamento simplesmente não existe mais. Como posso obter este software?
Resposta:
Os drivers para todos os scanners da Genius podem ser encontrados na Internet. Basta acessar a página:
http://www.genius-kye.com

24) Scanner trava o micro
Comprei em um scanner de mesa Yanco modelo 3D Scanner Pro, série YCM1-004610. Apesar de já ter experiência com instalação de componentes no meu computador, não estou conseguindo fazer funcionar o Scanner. Meu computador é um 486 DX-2 66 com 16MB de RAM e espaço de 60MB no disco rígido. Está com Windows 95. Já efetuei todos os procedimentos do manual de instalação como:
1-Instalação da placa em um slot livre.
2-Ligação do cabo no scanner e na placa, na parte traseira do computador.
3-Instalação do drive do scanner 3RIN ver.2.07 para Windows 95.
4-Instalação do software IMS SHELL.
5-Destravamento do scanner na sua parte inferior.
Quando ligo a chave liga-desliga na lateral do aparelho o mecanismo interno faz um pequeno movimento para frente e para trás, retornando a sua posição original, sem nenhum ruído indicando que pudesse estar preso.
Após rodar o soft da IMS e acionar o menu FILE e escolher a opção SELECT SOURCE, seleciono o “E-SCANNER V2.07N” (apenas da primeira vez), retorno ao menu FILE e ao acionar o Pre-scan o aparelho acende a luz, faz um pequeno movimento e retorna à sua posição original. Ao tentar cancelar a operação nota-se que o computador está travado, não conseguindo acionar nenhum botão. Sou obrigado então a dar um ALT+CTRL+DEL para sair do programa. Tenho instalado uma placa de fax no computador na porta COM 4. Já verifiquei se está havendo algum conflito com outro dispositivo, porém não vi nada de anormal. O meu mouse funciona normalmente no momento em que o programa trava.
Já mudei a placa do scanner para outro slot, sem sucesso. Também já verifiquei se há algum mal contato no cabo de ligação. Aguardo um retorno.
Resposta:
As placas de interface que acompanham os scanners em geral não são Plug and Play, e necessitam que seus recursos (IRQ, DMA e E/S) sejam reservados no Gerenciador de Dispositivos. Isto deve ser feito antes da instalação da placa de interface. Para chegar ao Gerenciador de Dispositivos, devemos clicar o ícone do Meu Computador com o botão direito do mouse e no menu apresentado, escolher a opção Propriedades. No quadro que é apresentado, selecionamos a guia Gerenciador de Dispositivos. Na lista de dispositivos apresentados, selecionamos Computador e depois Propriedades. Teremos acesso a um quadro no qual podemos consultar os recursos livres e ocupados (IRQs, canais de DMA, endereços de E/S e endereços de memória). Configure os jumpers da placa de interface de scanner de tal forma que utilizem recursos que não estejam ocupados. Para isto utilize o manual da interface do scanner e consulte o relatório apresentado pelo Gerenciador de Dispositivos.
Ainda no quadro que mostra os recursos livres e ocupados, selecione a guia Reservar Recursos. Indique aí os recursos utilizados pela sua placa de interface de scanner. Em geral essas placas utilizam uma linha de IRQ, um canal de DMA e uma faixa de endereços de E/S (por exemplo, IRQ10, DMA3 e 3A0-3AF). Cuidado aqui pois o endereço de E/S não é um único número, e sim, uma faixa de valores, como por exemplo, 3A0-3AF. Se o manual da placa não informar qual é a faixa de endereços (muitas vezes é informado apenas o endereço inicial), especifique uma faixa com 16 bytes, será suficiente. Já vi interfaces de scanner que usam dois, ou no máximo 4 bytes consecutivos no espaço de E/S, portanto 16 bytes serão mais que suficientes. Para isto, forme o endereço final substituindo o último “0” do endereço inicial por “F”. Por exemplo, se o endereço inicial for 3A0, coloque 3AF para endereço final.
Uma vez reservados os recursos, desligue o computador e instale a placa de interface. Use novamente o Gerenciador de Dispositivos para verificar se não existem conflitos. Você poderá agora instalar os softwares que acompanham o scanner: o driver TWAIN (que no seu caso é o 3RIN ver.2.07) e o editor gráfico (no seu caso é o IMS SHELL). Como você já fez essas instalações, não será necessário repeti-las. Apenas será preciso configurar o driver TWAIN (em geral existe uma opção Hardware Setup) para informar os recursos (IRQ, DMA e E/S) utilizados. Feita a configuração, você já poderá usar o scanner normalmente.

25) Câmera de vídeo
Gostaria de saber como ligar uma câmera de vídeo VHS Panasonic no meu PC através de um cabo MIDI, no lugar de uma Quick Cam, se isto é possível.
Resposta:
Não, esta ligação não é possível. Uma câmera comum, como é o caso da sua Panasonic, gera sinais eletrônicos no formato conhecido como video composto NTSC. Outros equipamentos geram imagens neste formato, como videocassetes e câmeras para PC. A conexão deste tipo de sinal de vídeo em um PC exige uma placa de captura de vídeo, também no padrão de vídeo composto NTSC. Essas placas são um pouco caras, e para baratear o custo, alguns modelos de câmeras têm sido adaptados para a conexão em outra interface mais simples. A Quick Cam fez muito sucesso porque a imagem gerada não usa vídeo composto, e sim, um formato paralelo, compatível com o de uma impressora, sendo portanto conectada na interface paralela de um PC. Câmeras comuns não permitem ser conectadas desta forma, e nem através da interface MIDI.

26) Scanner antigo no Windows 95
Tenho um scanner HP ScanJet Plus que funcionava no Windows 3.11. Ao mudar para o Windows 95 o scanner passou a não funcionar. Em contato com a HP do Brasil, me disseram que havia no site deles um driver para este scanner, próprio para o Windows 95, mas que mesmo assim o scanner poderia não funcionar, pois foi feito para trabalhar com o Windows 3.x. Isto está certo? O que posso fazer para que este scanner funcione no Windows 95?
Resposta:
Isto está errado. Produtos lançados antes do Windows 95 podem e devem funcionar perfeitamente no Windows 95, desde que seja instalado o driver apropriado. Muitos desses scanners antigos utilizavam placas de interface que não seguiam o padrão Plug and Play, sendo necessário definir manualmente seus recursos de hardware (endereços de E/S, DMA e IRQ) através do comando Reservar Recursos do Gerenciador de Dispositivos. Na área de artigos deste site existem vários artigos que ensinam esses tipos de instalação. Faça a instalação do novo driver, e seu scanner funcionará.

27) Defeito em scanner Genius – imagem clara demais
Tenho o scanner de mesa Genius Colorpage HR5. Mas, às vezes, quando o ligo o scanner e digitalizo uma imagem, ela fica clara demais. Tenho, então, de desligar e ligar de novo o equipamento, para que ele volte a funcionar normalmente. O que está acontecendo?
Resposta:
Sem dúvida nenhuma isto é um problema de hardware que ocorre dentro do próprio scanner, tanto é que ele volta ao normal depois que é desligado e ligado novamente. Algum componente responsável pelo controle do sistema ótico está apresentando falha. Se seu scanner ainda está na garantia você deve usá-la. Se não está na garantia, procure na loja onde você o comprou, a indicação de uma assistência técnica de confiança. Esteja entretanto preparado para conhecer o efeito “equipamento descartável”. Scanners atualmente custam muito mais barato que há um ano atrás, e talvez o conserto fique mais caro que um modelo novo e com mais recursos.

28) Câmera WebCam II fica com imagem congelada
Tenho um micro Pentium/233 com 32Mb de RAM, Windows 95, placa fax-modem 33.600 bps, placa de vídeo 2Mb. Comprei uma câmera para vídeo-conferência WebCamII da Creative Labs e procedi a instalação dos drives e utilitários (Netmeeting, Mediastudio e Cornell Cu-seeme) conforme indicado pelo fabricante. Porém, após funcionar corretamente por alguns minutos, a imagem congela e ao tentar qualquer alteração de setup a imagem fica totalmente escura só retornando a operação normal com o reinicialização do micro, quando o ciclo se reinicia (imagem OK por alguns minutos depois imagem congelada e tela totalmente escura). Como resolver o problema?
Resposta:
Provavelmente você está utilizando o modelo da WebCam II que se conecta à interface paralela. O outro modelo disponível é ligado na interface USB, porém é mais comum. A câmera funciona corretamente por alguns minutos e depois apresenta travamento. Este é um sintoma de problema na comunicação pela porta paralela. Configure a sua porta paralela através do CMOS Setup para o modo SPP (ou Standard, ou Compatible). Este ajuste é feito na seção Peripheral Configuration ou Integrated Peripherals no CMOS Setup. Vá ao Gerenciador de Dispositivos do Windows e remova o item Porta de impressora ECP. Reinicie o computador, e a porta de impressora será novamente detectada como SPP.

29) Scanner para inglês
Meu scanner não veio com programa OCR para inglês. É possível conseguir um e scanear textos em Inglês pelo OCR? Caso sim, onde conseguí-lo?
Resposta:
A questão do idioma de um OCR está ligada aos caracteres acentuados e demais caracteres especiais típicos de cada idioma. No inglês não existem caracteres especiais nem acentuados (exceto alguns como @, #, $, % &, * e outros que fazem parte da tabela ASCII e estão incluídos nos conjuntos de caracteres de todos os idiomas ocidentais). Você pode portanto utilizar OCR em português para capturar textos em inglês, sem problemas. A recíproca é que não é verdadeira. Um OCR para o idioma inglês, que não possa ser configurado para o português, não reconhecerá os acentos e caracteres especiais de nossa língua. Quando isto ocorre, existe uma solução simples para o problema. Como todos os programas de OCR e todos os scanners modernos são TWAIN compatíveis, qualquer programa de OCR pode operar em conjunto com qualquer modelo de scanner. Se no seu trabalho existir um outro scanner com seu próprio OCR, você pode instalar este programa de OCR no seu computador para operar com o seu scanner, e funcionará perfeitamente. Também pode pedir emprestado o programa de OCR que acompanha o scanner de um colega para usar em conjunto com o seu scanner. Ou se preferir, pode consultar as revendedoras de software para adquirir um OCR avulso.

30) Trocando o OCR em português/espanhol por outro para inglês
Adquiri um scanner TCE com OCR português/espanhol. É possível arranjar esse OCR para o idioma inglês? É comum o grande número de erros quando da utilização de OCR? Existe algum programa OCR mais perfeito para que eu obtenha melhores resultados?
Resposta:
Qualquer programa de OCR, para qualquer idioma, será capaz de reconhecer textos em inglês, já que este idioma não possui acentos nem caracteres lingüísticos especiais, além daqueles que fazer parte da tabela ASCII, comuns a todos os idiomas. O que talvez você não possa conseguir é a exibição de menus e comandos em inglês (File, Open, Edit, etc.). Se quiser menus em inglês, pode utilizar outro OCR que acompanhe o scanner de um amigo, ou outro scanner existente no seu trabalho. Esta compatibilidade universal entre scanners, programas gráficos e OCRs existe graças ao padrão TWAIN. Atualmente, todos os scanners, programas gráficos e OCRs são TWAIN compatíveis. Sendo assim, qualquer scanner pode operar com qualquer OCR e com qualquer programa gráfico, e qualquer programa gráfico ou OCR reconhecem qualquer modelo de scanner.
Para obter melhor taxa de acerto no reconhecimento de caracteres, o texto precisa ficar perfeitamente alinhado (não pode ficar inclinado). O idioma deve ser programado previamente, para que os acentos e caracteres especiais sejam reconhecidos. O scanner deve operar no modo Black/White (1 bit por pixel, também chamado de Line art) e com a resolução de 300 ou 400 DPI (a maioria dos programas exige uma resolução fixa, em geral 300 DPI). Use os comandos de Contrast e Brightness para que a imagem seja captada de tal forma que não fiquem pontos pretos em áreas que deveriam ser brancas, e que não existam falhas em áreas ocupadas pelos caracteres. Consulte ainda meu artigo sobre instalação e uso de scanners, em http://www.laercio.com.br.

31) Novo scanner SCSI funcionará na placa SCSI que já tenho?
Quero comprar um scanner com ligação SCSI, mas antes tenho que ter certeza se minha placa SCSI AHA 2940 Ultra/Wide vai suportar. Na placa existem 3 tipos de ligação, duas internas e uma externa. As duas internas já estão em uso, uma com o disco rígido e outra com o drive de CD-ROM. Caso não seja possível ligar o scanner no conector externo, o que devo fazer? Compro um scanner USB?
Resposta:
Realmente você não pode utilizar simultaneamente os três conectores SCSI. A seqüência de dispositivos SCSI, incluindo a placa controladora, deve sempre formar uma linha. No seu caso, a linha é formada pelos seguintes dispositivos: HD / Controladora / Drive de CD-ROM. Você poderia ligar outros dispositivos no mesmo cabo flat onde está o disco rígido, e outros no mesmo cabo flat onde está o drive de CD-ROM, mas não pode ligar dispositivos no conector externo. Para que este conector externo possa ser usado é preciso que um dos dois conectores internos esteja em uso, caso contrário a cadeia SCSI não formaria uma linha, e sim uma “estrela”.
Uma solução seria comprar um scanner USB, mas eles são muito raros, e você teria poucas escolhas. Melhor ainda é comprar um scanner paralelo. Existem muitos modelos disponíveis no mercado. A baixa taxa de transferência de dados pela porta paralela não seria um incômodo, pois é feita em conjunto com a digitalização, que já é um processo lento. Transferências mais velozes permitidas pelas interfaces SCSI e mesmo USB não tornariam a operação mais rápida devido à própria lentidão da digitalização.

32) Scanner envia imagem diretamente pela Internet
Adquiri um scanner Scan Magic 9636P, o qual apresenta em seu software diversos ícones como digitalização, fotocópias, envio de fax, correio e OCR. Não consigo fazer funcionar o recurso “digitaliza e envia pela Internet”, enviando por correio eletrônico imagens escaneadas.
Resposta:
Com qualquer modelo de scanner é possível digitalizar imagens e enviar por correio eletrônico. Basta escanear a imagem e salvá-la em um arquivo gráfico (JPG, GIF, TIF ou outro formato gráfico qualquer), e depois editar a mensagem e usar o comando Anexos (Attachments) para incluir o arquivo de imagem junto com a mensagem. O seu scanner deve vir acompanhado de um software que faz tudo de uma só vez. Pode ser um comando que digitaliza a imagem e a seguir chama automaticamente o programa de correio eletrônico, ou então incorporar no programa de correio eletrônico um plug-in para comandar a digitalização de imagens. Se você tem dificuldades em inglês, sugiro procurar a ajuda de um colega mais experiente em informática e em inglês. O software que acompanha o seu scanner provavelmente funciona também com outros modelos de scanner, já que a digitalização é sempre feita pelo sistema TWAIN, que consiste em drivers universais que tornam os aplicativos gráficos independentes do modelo do scanner.

33) Problema com scanner: falta de memória
O que significa flatbed.exe não encontrado? Depois que instalei um scanner, meu computador começou a dar mensagem de erro direto alegando falta de memória. É um Pentium 100 com 64 MB de RAM. O que fazer para acabar com este tipo de problema?
Resposta:
Ambos os problemas estão relacionados com o scanner. O arquivo FLATBED.EXE provavelmente é um utilitário que acompanha o scanner. Você deve ter desinstalado indevidamente, ou então apagado este arquivo. Reinstale o software que acompanha o scanner, assim como o seu driver TWAIN, e o problema provavelmente será resolvido. A falta de memória irá ocorrer quando é feita a digitalização de uma imagem que utilize uma resolução muito elevada. O número total de bytes exigidos na transferência de dados durante a digitalização depende do tamanho da figura, da resolução utilizada e do número de bytes por pixel (True Color = 3 bytes por pixel e Grayscale = 1 byte por pixel). Note ainda que se ocorrer um travamento durante a transferência de dados do scanner, uma grande área de memória poderá ficar indevidamente tomada, mesmo se o scanner não estiver mais sendo usado, causando os erros de falta de memória. Repita a instalação do scanner e leve em conta o espaço total exigido em função da resolução, tamanho e número de cores.

34) Xerox com scanner
Na empresa onde trabalho, utilizo um scanner HP Scanjet 5100 C que julgo excelente, pois com ele consegui fazer, entre outras coisas, um ícone na tela do micro somente para fazer cópias xerox, através de atalho da função EXE. Em casa, possuo um scanner Genius ColorPage Vivid +. É possível fazer um ícone exclusivo para cópia xerox com esse modelo?
Resposta:
Este scanner é acompanhado de um utilitário que obtém a imagem do scanner e a envia automaticamente para a impressora. Assim como ocorre com a maioria dos utilitários que acessam scanners, creio que este seja universal, independente do modelo de scanner. Tente instalar, ou mesmo copiar este utilitário já instalado para o computador de sua casa. Ao acessar o scanner, encontrará o modelo da Genius. Como o acesso aos scanners é feito de forma padronizada (driver TWAIN), poderá obter a imagem do seu scanner Genius e transferi-la para a impressora.

35) Reinstalando o scanner
Possuo um scanjet 4C que estava instalado em um computador Pentium 166MMX e recentemente troquei a máquina por um Pentium II 400 e não consigo fazer o computador reconhecer a placa do scanner. O que devo fazer ???
Resposta:
As placas de interface que acompanhavam os scanners vendidos há poucos anos atrás não eram Plug and Play. Portanto, a simples conexão no novo computador não fará com que a mesma seja reconhecida pelo Windows. Você precisará fazer a instalação à moda antiga, indicando manualmente através de jumpers, os endereços de E/S, linha de IRQ e canal de DMA a serem utilizados pela placa. Precisará antes determinar quais desses recursos estão livres, através do Gerenciador de Dispositivos. Consulte no meu site (www.laercio.com.br) os artigos “Instalações sem conflitos de hardware” e “Instalação de scanners”.

36) Scanner x Windows 98
Tenho um scanner Primax modelo Colorado Direct que funcionava perfeitamente em um Pentium-133 com Windows 95. Quando troquei para um Celeron 333 com Windows 98, o mesmo não funciona. Quando aperto o botão que ativa o programa do scanner, o Windows exibe uma janela com o seguinte erro: Scanner não detectado, verifique se a porta EPP está ativa, verifique se o scanner está ligado, verifique se o cabo está conectado à saída de impressora.
Todos os itens estão OK. O que mais posso fazer? Será que o driver não é compatível com o Windows 98?
Resposta:
Você precisará instalar novamente o seu scanner neste novo computador. Experimente configurar a porta paralela como EPP, depois como ECP e finalmente como SPP. Para fazer cada uma dessas configurações, faça o seguinte: no Gerenciador de Dispositivos, remova a porta paralela. Depois reinicie o computador, entrando no Setup e configurando o modo de funcionamento da porta paralela, na seção Integrated Peripherals. Salve o Setup e reinicie o computador. O Windows 98 detectará o novo modo da porta paralela (comece com ECP). Faça então a instalação do software do scanner e verifique se está funcionando. Caso não funcione, repita o processo com os modos EPP e SPP.

37) Outro scanner que não funciona no Windows 98
Possuo um scanner HP Scanjet 5p que funcionava no meu PC com o Windows 95. Adquiri um novo micro com Windows 98 e agora ao tentar instalar o scanner, o software de digitalização fornecido pela HP junto com o scanner não é aceito pelo Windows 98. Como devo proceder?
Resposta:
Como assim “não foi aceito”? Instalou mas não funcionou, travou ou coisa parecida? É preciso explicar mais detalhadamente o problema para que eu possa dar uma resposta mais próxima da solução. Pode ter ocorrido simplesmente uma incompatibilidade do software do scanner com o Windows 98. É preciso saber então que existem dois softwares. Um é o driver TWAIN, que é específico para o scanner, e é o responsável pela digitalização. O outro software é normalmente um editor gráfico que pode ser usado para “chamar” o scanner para fazer uma digitalização, normalmente através do comando File/Scan ou File/Acquire. Se este é o software que apresentou problemas, você pode utilizar qualquer outro editor gráfico, inclusive o Imaging, acessório da Kodak que acompanha o Windows 98 (Iniciar / Programas / Acessórios / Imaging). Se o problema não está aí, e sim no driver ou no painel de controle para o scanner (onde existem comandos para selecionar a resolução, número de cores, área a ser capturada, etc.), então você precisará instalar um novo driver. Procure no site da HP (www.hp.com) a versão mais recente de driver para este modelo de scanner e faça a sua instalação.
Lembro que o não funcionamento do scanner pode ainda estar relacionado com algum problema de hardware na interface paralela. Use o Gerenciador de Dispositivos para verificar se existem conflitos no uso da IRQ dedicada à porta paralela, normalmente a IRQ7. Utilize também o CMOS Setup para mudar o modo de funcionamento da porta paralela (SPP, EPP, ECP), pois aí pode estar a incompatibilidade.

38) Problemas na captura de vídeo
Tenho uma placa de captura de vídeo Pro-Multimídia de 2 MB que funciona como placa de captura e placa de vídeo. O driver instalado é o OAK VGA (PCI OTI-64-111). O software instalado é o mesmo que vem com a placa (Spitfire Media Center). Com o mesmo consigo gravar BMPs de vídeo capturado, mas não consigo capturar o vídeo propriamente dito. Não consegui informações no fraco site do fabricante, nem com a empresa que me vendeu. Quando tento capturar vídeo, aparece uma mensagem de erro dizendo que nenhum quadro foi capturado conforme as interrupções de sincronização.
Resposta:
Algumas placas de captura de vídeo podem realmente dar dores de cabeça. Já vi casos de placas que funcionavam bem no Windows 3.x e não funcionavam no Windows 9x. Isto é natural, pois o funcionamento do vídeo sob o Windows 9x é completamente diferente do verificado no Windows 3.x. Felizmente o fabricante desta placa (Orchid Vidiola Premium) colocou no seu site os passos para a instalação correta no Windows 95.
Os problemas de sincronização provavelmente são causados por conflito de IRQ, e são típicos em placas de captura de vídeo. O chip digitalizador de vídeo preenche o buffer de captura a partir do sinal de vídeo recebido, e ao completar uma tela, gera uma interrupção para que o processador leia o conteúdo deste buffer. Isto é necessário porque na captura de vídeo é preciso gera um número constante de quadros por segundo. As interrupções de sincronização não estão ocorrendo, ou então ocorrem de forma errática. Talvez as interrupções da placa de vídeo estejam em conflito com as de outra placa. Sugiro a leitura do meu artigo “Instalações sem conflitos de hardware”, na área de artigos deste site. Verifique ainda se no CMOS Setup do seu PC existe a opção “Reserve IRQ for VGA”. Se existir, deixe esta opção habilitada.